quarta-feira, 11 de novembro de 2015

A hora de ir dormir

Está cada vez melhor. Depois de uns dias de birras na hora de ir para a cama, está tudo a voltar à normalidade. Sem dúvida que a cama no chão, de que vos falei aqui, foi a melhor coisinha que fizemos cá em casa. Depois do banho, lavar os dentes e secar o cabelo, a Isabel já sabe que tem de se dirigir até à cama, não sem antes escolher dois ou três livros. É o nosso momento antes de ir dormir. Conto-lhe duas histórias, ela conta-me uma ou duas a mim "cjali nha nha pato", "udinhatu áua", "patipato mãe" e digo "última história, qual queres?". Escolhe e já sabe que nessa bem pode ir buscar o óó porque está a aproximar-se a hora. "Já está". Aponta para a luz e já sabe que a vou desligar. Deitamo-nos as duas, puxa-me a mão para lhe fazer festas na cabeça, diz duas ou três vezes "óó", "pai, mãe", digo-lhe em voz meiguinha que os meninos do mundo estão todos a fazer óó, o panda também já está e só falta a Isabel. Digo-lhe que pode dormir descansada, que a mãe fica até ela adormecer e que depois está ali no quarto ao lado e, se tiver medo, pode chamar pela mãe, que a mãe vem. 

Cinco minutos depois, está a dormir. Depois de uma fase tramada, em que não se queria ir deitar por nada deste mundo, sinto que neste momento tudo flui. Já percebi que com eles não podemos festejar muito, porque tudo pode mudar e voltar a mudar, mas há 15 dias que está tudo melhor. Não digo perfeito, porque ainda chama por mim várias vezes de noite, às vezes readormece (não vou lá logo), outras vezes percebo que precisa de mim e acabo por dormitar (e às vezes dormir mesmo) com ela. Já aconteceu acordar ao lado dela de manhã. É uma festa de boa-disposição para as duas. Por um lado, estou a passar-lhe a mensagem de que a mãe afinal pode dormir ali com ela e talvez a deixá-la confusa nos dias em que não estou lá. Por outro lado, que se lixe.







Painel "Love you more each day" e
luz de presença em forma de gelado - BabyTime


4 comentários:

  1. Pois por cá à 2 dias esta tudo melhor tb....

    A constança nunca gostou da cama de grades e como na minha dormia bem resolvi passa-la para a cama grande... que ideia a minha... passada a novidade ela fartava-se de chorar durante a noite... não dormia eu nem ela... estive a pensar qual tinha sido a ultima vez que ela tinha dormido seguido... foi nas férias e quando dormia na cama de viagem... ora peguei na cama de viagem esperei com o colchão da de grades lá dentro e meti a cama no meu quarto novamente... e agora é um descanso... dorme ela e durmo eu... e andamos muito mais bem dispostas... tudo a seu tempo e claramente o dela ainda não tinha chegado... beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que está tudo a correr melhor. Às vezes ficamos tão presas ao que os outros dizem que é certo e errado (o dormir com eles é sempre rotulado de errado) que nos esquecemos de ouvir as necessidades da NOSSA família. Em 4 meses de filho já ouvi bitaites (não se podem considerar conselhos) de tanta gente, inclusive de pessoas que nem têm filhos (!!!). Não dês colo, não dês mama, não o pegues logo, não durmas com ele, não o embales. O que eu penso nesses momentos não posso escrever aqui :) mas digo ahn ahn (para não me enervar) e faço como EU acho certo :) maximizar o descanso de todos é a minha prioridade. Beijos!

    ResponderEliminar
  3. Joana, como aguardo um momento destes com a minha menina. Já tem 18 meses mas não consigo adormecê-la de outra maneira que seja à mama, e depois acorda várias vezes à noite e só volta adormecer após mamar (chuchar). O quartinho dela também tem uma caminha no chão (ao estilo montessoriano) e a nossa cama também é assim (já que passa parte da noite lá). Sou sincera, não sei adormecer a minha filha de outra maneira :( Como foi adaptação com a pequena Isabel adormecer desta forma? Chorou muito no ínicio? Fugia da cama para não dormir? As primeiras noites demorou muito adormecer? Obrigada pela sua (vossa) partilha. Um beijinho, Andreia

    ResponderEliminar
  4. Adoro esse gelado luminoso!!!! Dá um ar de fantasia muito gostoso ao quarto.

    ResponderEliminar