quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Caiu da cama!

Caiu da cama. Não demorei sequer vinte segundos e ela caiu da cama.


Tinha cinco ou seis meses. Deixei-a lá, no meio da cama, de barriga para cima, porque "ela ainda não rebola" e, afinal, rebolou. Alguma vez é a primeira. Foi dessa vez. Fui à casa de banho a correr (literalmente) buscar a escova porque "é aqui mesmo ao lado" e ouvi um estrondo abafado. Senti. Percebi nesse momento que a Isabel tinha acabado de cair da minha cama. Silêncio. Pareceram-me horas. Chora, chora, pedi, enquanto corria para lá. Chorou. Chorou muito. Eu chorei mais ainda. Agarrei nela, beijei-a, pedi-lhe desculpa e fui à procura de sangue na cabeça. Ou de um inchaço. Nada. Passei-lhe a mão uma e mais uma vez. Chorei. Ela parou de chorar. Beijei-a na cara e ela sorriu. A culpa. "Tens uma mãe tão estúpida e ainda me sorris, filha? Não mereço. Zanga-te! Não mereço."

Liguei ao David. "O que faço? Vou ao Hospital?" "Se ela te parece bem, não vale a pena. Vigia."
Quis vigiá-la. Quis tudo menos levá-la à creche. Pedi que me avisassem caso ela vomitasse ou ficasse sonolenta. Passei o dia todo mal-disposta. Como podia ter cometido um erro tão grande? Se sabia que podia acontecer, por que é que não preveni? 

Quando a fui buscar e ela me sorriu, prometi a mim mesma que nunca mais ia ser uma mãe desnaturada. 

Nem um mês depois, sentei-a no sofá para conseguir estender o tapete no chão. Fiquei à altura dela para ter um reflexo rápido caso ela se armasse em Kamikaze. Foram dois segundos, não fui a tempo. Caiu. Em cima do tapete, mas caiu. Chorei. Fiquei doente. Duas vezes? A primeira ainda foi um erro de principiante, completamente escusado mas quem nunca errou que atire a primeira pedra. Agora uma segunda vez?... Onde é que eu estava com a cabeça?

Entretanto, ela já caiu mais vezes. Mas por ela. Distâncias mais curtas ou porque se queria meter em pé ou porque estava em pé e se queria sentar. Sem que eu a pudesse ajudar. Mas aí caiu sozinha, sem que eu sentisse o peso da responsabilidade. Porque faz parte e nem sempre estamos lá para a aparar todas as quedas.

Agora quedas da cama e do sofá? Escusadas, completamente escusadas.

Que este texto, recém-mamãs, vos seja útil. Não vacilar. Não dar hipótese. Neste caso acabou por correu bem, mas podia ter corrido muito pior.

4 comentários:

  1. Nunca me aconteceu. Mas um dia, tinha a pipoca começado a andar há poucos dias, deixei-a sentada no chão do meu quarto e fui tomar o bom do comprimido para as alergias. Foram 2 segundos. Quando voltei ao quarto estava ela deitada em cima da minha cama, de comando da tv na mão. Fiquei sem saber se devia rir, pela independência, ou chorar, pelo que podia ter acontecido.

    ResponderEliminar
  2. Aconteceu-me o mesmo! 9 meses acabaditos de fazer e pumba! e só desviei o olhar! fiquei para morrer :( só não chorei porque tinha lá a minha tia! estava eu, o meu marido e a minha tia e já só a vimos no chão! uma amiga que foi à minha casa logo perto da Bia nascer, disse-me "ah tem cuidado porque quando menos esperares ela vai cair! dizem que todos os bebés caiem nem que seja só uma vez!" , a pediatra igual... "não vos quero ver nas urgências todos preocupados porque a menina caiu como a maioria dos pais! sim porque os bebés rebolam e caiem!" com o passar do tempo pensei... "bem, afinal nem todos!" conclusão, bem dito bem feito! a minha tia lá me acalmou e disse-me que eu também tinha caído, o filho dela também e outros episódios semelhantes! liguei à minha mãe com super remorsos e ela no fim disse que os antigos diziam que "ao menino e ao borracho põe Nossa Senhora a mão por baixo!" e se formos a ver às quedas que alguns dão deve ser mesmo verdade :)

    ResponderEliminar
  3. Oh isso acontece com mais frequencia do que se espera..não é caso de idas para o hospital a não ser em caso de sonolência ou de vomito..na maioria das vezes não é que eles "sabem" cair..?e também depende da altura!a minha mais velha caiu da cama da minha mãe e não lhe aconteceu nada demais..foi mais o susto para nós que outra coisa!eles tem essa tendencia kamikaze para medir as distancias..é como aquela brincadeira que todos eles gostam de atirar os bonecos para o chão seja da cama seja da cadeira de comer..eu ás minhas ensinei-as a descer do sofa sempre de costas..porque a primeira quis descer uma vez de cabeça..também ensinei a mais velha a subir as arvores e as paredes de escalada..mais vale ensinar do que nao ensinar e depois eles tentarem e magoarem-se!

    ResponderEliminar
  4. O Duarte caiu anteontem. A avo deixou a grade para baixo, mas com a cama dele encostada à dela. Resultado saltou a cama dele para a da avó e depois chão. Tem o nariz marcado com hematomas interiores que estão a bloquear uma narina, respira mal :-( mãe sofre...todo o cuidado é pouco.

    ResponderEliminar