terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Preferia não ter visto...

Ontem foi a primeira vez que assisti a uma convulsão na Irene. Nas outras tenho sido sempre poupada por qualquer que tenha sido a razão. Ou só cheguei no fim quando janela estava paralisada dos membros e o Frederico me passou a miúda para o colo ou, então, quando oiço um choro diferente e reparo que está cheia de espuma a sair-lhe da boca.

Ontem estava a dormir com ela a pedido. De meia em meia hora estava com dores de barriga e precisava de dar puns ou que eu lhe mudasse a fralda. Sim, virose, claro. A febre que já não parecia ir aparecer, decidiu ser generosa connosco e surgir à meia noite. Demos bur para assegurar o descanso. Acordou uma dezena de vezes e mudei uma dezena de vezes a fralda até às 3 da manhã. Até a ouvir dizer "a mãe faz aquilo que sabe" seguido de ouvir a boca dela como se estivesse a mexer na língua com o dedo como tem mexido para imitar a Maggie dos videoclips da Sia. Depois de algum tempo (na prática não deve ter sido muito, talvez 2 segundos ou 3), o meu cérebro despertou e decidiu perguntar se ela estava bem. Não houve resposta e o barulho da boca continuou. Acendi a luz. A minha filha estava a ter uma convulsao e eu vi. Felizmente e naturalmente deitou-se de lado e tudo o que tinha de sair pelo nariz e pela boca arranjou maneira de sair sem a deixar sem ar. Ela não chorava. Acabou a convulsão e não chorava. Apenas ficou com um ar distante e a mexer sem nexo um dos braços na rede da cama. Respondia-me (ou tentava).

Com ela ao colo fui buscar a medicação. E consegui passar-lhe segurança dado o meu choque. Sei que sim. Achei estranho ela não chorar. Das outras vezes chorou sempre.

Se calhar é por já lhe termos explicado o que é. Se calhar desta vez foi mais fraco que das outras vezes.

Acabamos a sorrir uma para a outra, de luz acesa (eu meia assustada, precisava de a ver a ser funcional) com ela a pôr-me o seu coelhinho na minha cara a dizer que é a mosca-coelho. Rimos. A febre custava a baixar. Adormeceu.

E é a ouvi-la respirar hoje de manhã que estou a escrever este post no telemóvel. Muito satisfeita por a ouvir respirar.

Foi mais uma. Desta vez mesmo com bur e febre baixa.

É menos uma até passarem. Para sempre.

20 comentários:

  1. Daquelas experiências que pai/mãe nenhum quer passar com os seus filhos. Que desapareçam rapidamente, é o que vos desejo!

    ResponderEliminar
  2. Muita força! Infelizmente sei bem o que são convulsões, o meu filho tem 4 anos e já assisti a 4!

    ResponderEliminar
  3. Que grande susto Joana! As melhoras da Irene. Coração de mãe sofre tanto...

    ResponderEliminar
  4. Imensos beijos de coração apertadinho.

    ResponderEliminar
  5. Oh... Coração apertadinho!...

    Força Joana, é preciso força para vermos as crias fragilizadas. Um beijinho muito grande.

    ResponderEliminar
  6. Joana admiro a sua coragem e não sei como não desatou a chorar em seguida, depois de passar o choque. Não imagino o que é vermos um filho numa situação dessas e deve ser um susto e uma imagem muito fortes...

    ResponderEliminar
  7. Apesar de ter plena noção de que as mães vão buscar forças onde não sabíamos que elas existiam, não consigo imaginar o que énver um filho nosso passar por uma situação destas... Sim, há coisas muito piores, eu sei... Mas é o nosso filho, a pessoa mais importante do nosso mundo, de todos os mundos... Peço desculpa pela pieguice, mas isto mexe mesmo comigo... Parabéns Joana, pela mãe que é... É muita força e cabeça fria para continuar a lidar com isto... Que seja por muito pouco tempo. Um beijo enorme de uma mãe de uma Joana para outra mãe fantástica.
    Tânia.

    ResponderEliminar
  8. Não consigo sequer imaginar como seria passar por algo assim. Admiro a coragem e desejo muita força! Que seja mesmo por muito pouco tempo. Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Tomara eu "quando for grande" ser uma grande mãe como tu. Gabo-te a coragem e o discernimento de agir logo. Um abraço apertado para ti é um beijinho do tamanho do mundo para a Necas.

    ResponderEliminar
  10. Acho que consegui, com este texto, ver o que passou ontem! Realmente imagino que não seja nada fácil e o coração de mãe deve quase explodir! Beijinhos para as duas guerreiras de ontem!

    ResponderEliminar
  11. Ao ler este relato revi-me... vivi isto tantas vezes. O meu filho mais novo tem 5 anos, acabadinhos de fazer. Começou a ter convulsões com 1 ano de idade e foram completamente atípicas. Iniciaram mais tarde do que habitual, duravam mais tempo do que o habitual, deixavam paresias no corpo todo ou em partes do corpo que por vezes duravam largas horas, perdi a conta às vezes que tive que o levar para o hospital para ficar a oxigénio. Aos 3 anos começaram a ser muito frequentes, sempre com febres, sempre febres baixas, porque habitualmente a temperatura corporal dele é por si só bastante baixa (ronda os 34,5º/35º), o que faz com que aos 37º já tenha febre. Chegámos a ter 3 convulsões no espaço de 1h.
    Visualmente é horrível, assustador, mas tudo se aprende e ter calma nestas situações é primordial.
    Ainda que todos os EEG do meu príncipe venham limpos (sem registos de alteração) a neurologista indicou a toma de medicação. Bem dito Depakine.... até agora não tivemos mais nenhuma.... tem alguns períodos de ausências e "arrepios", mas convulsões não tem tido.
    Quero deixar um alerta. Às vezes estas convulsões dão pequenos avisos. Vá estando atenta. No caso do meu filho começavam com pequenos arrepios/espasmos, espaçados (1h/1h por exemplo) e que se iam aproximando. Quando aconteciam de 2 em 2 ou de 3 em 3 min era sinónimo de que a seguir vinha lá uma convulsão. Vá estando atenta... o corpo deles vai-nos dando pequenos sinais :)
    Espero que tudo corra bem e que estes episódios passem rapidamente.

    ResponderEliminar
  12. Como entendo..tenho o Guilherme hoje doente e com febre e cada torcer,tremer dele salta me o coração pela boca..não consigo ficar bem,estou uma cambada de nervos..já assisti a 3 e nunca me habituarei a isto...doi me tanto o coração..não só pela febre mas porque não consigo ter um momento calmo...sempre em pânico! Sei que é o corpo dele a defender se mas ...tou o que se chama "a rasca"!forca,sei o que é ��

    ResponderEliminar
  13. O meu filho tem 4 anos e assisti (felizmente) a uma, também depois de lhe ter dado medicação para a febre. Fiz td o q tinha de fazer (N sei bem como), mas como e mt bem referiu a D. Su, qd adormeceu comecei a chorar. Felizmente o meu querido marido aconchegou-me cm só alguém q sente o mesmo q nós sabe fazer. Só de me lembrar já tenho as lágrimas nos olhos. Mt força e tenho a certeza q vai passar. Sandra

    ResponderEliminar
  14. Sem palavras.... espero que a írene melhore e as crises desapareçam. Força.

    ResponderEliminar
  15. Fogo, Joana e Irene. lamento que tenham de passar por isto. O meu coracao de mae ficou abalado... Espero que tenha sido a última!

    ResponderEliminar
  16. Um xi-❤ para as duas!

    ResponderEliminar