sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

E se não mamares de noite, Necas?

Ui. A viagem da Necas e minha por isto da amamentação dá pano para mangas. Já perdi conta aos inúmeros posts informativos e desabafativos sobre o tema. Podem ver uns quantos se carregarem aqui

Depois de muita tormenta, de uma suspeita de APLV e tudo, a amamentação finalmente tornou-se pacífica. Aos poucos, mesmo contra tudo aquilo que eu sentia nas fases em que ela precisava mais de mama, tem vindo a largar mamadas. 

Agora, a um mês de fazer 3 anos, durante a semana, mama de manhã quando acorda, à noite antes de adormecer e durante a noite, quando acorda. 

Não odeio dar de mamar, antes pelo contrário. Além do prazer que muitas mães que amamentam apontam (e das óbvias hormonas envolvidas que nos fazem sentir felizes), é também símbolo de uma batalha que a Irene eu travamos juntas e que vencemos. É sinal de que fomos capazes e que fizemos bem em continuar porque está tudo bem e tudo correu bem. 

Porém, confesso que as mamadas nocturnas me estão a deixar louca. Acorda e chama por mim. Eu, cansada, não me apetece que ela fique a mamar a eternidade que fica. Nunca consigo chegar a adormecer porque acabamos mesmo por ter alguém a mamar em nós. E irrita-me não ter controlo sobre isso nem opção. Se lhe nego a mama é um berreiro danado às 5h da manhã e ficamos as duas enervadas por algo que, lets be honest, tem muuuito mais de bom do que mau. 

Quando a Irene era mais nova, aconselharam-me o desmame nocturno para ela dormir melhor. Não é causa-efeito. Por favor, não vão nisto. Não desmamei e não me arrependo. Pensei sempre: se um dia quiser desmamar, que fosse através do diálogo e que ambas estivéssemos prontas para isso. Não teria sido justo introduzir-lhe este método (embora natural) de alimentação e de regulação e depois tirar à bruta só porque alguém me disse ou porque estava demasiado cansada. Eu não conseguiria lidar com a culpa. Ou, mesmo que conseguisse, não quero. 

Cá estamos aos três anos. Depois de uma noite em que dei por mim a ser má para a Irene a meio da noite por ela não aceitar não mamar para readormecer ("Ó IRENE, NÃO PERCEBES QUE EU ESTOU CANSADA, PÁ!"), no dia seguinte percebi que é tudo um processo, que devia tentar explicar o que se passa e negociar ou tentar perceber o que se passa aqui.

Ontem, quando estávamos a tomar banho juntas, surgiu-me o tema (em vez de lhe propor isso quando ela estivesse mais cansada e menos flexível): "Necas, filha, adoro dar-te maminha de manhã, sabias? É como se estivéssemos a matar saudades. À noite, antes de ires dormir, também gosto muito. É como se fosse um abraço com muita força. Durante a noite já não gosto, sabes porquê? Porque estou muito cansada, as minhas mamas já estão um bocadinho velhinhas e a mãe fica sem paciência. O que achas de, em vez de te dar maminha, nessas alturas, me abraçar a ti com muita força e dar muitos beijinhos até adormeceres ou de te abanar o rabo, pode ser?". 

Ela disse que sim. Não estava à espera que resultasse na primeira noite. Resultou a 75%. Aceitou em dois acordares outra alternativa. Às 5 da manhã estava irredutível e claro que cedi. Tenho de compreender. 

Vamos continuando nesta viagem, que não tenho pressa que acabe. Simplesmente, tal como a Constança Cordeiro Ferreira escreveu no livro, há  uma mamada que me incomoda (ou várias, as nocturnas) e é isso que quero "resolver", mas tendo sempre em conta o que a minha filha precisa (e eu também). 


Nota final: 

Atenção a isto dos desmames nocturnos. A Irene tem 3 anos e a amamentação já está estabelecida, além de que posso dialogar com ela e não será um momento traumático, digo eu, este afastamento, nem o irei fazer de forma bruta. É a à noite que há maior produção de prolactina, a hormona responsável pela produção do leite e, por isso, é quando o nosso corpo recebe mais a indicação da quantidade de leite que o nosso bebé precisa. Amamentar durante a noite é crucial para uma boa experiência de amamentação. Por favor falem com pessoas entendidas no assunto aqui ou aqui ou aqui, por exemplo. 

61 comentários:

  1. Relativamente à tua nota final, acho que podes estar tranquila. Ao final de três anos, creio que não há nenhuma fundamentalista da amamentação que se ouse manifestar!

    Apesar de nem sequer considerar a hipótese de amamentar até tão tarde, cada mãe sabe o melhor para si e para os seus filhos. No entanto, não consigo ficar indiferente a esse tipo de afirmações: "Eu não conseguiria lidar com a culpa."

    Apetece-me dar um berro a todas as mães que proliferam a palavra culpa.. "Quem dá o que tem, a mais não é obrigado". Sendo que 'o que se tem' resume-me a amor, de diversas formas e feitios, mesmo que pelo meio se comenta erros. Porquê sentirem-se culpadas por não ter dado mama? Porquê sentirem-se culpadas por terem berrado? Porquê sentirem-se culpadas por não ter paciência para brincar com os filhos? Porquê? Porquê? Percam menos tempo a pensar e mais tempo a agir, seguindo os vossos instintos maternais, sem culpas nem pressões!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. concordo em absoluto com o último parágrafo! Somos/Há uma geração de mães sufocadas pela culpa em relação aos filhos e não consigo achar que isso é bom independentemente de gerar mais consciência das ações. Mafalda

      Eliminar
    2. Oh, Raquel. Obrigada pelo teu comentário. (In)felizmente a culpa aqui não reside no olhar do outro, mas no meu. Por motivos pessoais, senti que a amamentação validaria a minha qualidade enquanto mãe - o que é, de facto, aborrecido. E como em quase tudo o que faço com a Irene, tento estar consciente... no caso de interromper a amamentação sem ter tentado tudo o que estivesse ao meu alcance antes, não iria saber explicar isso a mim mesma. São personalidades :) Acho que quem "sofre" mais com isso sou eu.

      Mas acho que tens razão :) Eu sinto que a culpa, no meu caso e para já, é a forma mais útil de provocar evolução e melhoria pessoal.

      Concordo, porém, com a tua mensagem :) <3 Obrigada pelo input!

      Eliminar
  2. A Joana e a minha heroína! Não me imagino de maminhas de fora de madrugada durante três anos... incrível a sua resistência. As minhas deixaram de mamar durante a noite por volta dos 4,5 meses. De forma natural porque deixaram de acordar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Cláudia não é "nada demais". Sinto que talvez a Cláudia tenha passado pela fase mais complicada, depois de tudo estabilizar e de encontrarem a "rotina", a amamentação torna-se finalmente "natural". Os 6 meses pareceram uma eternidade, os três anos nem parecem três :)

      Eliminar
    2. Eu também acho extraordinário. Mesmo muito. Amamentei três filhos em exclusivo até aos 6 meses sempre sem dores nenhuma. Depois por iniciativa minha parei com a amamentação. Foi uma libertação tão grande, um descanso, foi tão bom para mim. Nos meus filhos não achei que os tivesse afectado negativamente. Sem culpas nenhumas pertenço à minoria das mães que vive sem culpas. Mesmo quando são os últimos a sair da escola, dormem na casa dos avós ou mesmo quando eu e o pai tiramos o dia e eles vão para a escola.
      Não acho que a Joana seja melhor ou pior mãe por isso. Mas admiro muito.

      Eliminar
    3. Obrigada pelo seu testemunho, Anónimo :) Gosto de saber que vive sem essas pressões! Fala como estando num bom lugar e equilibrada por isso é mesmo o que funciona para si e para a sua família <3

      Eliminar
    4. Eu adorei amamentar! O que me custa muito é acordar a meio da noite. Já sabemos que com bebés é mesmo assim, mas até ao três anos. Uuii!

      Eliminar
  3. Olá Joana,
    Também recentemente me tentaram convencer que a minha filha acorda muito de noite só para mamar (tem 11 meses) e que me devia deixar disso. O cansaço é extremo em 11 meses de noites muito más e não sinto prazer nenhum nestas mamadas nocturnas, acabei por fazer um meio termo e dou-lhe só uma vez de noite... acha que faço mal? devia deixá-la mamar sempre que acorda de noite? isso ajudou a Irene a acalmar mais facilmente?
    Obrigada
    Sara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sara, honestamente acho que deve falar com alguém mais entendido no assunto. Tenho a minha opinião, mas não creio estar apta para lhe dar conselhos. A minha preocupação seria o critério que a sua filha terá para saber quando é que "tem direito" a mama e quando é que não tem, mas não consigo ir além disso. O que acha de se aconselhar naqueles links que dei? Um deles até tem linha telefonica :)

      Eliminar
  4. A ler o seu post e a pensar que tinha sido eu a escrever !!!! Mas por aqui o baby ainda com 13 meses, mas creio que vamos pelo mesmo caminho �� Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada, fez me sentir muito melhor! Pois adoro amamentar mas as mamadas noturnas dão cabo de mim...
    Até porque em bebé a minha filha não mamava durante a noite e agora chega a pedir duas vezes por noite...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tente compreender o que se passa agora na vida dela. Talvez esteja a viver uma fase mais stressante da vida dela ou até a família esteja a passar por algo. Ficam mais "carentes" nessas alturas. Também existem fases de crescimento que pedem mais contacto físico da mãe e, por consequência, mais mama ;)

      Eliminar
  6. Confesso que me faz alguma confusão a ideia de amamentar uma criança de 3 anos... mas, como a maior parte das questões relacionadas com a maternidade, é uma opção pessoal que devemos respeitar. Importante é que mãe e filha/o se sintam bem com a sua opção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim também fazia, acredite! :) Depois "nem dá por ela" :) Nem foi bem uma opção... acho que foi acontecendo! Não tinha metas, além do exclusivo de 6 meses, claro :) Obrigada por um comentário tão equilibrado! Fico sempre tão feliz quando leio comentários de mulheres resolvidas <3

      Eliminar
  7. Só espero que depois de ser mãe isto mude mas, para já, acho só esquisito uma criança tão grande ainda mamar.

    Filipa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Filipa, acho que é perfeitamente normal o que sentes. Eu sentiria o mesmo. A verdade é que achamos sempre esquisito tudo aquilo a que não estamos expostos normalmente. :) Esquisito é isso! As coisas estão a mudar e um dia há de haver uma Filipa, daqui a uns anos, que diga o contrário haha :)

      Eliminar
  8. Pois eu estou grávida e tenho uma filha de 2 anos que mama ao acordar, ao adormecer e durante a noite. Todos os médicos me recomendam parar a amamentação, e é o que quero fazer, mas não estou a conseguir e entretanto estou a ficar muito tensa com este assunto.
    Alguém por aí passou por algo assim? Alguém tem dicas preciosas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existe algum fundamento médico para aconselharem a interrupção da amamentação? Perdoe-me a intromissão, mas às vezes há médicos que metem o bedelho onde não são chamados e usam o que julgam ser senso comum só que, vindo de uma bata branca, erradamente damos outra credibilidade. Fale com alguem especialista em amamentação se esses médicos não o forem. :) Tem links ali em baioxo no post!

      Eliminar
    2. Médicos que metem o bedelho onde não sabem? Sabe quem? A joana? Que sobranceria e arrogância!

      Eliminar
    3. Desculpem a intromissão mas sinto-me obrigada a responder à questão enquanto médica, não pondo a emoção de lado porque também sou recém mamã. A razão para se aconselhar a suspensão da amamentação tem a ver com o facto de que cada vez que o bebé mama a mãe liberta uma hormona chamada ocitocina. Esta hormona faz com que o leite flua da maminha mas também induz contracções uterinas e, consequentemente, o trabalho de parto, o que não é aconselhável numa fase inicial da gravidez. Dito isto aconselho sempre que tentem esclarecer qualquer dúvida com o médico que muitas vezes só não o faz espontaneamente porque acha que as mamãs nao têm dúvidas. Espero ter ajudado!

      Eliminar
    4. Desculpem a intromissão mas sinto-me obrigada a responder à questão enquanto médica, não pondo a emoção de lado porque também sou recém mamã. A razão para se aconselhar a suspensão da amamentação tem a ver com o facto de que cada vez que o bebé mama a mãe liberta uma hormona chamada ocitocina. Esta hormona faz com que o leite flua da maminha mas também induz contracções uterinas e, consequentemente, o trabalho de parto, o que não é aconselhável numa fase inicial da gravidez. Dito isto aconselho sempre que tentem esclarecer qualquer dúvida com o médico que muitas vezes só não o faz espontaneamente porque acha que as mamãs nao têm dúvidas. Espero ter ajudado!

      Eliminar
    5. Só em casos de gravidez de risco é que costumam recomendar... Eu amamentei até aos 6 meses de gravidez sem problemas!

      Eliminar
    6. Olá a todas! Sou a autora do comentário inicial. Obrigada pelas respostas.
      Pelo avançado da hora já se está a ver o que aconteceu: mais um ataque de choro da minha filha porque quer maminha... Está a ser muito duro!!
      Não há até ao momento nenhuma complicação na gravidez e uma médica chegou a dizer-me que não é contra-indicado, apenas é demasiado cansativo para a grávida... Mas restantes médicos falam-me justamente das contrações, que de facto numa gravidez saudável não faz mal, mas que por via das dúvidas não vale a pena arriscar, até porque a minha filha já é grande. E penso muito neste último argumento. Já conversei muito com a minha filha, já disse que tenho dói dói, que não dá, que a mamã a ama sempre,... mas sobretudo quando está com a maluquice do sono, vem a casa abaixo. Estou a ensandecer... :(

      Eliminar
    7. À colega médica, queria dizer que, teoricamente poderia fazer sentido a ocitocina provocar contrações e ser prejudicial numa gravidez, mas nessa lógica também ninguém poderia ter relações sexuais durante a gravidez, pois tb há lugar a ocitocina e contrações. Nenhum estudo encontrou ainda diferença estatisticamente significativa entre amamentar e partos pré-termo ou aborto espontâneo. Em gravidezes que não sejam de risco, é seguro amamentar. (médica-mãe-CAM)

      Eliminar
    8. Conheço muitas mães que amamentaram durante a gravidez e depois em tandem. Penso que numa gravidez "normal" não tem problema. Também conheço casos em que o bebé/criança deixou de mamar, quando a mãe estava grávida, uma vez que a gravidez poderá alterar a composição do leite.
      De qualquer forma, é perfeitamente legítima a questão do cansaço por isso é tentar arranjar a melhor forma que funcione para os três (bebé na barriga incluído!)

      Eliminar
    9. Eu amamentei durante a gravidez, a certa altura de risco (descolamento de placenta as 10 semanas) fiz repouso e continuei a amamentar. O descolamento resolveu às 18 semanas. Claro que houve médicos que me aconselharam a parar por causa dos argumentos da ocitocina. Mas felizmente o meu marido é médico e por isso tenho acesso a várias opiniões... O que me explicaram é que depois de o útero voltar ao tamanho normal a ocitocina deixa de ser a principal hormona responsável pela produção de leite (já que as contrações já não são necessárias) e passa a ser a prolactina, mais ou menos isso. Por isso não se sentem contrações depois dessa fase inicial da amamentação. Só para dizer que apesar do descolamento, da amamentação, o bebé nasceu de 40 semanas e correu tudo bem. Sobre o cansaço, não sei o que fará pior à grávida se o cansaço ou o stress de um desmame forçado...

      Eliminar
  9. Joana, ando a meses a marinar um e-mail para ti. Exactamente acerca deste assunto. Mas vou adiando porque acredito recebam e-mails mais interessantes que este. Mas ao que vejo talvez não fosse tão descabido. Sei lá!
    Bom, se bem te lembras fiz-te uma pergunta (na vossa apresentação do livro no fórum Almada) acerca de como foi retomar o trabalho e manter a amamentação... queria ter sido mais pormenorizara na pergunta mas o nervosismo de falar em público não me deixou.
    Enfim... a minha filha faz em Março 2 anos, e contra tudo e todos (menos o meu marido e uma amiga) Ainda amamento a minha filha... quando ela quer a hora que ela quiser e sempre que posso. Actualmente ela mama de manhã e antes de dormir e sempre que acorda de noite (2,2,3,4 vezes depende da noite). Tenho todos contra mim e tem sido difícil esta gestão. A minha meta sempre foram os dois anos mas não vejo isto a caminhar para aí. Ando estafada de à 22 meses andar nisto e às vezes passo-me da cabeça. Já tentei não dar de mamar de noite, mas tal como a Constança me disse "não é de noite que se ensina os bebes".
    O meu maior problema é que ela não readormece com mais ninguém a não ser comigo. O que me impede de fazer formações na minha área longe de casa porque isso não será agora viável e sinto que profissionalmente faz-me falta.

    Portanto, entendo bem o que escreveste e apesar da minha filha já entender bem o que lhe digo ela não aceita um não nem um "a mãe tem doi doi na maminha" (porque me estava a doer mesmo). Estou cansada, desesperada. Quero muito amamentar por todas as razões que já mencionaste mas é o meu estado mental como fica? :P
    Beijinhos e obrigada pelo post. Fez me sentir menos alien e mais acompanhada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joaninha :)

      Estou a passar exactamente pelo mesmo. A Irene não aceita mais ninguém durante a noite. O que me aconselharam (a Constança) foi começar a incluir o pai na rotina de adormecimento para ela começar a associá-lo à noite também. Se conseguirem adormecê-la os dois, melhor. Tentar manter essa rotina para a deixar confortável e ir vendo a flexibilidade dela. Tenta não ver as opiniões dos que te rodeiam como estarem "contra ti". Vê como pessoas que não estão no teu lugar e que não estão informadas. Ninguém quer que faças algo que não seja bom para a tua filha. :) A Irene também não aceita o estar a doer. Diz-me que tem de ser e faz-me festas na cara enquanto mama... haha! Já praticas co-sleeping? Ajuda no descanso! Está à vontade para mails, claro :)

      Eliminar
    2. Eu percebo que seja chato e cansativo estar sempre a ouvir a opinião dos outros mas apenas quando não é pedida. Ou seja, para quê falar do assunto com as pessoas?

      Eu pos o mais novo na creche e mais velho (com dois anos) continuou com a avó. Para quem esta de fora não faz sentido mas na minha família funciona melhor assim. É chato estar sempre a ouvir a mesma coisa por isso é não falar no assunto.

      Eliminar
    3. Joana, obrigada pela resposta!
      E sim, a Constança também nos recomendou o mesmo mas o meu marido passa algum tempo fora de portugal a trabalho e quando está cá nem sempre se coloca disponível para tentar/ajudar/participar... o que me dificulta ainda mais esta questão.
      Na realidade não olho para os outros como "estando contra mim". Eles ficam é preocupados quando me vêm cansada ou a queixar-me de sono e cansaço. E como acham que já não faz sentido, que é vicio etc... já me aconselharam até a deixar a minha filha em casa dos avós um fim de semana (tipo tratamento de choque)... mas acho isso uma brutalidade desnecessária.

      Não só experimentei o co-sleeping como o faço naquelas noites em que estou mais k.o. E ajuda! Mas ela mexe-se muito e sempre que me sente ali ao lado pede maminha.

      Quero muito amamentar, mas ando mesmo cansada e gostava que ela tivesse outros recursos que a ajudassem a acalmar (tipo boneco ou até chupeta, visto que ela nunca teve nada disso nem nunca quis... às vezes Ainda aceita mas ja depois ou durante a maminha).
      Beijinhos

      Eliminar
    4. É verdade. Tanto que não maioria das. Eles não falo. So quando o cansaço é tão notório na minha cara e me perguntam como é q a minha filha tem dormido. Às vezes apetece dizer que dorme lindamente. Lol.
      Mas sim toda a razão "anónimo". Naobhabrasao para falar, porque assim nem ficsm preocupados nem me enchem os ouvidos de teorias e mitos que me irritam. Felizmente tenho (agora) ,conseguido evitar fazer demasiados comentários.

      Eliminar
    5. Dei mamã até aos 17meses. O meu filho até aos 12 meses dormiu comigo para mamar sempre que queria sem me cansar muito. A pediatra recomendou a mama até aos 15 meses. Depois disse para ter cuidado pq viriam as birras, as manipulações e seria muito mais difícil tirar a mama. Não usa chucha. Parei a mamã gradualmente, e pq já estava a ficar irritada de lhe dar. Ele pediu um ou dois dias mas fui firme. Nunca mais pediu. A experiência tem que ser boa para ambos. E não digam que é boa quando nos passamos da cabeça ou estamos quase num esgotamento. Entretanto tem acordado uma vez durante a noite e só eu o consigo acalmar. Há uns dias descobri q se lhe metesse um carrinho na mão no ato de adormecer, e deixasse lá ficar, que dorme a noite toda (recusa peluches e coisas fofinhas). realmente não sei como vocês vão tirar a mamã em idades tão características da fase das birras e estando já o hábito estabelecido. Desejo-vos boa sorte, e bom senso. E saúde familiar! :)

      Eliminar
  10. A minha vai já com 16 meses. Mama antes de dormir, e quando acorda à noite. Mas ela acorda várias vezes à noite. Perco a conta. Acabamos por fazer co-sleeping para ajudar com a minha falta de sono. Mas eu gosto realmente de amamentar. Mas o cansaço é horrivel...também não sei bem como sair desta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma fase. :)Tente deitar-se mais cedo... Vai passar... :) Força!

      Eliminar
    2. Adoro o "deitar-se mais cedo" quando estou a ler todos os comentários à uma da manhã, estando no mesmo barco, ahah eu com o co-sleeping rebolo-me dum lado para o outro com a mama de fora e até descanso bem. Tenho é de me deitar cedo!:) aqui vamos quase nos 2 anos. Acho que o facto de viver fora de Portugal com poucos amigos com filhos evita muitos comentários sem sentido. No Uk as pessoas intrometerem-se menos. E as mães que conheço amamentaram até muito tarde..

      Eliminar
  11. A minha filha mamou atá aos 3 anos e 9 meses... e o desmame aconteceu naturalmente. Nunca deixei de lhe dar mama (nem de noite, apesar da pressão de tantas vezes ser brindada com aqueles olhares e comentários de quem acha que sabe tudo.
    Até que numa bela noite de verão,antes de dormir simplesmente quis ouvir a história e de seguida virou-se para o lado e adormeceu. Não pediu mais mama e eu não perguntei mais se queria:) Ficamos as duas bem resolvidas quanto ao assunto:)
    Hoje em dia só adormece na cama dela, comigo ao lado...também ouço vezes sem fim que tenho que acabar com isso... A minha resposta por norma é esta:
    - Se adormece e depois dorme a noite toda na cama dela descansada, se fica tranquila porque me sabe ali, porque vou eu estragar tudo? Só tem cinco anos, por isso deixem-nos viver sff:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui! :) Que esperança! Obrigada e que sorte!!!!

      Eliminar
    2. Como é que as pessoas continuam a dar opiniões sobre maternidade.

      Eliminar
  12. Adorei o seu post e indentifiquei-me com tudo incluindo a culpa, quando o meu filhote era pequeno também tivemos vários percalços com a amamentação incluindo ter que lhe dar um suplemento, o que para mim foi uma facada (vim a chorar desde a pedi até a casa e a sentir-me uma péssima mãe, pois para mim, como para a joana, eu amamentar era uma validação) , e se nao fosse a culpa eu talvez me tivesse resignado e dar-lhe o suplemento e não insistir numa melhor pega, mas a culpa era tanta que nunca desisti de ele mamar, antes de dar suplemento tava tempo e tempo com ele nas mamas até que ao fim de um mês e meio de esforço deixamos o suplemento e voltamos a ser só mama :D, como a joana disse são feitios... Aqui por acaso o desmame foi uma coisa natural, comecei a trabalhar e por isso só mamava de manha e a noite (incluindo nocturnas :S) o que fez com que fizesse uma mastite mas nao desisti, depois ele deixou de pedir durante a noite (o que me valeu outra mastite, tinha bastante leite), depois foi mamando de manhã e à noite, entretanto deixou de pedir a noite e por ele deixou de pedir de manhã, ele estabeleceu o ritmo dele sozinho largou quando quis e fiquei feliz por ser tão natural, mas foram uns 14 meses magníficos, apesar dos altos e baixos e devo confessar que sinto algumas saudades do nosso momento.

    ResponderEliminar
  13. Amamentei a minha filha até aos 18 meses. Dei-lhe mama sempre que pediu e nunca a deixei ficar a chorar. Adormeceu sentada ao meu colo até aos 2 anos. Andei muito cansada mas o que me ajudava era pensar que tudo tem o seu tempo e ritmo e que isto não seria para sempre. Ouvi muitas teorias desde dar-lhe agua quando acordava a meio da noite para a enganar, deixa-la chorar até ela adormecer,... Enfim. Nunca consegui faze-lo. Aos 18 meses, numa manha olhou para mim e disse que não queria mamar. Achei estranho mas pensei que à noite, quando o caso era mais complicado, que iria voltar a pedir. Não pediu! E assim terminou a amamentaçao, sem dramas e ao nosso ritmo. Com 2 anos tambem decidiu adormecer na cama sozinha. E assim acabou-se o adormecer ao colo, também sem dramas. Hoje tem 3 anos deita-se as 20:30 e so acorda por volta das 07:30 para ir para o colégio. Dorme a noite toda 😃! Sinceramente acho que devemos descomplicar e perceber que tudo tem um tempo próprio e acaba muito depressa. Marotices à parte alguém conhece quem mame ou adormeça ao colo com 18 anos?

    ResponderEliminar
  14. https://m.facebook.com/photo.php?fbid=816170635181770&id=100003665239009&set=a.459000250898812.1073741828.100003665239009

    ResponderEliminar
  15. O meu pequeno vai fazer 17 meses e mama quando quer. E tenho intenções de lhe continuar a dar maminha ate nos sentirmos bem com isso . De noite é muito fácil , ele dorme connosco, por isso é só tirar a maminha para fora e já esta (; confesso que há dias que me enerva , parece que me está a sugar a mama,sinto mesmo uma aflição, mau estar, mas são raros os dias em que isso acontece . . .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conosco é exactamente o mesmo! :) Ajuda muito com o cansaço.

      Eliminar
  16. Por aqui já tenho experiência de 2 filhos... (o terceiro está a chegar) mamaram os dois até aos 15 e 16 meses... A primeira, quer de dia, quer de noite mamava sempre em intervalos de 2,5h mais ou menos... Depois de deixar de mamar tinha que ter sempre leitinho durante a noite até aos 4 anos (1 a 2 vezes por noite). Segundo o pediatra não devia ceder a dar o leite durante a noite, que tinha que voltar a adormecer sem o leite. Não consegui não dar o leite. Tentei uma vez e achei que foi muito doloroso e stressante, não só para ela como para mim também...
    Do segundo, por volta dos 2 ou 3 meses passou a dormir 6h seguidas durante a noite, e nunca pediu mais durante a noite...
    Todas as crianças são diferentes e têm o seu ritmo... E uma coisa é certa, de certeza que não vão a mamar ou de biberão para a universidade!
    Com calma, paciência e com o próprio desenvolvimento chegam lá (pelo menos é nisso que eu acredito).
    Força Joana!

    ResponderEliminar
  17. O meu deixou de mamar exatamente com um ano: ainda hoje acho que deve ter pensado «Xi, estou um crescido!» e, na manhã seguinte ao aniversário, simplesmente recusou-se. A partir daí, nunca mais quis. Ainda questionei um ou dois dias (tirar o leite que "sobrou" na mama foi um bocado difícil), mas não ia obrigá-lo :P. Correu bem para os dois, é o que se quer.

    ResponderEliminar
  18. Olá Joana! Por aqui comecei por retirar a mamada da manhã distraindo-a com brinquedos. Não sei porquê mas achei menos violento que durante a noite que estávamos as 2 cheias de sono e sem paciência. Aos poucos deixou de pedir. Seguiu-se a noite... Fui explicando que era muito importante descansarmos e que durante a noite as maminhas estavam a dormir e não podiam dar leitinho. Aceitou passado um mês. Ficou só com a mamada para adormecer. Largou de vez aos 3 anos e meio porque quis. Concordo 100% que tem de ser gradual e não acho que seja uma questão de culpa. Apenas não queremos tirar uma coisa que sabemos que é muito importante para elas porque lhes transmite segurança, carinho, amor e largar é um passo de independência deles muito grande. Mas há dias em que estamos mais cansadas e custa muito! E tens razão... Não passam a dormir a noite toda! Pedem água, têm frio, querem colo... enfim. É ter calma e ir negociando aos poucos! Boa sorte :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como faz quando não está com ele a noite? Ou seja, se for jantar fora ou passar fim de semana fora sem o bebe? Adormece bem sem a maminha da mama?
      Obrigada pelo testemunho.

      Eliminar
  19. A minha filha tem 21 meses e mama 3 vezes ao dia. Deixou de mamar à noite naturalmente por volta dos 10 meses. Não tenho dicas milagrosas para lhe dar, apenas quero dar um beijinho de compreensão pelas noites mal dormidas, ainda me lembro bastante bem destas.

    ResponderEliminar
  20. Olá Joana. Mais uma dar-lhe esperança, tal como a Olga partilhou, o meu.filho também mamou até à véspera dele fazer 4 anos. Eu já estava grávida e acredito que tenha sido um fator determinante para o desmame. Ele simplesmente pediu nessa noite e depois nunca mais pediu e eu também nunca mais falei nisso. Nunca fiz desmame noturno porque ele.simplesmente passou a dormir a noite toda, a.não ser quando estava doente e aí eu dava sempre. Hoje em dia também o.adormeço todos os.dias, mas.se eu não estiver ele adormece.com o.pai, sempre foi assim mesmo quando.mamava.

    ResponderEliminar
  21. Joana's, por favor tirem este video irritante que começa a dar quando entramos na vossa página no computador!!! Isto do nada volta a dar!! LOL

    ResponderEliminar
  22. Joana, desculpa a honestidade mas não gosto dos teus posts. Trazem-me sensações estranhas, é verdade. Respeito os teus comentários, mas não me revejo em nada, pedir autorização para tirar a mama, adormecer apenas com a mãe, sentires culpa, não, não me revejo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo.
      Acho a relação da Joana Gama com a Irene pouco saudável. Para além de parecer uma relação "obcecada"... Mas hoje em dia há a modernice de tratar os miúdos como adultos: pedir autorização, explicar tudo...
      Oh gente, todos nós estamos aqui, vivinhos! Fomos criados e estamos aqui! É bom, obviamente, que vá havendo evolução e por aí fora. Mas tanta mariquice vai tornar as crianças de hoje nuns adultos atadinhos amanhã...

      Eliminar
    2. Já eu adoro os posts. Tanto os mais sérios como este como os mais engraçados. E lá está... todas as pessoas são diferentes e lidam com as situações de maneira diferente :)
      Cátia

      Eliminar
    3. Eu acho que é, é pouco saudavél virem para aqui falar da relação da Joana Gama com a Irene , e de como as coisas mudaram!Fiquem na vossa... e não venham para aqui fazer desses comentários
      Sejam felizes vá

      Eliminar
  23. Olá Joana! Obrigada pela partilha, eu tenho uma bebe com quase 8 meses que acorda praticamente de duas em duas horas pra mamar à noite e estou quase louca. E atenção, eu adoro dar de mamar e sempre dei bem, sem problemas, já tenho outra filha de 5 anos que ja dormia a noite toda nesta altura e, portanto, nunca me vi nesta situação. À minha volta é uma pressão brutal pra desmamar porque ela acorda muito e não pode ser e porque está viciada na mama dizem.... depois eu própria, defensora da amamentação e adorando dar de mamar ate chego a vacilar porque o cansaço é muito... e ponho tudo em causa. Não é fácil!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois a minha filha com 23 meses Ainda mama de noite entre 1 a 3 vezes dependendo das noites... no entanto continuo a achar que ela não vai acordar menos vezes se deixar de dar maminha. Acho que não é diretamente proporcional. Acho q acorda e não adormece sozinha porque infelizmente não conhece outro método (ou nunca aceitou outro método) para re adormecer sozinha :( Portanto acorda e como não tem ferramentas que a ajudem a ré adormecer pede a mamá e consequentemente a maminha por ser algo que ela sabe que a vai acalmar e adormecer. Talvez, mesmo depois de largar a maminha, continue a acordar de noite (espero que não).... e espero que aceite outros métodos e outras pessoas... mas não sera fácil.
      Agora reforço a ideia de que acredito mesmo que não será por eu parar de amamentar q ela irá acordar menos vezes. Digo eu.

      Eliminar
  24. Eu amamentei até aos 5/6 meses ambos os meus filhos, pessoalmente nunca tive interesse em prolongar muito mais porque chegou anima altura em que senti a amamentação como uma prisão. Sempre eu, sempre eu, sempre eu, era sufocante. A amamentação acabou naturalmente mas fiquei feliz quando aconteceu.
    Não se deve cuspir para o ar mas acho que seria incapaz de prolongar a amamentação tanto tempo, mais a mais quando parece-me que o propósito não é de todo alimentar, é fazer de chupeta (digo isto para as mamadas nocturnas).
    Espero que consiga arranjar uma forma tranquila de fazer o desmame nocturno, se é essa a sua intenção. Eu era menina para me ausentar uma noite ou duas e deixar o pai encarregue do assunto mas acho que a Joana nunca na vida tomaria esta opção :) Beijinhos e boa sorte!

    ResponderEliminar