sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Vivo com a minha sogra!

Em resposta aos comentários do post "É muito por isto que mudei a vida toda", eu, marido da Joana, senti necessidade de acalmar esses tremores frios que sentiram quando perceberam que tínhamos ido viver com a minha sogra e que a Joana se tinha "anulado", por se ter despedido. 

Primeiro, percebo que vos faça comichão, mas eu não tenho qualquer problema em viver com a minha sogra. Felizmente tenho uma sogra jovem e sem qualquer tipo de complexos. Respeitamo-nos, temos feitios calmos, rimo-nos, disparatamos e nunca houve um único conflito até agora. 
A casa, felizmente, é grande e nem a ouço roncar. Nem ela a mim. Temos mais do que uma sala e respeitamos muito o espaço uns dos outros. Não tinha por hábito andar nu em casa, por isso, nem isso tive de mudar os meus rituais. :) Há dias em que nem nos vemos sequer, porque a sogra trabalha e muito e tem outros interesses e afazeres fora de casa.

Em segundo lugar, convido as pessoas a tentar perceber o que são os horários de uma pessoa que para além de ser repórter, tinha um cargo de enorme responsabilidade no sítio onde trabalhava. Para quem não sabe, ser repórter significa horários zero, não dá para programar ir amanhã buscar os filhos à escola, porque de repente há uma reportagem a essa hora. Não há trabalho das 9h às 17h. Não dá para ir mais cedo adiantar trabalho porque não é assim que funciona. E no caso da Joana ainda se agrava mais porque tinha de coordenar uma equipa, editar peças, fechar programas, escrever pivots, etc..., e aqui não se trata de ela gostar ou não daquilo que fazia, apenas se trata de não ser compatível com a participação que ela queria ter na vida das filhas. E agora juntem o marido que também trabalha na mesma área em que os horários também nem sempre são certos. E ainda podemos juntar o facto de a família da Joana viver em Santarém e a minha viver em Évora, não há avós por perto para ir buscar a neta à escola e poder ficar com elas.
Em terceiro lugar, eu sei que a Joana é uma pessoa extremamente inteligente e que não gosta de ficar acomodada (não que a escolha de ficar em casa a cuidar e a educar os nossos filhos seja sinónimo disso, é dos trabalhos mais merecedores de ovação de todos!) Mas o sucesso deste blog é o exemplo dessa mente em ebulição e eu acredito muito nos projectos que ela tem para o futuro.

E só para que fique bem claro, a Joana não se está a anular, ninguém se anula quando faz aquilo de que mais gosta, que é ser mãe! E a Joana é uma grande Mãe! E se ela desistiu de tudo isso para dar o melhor às minhas filhas nesta fase, eu estou com ela.

David 

72 comentários:

  1. Nunca comentei o blog, mas desta vez tenho de o fazer! Palmas, muitas palmas aos dois. À Joana por ter tido a "coragem" de ser mãe a tempo inteiro (quem me dera ter essa coragem) e ao marido pelo apoio!

    Ana Alves

    ResponderEliminar
  2. Ok David larga a Joana e casa comigo sff :p

    ResponderEliminar
  3. Parabéns David...

    Joana tens um COMPANHEIRO...

    E é isso mesmo: ninguém se anula quando faz o que gosta :)

    Beijinhos grandes para todos

    ResponderEliminar
  4. Uma salva de palmas para ambos. Que hajam sempre respostas cúmplices entre vocês, a perspectiva deste lado da vida que escolheram e agora a tornaram pública é absolutamente deliciosa, nada anulada, muito pelo contrário, absolutamente preenchida e cheia de desafios!
    Felicidadades para os 4!

    ResponderEliminar
  5. Bem, eu li o post anterior a este, mas sinceramente nao li os comentários. Os meus parabéns a este marido,à Joana e à sogra. Eu também sou mãe a tempo inteiro deixei a carreira para trás porque sempre achei que seria melhor mãe do que qualquer outra profissão 😁 Sou muito feliz e tenho a certeza que os meus filhos também o são,faço aquilo que mais gosto que é ser Mãe e tenho o total apoio do meu marido também. Também queria sair da cidade, mas isso ja é pedir demais 😂. Cada um faz aquilo que entende quando constitui família cada ulher é feliz à sua maneira. Ainda bem que nao somos todos iguais senao o mundo seria bastante monótono...

    ResponderEliminar
  6. É mesmo assim
    Se alguem tem que se importar com o facto de viver com a sogra é o David. E se nao se importa, optimo. Eu própria larguei os estudos e tudo mais para ser mae. Ser mãe foi tudo o que sempre quis. E para isso tambem temos que fazer uma ginástica orçamental, viver temporariamente com a minha sogra, e muito mais. Embora haja gente que nos crítica, o importante é sermos felizes. Se o David, a Joana e as meninas sao felizes, nada mais importa!!!!

    ResponderEliminar
  7. Amei �� Ainda bem que a Joana tem um marido assim!!!Parabéns e muitas felicidades para toda a família.

    ResponderEliminar
  8. Aplaudi qd a Joana comunicou que ia mudar de vida e aplaudo agora! Fazer o que ela fez só revela uma mulher de coragem e de quem os tem no sítio! Qt a viver com a sogra/mãe só a vocês diz respeito ;) o resto é mm comichão ahah

    ResponderEliminar
  9. Um anónimo que "assina" como Sofia, nem sequer merecia resposta mas enfim...foi bem dada! O pai também sabe ;-) Mania das pessoas meterem-se nas decisões de cada um! Felicidades para a vossa linda família <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daqui é uma anónima Sofia que quando percebeu que havia por aqui uma parva com o mesmo nome, deixou de assinar, bolas x)

      Eliminar
    2. Porque é muito difícil criar uma conta no Google/Blogger com um nome qualquer e comentar a partir daí, não é?...

      Eu sou tão anónima como "Rita" como você é como "Bruna Viegas". O que interessa é o conteúdo dos comentários, não como vêm assinados.

      Eliminar
    3. Cara Bruna Viegas, eu sou a parva da Sofia, (antes parva que mal educada como parece ser o seu caso) que fez um comentário ao post da Joana, e perguntou educadamente se o marido da Joana não se importava de viver com a sogra e que na MINHA OPINIÃO, uma mulher que decida ser só mãe se "anula" e que isso, me faz um bocadinho de confusão para a MINHA maneira de ser. Não ofendi, e se o fiz, Joana, peço-lhe desculpa porque não era de todo a minha intenção. São maneiras de viver e de ver a vida diferentes da minha, nem todas somos iguais e ainda bem que assim é, desde que sejamos felizes com as escolhas que fazemos, o que parece ser o caso da Joana e do David.
      Para finalizar, fico feliz porque de certa forma o meu comentário também contribui para um post tão bonito do David. Que grande companheiro que tem ao seu lado Joana, parabens!
      Um beijinho,
      Sofia

      Eliminar
  10. ...e está tudo dito!! 😉

    Afinal o pai é que sabe 😉😂

    ResponderEliminar
  11. Parabéns é difícil por vezes ter quem realmente acompanhe os novos projetos de uma mãe que quer de alguma forma estar mais presente na educação dos filhos! Não basta dizer que sim tem mesmo que se estar lá e com ombro amigo e companheiro!

    ResponderEliminar
  12. Acho louvável as decisões que tomaram em prol da família. Cá em casa também eu reduzi o horário de trabalho para poder acompanhar a nossa filha de 4 anos ( na altura 3) e recebermos a nossa caçula com 2 meses( faz amanhã).O meu marido faz turnos e a avó que vive perto e nos ajuda ainda trabalha e por turnos,alguém tinha de ficar em casa com as crianças à noite.
    Parabéns à linda família que têm.

    ResponderEliminar
  13. Não acho que deixar de trabalhar para cuidar das filhas seja anular-se. Aliás, quem me dera poder fazer o mesmo! mas no meu caso vivermos com a minha mãe, não. Digo bem no meu caso, cada caso é um caso (e atenção que adoro a minha mãe e o meu marido tb a adora).

    ResponderEliminar
  14. Acho louvável a vossa decisão em prol da família. Aqui em casa também alterámos os nossos horários, eu passei a trabalhar em PT diurno e o pai deixou de fazer turnos extra, para podermos acompanhar a nossa filha de 4 anos (na altura com 3) e temos mais uma princesa que faz 2 meses amanhã.
    A avó que está mais próxima e nos ajuda muito, ainda trabalha e por turnos por isso foi necessário abdicar de coisas materiais mas com a consciência que os afetos são muito mais importantes.
    Parabéns pela vossa linda família.

    ResponderEliminar
  15. Só agora li o post anterior e posteriormente este é de facto há pessoas que gostam muito de julgar a vida dos outros, com uma falsa ideia do certo e errado na maioria das vezes. Até porque quem pode saber se estamos bem ou mal somos nós próprios e mais ninguém! Só sente e sabe quem passa pelas situações. Nós temos um Pimpolho de 5 meses que até hoje só nos deu algumas horas de descanso quando estamos com os avós maternos, que estão a 300kms de distância (no paraíso) e é a família mais próxima de nós. Se ponderava morar fora de Lisboa e em casa dos pais/sogros na "parvonia"? Quem me dera poder :) tudo depende do respeito mútuo e tipo de relações estabelecidas, sempre os vi como melhores amigos e não iria ser diferente! Para não falar da qualidade de vida dessas zonas, é o substituível. Mas lá está, o meu caso é o meu caso. Cada um sabe de si e procura a felicidade a seu jeito :)
    Isabel

    ResponderEliminar
  16. Adoro! Optei por uma profissãozinha das 9-17 porque a que tinha antes não me permitia acompanhar o crescimento das minhas filhas. Ganho metade do que ganhava há 10 anos... mas não há dinheiro no mundo que pague ter ido buscar todos os dias as minhas filhas à escola, sem ATL e sentir as primeiras emoções, a descarga de sentidos, sentir as mãos sujas e suadas e o cheiro de um dia inteiro de brincadeira. Não há nada que pague isso e não espero agradecimentos de nada nem de ninguém. Tenho recebido tudo o que queria por ter tomado essa decisão, o amor que há entre nós.

    ResponderEliminar
  17. Poingggg! Grande resposta ! Ia comentar o tópico anterior mas depois acho de mais valor comentar este!!! "Ninguém se anula a fazer o que gosta" , é isso mesmo!!! Para além disso muitas vezes é muito mais cansativo do que estar 8 horas noutro trabalho, para quem pensa que é vida de dondoca...
    Parabéns aos 2! Grande escolha de vir para o campo... nós fizemos a mesma (confesso que um bocado contrariada ao início) e agora não podia estar mais contente de ver o meu gordo sempre tão feliz quando vai a casa dos avós e vem de lá todo sujo de tanto correr na relva, brincar com os cães, apanhar pedras, terra, jogar a bola... e isto tudo "à porta de casa"!!!

    Beijinhos

    Maria

    ResponderEliminar
  18. Boa!!! ;-) Eu também optei por ser mãe a tempo inteiro à menos de meio ano, também trabalhava por turnos incluindo fins de semana apenas tinha um dia de folga. Sempre me culpei por não dar o tempo necessário à minha filha mas agora aos 4 anos e com um diagnóstico de espectro de autismo não hesitei afinal a filha é minha e não das educadoras e terapeutas também eu tenho que fazer o meu trabalho lutar por ela o que é certo é que durante este período tenho notado uma evolução enorme na princesa, não é fácil para nós mulheres deixarmos de trabalhar e nada fácil a gestão financeira mas olhar para aquele sorriso o brilho nos olhos compensa tudo e tudo se resolve. Mais uma vez parabéns

    ResponderEliminar
  19. Muito bem Senhor David!!! Apesar de achar que esse tipo de comentário não merecem resposta, foi sem dúvida uma resposta bem dada :-) Espero que esta mudança vos traga tudo de bom, as fotos mostram que estão no bom caminho :-D

    ResponderEliminar
  20. Nem sempre é bem visto uma mãe escolher ser mãe a tempo inteiro, infelizmente. Quem me dera poder dar todo o meu tempo ao meu filho! Tem um excelente companheiro e uma família linda! Não ligue quando dizem que se está a anular, está a fazer a sua opção de vida. Cada um sabe o que é melhor para si e para a sua família e o que os faz feliz.

    Beijinhos, Susana

    ResponderEliminar
  21. Faltou responder a uma questão: e a nível sexual? Não pode ser onde bem vos apetecer porque pode aparecer a sogra, nem podem fazer barulho porque a sogra pode ouvir. Desculpem lá a pergunta íntima mas foi a única em que pensei 😂

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é vergonha nenhuma não ter nada para dizer. Já fazer perguntas parvas só para não estar calado...

      Eliminar
    2. Senhora/ Senhor
      Se vivessem os quatro numa casa não teriam que ter respeito pelas filhas? A Luísa é pequenina...mas a Isabel...

      Eliminar
    3. E chega a casa e vai sempre cumprimentar a sogra? E recebem amigos em casa ou têm de pedir autorização? À noite têm de fazer sala com a sogra, ou podem estar só os 4? Se quiserem mudar algo na decoração, podem? Fazem as compras de supermercado para todos? Múltiplas questões se colocam!

      Eu jamais me poria nessa situação voluntariamente (e acho que a vossa família, se pudesse mesmo tendo só 1 ordenado, também não), acho que idade adulta e uma família a viver junta são o casal e os filhos (salvo situação de doença, velhice ou incapacidade dos pais que precisam do nosso apoio).

      Acho que, neste caso, quem se anula não é a Joana, mas sim o David. Que trabalha, tem de conduzir de Santarém para Lisboa, ganha dinheiro e, no fim do dia, está a viver em casa da sogra!

      Eliminar
  22. De facto, é de louvar que haja amigos, companheiros , maridos que pensem como o David. ser mãe é mais que um trabalho, é uma missão. Sou mãe de um gordinho de 5 meses, e quase quase a acabar a licença de maternidade, surgiu a oportunidade de trabalhar das 8-17, só dias úteis e claro que foi de aceitamento imediato, eu tinha horários rotativos das 6h30 as 0h00 e outras vezes mais..., e era impossível deixar de trabalhar, o orçamento não o permitia. Mas o que eu adorava ter a profissão de mãe, acompanhar todas a gracinhas. Mas por experiencia falo.. há sogras e sogras!!!
    já vivi com a minha, ainda antes de casar, e de facto estive sempre desejosa de sair. O meu marido adora os meus pais, passa mais tempo com eles do que com os pais dele, agora pense!! :P

    ResponderEliminar
  23. Tenho 20 anos, sou leitora assídua do blog por vários motivos, mas o principal é o facto de ter uma admiração extrema por ambas as Joanas. Nunca comentei mas desta vez achei necessário: quando for grande, quero ter um marido que seja igual ao David e quero ser tão boa mãe como a Joana. Aplausos para os dois e para a vossa linda família

    ResponderEliminar
  24. Olá família feliz :)
    Não tinha lido os comentários ao outro post. E depois deste fui cuscar por alto.
    É incrível que o ser mãe a tempo inteiro seja uma opção tão mal vista. Parece que não chega...
    Fiz o mesmo que tu Joana. Antes da licença de maternidade do meu filho terminar, apresentei a carta de rescisão que tanto gozo me deu. Strauuu!!!!! "Pensam que têm toda a gente na mão e fazem o que querem? Então tomem lá!!!" Isto porque não estava satisfeita com o que me davam em troca da prisão que era... infelizmente muitos não conseguem ter esta opção. E vivem na infelicidade de não poder gozar dos filhos todos os dias.
    Fizeste muito bem. É um investimento familiar :) tem-se menos dinheiro mas mais felicidade e dás mais à família...
    Mas o que sinto é que há mães que são desligadas, não sentem necessidade de estar com os filhos todos os dias. "Estar" não inclui tratar de refeições banhos e tarefas... "estar", brincar, ouvir, conversar...
    Não sei se por inveja, mas senti que ao dizer que ia ficar em casa, as minhas amigas faziam ar de reprovação.
    Não me sinto "sustentada" porque estou a educar os meus filhos. Não os enfio todo o dia num sitio e vou passear...
    Parabéns pela opção Feliz! !!!!

    ResponderEliminar
  25. Sou leitora assídua deste blog acho nunca deixei um comentário, sem ser nos passatempos que participo em todos! Hoje tinha mesmo que escrever algo! sou mae ha 12 anos, do meu 1º filho trabalhava a meio tempo, há 7 anos tive o meu 2º filho e por opção fiquei mãe a tempo inteiro, já la vão 7 anos de muito amor, muita dedicação, amo ser MÃE, adoro ser MÃE tempo inteiro, e concordo totalmente com as suas palavras, la por ficarmos em casa para cuidar dos nossos filhos, não quer dizer sejamos menos mulheres por isso, deixo o link da minha pagina onde registo o dia a dia de uma MÃE A TEMPO INTEIRO E MULHER POR INTEIRO (https://www.facebook.com/maeatempointeiroemulherporinteiro/)

    ResponderEliminar
  26. Olá família feliz :)
    Não tinha lido os comentários ao outro post. E depois deste fui cuscar por alto.
    É incrível que o ser mãe a tempo inteiro seja uma opção tão mal vista. Parece que não chega...
    Fiz o mesmo que tu Joana. Antes da licença de maternidade do meu filho terminar, apresentei a carta de rescisão que tanto gozo me deu. Strauuu!!!!! "Pensam que têm toda a gente na mão e fazem o que querem? Então tomem lá!!!" Isto porque não estava satisfeita com o que me davam em troca da prisão que era... infelizmente muitos não conseguem ter esta opção. E vivem na infelicidade de não poder gozar dos filhos todos os dias.
    Fizeste muito bem. É um investimento familiar :) tem-se menos dinheiro mas mais felicidade e dás mais à família...
    Mas o que sinto é que há mães que são desligadas, não sentem necessidade de estar com os filhos todos os dias. "Estar" não inclui tratar de refeições banhos e tarefas... "estar", brincar, ouvir, conversar...
    Não sei se por inveja, mas senti que ao dizer que ia ficar em casa, as minhas amigas faziam ar de reprovação.
    Não me sinto "sustentada" porque estou a educar os meus filhos. Não os enfio todo o dia num sitio e vou passear...
    Parabéns pela opção Feliz! !!!!

    ResponderEliminar
  27. Bravo David! Assim é que é! Acho que o importante é estarem todos felizes com as vossas decisões, não entendo o porquê de julgar a vida dos outros. Pessoalmente não conseguiria viver em casa dos meus pais, mesmo tendo condições para isso, mas jamais direi que nunca irá acontecer, pois não se sabe o dia de amanhã. Apenas gosto de ter o meu espaço de tomar as minhas decisões. Também porque os feitios da minha mãe e marido chocam um bocado (touros!) e assim com visitas regulares dão-se lindamente! MAS estamos a ponderar seriamente mudar para mais perto deles para ter algum apoio. A minha vida profissional obriga-me a ausência regulares e é difícil só um a ficar com os filhos.
    Muuuuuitas felicidades para vocês!

    ResponderEliminar
  28. Parabéns! Parabéns! Parabéns!
    Quem acha que ser mãe é anular-se não percebo o que nada a fazer por aqui.
    Parabéns mais uma vez aos dois!!!

    ResponderEliminar
  29. Eu ao contrário destes comentários todos não sei o que há de tão extraordinário com o "esclarecimento" do David. Começa logo por ridicularizar quem achou estranho voltarem para casa dos pais por opção com o acalmar os tremores frios. É um blog público em que as pessoas deram uma opinião e quiseram saber mais sobre esta opção. Que a mim não me parece assim tão comum nem imediata nem fácil.
    Finalizou por dizer que é uma opção de família e que apoia a mãe das filhas das suas opções. O que as famílias estruturadas fazem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos dos comentários que nem chegaram a ver a luz do dia não foram a dar uma opinião nem a querer saber mais sobre a opção... foram de uma baixeza tamanha. 😓Daí a necessidade do moço em "proteger-me".

      Eliminar
    2. Oh Joana, só se for isso, porque o que eu li não tinha nada de extraordinário. É normal que, se expõe a sua vida e explica a sua opção, as pessoas emitam opinião, digam se acham bem, se acham mal, se se veriam a tomar a mesma opção...eu lá deixei a minha explicação do porquê de ser relutante em deixar Lisboa. claro, se recebeu comentários insultuosos percebo esta resposta do David, caso contrário nem por isso. também não apreciei o gozo dos "tremores frios", como que a desprezar a opinião alheia, porque não o disse no post, mas digo-o aqui: dou-me lindamente com a minha sogra, ela também é jovem e trabalhadora, mas viver com ela NO FUCKING WAY. Aprecio demasiado o meu espaço, a minha liberdade - sim, sim, para andar nua em casa se me apetecer - e privacidade para isso. E o meu marido sente exactamente o mesmo no que diz respeito à minha mãe, que é a pessoa mais tranquila e sem stresses do mundo, tenho a certeza. Portanto não é nenhuma anormalidade pensar-se e dizer-se isso...

      Eliminar
    3. O sarcasmo melindra-vos assim tanto? bolas! quando penso em viver com a minha sogra dá-me literalmente tremores, suores, calafrios :) e penso "nem pensar!", mas percebi perfeitamente que ele esta a usar uma figura de estilo e nao o percebi sequer como desprezo das opinioes

      Eliminar
    4. Concordo em pleno com o anónimo 15:25 e com a S.
      Não vi nada de extraordinário neste post para haver estas reacções completamente desajustadas e mais do que exageradas.
      Minhas senhoras essas hormonas devem de estar muito desreguladas. Tenham juízo.
      Se por caso não são as hormonas, bom então...
      Se por acaso não têm ao vosso lado uma pessoa (homem ou mulher) com bom algum bom senso e que consiga pensar, falar e agir como uma pessoa normal. Então lamento muito.
      E em vez de aplaudirem o David por dizer o óbvio, Façam mas é as malinhas e metam-se (ou metam-o/a) a andar.

      Susana M.

      Eliminar
    5. Sabem por que é que este post merece aplausos? Porque o amor deve ser celebrado, festejado! Não são hormonas desreguladas, são pessoas de bem com a vida que ficam felizes com a felicidade dos outros, que gostam de romance e de histórias de amor. A mim, isto inspira-me. Não por não o ter em casa, mas porque acho que o mundo precisa de não ter medo de falar nos sentimentos. Quanta arrogância, minhas senhoras!

      Eliminar
  30. Tenho que comentar!!!
    Parabéns marido pelo Apoio!
    Fantástico.
    A Joana é com toda a certeza uma mulher de sorte, e com esse apoio mútuo, todas as decisões que tomarem são acertadas!

    ResponderEliminar
  31. Nunca fiz nenhum comentário no blog mas quero dizer que tenho orgulho no Homem que a Joana tem a seu lado!! Orgulho sim por haver maridos que se chegam à frente e dizem estas coisas sem papas na lingua! Parabéns por a apoiar incondicionalmente! Nada tem a ver com anular e sim segiir aquilo que o coração de mãe grita neste momento!! Há de certeza muitas mães que o gostariam de fazer mas que por circunstâncias da vida não podem... Força para esta nova etapa Joana

    ResponderEliminar
  32. Bem haja David! Não percebo o que é que tem de especial querer tomar conta dos nossos filhos! Quem me dera poder! Quantos dias à noite penso no pouco tempo que passei com a minha filha...acho que fazes muito bem Joana! Um beijinho!

    ResponderEliminar
  33. 👏👌😍 ADOREI! Parabéns a vocês e à sogra. Nem todas são assim.

    ResponderEliminar
  34. Aplaudo de pé com os olhos repletos de lágrimas.
    Sejam felizes!! <3

    ResponderEliminar
  35. Já não moro em Portugal há vários anos e aqui é muito comum ficar em casa depois de ter filhos. Morar com a sogra não é comum, mas morar na casa ao lado é muito comum. Admirem-se mas a taxa de divórcio é baixa, como se passar tempo com a família não fosse um problema a resolver!
    Boa sorte na nova etapa Joana e David!

    ResponderEliminar
  36. Não ha muito a dizer, apenas que a plateia de uma salva de palmas a este HOMEM!! :)

    ResponderEliminar
  37. Adorei. 👏🏻👏🏻 Não acho que a Joana se tenha anulado. Tomou a decisão que,no seu coração era a mais acertada. Quanto a viver com sogra se há uma boa relação e respeito não entendo onde está o problema. São só pontos a favor da felicidade da família. A Joana está perto da mãe, e a avó pode disfrutar de mais momentos com as netas. Muitas Felicidades. 😉

    ResponderEliminar
  38. Anulada sinto-me eu que deixo os meus filhos ás 8 da manhã e os vou buscar ás 17:30. Estou com eles pouco mais de 4 horas por dia.

    Enfim :(

    ResponderEliminar
  39. Os chineses têm um provérbio que diz, Nunca julgues ninguém sem antes dar duas voltas ao mundo calçado nos seus sapatos!! E é isto mesmo, cada um sabe de si e faz o que sente ser melhor para si e para os seus e os outros devem fazer o mesmo :) Adorei o post.

    ResponderEliminar
  40. Para que se saiba a sogra é uma pessoa espetacular, bem disposta e muito à frente....foi minha professora e agora minha colega....5 estrelas!

    ResponderEliminar
  41. Só o título é que já me põe a suar fininho ahahahahahahah epa viver com a sogra é que não !!!!!
    Acho que estes 2 posts, assim lidinhos em conjunto, dizem-nos muito mais do que é a sociedade portuguesa do aue qualquer tese ou dissertação de Sociologia. Eu ando no mundo dos blogs há já uns bons pares de anos. Ainda era solteira e boa rapariga, amante da noite e do sentido da vida. Depois conheci o meu marido através do Blog. Hoje sou uma profissional respeitada e mãe de 2. Já tenho comentado este Blog. Acompanho 2 ou 3 sobre política, alguns de humor, o vosso e o da Carlota (Fe Velez). Nada mudou desde 2003. As pessoas continuam a opinar muito e às vezes muito mal educadamente. É não ligar a esses comentários. Claro que quem se expõe como vocês o fazem, sujeita-se a muita coisa desnecessária. Só acho que devem ser fruto de inveja ou sentem que têm de justificar as suas opções de vida. Numa palavra: culpa. Porque não há nada de errado no post da Joana, mas há tudo de errado numa lei que não protege esta opção de vida. Noutros países a mãe fica em casa sem ter de se sentir culpada ou que lhe apontem o dedo como preguiçosa. Fica e pagam para ficar. Cá é um crime mandar uma mãe ir trabalhar aos 3 ou 4 meses. A esses é que os pais como o David deveriam começar a escrever, porque a parentalidade também é dos homens e em Portugal ainda é mal visto o homem que faz tarefas domésticas. De resto não se chateiem com o ressabiamento alheio porque não vale mesmo a pena. Lembrem-se que a Joana podia ter morrido este ano. O pior ano foi transformado em melhor e só é pena que algumas redefinam prioridades quando há doenças incuráveis na família. Vocês estão a dedicar-se ao melhor e à felicidade. O resto é conversa 😉 beijinhos para todos.

    ResponderEliminar
  42. Pois eu repito exactamente o comentário que fiz no post anterior.
    Também gostaria muito de poder ficar em casa com os meus filhos. Acho muito bem que quem queria e possa o faça.
    Como também acho que viver com os pais/sogros seria para mim um pesadelo. No meu caso pessoal porque a vida com os meus pais foi sempre um verdadeiro inferno. E só espero que a vida me permita nunca precisar disso.
    Por outro lado, na minha opinião não me parece bom para o casal viver com os pais. Mas é a minha opinião. Se na da Joana isso faz sentido, força!

    E por fim, não aplaudo a "declaração" do David. Não me parece nada de extraordinário, e até fico perplexa por ver tantas mulheres histéricas e excitadíssimas com o facto de um homem vir ao blog da companheira fazer um post com este conteúdo.
    É que este histerismo e excitação quase faz parecer que há por aí pessoas muito carentes e com muita falta de amor (próprio e não só).

    Paula P.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso concordar consigo a 200%, Paula P?
      Eu até fico pasma com tanta parvoíce junta.

      Eliminar
    2. Paula P👏👏👏 para si! Completamente de acordo com o que disse. Fui ler os comentários ao outro posto e nao vi nada de ofensivo, apenas li opiniões divergentes das da Joana, por isso também achei um bocadinho despropositado este posto do David, e de certa forma até arrogante, porque sendo um blog público o da Joana e de sucesso, era normal que um post desses suscitasse polémica e algumas críticas, porque queiramos ou não, viver com os pais por opção aos 30 anos, não é assim tão comum. Mas se o casal lida bem com isso, eles é que sabem :)

      Eliminar
    3. Ora se a joana já disse que recebeu outro tipo de comentarios ofensivos que nao publicou, deve ter sido isso deu aso a este post. Claro que se ela se expoe, vai ouvir de tudo, mas acho tambem que ha maneiras e maneiras de dar a nossa opiniao. Eu ca gostei de ver o david a defender as decisoes deles e a sentir necessidade de proteger a joana, achei um hino ao amor e à familia! Parabens aos dois! Filipa

      Eliminar
  43. As escolhas de cada um devem ser sempre respeitadas. O post do marido é um post normal de alguém que se sente feliz com a sua opção, não me parece ser motivo de tantos aplausos.... só deixo um conselho para quem toma esta decisão, procurem sempre ter independência financeira. Quando a vida nos troca as voltas tudo se complica....ninguém deve depender de ninguém.... acredito que não seja o caso deste casal, mas eu jamais viveria dependente do meu marido. Muito ou pouco preciso de contribuir e sentir me livre para tomar as minhas decisões

    ResponderEliminar
  44. Daqui a uns anos está frustrada e fio-me pouco num homem q escreve num blog destes, isto para ser simpática hahahahah

    ResponderEliminar
  45. Parabéns Joana pelo marido maravilhoso que tem... parabéns David... parabéns sogra...
    Acho incrível como as pessoas se preocupam tanto com a vida dos outros e por vezes a sua vida própria está um caco.O engraçado é que comentam que viver com a sogra nem pensar mas no que toca a precisarem delas!!! Pois bem tenho uma serie de casais amigos e também familiares que não vivem em casa da sogra mas a casa da sogra é a base de tudo! Tudo se faz em casa das sogras e a criançada q por lá fica acampada até os pais regressarem do trabalho,são os almoços e jantares em casa da sogra,é as roupinhas que são lavadas e passadas em casa da sogra,São as festinhas de aniversário da criançada que são feitas em casa da sogra porque normalmente tem mais espaço e os papás moram num apartamento... Enfim tantas coisas que é melhor nem continuar. Já para não falar nos casais q vivem ou por cima ou por baixo da sogra (casas de dois ou mais andares onde os pais vivem num andar e os filhos casados em outro) Mas claro e tão bonito dizer q têm casa própria que se esquecem de dizer que só a usam para dormir(ou seja é um dormitório como eu costumo dizer)
    Portanto Joana mais uma vez muitos parabéns a todos... atenção q sou leitora assídua do blog não tenho filhos mas adoro passar por aqui e nunca tinha comentado mas a sério que comichão me deu ir ver os comentários do outro post e então não resisti. Um beijinho grande as meninas. Assin:Mariana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada caso é um caso!!! No meu caso particularmente, moro por baixo da sogra, mas só porque os sogros fizeram questão de comprar o apartamento por cima do nosso depois de já termos comprado. No entanto, a nossa casa não é o dormitório, muito pelo contrário. Às vezes, passam-se dias sem que nos vejamos.

      Eliminar
    2. Efectivamente é a mesma coisa.

      Eliminar
    3. Claro que sim cada caso é um caso. Falei em casos que conheço bem de perto. E cada um sabe de si e sabe o que quer para a sua família.

      Eliminar
    4. Anónimo 23:23

      Não vivo em casa da sogra (nem dos pais) ( graças a Deus!)
      Gostava muito de poder ser mãe a tempo inteiro. Infelizmente, por agora não é possível.Mas fico feliz por haver quem consiga e possa fazer isso.
      Viver com os pais (ou sogros) está completamente fora de questão. Nunca, jamais, em situação alguma ponho essa hipótese.
      A sogra (ou os meus pais) não tomam, nem nunca tomaram conta dos meus filhos.
      Os avós nunca ajudaram em nada com as crianças e não contamos com eles para nada.
      Os miúdos visitam os avós com frequência. Pois são os seus avós e não queremos afastar as crianças da família.
      Por isso, anónimo 23:23, viver em casa dos pais/sogros - NUNCA
      Os pais/sogros tomarem conta/ajudarem/etc com os miúdos - NUNCA.
      Ser mãe a tempo inteiro - Quem me dera.
      Esclarecido/a?

      Susana P.

      Eliminar
  46. Não vou fazer vénias ao pai ou bater palmas e dar ovações , nem vou dizer que fizeram bem ou fizeram mal e que se vão arrepender ou não . Vou explicar que uma editora de conteúdos de TV não tem vida. Ou melhor : tenta ter. As editoras de conteúdos que conheço são de dois tipos : ou não são mães e jantam às 11.30 da noite e adormecem às 11.38 no sofá e acordam às 6 da manhã para um banho rápido e começar tudo de novo , ou são mães e têm toda uma logística com custos monetários e Ainda mais , com custos pessoais envolvidos , em que há prolongamentos de escola e pessoas estranhas a família e pagas para irem buscar miúdos à escola e limpar a casa. Com sorte ainda trazem trabalho para casa em ambos os casos (mães ou não mães é indiferente ). É isto o maravilhoso de trabalhar em Portugal em TV . Com sorte, o ordenado é bom e acima da média . Indiscutível . O horário é... não existe . Também não há horas extraordinárias pagas. Ah! E com imensa sorte trabalha-se ao fim de semana , 7 dias por semana . De certeza que esta decisão não foi tomada de ânimo leve e de certeza que a Joana sabe que quando quiser voltar já lá estarão miúdas saídas da faculdade a fazer o trabalho dela com um décimo da experiência dela e a ganhar menos e sabe que será difícil voltar a ser contratada. Portanto com este ordenado a menos , não me espanta voltarem a casa da mãe ( e da sogra ). Porque se constrói uma vida baseada nos ordenados que temos e muitas vezes se queremos mudar tudo temos de abdicar de certas coisas em benefício de outras. Não sei se este comentário será publicado mas era só para relembrar as pessoas que o preto nem sempre é tão preto no Branco .....felicidades família :)

    ResponderEliminar
  47. Sei que este post já e antigo, mas só o li agora mesmo.. E fiquei contente de perceber que são meus vizinhos. Já que eu também vivo em Santarém...

    ResponderEliminar