quinta-feira, 28 de abril de 2016

Nunca pensei mas...

Se alguma vez pensei que fosse começar a ir ao Celeiro comprar comida biológica ou preocupar-me minimamente com os ingredientes dos produtos que nós usamos.

Foi preciso ter uma filha. 

Foi preciso ter uma filha para pensar na quantidade de sal que o pão tem, que não pode comer só fruta sem mais nada por causa da glicémia, que tipo de água de beber, os produtos do banho... 

De repente andamos todos a comer muito mais saudável lá em casa e dou sempre o melhor para encontrar e dar os melhores produtos à Irene. 

A última foi passar a usar uma pasta de dentes orgânica. Já sabiam que existe? 


Foi uma oferta da Origami Kids (não conhecia) que além do copo de bambú e arroz e da escova e da pasta, também foram fofos ao ponto de me escreverem uma carta (à mão) a explicar porque é que começaram esta aventura e, realmente, coincide com as minhas preocupações. 

Também quero que a Irene tenha o mais natural possível, o melhor. Ainda vou ver se vou fazer compras no site deles (este). 

Vocês também aderiram a esta "moda" do natural, do biológico por causa dos bebés ou são mais "descontraídas"? ;)

12 comentários:

  1. Eu sou totalmente do grupo das "descontraídas".
    Acho mesmo que agora existe quase uma paranóia colectiva com estas questões do saudável, do biológico, do orgânico...
    É claro que devemos ter uma alimentação saudável e equilibrada cuja base é, sem dúvida, a variedade, mas não vem mal ao mundo por haver uma ou outra "transgressão". Tudo, mas tudo mesmo, tem benefícios e inconvenientes; é apenas uma questão de dosear as coisas.
    Nem tanto, nem tão pouco!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Subscrevo! E quem acha que ao optar pelo "natural" o "bio" e o "orgânico" está a mudar uma grande coisa, devia pesquisar um pouco mais sobre a origem desses produtos e se são produzidos assim de forma tão diferente dos outros quanto julgam...

      Eliminar
  2. Começo agora a ter essa preocupação. Depois de ter alterado a minha alimentação para um regime Paleo. Apercebo me, e cada vez mais, que os problemas de saúde que existem hoje em dia, tem muito a ver com o que fazemos. Desde o micro-ondas a dormir com o telemóvel á cabeceira, á comida, ao leite ultrapasturizado, aos legumes e frutas cheios de pesticidas...Cada vez mais, por uma questão de saúde, uso cada vez menos. Para mim, mais é menos. Não uso agua micelar no rosto, uso só agua. tomo banho com sabonete e não com gel de banho. o leite aqueço no fervedor e não no micro-ondas...sumos, só de fruta natural. Não só fundamentalista. Tento, em algumas alturas, voltar atrás no tempo e evitar não saber viver de outra forma. Antigamente era tudo tão melhor...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Antigamente era tudo tão melhor..."

      Tipo a esperança média de vida serem 50 anos e agora estar nos 80 e tal? Tipo a mortalidade infantil ser altíssima?

      Eliminar
  3. Por aqui nem por isso. Já consumi muitos produtos do Celeiro mas muito antes de pensar em ser mãe. A ideia que tenho é que os produtos biológicos são mesmo muito caros (por aqui são) e não conseguimos optar por eles em substituição de outros.

    ResponderEliminar
  4. Sou mãe ha 6 meses, a pediatra aconselhou-me começar a dar legumes biologicos. Confesso que dei nas 2 primeiras semanas e depois desisti. Compro legumes normais numa loja onde os produtos são frescos e de qualidade. Quanto ao biologico tenho algumas duvidas, até que ponto no ha contaminações? Não sera um exagero e uma propaganda para uma nova vaga de produtos mais caros? ( Se n levam produtos nenhuns pq são mais caros?) Tentei descontrair, senão vou passar a vida stressada a procura de produtos biologicos e ter sentimento de culpa quando não dou! Tudo a seu peso e medida e conforme calha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite são mais caros precisamente porque não levam produtos... Demora mais tempo a crescer e são produzidos em menor quantidade. Regra geral sim sao mais caros, mas duram mais tempo e i facto de serem mais caros ajudou-me a acabar con os desperdicios.

      http://merceariabio.pt/pt/vantagensdoconsumodeprodutosbiologicos.php

      Ana

      Eliminar
    2. Se duram mais tempo tem de levar produtos, desculpe que lhe diga. Eu também comecei a dar biológicos até que vi que era só uma forma de gastar mais dinheiro. Comecei a comprar no lavrador e a qualidade é excelente!

      Eliminar
  5. Cá por casa aconteceu o mesmo... nunca ligámos a isso mas com o príncipe a começar a comer começaram as preocupações com o tipo e a qualidade da nossa alimentação. Agora com 2 anos compramos fruta e legumes biológicos, leite biológico, os iogurtes são feitos em casa também com leite biológico e o açúcar é restringido ao máximo. Chocolates o mesmo, não entram, só para os papás comerem às escondidas!! AhAh! Mas o paladar dele não está habituado e quando ele pede damos um bocadinho que ele cospe logo e diz "caca!" :) Acho que todos estes cuidados (e €€ gastos a mais) valem a pena quando está em causa a saúde futura do meu príncipe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente :-) não é nenhuma moda, é sim uma consciencialização de que a grande maioria das doenças advém da alimentação. Não é fácil, é mais caro, mais difícil de encontrar, mas sinto-me muito feliz de fazer esse esforço o ela saúde da minha filha. Não considero que seja descontracção quem não se preocupa com isto, mas sim desinteresse e muitas vezes arrogância, pois ainda atacam quem se preocupa é enganam-se a si mesmas dizendo que é um disparate. Enfim, cada um sabe de si.

      Eliminar
  6. Já ligava antes, mas agora com o L. ainda mais. Alimentação, cosmética, produtos de limpeza... E noto diferença a muitos níveis. E, já agora, a nível de alimentação os produtos não têm que ser caros... Os mercados bio, onde podemos comprar directamente ao produtor, são bem em conta. E o sabor e duração dos produtos falam por si ;)

    ResponderEliminar
  7. Concordo com tudo. Mas esperem até à adolescência. Podemos ter a sorte de eles seguirem à risca o plano alimentar que muito bem lhe incutimos. Mas há depois a "maldita" adolescência e todos os fatores externos.

    ResponderEliminar