segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Não estava à espera de ter esta reacção.

A festa de Natal da Irene foi no domingo. Confesso que a minha vontade de ir não era grande coisa. Não gosto muito de "eventos" e a Irene tinha estado doente recentemente e, por isso, tínhamos válidos motivos para não irmos, mas não quis privar a Irene de ter a mesma experiência dos amigos e que provavelmente se iria divertir e muito. 

Quando ela subiu a palco... Quando ela subiu a palco. O meu coração ficou estático. Parece que olhei para ela e que a vi a ser. Como se pudesse espreitar por um buraco de uma fechadura para o meu útero. Via-a a ser sem mim, a andar, a brincar, a gostar da música (ainda por cima vestida de uma maneira tão carinhosa e bonita) e não senti orgulho, mas foi parecido. Senti que a Irene é uma criança feliz e que estamos a fazer um óptimo trabalho (os três, porque isto não é algo que a gente faça sem que ela participe). 

Claro que não era preciso haver uma festa da escola para sentir isto, mas vê-la lá ao longe, pequenina, no palco, de mão dada à educadora e depois a dançar à sua maneira louca a música... claro que comecei a chorar baba e ranho (bom, o ranho é de estar constipada). 

E confesso: gritei. Houve uma parte no fim em que ela estava à nossa procura no público (sei bem que não conseguia ver grande coisa porque já "fiz palco") e eu, lá de cima, gritei "NEEEEECAAAAAAAS". Ela não ouviu. Acho que deve ter havido meia dúzia de mães e pais a achar que me passei da cabeça, mas foi incontrolável. Foi o equivalente a ver os Backstreet Boys quando não pareciam só uns ex-jogadores da bola bimbalhões. 

Quando lhe mostrei a filmagem (não mostro aqui porque as outras mães não têm que gostar de partilhar os seus filhos na internet, além de suspeitar que será ilegal partilhar fotos dos outros filhos assim em canal aberto) ficou toda contente por eu ter gritado e ainda hoje fala disso. Menos mal.

Expliquem-me só uma coisa, é requisito para as educadoras de infância terem jeito para trabalhos manuais? Senti que estava a ver um programa de DIY demasiado avançado para mim que nem a porcaria de um quadro consigo que fique direito na parede. 

Já foi a festa dos vossos? Como correu? :)

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este 

9 comentários:

  1. Hahaha, aproveite agora para gritar e ainda por cima ela achar graça porque daqui a uns anos ela diz...Mãe, pelo amor de deus não grites em público.

    ResponderEliminar
  2. Pois bem, eu chorei, gritei "joanaaaaa" e disse adeus tantas vezes que mais parecia estar a ter um ataque! Mas a miúda ficou Feliz e isso é que me interessa. Mas confesso que nunca pensei fazer tantas figuras tristes como mãe, upa, que se lixe. Só tenho uma, vou aproveitar ao máximo.

    ResponderEliminar
  3. Conheço bem a sensação de orgulho! No primeiro ano que o meu filho mais velho participou tinha acabado de fazer os 12 meses e estava só vestido de Oscar (o tema da festa era o cinema)! Vieram-me as lágrimas aos olhos.. 😂 e ele só tinha de estar sentado no chão! Entretanto já se passaram mais duas festas e ele não é nada dado a palcos... Super envergonhado, não canta nem dança. Apesar de em casa andar sempre a cantarolar e ser extrovertido. Vamos ver se o mais pequenino é mais "artista"!

    ResponderEliminar
  4. Joana, a do meu bebecas foi ontem ele tem 1ano fez no passado dia 12 e compreendo bem o que diz quando o vi sentado no palco tão pequenino com a estrelinha na mão abanar senti uma emoção tão grande que confesso me vieram as lágrimas aos olhos. É só uma festa da escola sim, e sim ele só tem 1ano logo não teve uma prestação elaborada, mas, mesmo assim é um sentimento que é difícil de explicar.

    ResponderEliminar
  5. Uau Que giro, é sempre tudo tão o maximo! os filhos dos "famosos" que têm blogues e afins são sempre super inteligentes e perspicazes e tudo e tudo e tudo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou "famosa", não tenho um blogue, mas para mim os meus filhos são super inteligentes e perspicazes e tudo e tudo e tudo!
      São o máximo e s'pé giros e queridos!

      (São mesmo.)

      Eliminar
  6. Não fui por causa da bebé mas foi o pai e filmou tudo. Emocionei-me ao ver o vídeo e tenho a certeza que ia chorar também baba e ranho caso lá estivesse. Foi lindo... ele ali tão pequenino frente aquela multidão de gente, nervoso a fazer tudo o que aprendeu com a professora.
    Quanto aos DIY as professoras aprender muitas técnicas na faculdade daí terem todas jeitinho para os trabalhos manuais :)

    http://ourpicturingdays.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. A Margarida que tem 4 anos também teve festa da escola sendo o segundo ano não seria de esperar que chora se já que o ano passado não o fiz. Mas chorei é muito é e sempre quef FALO nisso fico com as lágrimas nos olhos, porquê? Porquê porque ela fez surpresa e por muito que lhe pedisse ela não cantou e no dia da festa ali está ela a minha princesa a cantar uma canção grande e eu senti que ela estava tão crescida e senti.me pequenina....

    ResponderEliminar
  8. Joana já tive duas festas da minha bebe. A primeira no ano passado ainda não tinha um ano e esteve apenas sentado. No final do "ano letivo" houve uma festa onde ela já dançou mas sempre um pouco absorta com tudo o que se passava a volta dela. No passado sábado tive a festa (ela tem 20 meses) que não foi bem festa... foi mais um pequeno convívio entre pais e filhos. Houve apenas uma pequena demonstração de uma música/dança da qual ela foi das poucas que participou mas estava uma confusão na sala cheia de adultos... nem as crianças tinham grande espaço para dançar e depois como vivam ali tanta gente havia mt vergonha misturado. Não me emocionei em nenhuma das festas mas fiquei sempre orgulhosa e feliz por a ver tão participativa, feliz e curiosa. Acho bom estas coisas para os miúdos embora também não tenha muita paciência para "eventos".
    Talvez pro ano com ela mais velha e com uma participação diferente eu tenha outra reacção.
    Beijinhos aos três e confia pois parece-me que estás a fazer um lindo "trabalho" com a Irene.

    ResponderEliminar