sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Esta sou eu.

Esta sou eu. Que disparate, esta não sou eu, eu sou mais do que isto. Este é o meu corpo, é mais por aqui. Nem sempre fui assim. Não vou ficar para sempre assim. Já estive mais magra. Já estive mais gorda. Já tive menos banhas, já tive mais. Já tive mais peso, já tive menos. Se gostava de estar mais elegante? Gostava. Se podia estar mais musculada, com menos massa gorda, mais saudável? Podia. 

Mas resolvi tentar gostar de mim assim. Com peso "acima" do ideal, segundo os índices de massa corporal, com alguma celulite, com algumas estrias, com flacidez, com falhas no cabelo, com umas madeixas terríveis, com escoliose, sem cintura, com dentes assim e assado, com mamas pequenas e descaídas, com braços em forma de bacalhau, com unhas que encravam, com manchas na cara e borbulhas, que as imagens não revelam, por estarem longe demais.

Tenho de aprender a gostar. Sou eu. Com pouco tempo para ir ao ginásio, com vontade de aproveitar todo o (pouco) tempo que tenho com a minha filha. Sou eu, com preguiça, assumo. Se não fosse mãe, provavelmente arranjaria outras desculpas.

Olhei para estas fotografias e fiz um exercício: tentei valorizar as coisas boas em vez de só olhar para o que está mal. Vi o meu lado parvo e gozão, claramente, na primeira fotografia. Mas vi muito mais do que isso. Vi que aquilo que o meu espelho mostra diariamente está subvalorizado. Vi que a minha auto-censura diária tem de acabar. A minha exigência com o meu corpo, com o meu aspecto, tem de parar. Estou bem assim. Tenho de aprender a gostar de mim.

Muitos anos de pouca auto-estima, de recusa em vestir calções e saias, de chegar a chorar com uns calções vestidos, num provador... anos e anos de uma voz demasiado crítica, são difíceis de combater. Estou a fazer um esforço. Por mim, pela minha filha também. Quero ensiná-la a gostar dela.

Gostem de vocês. Aprendam a gostar. A imagem de nós próprias está longe de ser aquilo que os outros vêem. Não sei se viram este vídeo da Dove, mas têm de ver. É lindo.


Sim, achei oportuno levar os óculos para o mar, mas é só porque nem reparei que os tinha postos. Afeiçoei-me a eles são Polaroid Eyewear, giros, não são? Vá, olhem lá para eles, só um bocadinho que já estou com vergonha de me estarem a ver de bikini nesta foto há demasiado tempo. 
 


Juro que não estava a fazer xixi aqui. Juro. :)

Tenho tanto jeito para isto das poses que parece que estava a cheirar o sovaco. Mas não, estava supostamente a rodopiar.

16 comentários:

  1. Não sei o que tu vês, mas o que eu vejo é uma mãe toda gira e jeitosa! O mais importante é gostarmos de nós e sermos felizes. És um exemplo para todas as mulheres e, claro, para a Isabel.

    ResponderEliminar
  2. É isso mesmo Joana!
    E estás maravilhosa! Eu tenho a cara qud é uma desgraça cheia de manchas que teimam em ficar após cada gravidez, as pernas cheias de derrames parecem de uma senhora de 90 anos... Fico triste sim, mais com isso que com as gorduras e celulite mas vejo os meus dois filhos lindos e saudáveis (em breve 3) e sorrio sempre.
    Depois da bebé nascer logo penso no que posso fazer para melhorar... Até lá tento não me ver muito ao espelho!

    ResponderEliminar
  3. Raramente comento mas é o seguinte:
    - se tivesse o teu rabo e as tuas pernas casava-me (forma de dizer... não casava mas achava que podia);
    - o título de mamas pequenas e descaídas pertence-me... nem em segundo lugar ficas... esse também é meu!

    ResponderEliminar
  4. Está linda e elegante... isto é o que eu vejo de si, Joana. Opiniao sincera de mae para mae. Mas sim, partilho da opiniao que temos uma tendencia estupida para nos criticarmos e chicotearmos constantemente. Seja fisica ou psicologicamente. Eu estou agora numa fase mais de chicote psicologico. Vou voltar ao trabalho e sinto o meu ego de mae... bem no charco! Nunca pensei que fosse tao dificil!

    ResponderEliminar
  5. Costumo seguir o blog, mas nunca tinha comentado.. desta vez tinha de o fazer!

    Esta é precisamente a minha luta. Já tive quase 10Kg a menos, mas também já tive 10Kg a mais..

    P.S. - Ainda hoje só consigo usar calções para ir a praia...

    ResponderEliminar
  6. O que eu vejo é que está toda boazona, é o que vejo. Mesmo que não fosse, gostando de si e sendo feliz, já seria linda de qualquer forma.

    Regina

    ResponderEliminar
  7. Estás fantástica Joana :)

    http://allengirl.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  8. Joana, és uma mulher lindíssima! Casava me contigo! :)

    ResponderEliminar
  9. O que eu vejo e uma mãe toda gira e com um corpo nos "trinques" :)

    ResponderEliminar
  10. Bom! Estou muito orgulhosa de ti babe, é um muito bom passo!

    Claro que sinto o mesmo que tu, estou mais gordinha que o que gostaria e acho que já fui mais gorda, embora pese o mesmo que pesava quando nos conhecemos (o mais rechonchuda que estive na vida) e na altura não me cabiam calças (agora ainda cabem). Mas já ando a aprender há mais tempo a gostar mais do meu corpo e a não me preocupar.

    Só que acho que tem a ver com o viver em Inglaterra. Porque aqui mesmo mais gorda sou jeitosa em comparação com a maioria das inglesas. Tenho rabo, ancas e mamas. Elas têm pernas super esqueléticas e são quadradas ou rendondas no resto. Não têm bons rabos, e ganham barriga (de cerveja) facilmente.

    Depois entras nas lojas e há tamanhos de calças de ganga até ao infinito! E há esses tamanhos para altura de pernas mini, médias e andaime. Aqui o normal é seres um tamanho 10 (40) e eu sou um 12 (42). E sinto-me ligeiramente mais gorda, mas não me sinto um texugo, como quando vou a Portugal. Há sutiens onde as minhas mamas cabem à venda na Primark (vendem copas DD, E, F no tamanho 34 e acima e abaixo) por isso consigo comprar 3 bons sutiens pelo equivalente de 20 euros. E passo na rua e há tanta gente de tanto tamanho e feitio, que simplesmente sinto-me normal.

    Noto o quanto em Portugal é mais difícil não pensar nisso porque olha-se há volta e há demasiada miúda jeitosa que vestem o 38 e muitas vezes o 36. E para mais, a portuguesa é jeitosa (espero que passe a crítica positiva da generalização, mas parece que só é problema quando generalizo em críticas negativas, por isso pode ser que sim - um aparte que me anda a moer).

    Olho para ti e vejo mais do que o teu lado parvo e gozão. Vejo o teu rabo jeitoso, a tua boa anca, a tua altura, os teus braços bonitos e pescoço elegante. Vejo uma barriga fantástica para quem foi mãe há um ano (eu tenho mais barriga que tu e não fui mãe ainda). Vejo um cabelo giríssimo todo ondulado, umas maçãs do rosto lindas de apertar e um sorriso bonito. E melhor do que tudo o resto: vejo a tua felicidade.

    Tens mesmo de parar de te autocriticar e para o próximo texto que escreveres sobre o assunto, não escrevas o negativo. Porque em metade do que escreveste voltaste a autocriticar-te e honestamente discordo de quase tudo - sim as madeixas estão horríveis mas essas não são naturais e facilmente se altera.

    És linda por dentro e por fora. Mas és é parva! Isso às vezes és! :P E ainda bem porque senão não gostava de ti.

    Beijinho enorme oh sereia!
    (Outubro tá quase aíííííííííííííí)
    Millia

    ResponderEliminar
  11. Linda, elegante e sorridente. Quem me dera. Está toda gira

    ResponderEliminar
  12. Bem, preciso do contacto do teu oftalmologista. Caso vá para Lisboa e precise de um, esse não é bom profissional! Ah, onde compraste o espelho? É do senhorio? Faz um investimento e compra um espelho decente!

    ResponderEliminar
  13. Oh Joana! É o exemplo perfeito do video da Dove. Muito mais gira do que pensa! ;)

    ResponderEliminar
  14. Só por esse rabo mereciam par de estalos! E uns beijinhos depois, vá... ;)

    ResponderEliminar