quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Pai em Pânico (#01) - Menino ou menina? Não quero saber!





27 semanas! É este o tempo total de gravidez que tenho para cobrir com esta primeira crónica do “Pai em Pânico”, para vos deixar em dia. Para ser honesto, nem sei bem por onde começar… 

Que tal com o facto que eu e a minha namorada decidimos que não queríamos saber o sexo da criança? Sim, processaste corretamente a frase anterior e por esta hora já te inseriste em uma de duas categorias: na categoria composta maioritariamente por mulheres e que se identifica com um audível “ó, que ideia tão fofa!”, ou na categoria das bestas dos meus amigos que se manifesta através de um perfurante “que estupidez!”. A verdade é que poucos temas são tão polarizantes como este. Nem “Trump versus Hillary” ou “Coca-Cola versus Pepsi” divide tanto a opinião das pessoas. Em termos da ausência de consenso, o tema “Não Queremos Saber o Sexo da Criança” fica apenas atrás do eterno “Qual o pior dos irmão Baldwin?”. (dica: não é o Alec)

Embora me sinta tentado para concordar com os seres unicelulares que são os meus amigos, uma vez que, sabendo o sexo da criança, há todo um conjunto de assuntos logísticos que se podem preparar de forma mais detalhada, a verdade é que tem sido “fixe” não saber. Primeiro, conteve o nosso impulso capitalista de uma forma que deixaria Fidel Castro orgulhoso. Em segundo, já ninguém usa o termo “fixe” porque é algo dos anos 90. Por fim, e sendo excessivamente cliché, o que importa é que seja saudável... e que seja a/o primeira/o campeã(o) de um título de Grand Slam em ténis. #baixasexpectativas

Mas só para deixar claro: nós não queremos saber o sexo da criança, até ao nascimento! Após o parto, é totalmente expectável que o sexo da criança seja distinguível para nós. Caso contrário, algo está muito errado e sou totalmente a favor de pôr a criança numa cesta e lança-la ao Tejo. Afinal de contas, funcionou com Moisés.

O motivo por trás da decisão de não saber o sexo da criança é, naturalmente, a minha namorada! Ela achou que seria giro não sabermos e eu decidi que gostava de saber, mas não ao ponto de comprar uma discussão com uma grávida, por isso decidi alinhar. Aliás, é essencialmente esse o meu papel até ao final da gravidez: “Fofinha, claro que reservar o infantário quando só estás grávida de 2 meses não é cedo de mais. Aliás, até devíamos já fazer a inscrição na faculdade. Eu estou a pensar Física Quântica no M.I.T., e tu?”.

Gosto de pensar que tenho cumprido com o papel de pai em formação. A minha namorada poderia discordar e, nesse sentido, teria de concordar com ela, mas só porque tem mesmo de ser.


10 comentários:

  1. Só que não... é uma "casa" de mulheres(até as crianças são mulherio) não se mexe numa equipa que ganha...não queremos saber da opinião masculina...para isso temos o marido ca de casa.

    ResponderEliminar
  2. Ahahaha adorei. Adotava também ter essa "coragem" de só saber o sexo do bebe quando nasce, mas tanto eu como o pai somos muito impacientes e a espera não é connosco. Já basta esperar 9meses para o ter nos braços ��

    ResponderEliminar
  3. Acho ótimo nao se saber o sexo do bebé! Evita todo um guarda roupa, quarto, etc... estereotipado :D

    ResponderEliminar
  4. Gostei! Ainda nunca fui mãe mas não acho que aguente 9 meses para saber se é menino/a. Em relação à creche... Acredita que não foram cedo demais. Trabalho numa e não imaginas a quantidade de pessoas que apareceram em setembro e já nao havia vagas, principalmente para o berçário!

    ResponderEliminar
  5. Juro que tentei fazer o mesmo na 2.ª gravidez.. até que na eco das 11 semanas.. sem prever que o médico falasse sequer em sexo (do bebé claro).. ele vira-se e diz: raramente me engano e tenho 99% de certeza que vem uma menina..
    Pois e não se enganou mesmo..

    ResponderEliminar
  6. Deixaste bem claro as vantagens em não saber o sexo do feijão (já não é bem feijão agora), especialmente quando é a mãe a ter a ideia! ;)
    Um texto divertido e perspicaz, como aliás, já estamos habituados!
    Parabéns aos futuros papás e boa sorte ao mais pequeno(a)!

    ResponderEliminar
  7. Adorei! Aguardo com expectativa a próxima crónica :D

    ResponderEliminar
  8. O keu gostava é k aparecesse a tal Joana,mae de um rapaz para nos dar a perspetiva masculina. K isto de educar moços tem mais k se lhe diga,pelo menos sao mais energéticos,curiosos e desafiadores. Onde é kela tá????

    Cristina
    Algarve

    ResponderEliminar
  9. Eu insiro-me nos que não querem saber. Tenho dois e não soube de nenhum. :) Se tivesse mais algum, também não iria querer saber novamente. Conheço mais pessoas que tb não souberam até ao nascimento das crianças.

    ResponderEliminar