quarta-feira, 4 de março de 2015

Odeio! Odeio dar-lhe de comer!

Estive em negação muito tempo. Não queria mesmo admitir, nem a mim mesma porque achava que era de "má mãe" - tenho muito isso. A verdade é que odiava dar-lhe de comer. Não sei se será um fenómeno normal entre mamãs que gostam muito de dar mama, mas achava tudo muito pouco prático. 

Além de que a miúda fechava a boca quando não queria comer ou por graça, não sei. Eu desesperava. Dava-lhe brinquedos para a mão. Sempre tive aquela ideia do "tem de comer a sopa toda" e media a sopa que punha em cada tupperware dela. Depois tive uma epifania e tentei relaxar. Epifania graças ao meu marido, vá. Não quer comer, não come. Se calhar não tem fome. Se calhar não gosta. Se calhar tem muito sono. Porquê impingir? Como já disse num post também sobre comida e/ou sono: os bebés são pessoas. Lá por não comerem não quer dizer que nos estejam a desafiar. Simplesmente não querem comer. Nós é que lidamos mal com isso e "amuamos". 

Deu para relaxar. Deu para pensar em dar-lhe mais livros que ela constantemente atirava para o chão. Ficava ainda mais enervada. Não comia a sopa por gozo. Borrifei-me para as quantidades e compensava com mama. Quando me comecei a borrifar as coisas começaram a correr melhor. Passei a divertir-me e ela também. Ah! Tirei-lhe também o tabuleiro da cadeira e juntei-a à nossa mesa.  Assim as coisas que usamos para "brincar" já não caiem tanto. 

Comecei a ter vontade de cozinhar melhor, de fazer experiências de lhe dar mais coisas para a mão, de fazer as receitas do livro para bebés e, de repente, tenho uma bebé que come muito bem. Não, nem sempre, mas já não conto essas vezes. Não come agora, come depois. Para quê stressar? 

Um truque que já reparei que resulta é não lhes enchermos o estômago todo com a mesma comida. Vamos variando: come a sopa até querer, depois damos-lhes carne picada e arroz e depois pêra. A brincar a brincar até deve ter comido mais que o costume, do que se só tivesse oferecido um prato. 

Agora adoro dar-lhe de comer. Adoro. Adoro cozinhar para ela. Preparar o pratinho. Dançar com ela, fazer truques de magia (que incluem amachucar um guardanapo de papel e dizer que é  um peru), etc.

É mais um momento de amor, não é como a mama, mas é mais ou menos. 

Fotos tiradas pelo meu marido! ;) Tão querido! 

Ah! Se o meu texto vos parecer um bocadinho nervoso, a forma como eu lidava antes com a alimentação dela é porque sou ansiosinha e tal piora com coisas da Irene, claro. Estou a curar-me com ela aos poucos. A aprender. Espero que vocês também. 





7 comentários:

  1. Obrigada Joana! Ajudou-me a entender a Lia e a descomplicar. :)

    ResponderEliminar
  2. Acho que todas nós passamos um pouco por esta fase. O meu filho foi um castigo para começar a habituar-se a comer sólidos mamou exclusivamente até aos 6 meses e picos. Foi um grande stress passei uma semana de madrugada com fortes dores de estômago acho que derivado dos nervos. Agora come lindamente. Estes últimos 2 meses teve uma fase muito má talvez derivado a andar meio adoentado, apenas deitava a comida fora e eu a empurrar algumas vezes nada e eu a stressar gritava com ele chorava, etc. agora voltou ao normal :) Por isso é normal teres esse sentimento. :)

    ResponderEliminar
  3. Eu estou quase a começar as sopas e já só imagino cenários de terror!!espero conseguir descomplicar até lá!!

    ResponderEliminar
  4. Concordo plenamente! Tenho a mesma atitude com a minha fofi e ela come bem e pede muitas vezes papinha!

    ResponderEliminar
  5. A Irene tem uns olhos lindos! Eu tenho dois completamente diferentes no que se refere a comer. Ela mais difícil e mais esquesita, ele come de tudo e praticamente sozinho. Ela vai fazer 4 e ele 2!

    ResponderEliminar
  6. A Irene tem uns olhos lindos! Eu tenho dois completamente diferentes no que se refere a comer. Ela mais difícil e mais esquesita, ele come de tudo e praticamente sozinho. Ela vai fazer 4 e ele 2!

    ResponderEliminar
  7. A tua filha é tããããão gira :)

    ResponderEliminar