segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Esta mãe anda por aí?

No Domingo à tarde fomos lanchar a uma Padaria Portuguesa que há em Telheiras. Tinha fotografias giras num site e fomos. A Irene parece que anda com problemas de barriga e só descobri isso quando lá chegámos. Por acaso levei fralda para trocar porque achei que já tinha despachado os números 2 do dia. 


Toda contente por ter, afinal, levado a fralda extra fiquei um pouco aflita por não saber onde lhe trocar a fralda. Não queria mudá-la em frente a toda a gente, mais para não incomodar pessoas a lanchar e isso.

Fui à casa de banho com a Irene e não havia trocador. Encontrei uma mãe afónica (voz sexy - deve ser do tempo) que estava a ajudar a sua filha mais crescida a fazer xixi na sanita. Partilhei com ela a minha preocupação e ela não hesitou e tentou dar soluções: mude-a ali na outra sala que acho que está vazia (não estava) ou "eu ajudo-a, só um momento".

Fiquei tão quentinha com esta reacção. adoro saber que nos entre-ajudamos que, se for preciso, mudamos mais aquela fralda daquela bebé que não conhecemos, filha de uma mulher que nunca ouvimos falar. Aceitei a ajuda, mas pedi primeiro para ver se me desenrascava sozinha: deitei-a em cima do tampo da sanita, pus o quispo a fazer de almofada e para a separar da parede e, muito dentro dos limites, consegui tratar de tudo. Fiquei contente por me ter desenrascado - não me tenho em conta como muito hábil. Fiquei ainda mais contente por aquela mãe tão querida que queria ainda limpar um segundo rabo naquele pequeno intervalo de tempo.

Procuro esta mãe para lhe agradecer, mas também todas as mães que alguma vez algum dia ajudaram outra mãe que não conheceram para dizer que estas coisas ficam na nossa cabeça e que nos fazem sentir que, afinal, vivemos num mundo com alguns laivos de decência e compaixão.

Irei sempre lembrar-me de ajudar outra mãe que me pareça cheia de casacos ou com uma fralda por mudar ou...

Vamos a isto? 

Última noite nesta casa.

Uma etapa que se encerra. Fomos muito felizes aqui.
A poucos dias da Isabel completar dois anos, deixamos esta casa. Os melhores dois anos.

Ontem, quando aqui chegou, perguntou onde estavam as coisas. 
- Não tá, não há, nada.
- Não filha, a tua cama já está em casa da avó. Os brinquedos também. Está tudo lá. Mas olha, ainda está aqui a cama da mãe e do pai, vamos dormir todos juntos hoje e amanhã já vamos para casa da avó.
- Avó, Pipo.
- Sim, amanhã vamos viver com a avó, o Pipo e o Sunny. Hoje fazemos oó aqui, amanhã dormimos em casa da avó. 

Começou a correr pela casa e a adorar o eco das paredes vazias. Acho que lhe ouvi agudos que nunca tinha ouvido. Estava feliz (os vizinhos também devem ter dado por isso). Para eles, nada disto é complicado. E, tenho a certeza, não vai sentir falta de nada disto. Desde que estejam connosco, eles estão bem.

Hoje de manhã ainda me lembrei de lhe tirar uma fotografia no cadeirão do senhorio! <3 


Um ano separa estas imagens (falei disso aqui)
Quase dois anos depois <3


domingo, 28 de fevereiro de 2016

A maior e melhor loja chinesa que há para aí.

*Ui. O que eu deliro com lojas chinesas ou "dos chineses" como costumamos dizer. Quando vivia sozinha e quando me davam aqueles "vaipes" do "''bora lá comprar coisinhas novas" (orçamento muito curto, para variar - irónico) e vinha toda contente para casa, uns 10 euros depois com 50 bugigangas. Artigos de papelaria, maioritariamente, confesso que tenho (mais) esse problema. 

Ainda vou, de vez em quando, aqui perto de casa, a uma loja dessas, mas é porque a Irene se apaixonou por um daqueles gatos que abanam a mão e que funcionam a energia solar. Não sei se também fazem isso, mas eu decidi não comprar para manter sempre aquele entusiasmo quando passassemos pela loja a caminho da farmácia ou do pão - o gato das mãozinhas. 

No outro dia recebi um e-mail a convidar-nos para visitarmos uma loja chinesa online. Fui cheia de medo que me enchessem o telemóvel de virús e não sei quê (eu sei que é horrível, mas "estrangeiradas" no telefone, nem sempre correm bem) e a verdade é que acabei por me deparar com a maior e melhor loja chinesa que há para aí: a Banggood. Não deixa de ser engraçado o trocadilho que possa ter em inglês, sendo que bang é isto e good, acho que todos sabemos o que é. 

Delirei com a quantidade de coisas que tinha à minha disposição. Tem de tudo um pouco, a sério que sim. Aqui entre nós, a fingir que a minha família não lê isto (e a da outra Joana também não) o que acabamos ambas por descobrir foi toda uma página de... bom... massajadores corporais femininos? Não encomendamos nada disso e, se encomendassemos, não seria eu quem iria dizer, seria a Joana que ela é que é que consegue falar de sexo tranquilamente sem pudor - "que grande maluca" - aliás, já é a segunda vez que engravida, não é por só dar abracinhos). 

Bem, focámo-nos na secção de criança (esta aqui) e, como tudo na vida, há que saber escolher, certo? Eu já não compro calças para mim na Zara, por exemplo. São daquelas calças que parece que só ficam bem quando foram acabadas de lavar e isso enerva-me. 

Então, que escolhas é que eu fiz e como correu? Ainda bem que perguntam. Vou por ordem de preferência, pode ser? Pode.

6º - Gorro Fofo para meninas



Epá, confesso que morri de amores por este gorro. Parecia fofinho e óptimo para também fazer de cachecol. Infelizmente não escolhi o tamanho certo. Yup. E, assim, lá terei de ser eu a usar. Vou esperar para não usar tanto os transportes públicos, só por uma questão de coiso. O gorro é exactamente igual à fotografia e a lã não faz comichão nenhuma, nem à minha pele que se arma muito em fina.


5º- Tigelinha que não derrama



À semelhança daquela colher que espreme a sopa a partir de um compartimento, estava louca já há uns meses para testar esta taça. Há certamente coisas de física a explicar para perceber porque é que não derrama em 80% dos casos. Obviamente que dizendo isto aos meus colegas de trabalho, arranjámos 48 maneiras que ela derramasse.  Felizmente ficou-me bem mais barato encomendar deste site e, para testar, não há melhor.

4º- Chuveiro da vaca



A Irene, de vez em quando, ainda faz birra para lavar o cabelo. Achei que ia adorar ter um chuveiro em forma de vaca. Adorou, claro. Ainda por cima vem com um sítio para o pousar com duas ventosas. Foi um dois em um, visto que nessa casa de banho (uhh tenho duas), o único sítio onde podíamos pousar o chuveiro era em cima das torneiras. Ela gosta muito da vaca. Atenção que o produto não tem uma pintura exímia, mas vale o que se paga por ele, brincadeira e prenda muito gira - além de muito útil.

3º - Chapéu para o banho



Exactamente dentro da onda anterior, queria algo que me facilitasse a questão do champô. Já tinha visto destes chapéus na net e, sim, tal como vocês também achei uma ideia parva mas, depois, quando precisamos dela, já não parece tão parva assim. Mais uma vez, foi uma maneira barata de testar aquelas invenções que vemos a passear por aí. Resultou e gostou de ver a água a cair à frente dela. Só para chatear, entretanto deixou de precisar dela, por isso fica já para o próximo feto.

2º- Fantoche do Leão


Como é que uma coisa tão simples se torna numa diversão tão grande? É uma das coisas boas que as crianças têm para nos ensinar. Encomendei a luva com um dos animais preferidos da Irene e passei a manhã de Domingo a ser o "Leão João" para ela. O Leão fazia anos, o Leão tinha cocó... Vocês sabem como é. Ela adorou e estou a "ensiná-la" (não que precise, porque ela é que é a criança) a brincar ao faz de conta. Adoramos o Leão João. Acho que vou mandar vir mais animais.

1º - Garrafa Skip-Hop



Excusado será dizer que é uma das minhas marcas preferidas. A Irene tem o tapete para não se magoar (tinha, que já não usamos), o cesto para guardar os brinquedos, os talheres, os pratos e os copos (que foram os copos mais perfeitos para ela beber água - nunca usámos biberão). Práticos, bonitos e... sou fã, fã. Aqui estava uma oportunidade de mandar vir e... mandei o da abelha que ainda não tínhamos.


Correu tudo bem. As coisas demoraram o tempo expectável a chegar, visto que vêm da China mas, tirando isso, tudo tranquilo. Fiquei surpreendida? Não se zaguem comigo, mas fiquei. Não é por mal, é só porque não estou ainda formatada para comprar muito na internet em sites pouco familiares. Agora, de repente, olhando para o site, até já salivo com as próximas compras... deixem ver, já agora:

Ohh não!!!
Encontrei o gato das mãozinhas!!!!

E agora?? Dilema!!!

Acham que mande vir ou não mato parte do encanto do passeio?



*Esta foi a minha experiência de escolha, encomenda e apreciação destes produtos, a convite do site. A Bangood tem também um armazém europeu e, portanto, não há cá problemas de alfândega ;)

Fim-de-semana sem filha: prova superada

Achei que tão cedo não ia conseguir, não depois do que aconteceu quando a Isabel tinha 9 meses, de que vos falei aqui.

Este fim-de-semana era o último para as mudanças (vamos viver para o campo) e ia ser um bocado complicado fazê-las com a Isabel. Tivemos a ajuda dos amigos para o puzzle de enfiar uma vida dentro de uma carrinha e, umas quantas viagens entre Lisboa e Santarém depois, conseguimos! 

A tia lembrou-se desta hipótese e a Isabel foi para Évora com as primas, para casa dos avós. Consegui. Com o coração meio apertado (devem conhecer a sensação) e com receio de que não dormisse nada de jeito, de que ficasse triste, mas enganei-me. Só acordou uma vez, pediu leite, voltou a dormir e acordou às 8h e tal, nas calmas. Andou bem, comeu bem e quando a fui buscar não se queria vir embora, eléctrica e feliz! Aprendeu a gritar com as primas, mas confesso que até isso foi música para os meus ouvidos (espero que se esqueça rápido... hehe). Apanhou tangerinas das árvores e comeu, foi ver os cavalos, brincou, tomou banho com as primas e eu fiquei tão, mas tão feliz que nem vos consigo explicar. Sinto que desbloqueei uns medos que para aqui andavam e sinto que só lhes faz bem, de vez em quando, terem estas experiências.

Prova superada. Venham mais!

[Obrigada, tia Raquel! Obrigada, avós]



Fotos que a tia Raquel nos foi enviando <3

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Tive um pesadelo horrível :(

Já há muito tempo que não me lembrava de ter um sonho assim, daqueles em que acordamos transpiradas e com lágrimas nos olhos. Tentei logo lembrar-me de que sonhar com a morte é sinal de que estamos vivos, blá blá, para acalmar o meu coração que parecia um cavalo de corrida. Uma angústia enorme presa na garganta. A Isabel estava a dormir na nossa cama e eu aninhei-me a ela. A barriga, a crescer imenso, ainda deixa. Cheirei-lhe o cabelo e fiquei mais calma.

Sonhei que estava a ter a Luísa, no sofá de casa, agora, com 25 semanas. Foi tudo muito rápido, fiquei em pânico por ela ser tão pequenina e achei logo que não ia sobreviver. Pu-la dentro da minha camisola, quentinha, pele com pele e fui a andar até ao hospital, com ela no colo. Não sei bem onde estava, não reconheci. Pedi-lhe que sobrevivesse. Um pânico tremendo.
 
Nem sei onde fui buscar isto, não costumo ser pessimista nem andar amargurada com estas coisas. Estou a ter uma gravidez santa, às vezes nem me lembro de que estou grávida (e quando me lembro, cai-me a ficha com um amor enorme), e tudo indica que a Luisinha se aguente no forno até ao fim. Terá sido de andar em mudanças e de ter receio de andar a esticar um bocadinho a corda? Tive umas moinhas há uma semana e um género de contrações, barriga dura e tudo e fiquei de avisar a médica se se repetisse... terá isso tudo ficado no meu subconsciente?

Vocês, têm "sonhos" destes? Não queria nada que se repetisse, bolas. Demasiado real.
 

As avós são as maiores!!

A avó paterna continua a surpreender-me todos os dias. Quando precisamos, eles vão lá para a casa tomar conta da Irene (o que ajuda muito que assim ela dorme a sesta tranquilamente, etc) e as últimas duas grandes ideias, deixaram-me toda derretida:


Não havia pão em casa, levou o creme vegetal para o parque e quando o Avô voltou com o pão, fizeram um piquenique de "pão manteiga". 

Como estava a chover imenso, alguns dias de pois e a Irene adorou o piquenique, porque não fazer em casa e deixá-la tentar por ela a manteiga no pão? 


São ideias amorosas e tão simples de por em prática, não só? Temos muita sorte nos avós da Irene. E como já os ensinei a tirar fotografias e a gravar vídeos no Whatsapp estou a ser constantemente actualizada com estas maravilhas enquanto trabalho. 

Olhem que acessório tão giro para o Nenuco!

Conheci isto através da outra Joana e achei tão giro!

A primeira brincadeira da Irene com os Nenucos dela foi dar-lhes de mamar, mas claro que a segunda foi dizer que eles têm cocó.

Não sabia que havia fraldas para Nenucos. Pensando nisso, claro que tinha de haver, há de tudo, mas achei isto tão amoroso.



Há uns conjuntos com biberão incluído, mas não comprei esse porque a Irene não sabe o que é um biberão. A Joana tem e a Irene adorou!

Desculpem mães de rapazes pela sugestão ser tão "feminina" mas... será que é assim tanto? Os meninos também podem brincar a isto, não podem?

Se calhar, se brincassem, haveria ainda mais pais a mudarem fraldas e a darem banhos e...

Querem ver-me a mexer?

Só me vêem em fotografias, mas neste caso (que sorte) vão poder ver as minhas bochechas e a minha boca em itálico (quase tanto como a Bárbara Guimarães) a falar.

Este foi um convite feito pela Marta que é  The Coolunista, fez uma série de vídeos para ajudar novas bloggers e decidiu convidar-nos para falarmos sobre como conciliar o trabalho com o blog (e, no nosso caso também, a maternidade). A Joana Paixão Brás, infelizmente, não pode ir - exctamente por não dar para conciliar com o trabalho, que engraçado), mas eu fui e apostei numa camisa de Zebra para parecer que percebia de moda.

Azares dos azares... Pareceu uma entrevista algo Zoológica.

Eu cá gostei muito de ir, até porque foi logo uns dias depois de pintar o cabelo, por isso estava impecável.


              


E vocês? O que acharam? ;)

Joana, fizeste falta. Será que irias com um padrão dálmata? ;)

"Aproveita a gravidez para dormir muito..."

Foi o que disseram à Sara-a-dias, que está prestes, prestes a conhecer a Salomé.
Aproveita para dormir muito. Descansa tudo o que puderes, diziam.


Pois, pois. Mais alguém com insónias e xixi e desconfortos vários na gravidez? :)

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Pareço um vampiro

Epa, epa, epa. Não me lembro de tal coisa na outra gravidez. Pareço um vampiro. Mesmo. Tenho as gengivas (ou gengives, como se ouve por aí) completamente lixadas. Já comprei uma escova de dentes molinha, mas mesmo assim, dava para fazer um arroz de cabidela. Desculpem se já estão todas enojadas, mas este tema só lá vai com humor. Mais alguma dica para solucionar isto?



Obrigadinha.

Paizinho, Vírgula!

Já conhecem? Já conhecem? Já conhecem? Como NÃO? :)

Sou fã do Paizinho, Vírgula! e dos vídeos deste pai. Tudo faz sentido para mim. É assim que penso. É este o meu objectivo e modelo de parentalidade. É aquilo que o meu coração de mãe sente e aquilo a que me proponho ser e fazer.


Percam (ganhem!) uns minutinhos a ver alguns vídeos (ainda por cima com sentido de humor). Pode ser que vos ajude a compreender estes seres fantásticos e desafiadores que temos em casa.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Sim. Estou grávida e como sushi.

Antes que comecem a chamar-me irresponsável, vamos lá a confissões. Estou grávida e como sushi. Não como todos os dias. Não como em todos os restaurantes e em todas as tascas de centro comercial. Não como tudo. Mas como.

Não quero influenciar ninguém com as minhas escolhas. Somos todas adultas, certo? Esta é a minha escolha. Pedi opinião à minha obstetra, logo na gravidez na Isabel, e ela liberou, com a maior das calmas. Disse-me apenas para ter cuidado na escolha dos restaurantes. Depois, pus-me a ler algumas coisas, quando uma amiga me disse que não comia sushi porque não era imune à toxoplasmose. Aquilo fez-me confusão e não percebi como é que os peixes apanhariam o toxoplasma... E, de facto, zero a ver com isso (basta não comer sushi com vegetais e morangos, etc, que não deverá haver esse perigo).
Agora, o peixe pode conter parasitas prejudiciais à saúde... pode. O peixe de alto mar pode ter níveis altos de mercúrio... pode. Podemos apanhar uma intoxicação alimentar, podemos. Há o risco de listeriose, há. Alimentos mal lavados, mal preparados e mal acondicionados (até num arroz reaquecido pode haver esse risco). Portanto, e não sendo fundamentalista em quase nada na alimentação durante a gravidez, escolhendo sítios de confiança, sim, corro esses riscos umas duas vezes por mês. Opção minha.

Posto isto, grávidas que comam sushi e não grávidas, pessoas em geral, deixem-me que vos apresente este novo restaurante que conheci ontem, num almoço de bloggers, o SushiRibeira (Arigatô) e que me conquistou desde o primeiro olhar (sim, os olhos também comem). As gyosas são qualquer coisa. O sushi é delicioso. O ceviche que vem numa crosta (têm um prato com várias coisa de fusão) é muito bom. Ainda provei uma massa muito boa (também têm opções de pratos cozinhados). E a sobremesa... aquele brownie com gelado de chá verde, senhoras... senhoras! Ainda hoje babei a olhar para ele.


Grávidas proibidas de comer sushi, pensem: já faltam poucos meses. Está quaseeeeee. Quando saírem da quarentena, vão desforrar-se e experimentar o menu degustação do SushiRibeira, que vale muito a pena.


Anónimos a criticar a minha escolha em 3, 2, 1... :)

Grávidas e atacadores.

Quem não? :) Hahahaha

Sara-a-dias sempre em altas!

Atacadores.

Tirem as roupas de criança dos sites de criança! Já!

TIREM AS ROUPAS DE CRIANÇA DOS SITES DE CRIANÇA!

Porquê? Porquê? Quero! Quero! Quero!

(a avó materna já está na posse desta lista, visto que a Irene está quase a fazer anos, a avó paterna também pode tirar ideias - tire, pff hehehehe)

ZARA




















ZIPPY













H&M










É, não é?

Pois.