sábado, 13 de dezembro de 2014

O dia em que desovei a Isabel


O parto é o talvez o momento mais temido pelas mulheres. Nunca tinha pensado muito nisso, mas quando estava grávida adorava ouvir histórias de partos, desde que não me contassem que a criança teve de ser novamente empurrada para dentro e que tinham levado pontos até ao pescoço e coisas levezinhas do género. Adorava ver vídeos no Youtube de gente a desovar. Não sei bem o que desceu em mim, mas eu achava aquilo lindo, emocionava-me e não sentia medo nenhum. Queria estar ali, no lugar daquelas mulheres.

E no dia 15 de março, esse dia chegou. Lá fora estava um lindo dia de sol. Estava grávida de 39 semanas e três dias. Acordei cedo, fui lavar roupas da Isabel, estava a passar a ferro e senti algo diferente. Seria ruptura da bolsa? 

- “David, acho que me rebentaram as águas!”
- “E posso dormir só mais um bocadinho?”, ouvi da boca do pai da criança.
- “Podes, então não podes… seu preguiçoso insensível!” 

Incrível como eles absorvem só o que lhes interessa das aulas de preparação para o parto… Pelo sim pelo não, obriguei-o a levantar-se e fomos ao hospital. Parecia falso alarme. Mandaram-me caminhar e voltar lá uma hora depois. E lá fui eu, toda descontraída dar uma voltinha ao Colombo, com a pulseirinha do Hospital. 

Afinal estava mesmo a perder líquido, ia ficar internada. A Isabel vinha a caminho. Eram 13h30. Até às 02h48 do dia seguinte ficámos à espera da Isabel. Não posso dizer que tenham sido horas de sofrimento, porque adorei aquele dia. Para mim, foi um parto humanizado, mesmo sendo num hospital privado. O David estava ao meu lado, as enfermeiras eram óptimas conversadoras e muito gentis, e acho, pelo menos à distância, que o tempo passou bem rápido. Quer dizer, até ao momento daquelas contrações. Aquelas… Ai! Mas eu queria continuar na bola de pilates a acelerar a dilatação, por isso adiei a epidural ao máximo. 

Chegou a um momento em que não dava mais. Pensei “isto não é suportável!”. O David massajava-me as costas para que eu me distraísse da dor. “Chega, não consigo mais!” Pensei nas heroínas que aguentam tudo, até ao fim. Eu quis a epidural. Na televisão estava a dar o estoril-marítimo e demos algumas gargalhadas à conta disso. Epidural e todo o conforto do mundo, até passei pelas brasas. A espera, mas nunca o medo. Inspira, expira, inspira, expira. As dores a tornarem-se insuportáveis outra vez. Hora do reforço da epidural. Sede, tanta sede e tanta vontade de conhecer a Isabel. Nunca mais vinha. Aí sim, lembro-me do tempo ter abrandado. 

A nossa médica chegou, acabada de chegar da Alemanha. Por SMS disse-me “vou fazer o seu parto”. Quase chorei de emoção. Ela era obstetra com que sempre tinha sonhado para aquele momento. Calma, doce, de sorriso fácil. A deixar-me tranquila, sempre. Nunca duvidei dela, nunca. Eu dizia piadas e estava bem disposta. O ambiente era calmo, repleto de risos. As enfermeiras eram de uma alegria, entrega e dedicação que nunca esquecerei. 

Eu estava pronta. No caminho para a sala de partos, respirei fundo e pensei na sorte que tinha. Pedi para que tudo corresse bem. Foram 10 minutos, não mais. Tivemos a ajuda da ventosa, mas nada disso me assustou. Entreguei-me nas mãos da médica que 8 meses antes me tinha anunciado, numa consulta de rotina, "está grávida!". A primeira pessoa que soube que eu ia ser mãe e me viu chorar de alegria, no dia 29 de julho. Tinha a Isabel apenas 7 semanas e tanto podia ser Isabel, como Sofia, como Pedro. 

Vinha aí, agora é que era. O pai da Isabel ao meu lado e o milagre a acontecer. Eram 02h48. Senti um corpo quente e irrequieto em cima do meu corpo. Era a minha filha. Massajaram-na, chorou. Nunca esquecerei o primeiro choro. Ri-me, ri-me muito, descontroladamente. Eu que sempre fui chorona, naquele momento tive um ataque de riso. Uma adrenalina como nunca tinha sentido. Puseram-na junto a mim, no peito, estava a chorar e acalmou com o som da minha voz. Arrepiante. Emocionante. Inesquecível. Fiquei com o rosto com marcas de sangue de tanto a beijar. 

3,680kg, tudo perfeito. Prontas para ir para o quarto, fizemos o trajecto juntas, foi a mamar e ficámos a olhar uma para a outra, a conhecermo-nos. Já no quarto, o pai pegou-a ao colo. Ali sim, chorei, chorei muito. Que momento lindo! O pai, o meu amor, com a Isabel nos braços. Os meus grandes amores.




E o vosso parto, como foi? Contem-nos tudo!

13 comentários:

  1. lindo Joana! Adorei ler! O meu parto não foi o que eu mais desejei, mas dentro do possível correu bem. Já não me lembro das dores, lembro-me sim a cada segundo o quanto é maravilhosa a minha filha e como adoro ser mãe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu foi ainda melhor do que esperava, é verdade, mas o dia seguinte, por exemplo, não foi assim tão bom: desmaiei três vezes e acabou por ser o David a dar banhinho, a mudar as fraldas, etc. A verdade é que nós filtramos muito bem o que nos interessa reter do que não vale a pena cá ficar. :) e sim, ser mãe é maravilhoso!

      Eliminar
  2. Que lindo Joana!!! Maravilhoso mesmo! E tudo a ver contigo :) Ainda bem que foi tudo com que sonhaste! Já o meu tudo menos romântico, mas um dia eu conto!

    ResponderEliminar
  3. O meu foi a 3 meses de cesariana,sim a temível,mas para mim foi excelente tudo correu tão bem mesmo o pós operatório que dizem ser terrível,só me custou o dia seguinte,que mesmo estando um pouco mais debilitada assisti ao banho,filmei,tudo a que tinha direito...o que me custou mais foram as visitas como tive no privado e ela nasceu num sábado, no domingo foi muita gente ufaaa nunca mais permito tal coisa

    ResponderEliminar
  4. O meu parto foi mil vez melhor que aquilo que algum dia imaginei. A Maria Leonor nasceu no dia 04 de março às 16h49, desde a primeira consulta que a médica me disse "Ana o parto está previsto para dia 04 que é quando completa as 40 semanas", e a miúda muito certinha veio ao mundo nesse dia. Nessa manhã as contracções eram semelhantes a um filme de terror, mas fiz-me de forte, andei pela casa, e já quando não aguentava mais fui ter com o Papá, "Henrique estou com muitas contracções, mas, escusado será de dizer que não quero ir para a maternidade, portanto, vou tomar banho". Hoje rio-me às gargalhadas e ele também, mas na altura o medo , o pânico era tanto que nem pensei no que estava a dizer. Fomos para a maternidade, aguentei até à última só depois é que levei a epidural, maravilha ! Subi ao paraíso naquele momento. Passado algum tempo desci ao inferno e levei o reforço. 30 minutos depois a enfermeira diz-me "Mãe, as águas rebentaram, está na hora". "Como assim? Como assim está na hora? Não! Não está a perceber eu tenho 22 anos, sou terapeuta da fala, tenho pacientes, tenho muita coisa para gerir e não estou preparada". Valeu-me a calma da enfermeira que olhou para mim e disse "Vá, não custa nada, é só respirar e já está" . HENRIQUE !!!! Faz alguma coisa ! Pobre Homem que esteve o dia todo a segurar-me a mão, a meter músicas e a tentar distrair-me enquanto lhe apertava a mão e resmungava com tudo. Verdade seja dita, que assim que iniciaram o trabalho de parto foram uns 20 minutos e já tinha a Leonor em cima de mim. Não ri, não chorei. Fiquei bloqueada. Tinha acabado de ser Mãe e só pensava " Eu quero água, eu vou morrer de sede ". Quando trouxeram a Maria Leonor, aí sim senti um frio na barriga, tão linda, tão perfeita, tão pequenina, 49 centímetros e 3,180 gramas. Tive uma equipa extraordinária a apoiar-me e ajudar-me, um namorado maravilhoso, consegui reunir todos os ingredientes para que fosse um parto bem sucedido.Obrigada miúda por me teres facilitado a vida. <3

    ResponderEliminar
  5. Os meus partos foram os que todas desejariam ter!
    O Francisco nasceu na Holanda,faz 16 anos no dia 20 de Dezembro,tudo natural sem epidural,sem soro,e pontos nada,nasceu a um domingo e no dia seguinte fomos para casa.A Maria Rita nasceu a 24/10/2013 em Beja,cheguei ao hospital com 5 cm de delitaçao às 11h,levei epidural e às 14:34 nasceu mais uma vez um parto muito fácil e sem pontos.Em Maio nasce o Manuel espero ter a sorte dos anteriores partos.

    ResponderEliminar
  6. Queres mesmo que conte? Podia resumir isto dizendo que foi com ventosa (3 ventosas foram usadas), apanhei uma estagiária, estive 3 dias de epidural espetada nas costas à espera da dilatação, foi tudo menos humanizado, mas eu e a Lara ficámos bem. O que me valeu foi mesmo o sentido de humor, que não me largava nem quando estava sozinha, de noite, na cama do hospital e via mulheres a despacharem-se com 3 grito e eu ali há 3 dias... Como a história é mesmo grande e só posso escrever 4000 caracteres aqui, deixo o link: vhttp://www.vinilepurpurina.com/2015/07/09/o-meu-parto-por-ventosa/

    ResponderEliminar
  7. Porque é que quem aguenta tudo sem epidural e heroína? Para mim, é masoquista :) ninguém tira um dente sem anestesia, certo? Porque sofrer se a ciência nos ajuda... Isto de endeusar as adeptas do parto natural face às restantes é algo que me faz confusão...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, para mim, quem não quer, quem não pode e quem quer mas já não vai a tempo de levar, ou casos em que não há sequer anestesista disponível... qualquer um dos casos, são heroínas para mim. Dava todo um novo post. E, fica já com a minha opinião, para mim não me faz confusão nenhuma a escolha de não levar epidural. E sim, continuo a ficar boquiaberta com a força dessas mulheres. Não quer dizer que me sinta menos mulher ou menos mãe por não querer sofrer as dores naturais do parto.

      Eliminar
  8. Também não tenho nada contra, claro. É uma escolha de cada uma. Como poderia ser contra algo que não me diz respeito e não prejudica ninguém? Mas para mim, herói e quem sofre por algo que vale a pena, não quem sofre por opção... Como não considero heróis quem sofre para ir a Fátima a pé. Penso que deus, existindo, seria melhor servido por algum acto com utilidade pratica, de ajuda ao próximo... Mas claro e só e apenas a minha opinião...

    ResponderEliminar
  9. Óbvio que o meu comentário so faz sentido para recusas, havendo opção... Todos os outros casos que referiu, não se enquadram aqui. Quem queria epidural e não teve, além de heroínas, são vítimas do nosso distem de saúde, no qual cada vez menos se pode confiar...

    ResponderEliminar
  10. Eu nao esperava que o meu fosse como foi... eu tinha pavor daquele momento... e no final pensei "venha o proximo, estou pronta para outro"... estive em casa com contracoes desde as 03h00 ate as 07h00, por volta das 05h00 ligo para a maternidade e dizem me que ainda era cedo para ir, pois tinha contracoes de 10 em 10 mimutos e tinha que esperar ate que as contracoes fossem de 5 em 5 minutos mas teriam de ser assim durante 2horas... cheguei a maternidade por volta das 07h30 ja com 7cm de dilatação, so me diziam para eu respirar como tinha aprendido nas sessoes de preparação para o parto, tretas, eu nao conseguia com tantas dores, eu so dizia que ia morrer, mas depois da epidural tudo mudou o meu namorado diz que a minha cara mudou completamente... depois disso so esperamos ate as 09h57 para conhecer a nossa princesa... mas antes de ir para a maternidade oiço da boca do meu namorado "nao é nada é so para a semana" quando lhe disse é hoje que a mathilde vai nascer...
    Tania

    ResponderEliminar
  11. "- Luís, acho que me rebentaram as águas!
    - Deita-te que isso passa."
    :)

    50kms depois, em plena ponte da Arrábida em hora de ponta, eu estava com contracções de 5 em 5 minutos e dizia 'talvez fosse melhor ligares as luzes de emergência, que isto está a ficar complicado.' Ele estava preocupado em mudar a estação de rádio.
    (e continuou neste 'blasé', até ser chamado para fazer a minha ficha na maternidade, porque eu já estava sem condições! Aí nem o meu nome completo sabia!)

    Moral da história: a A Mãe é que sabe!!! :D

    ResponderEliminar