sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

E se for uma seita?

Foi a primeira coisa em que pensei. Sabia lá o que era isto do Método DeRose (não sou ingénua ao ponto de por ter lido umas coisas e de ter feito uma aula que ache que sei alguma coisa) e a Sara, uma das melhores amigas da minha prima, era simpática quando éramos mais novas, mas sabia lá eu que caminho tinha tido... Até poderíamos combinar um encontro e depois eu sair de lá com um rim a menos (ou um rim a mais - imaginem, haver malta que oferece rins na rua a outros... também seria complicado). Na dúvida, decidi convidar o Diogo, #omelhorptdomundo.

Não foi por isso! Claro que entretanto fui pesquisar o que era (como tudo o que não sei e gostava de saber, até já cheguei a pesquisar o que é "ranho" como fez uma leitora questão de me lembrar, ahah) e pareceu-me muito interessante. O Diogo (meu pt), num dia destes desafiou-me a tentar a posição do corvo (vejam aqui em baixo) e foi por isso que a Sara achou que poderia ser engraçado dar-me uma aula. 



Quando estivemos juntas, claro que me acabou por "corrigir" e até de tornar o exercício mais fácil e estável ;)


A própria Sara, directora da escola Método DeRose Cascais, explica-vos o que é:


Fizemos muito mais coisas (não como o final que a Sara nos mostrou), mas não consegui gerir o "cartão cheio". Estava a gostar tanto da aula que não quis ir apagar coisas e perder tempo. Não sei se ligam muito a este tipo de coisas. Eu não ligava. Acho que andei durante antes dissociada do meu corpo mas, aos poucos, estou a fazer as pazes com ele, dando-lhe a atenção que ele precisa.

Além de estar todo a trabalhar (não devo ter músculos adormecidos de momento, acho que estou a "funcionar bem"), sinto-me também orgulhosa de mim mesma por todas as milestones que tenho vindo a alcançar. Só nesta aula de DeRose foram três ou quatro. 

É saúde, é orgulho, é equilíbrio, auto-estima, auto-controlo...  é sermos a melhor versão de nós próprios. Como diz a Sara, ajuda em tudo. Parece-me uma maneira muito saudável de nos focarmos no que é mais importante e também uma óptima maneira de nós, mães, andarmos com a cabeça mais no sítio e consigamos fazer um kameamé sempre que for preciso em situações mais complicadas sem parecer que o mundo está a ruir. 

::::::::::::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

8 comentários:

  1. Sigo este blog á algum tempo, sou mãe e existem aqui coisas que até são uteis mas...

    Pelo amor de deus...

    e eu com tanta roupa para passar em casa para a entreter.

    Também tenho chão e vidros para limpar, aquilo é que é exercício, ía ficar linda de magra e completamente exausta, até essa cabecinha ficava em forma...

    Lamento mas começa a perder qualidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É deixar de seguir, simples. :)

      Eliminar
    2. *há senhora há! Há algum temp.

      Eliminar
    3. Qual é o problema de cuidar de si? Se a rapariga tiver tempo ou até uma empregada que ajude em casa qual é o problema? Se tiver um marido que compartilhe as tarefas dá para todos, não? Assim não se queixava, mais vale quem quer do quem pode! Gosta o português quando vê alguém numa fila ou num ginásio dizer se fosse para trabalhar ninguém queria, mas vocês sabem lá da vida de toda gente. Menos frustação neste país sim?

      Eliminar
    4. Senhoras deixem lá a moça publicar o que quer. O Blog é DELA!
      Não gostam, simples, não sigam, nem leiam, e em vez de estarem a perder tempo a comentar vão passar a ferro.
      Isto já se trata de um perseguição à JG. Vamos lá ver o que de menos interesse vai publicar hoje!... ahahaha Haja paciência.

      Eliminar
  2. A Joana Gama atrai as haters mais frustradas do país ❤ Se fala da filha é um exagero, se fala dela é um capricho. Por favor continuem! (Enquanto passam a ferro e mais não sei o quê 😂)
    Joana M.

    ResponderEliminar
  3. O meu marido é praticante do método deRose há vários anos, e tenho uns amigos que conhecem a Sara. O mundo é realmente pequeno...
    São completamente "viciados" nesta prática. Quem se identifica, fica.

    ResponderEliminar