quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

É mesmo isto, caraças!

Chamam-lhe o método da caneta verde. Já explico tudinho.



Lembram-se de levar no caderno, que se calhar até decoravam com florzinhas e faziam sublinhados a cor-de-rosa e verde e todas as cores possíveis, horríveis erros marcados a caneta vermelha?

Eu, perfeccionista desde sempre, odiava. Odiava errar. Odiava não ter tudo lindo e limpo e perfeito. Odiava não ter Satisfaz Plenamente ou Muito Bom. Ou 20, no secundário. Um 18 era como se fosse um 14. Sim, eu era esta pessoa. E talvez tenha muito a ver, além do meu feitio, com o método que utilizaram comigo e que terá também moldado a minha personalidade. Um método que sublinha o que está errado. Que destaca, a vermelho, o que fiz de mal. Até podia ter feito vinte vezes bem, mas se fazia uma mal, o lado bom esfumava-se. Ficava com os erros a pontapearem-me os neurónios. Ainda hoje sou assim. Posso ter um dia do caraças, tudo a correr bem, e basta uma coisa sem grande interesse correr mal, que lhe dou toda a importância do mundo. O que fiz bem, o que correu bem, é como se não tivesse acontecido.

E agora está aqui uma coisa que faz sentido! Os meus olhos brilharam ao olhar para este método.

A mãe desta criança explica: "Consegue ver a diferença? Eu não marcava com caneta vermelha os erros, mas destacava com verde as letras e bolinhas que tinham ficado bonitas. Ela gostava muito disso. Depois de acabar uma linha ela sempre me perguntava: mãe, qual é a mais bonita? E ficava ainda mais feliz quando eu circundava a letra mais bonita com as palavras "muito bem"."

Conseguem ver a diferença para o futuro desta criança? É toda uma estrutura de pensamento que se altera. Esforçarmo-nos para fazer bem, em vez de nos focarmos no que está errado. 

A análise mais alargada deste método neste site

O que vos parece isto?

5 comentários:

  1. Não conhecia o método, mas adorei! Valorizar o incentivo positivo é sempre tão importante, ao contrário de nos limitarmos a apontar os erros, há que destacar o positivo e não o negativo, ou seja, tem de haver uma alteração de mentalidades.
    Resumindo, ADOREI :D

    ResponderEliminar
  2. Joana, pesquise sobre o modelo de ensino Movimento da Escola Moderna ou sobre o método de Maria Montessori. São dois mundos de ensino riquíssimos, lindos e apaixonantes. São exemplos alternativos à "formatização" do ensino tradicional.
    Um beijinho,
    de uma rapariga que sonha ser mãe.

    ResponderEliminar
  3. muito bom! adorei! vai-me dar um jeitão! a minha filha está agora na primária, na 1ª classe, e adorei a dica! vou adoptar este método! :D

    ResponderEliminar