domingo, 7 de junho de 2015

Punham o vosso bebé a dormir dentro de uma caixa?

Começo por agradecer à Dalila o e-mail muito muito querido que nos enviou no outro dia (se calhar já passou imenso tempo, desculpa, Dalila).



Já tinha apanhado esta notícia na net.  Resumidamente, a Finlândia tinha uma taxa de mortalidade infantil muito elevada (são todas elevadas, não é, basta existirem, mas...)  há umas dezenas de anos e, por isso, o governo decidiu entregar uma caixa de papelão (que servirá de berço para os bebés, se os pais assim desejarem) e outros essenciais como colchão, roupa unissexo, etc. Essa caixa é de graça e é entregue a todos os pais, sejam eles ricos ou não, aquando do nascimento do bebé. 

Sendo eu a favor de coisas de graça, claro que adoro a ideia. Acho que, acima de tudo, além de ajudar pais com maiores dificuldades económicas, ajuda também a desligar o complicometro. Aquela caixa diz: o vosso bebé pode dormir nesta caixa de papelão. E isso é um facto: pode. Sendo que, ainda por cima, é um país frio, claro que pode. 

Agora, onde é que ele deveria dormir? Muitas teorias, mas eu tornei-me adepta da teoria do co-sleeping (apesar de nunca ter praticado, a Irene nem nunca chegou a dormir mais do que uma noite no nosso quarto, só para que tenham noção). O bebé, ainda para mais nos primeiros três meses, deve estar em máximo contacto com a mãe. Aquilo a que se chama de cólicas são, muitas vezes, consequências do nosso "abandono". Eu lembro-me que, às vezes, deixava a Irene acordada no berço no quarto dela enquanto eu e o pai estávamos a ver televisão. Ela não fazia barulho, portanto, tanto dava, certo? Não. Ela estaria muito melhor comigo, ao meu colo e eu com ela. Precisávamos uma da outra. Só vim a descobrir isso depois, apesar do meu instinto me dizer que aquilo que estava a fazer não me parecia 100% certo. 

Acho giro. Acho óptimo. Espero que não dêem chuchas e leite artificial (claro que tinha de vir a salvaguarda) como ofertas para estes primeiros tempos, mas acho giro. E bom.

Complicamos muito, não complicamos? 

Acho que a maior parte dos "problemas" que temos por resolver no início da maternidade é pelas coisas terem sido complicadas, desnecessariamente, ao longo dos tempos. 

1 comentário:

  1. Concordo! Complica-se tanto, quando o mais simples de fazer é o melhor para o bebé e para nós ;) Eu gostava de ter o meu filhote sempre junto a mim, e isto inclui o bom do colo, muito colo (graças ao belo do pano, tinha-o sempre junto a mim e conseguia fazer tarefas da casa), mesmo ouvindo os "belos" dos comentários que muito colo é mau e blablabla...borrifei-me para isso! O nosso bebé precisa do nosso amor, do nosso calor, de nos sentir :)
    Joana, num próximo aposto que já vai ter lugar reservado no vosso quarto :P

    ResponderEliminar