segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Afinal havia outra (#08) - Viver no campo ou o elogio das coisas simples

Lá fora, nos dias quentes cheira a flores e a alfazema; nos frios, a terra molhada. E a chaminé dos vizinhos não cheira a fumo, mas a pão quente. Cá dentro, as tábuas de madeira rangem como quem se queixa da idade e o teto não é baixo, mas aconchegante. 


A primeira vez que a Maria Rita entrou na nossa casa ainda morava na minha barriga. Com uma noção espetacular de timming, achámos que bom bom era fazer a mudança com uma recém-nascida nos braços. No dia em que ela nasceu, o pai trouxe os avós e os tios a conhecerem a casa e eu, que sou dada a atribuir significados especiais às coisas, achei que isso ia dar sorte – vá-se lá saber porquê!  
Tinha apenas uma semana de vida quando a trouxemos cá. Lembro-me de olhar para ela, toda enroscadinha no sling, enquanto esperava que nos abrissem a porta, e de não saber se aquela sensação quentinha vinha do corpo dela colado ao meu, ou do coração, que transbordava de coisas boas.
Quando me perguntam sobre como é viver numa aldeia normalmente digo só que adoro, porque na verdade apetecia-me fazer poesia – soubesse eu fazer poesia! – sobre isso. Eu gosto de tudo. Tudo. E para mim os defeitos nas ombreiras das portas ou nas esquinas da parede não são imperfeições, são traços de personalidade. 

A nossa casa não tem número, tem nome. E eu acho que isso lhe dá mais alma – mesmo que se chame “Casa da Mó” e mó nem vê-la! Na verdade, na parede lê-se “Cãsã dã Mó”, mas isso é porque os outros donos tiveram preguiça de esperar pelos azulejos dos “A” normais e compraram com til…
Aqui, aprendi que a felicidade não é algo abstrato que paira no ar ou que habita os nossos desejos. Ela está nas coisas mais simples, em momentos específicos do dia-a-dia. Quando as minhas filhas correm caminho fora até casa dos vizinhos sinto uma felicidade imensa por toda esta liberdade, por terem espaço para crescer... com espaço. Por saber que toda a gente aqui lhes quer bem. A Avó ‘Melita, o Ti’ Toino, a Ti’ Margarida. Todos. Uma família que nos foi dada como um prémio na raspadinha: não fizemos nada, tivemos só sorte – muita sorte - e eles estão aqui para nós.
Ou até quando o portão da vizinha fica aberto para podermos ir até lá com as miúdas, porque elas adoram apanhar laranjas e limões e espreitar as galinhas. É como se tudo fosse um bocadinho nosso. As próprias hortas acabam por ser também um bocadinho nossas, porque os legumes e as frutas vão aparecendo à nossa porta, consoante o que a terra dá. E nós também deixamos o portão aberto, para um café, para uma conversa, para verem as miúdas e saberem que estão melhores da constipação.   


E é tudo bonito e perfeito? “Mães que sabem”, esta que vos escreve nasceu e cresceu em Lisboa e contava os dias para ir de férias para a “terra”, para fugir da cidade. E se há sonhos que estão tão longe de se tornar realidade, porque é que não agarramos com as duas mãos aqueles que só dependem de nós? A nossa casa custou o mesmo que um T2 nos arredores de Lisboa. Depois, claro, há as portagens, a gasolina e o saber que não levo menos de 35 minutos a chegar a casa. Mas para mim, compensa cada minuto e cada cêntimo. Porque no final do dia regresso a casa, ao sítio onde somos mais família, ao sonho que um dia tivemos, ao chão que range e ao teto que aconchega.

Catarina Raminhos, mãe da Maria Rita e da Maria Inês

9 comentários:

  1. Catarina fiquei com os olhos em lágrimas... É realmente uma sorte e um orgulho pertencer a esta grande família da Cachouca!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  2. epá este hoje foi muito emotivo.... Vai lá vai. Jokinhas

    ResponderEliminar
  3. Todas as crianças deviam ter a oportunidade que estão a dar às vossas Marias! Eu já adorava a vossa casinha, mas depois deste texto tenho de perguntar: no futuro aceitam receber os meus filhos no Verão?!?! Beijinhos e obrigada por este momento de paz a meio do dia de trabalho!

    ResponderEliminar
  4. A ler e a pensar que nós não conseguimos e fico assim com uma "inveja"... estamos neste momento a fazer o caminho inverso, daí para Lisboa novamente, porque ambos trabalhamos em Lisbo e como tal os miúdos sempre tiveram que andar nas escolas também em Lisboa, porque os nossos horários não nos permitem conseguir deixar, nem ir buscar os miúdos a horas "normais" aí na zona. Agora que o mais velho já está no 1º Ciclo a coisa começou a apertar, e esses 35 minutos ao final do dia, ainda são preciosos e precisava mesmo deles. Para nós um casal com dois filhos pequenos e com horários das 9:00 às 18:30, é muito complicado, muito desgaste, para além de que como os miúdos ai não têm quaisquer raizes, porque mesmo quando tentamos programas aí ao fim de semana todos os amiguinhos são de Lisboa, a coisa complica muito. Tenho muita muita pena de deixar a minha casa de deixar a zona que adoramos e que pensamos que seria o melhor, mas ao final de 10 anos, achamos que não é a melhor vida para eles todo este vai e vem :(

    ResponderEliminar
  5. Adorei! Por aqui é parecido que também vivemos numa aldeia e é uma delicia. :-)

    ResponderEliminar
  6. Também vivi numa aldeia perto de Lisboa, mas ninguém me vem por coisas à porta! Que pena! Mas adoro morar no campo ;)

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito porque vos conheço e porque a escolinha do meu pequeno é a mesma da Maria Rita e pq o meu sentimento é o mesmo...de paz, sossego, tranquilidade.Tenho a sorte de trabalhar na zona e isso torna tudo mais prático.não trocava a minha casinha na aldeia por o melhor andar em Cascais ou Lisboa, acreditem.

    ResponderEliminar
  8. é a esposa do Raminhos e as filhas =D adoroooo sao tao fofaaaas

    ResponderEliminar