sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Ser mãe é o melhor do mundo, mas...

A frase podia acabar em "mundo". Sem adversativa. Sem "mas". Mas estaria a dourar a pílula. Ser mãe é o melhor do mundo, mas há "mas". Vários "mas". Deixemo-nos de histórias de encantar, sem bruxas e vilões. Ser mãe é o melhor do mundo, mas nem sempre o é.  

Ser mãe é o melhor do mundo, mas há dias em que só apetece enfiar a cabeça na areia. Emigrar umas horas. Carregar no mute ou no pause

Ser mãe é o melhor do mundo, mas nem sempre estamos à altura. Nem sempre temos cabeça nem disponibilidade. Nem sempre damos o nosso melhor. Às vezes o nosso melhor é pouco. Menos do que o que eles merecem.

Ser mãe é o melhor do mundo, mas é muito difícil. Compensa? Sim. Mas há momentos em que estamos frustradas, em que queríamos ser três, ter quatro braços, uma dose infindável de paciência e desejamos que os dias tivessem 52 horas, mas só trabalhássemos 8. 

Ser mãe é o melhor do mundo, mas o que fazer quando temos uma dor de cabeça que mais parece que levámos com um guindaste do Dubai em cima e os nossos filhos não percebem o conceito de "fala baixinho, por favor"? 

Ser mãe é o melhor do mundo, mas às vezes ficamos esmagadas com dúvidas, receios, sentimentos de culpa. 

Ser mãe é o melhor do mundo, mas há momentos em que apetece chorar, de cansaço. E choramos. 

Ser mãe é o melhor do mundo, mas às vezes complicamos.

Ser mãe é o melhor do mundo, mas é um trabalho duro, sem folgas, sem grandes margens para erro, exigente.

Foto CV Love


Ser mãe é o melhor do mundo. É o maior desafio de todos e o mais gratificante. E, felizmente, não há "mas" que nos impeçam de desejar sê-lo, todos os dias.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar