quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Opa... que saudades!

Foi no primeiro dia de 2015 que a Isabel começou a dar uns passinhos agarrada. Tinha 9 meses e meio. Ali, com a ajuda do carrinho dos brinquedos. Encontrei estas fotos e achei um piadão. A tudo: do style da miúda, supé fashion, à expressão de felicidade. 




Depois vi a fotografia em que finalmente ela mostrou o primeiro dentinho (sim, o primeiro foi 9 meses). Uma delícia. Ela estava a sorrir depois de tantos dias internada no hospital. Dias terríveis. Para quem chegou há pouco tempo ao blogue, a Isabel teve uma pneunonia e passámos a semana do Natal no hospital. Depois disso, todos os sorrisos dela nos aqueciam o coração, que passou a viver mais apertado. Com medo. Medo de que se repetisse. Medo de a ver sofrer mais uma vez, medo de a voltar a ouvir respirar mal, a ser picada uma e mais uma vez. Passei a descobrir aquela sensação de impotência, de que não controlamos tudo.


É este o sorriso que me faz viver. É para que ele se mantenha que eu vivo.

E bolas! Um texto que tinha tudo para ser light, já me pôs aqui em lágrimas.

4 comentários:

  1. Joana fui mãe a 4 meses e meio de uma menina linda. Até hoje ela tem estado bem e até tem sido um bebê calmo e tranquilo. Ao ler este post fiquei emocionada e temo pelo dia em que um dia ela irá ficar doente... Deve mesmo ser uma sensação de impotência que nos deixa ainda pior. O saber que a nossa bebê está mal e nós ainda por cima não podermos fazer nada. Beijinhos. Tem uma filha muito bonita.

    ResponderEliminar
  2. Está mesmo super fashion! Um dia se tiver uma menina também quero comprar estas roupinhas maravilhosas!

    ResponderEliminar
  3. Tambem tive o meu filho internado com 1mês e 1mês e uma semana. Foi para esquecer, infeção urinária e bronquiolite tudo de seguida foi uma dor e preocupação muito grandes. Sou enfermeira mas realmente ali somos mães e ver o sofrimento dele tão pequeno partiu me a alma. Felizmente passou e desde ai nunca mais teve nada. Passámos o Ano Novo no Hospital, esse que nunca nos iremos esquecer de certeza.

    ResponderEliminar