domingo, 12 de fevereiro de 2017

Viroses de 7 dias?

... mas o que é isto? 

Nem imaginam a aventura que isto foi. Fica tudo muito mais dramático pela miúda ter convulsões febris (já temos consulta de neuro marcada para Março), mas a verdade é que esteve com febre durante uma semana. Depois de ter espaçado 24h, voltou a ter febre.  Foi no dia em que fui ao consultório com ela e estava lá um bebé (coitadinho) perdido de febre? Foi. 

A regra é que, sem sinais de alarme, esperar até 72h de febre. No caso da Irene, damos sinais mais cedo se houver convulsão... Depois das 72h foi observada e não tinha nada que inspirasse desconfiança ou que não fosse resolvido por si. 5 dias depois do primeiro dia foi observada novamente (por acaso por outro médico) e o diagnóstico foi o mesmo. Feliz, mas continuava preocupada, claro.

A febre desapareceu ao 6º dia (parece que estou a contar algo bíblico) e, para além da tosse, já nem há sinal de que tivesse ficado doente. Depois de partilhar esta situação com outras mães pelos grupos aí fora (abençoados grupos, com a devida perspectiva crítica, claro), várias me disseram que agora "há viroses de mais dias". 

De mais dias? Uma semana para uma virose? Vocês também verificam isto? A verdade é que tem ficado uma semana em casa sempre que fica doente...

 
Fico grata a estes dois médicos por não terem sido stressados... Que bom! 


.................
.................

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

21 comentários:

  1. Joana, como tudo não deves esquecer que cada criança é uma criança.
    Como o Manuel não faz convulsões febris, eu deixo subir a febre até aos 39.5 sem dar qualquer medicamento. Vou controlando com panos húmidos e banhos, e com isso consigo que a febre passe no máximo em 2 dias. Deixo o menino em casa sempre 24h sem febre e só depois o levo de volta à escola.
    A febre como sabes é o mecanismo de defesa do corpo para combater o vírus, por isso o paracetamol antes dela atingir um certo nível é contraproducente. O corpo demora mais tempo a combate-lo, daí as viroses demorarem mais tempo a passar.
    Agora o teu caso é diferente. A menina tem convulsões, por isso não podes deixar subir tanto. Também não faço ideia o que fazer no teu caso. Mas se as viroses dela demorarem uma semana, assim seja. Não tens outra hipótese para deixar a febre fazer o seu trabalho, por isso tens que ter força para a ver murxinha tanto tempo :-(
    Com o tempo, vai passar. Vais ver :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh (in) felizmente as convulsoes febris têm que ver com uma subida repentina da temperatura e não com temperaturas altas. Não dou bur precocemente, penso exactamente como tu. 😊 não teve que ver com isso... Acho que apanhou mesmo duas de seguida. Porém as mães dizem muito isso agora... Mas já no meu tempo se encharcava os miúdos com bur e as viroses eram três dias... Sniff.

      Eliminar
    2. No teu lugar também nao esperaria. Só o receio de enfrentar uma convulsão me deixaria doida... Por isso dizer que nao sei como reagir...
      Pois isso nao sei mas como foi o conselho da médica, deixar subir sem medo mas com controlo, e sempre resultou... Pensei que poderia ser por ai, alias os meus sobrinhos começam logo aos 37,5 com paracetamol e estao uma semana de febre...
      O Manuel já tem 6 aninhos ;-) fui testando ao logo do tempo a minha capacidade de controlo com a febre alta e as suas reacções. O grande desafio foi ao inicio, ultrapassar a barreira dos 38,5, pois esse foi o máximo que a medica aconselhou para os bebes. Depois com o tempo fui lhe dando mais uma décima :-) Agora deixo ir até aos 39.5, porque já sei que com paninhos e miminho ela desce e no dia seguinte apesar de 38 ele já quer andar aos pulos ;-)
      Beijinhos!

      Eliminar
  2. Eu nunca vou entender porque uma mãe espera até aos 39,5 para dar medicação..nunca. a minha filha tambem esteve doente 7 dias a tomar antibiótico e bur e brufen de 4 em 4h porque a febre não cedia e doía me ve-la naquele estado febril...de 39 pra cima. E no hospital disseram me varias vezes que é mau não dar medicação acima de 38,5....
    O corpo tem que combater..proteger...blablabla...mas 39,5 é muito agressivo..mt alto..não entendo.
    Bjs Catarina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão! A febre não é um.mecanismo de defesa, é um mecanismo de alarme! E mesmo assim, as causas são das mais variadas, como pode ser uma defesa!?
      Gostaria de estar com 39,5° de temperatura sem tomar nada?? Entao como pode deixar o seu filho nessa situação? É desconfortavel e pode agravar algumas situações! Parece incrivel... A medicação está mais do que estudada e, devidamente aplicada, só faz bemn

      Eliminar
    2. Tenho tanta pena de algumas crianças que, há luz destas novas tendências e na ânsia da modernidade (aliado a muito "li no google") são privadas de tudo que de bom a ciência nos trouxe. Sobre os pais tenho outro tipo de sentimentos, mas sobre aa crianças tenho apenas pena. Imensa.

      Eliminar
    3. A febre é sim um mecanismo de defesa, e sim está comprovado que o é.
      Deixo aqui um excerto da SaudeCUF para se informarem "A febre é uma resposta de defesa do organismo perante uma infeção. O aumento da temperatura corporal contribui para a inativação dos micro-organismos e controlo da sua multiplicação. Por estas razões, a febre só deve ser combatida para aliviar o desconforto existente. A utilização de antipiréticos em excesso pode ser prejudicial, não só pela toxicidade dos mesmos, mas também porque se pode estar a prolongar a doença e as suas complicações." e se quiserem aqui está o link da CUF para poderem ler um pouco sobre o assunto - https://www.saudecuf.pt/mais-saude/artigo/febre-o-que-fazer-e-o-que-nao-fazer
      Além de que cada pessoa/criança reage de maneiras diferentes à febre, 39,5 a mim pode não parecer nada, e a alguém com 38,5 pode sentir que parece que vai morrer. ;)

      Eliminar
    4. É um mecanismo de defesa sim senhor. A temperaturas acima da temperatura fisiológica (>37,5) os mecanismos de replicação dos agentes patogénicos (quer sejam bactérias quer sejam vírus) fica comprometida e por isso o aumento da temperatura corporal também serve para os combater. Claro que deve ser controlada para bem do nosso organismo, porque também as nossas células não "gostam" de temperaturas elevadas e são afectadas por elas. Por isso, até aos 38,5º e apenas se vir que a minha filha se encontra confortavel não a medico com anti-piréticos (os miudos são muito resistentes, normalmente até aos 38,5 ou 39 a minha pequenina não se queixa nadinha!).

      Liliana

      Eliminar
    5. A febre é um mecanismo de defesa, mas daí só ser recomendado dar antipirético a partir dos 38º. Entre os 36 e os 38 tem exactamente esse efeito "defensivo" mais que isso é irresponsabilidade deixar uma criança a sofrer e a arder em febre para dar antipirético nas últimas. Falo como mãe e como profissional de saúde.

      Eliminar
    6. Pois é! Uns preferem ficar-se pelas criticas do que se informarem primeiro...
      A verdade é que para além de ser prática comum na Alemanha o menor recurso possível a medicamentos, principalmente a crianças pequenas, provou-me que é verdade.
      Quando o meu filho nasceu e teve a primeira febre também fui em pânico para o médico: a criança esta com 38, o que é que eu faço? a resposta foi: "primeiro nao empacote a criança dessa maneira se nao a temperatura nao desce, e depois espere pelo menos ate aos 38,5. De-lhe muito leitinho materno e muito chá de funcho." A febre passou!
      O primeiro antibiótico que ele tomou foi aos 3 anos, quase 4. E porque eu só pus a cebola para curar a otite num ouvido. Ele só se queixava de um e quando se queixou do outro já era tarde. Culpei-me e chorei no consultório, mas o médico disse-me (outro , pois estavamos numa cidade diferente, para que nao ache que apenas a nossa pediatra tem ideias diferentes) que eu tinha feito tudo bem. A infencao que tinha levado a cebola estava praticamente curada, mas o outro ouvido já só lá ia com antibiótico...
      Sao opções Catarina....
      Ou se acredita cegamente que o nosso corpo necessita de químicos para se reestabelecer ou se questiona até que ponto os pode evitar. Nós questionamos e vemos resultados bastante positivos (eu tenho direito a 10 dias de baixa por ano para acompanhar o Manuel em caso de doença e o meu marido outros 10, sabe quantos uso por ano? no máximo 7. E nesse máximo foi porque me caiu no infantário e abriu a cabeça, perdendo os sentidos, ou seja, nem foi por virose)
      Agora Pena?! Nao tenha... Ele é muito feliz e saudável... e Nós super orgulhosos disso!
      Sejam felizes!

      Eliminar
    7. A irmã de uma amiga é toda vegan, zen, alternativa,o filho nunca levou uma vacina (tem 8 anos se não estou em erro)nunca comeu um McDonald's, não está inserido no sistema de ensino público pois estuda na comunidade onde vivem, logo tudo o que seja medicação/medicamentos está fora de questão; a minha amiga contava os métodos utilizados pela irmã e claro suscitou-me imensa curiosidade além de um cepticismo - huum será mesmo verdade todas estas tecnicas e mezinha alternativas funcionam mesmo?? - até ver com os meus próprios olhos a febre a passar ao miúdo com rodelas de limão nos pés!!O limão a murchar e a ficar quente como que a absorver a febre! Isso e os paninhos molhados na testa. Fiquei estupefacta mas de facto a febre desapareceu.

      Eliminar
    8. Sim, confirmo que é assim na Alemanha. Aliás, o nosso pediatra e dois médicos das urgências - o puto fica doente ao fim de semana... - disseram que só devo dar-lhe medicação se ele estiver com dores, desconfortável, não conseguir dormir, etc. Disseram-me expressamente que se ele estiver com febre mas bem disposto não é para dar nada, só líquidos, vestir roupa leve e usar compressas para aliviar. O facto é que ele já esteve com 40 graus de febre e todo contente a brincar, e a febre passou-lhe em duas horas. Mas também já teve uma virose de uma semana. Enfim, há que fazer o que achamos melhor para eles de acordo com os médicos e com aquilo que nos diz o nosso instinto/conhecimentos/o que lhe quiserem chamar.

      Eliminar
    9. Sim, sim na Alemanha é tudo melhor que em Portugal. Tem coisas espectaculares... até o Hitler.
      Tenho muita dificuldade em debater argumentos com pessoas que acham que lá fora é tudo melhor. Esse sentimento de inferioridade entristece-me. Isso e crianças a quem são vedadas cuidados de saúde em troca de limões dos pés. E nem vou entrar na não vacinação que esse assunto então dá-me vómitos. Deixem as crianças arder em febre só porque estão "bem dispostas". Deixem que queimem as células todas. 40° mas bem disposto? Siga! O meu filho também nunca se queixa de cocó na fralda. Deve ser do quentinho. Se calhar começo a deixálo assim mais horas é super natura.

      Eliminar
    10. E já agora o seu filho ter saúde não deve ser um motivo de orgulho. É maravilhoso que assim seja. Deve ser um motivo de felicidade. Conforto. Descanso. O que quiser. Agora orgulho? Isso é só prepotência e achar que tem mais poder do que realmente tem. É até ofensivo para os milhões de pessoas que sofrem de doenças a cada minuto que passa. Já agora quando / se adoecer vai sentir o quê? Desprezo?

      Eliminar
    11. À anónima das 00:06: complexo de inferioridade tem alguém a quem se diz "no sítio X faz-de diferente" mas que ouve "no sítio X é melhor que em Portugal". Ninguém disse isso. Não me admira que tenha dificuldades em discutir, realmente. E que uma questão de liberdade de decisão e de responsabilização dos pais "lhe dê vómitos" (sou a favor da vacinação, mas sou capaz de perceber que é uma decisão que pertence ao cuidador, uma vez que não é isenta de riscos). Se calhar também acha que a assiduidade na escola deve ser obrigatória, não é? E que tal fazerem queixa da senhora e porem-na em tribunal porque os miúdos faltaram 3 dias antes das férias para poupar mil euros nas viagens de avião? Não acha bem? Mas é para o bem dos meninos! Ah, pois... Liberdade de decisão e responsabilização dos pais e tal...

      E a analogia da fralda é muito gira. Para ser "natura", minha amiga, tem de o deixar andar sem fralda! Faz-me lembrar aquelas pessoas que dizem "não o podes deixar fazer chucha do peito", como se a chucha fosse o original... Como está provado pela quantidade de chuchas encontradas ao lado de esqueletos de bebés em escavações arqueológicas...

      Eliminar
  3. Bom dia meu filho com 6anos também passou por essa situação 5 dias de febre idas ao médico e o diagnóstico foi o mesmo "essas viroses dram de 5 a 7 dias! Felizmente ao fim de 5 dias a maldita virose passou!

    ResponderEliminar
  4. Joana,

    É normal nos primeiros tempos de creche. O primeiro ano é para esquecer. Parecem esponjas de viroses - e tens sorte se não ficas contagiada! :P
    A minha Bebecas ia uma semana pra creche,uma a duas semanas em casa - benditos avós!!
    Tudo passa! Este ano fico eu mais vezes doente do que ela :P

    ResponderEliminar
  5. Bom dia Joana,

    O meu filho tem 16 meses e esteve em Janeiro com uma virose que durou 7 dias a passar, dos quais 5 esteve com febres altas (tive que o levar no 2o dia ao hospital porque a febre andava nos 40).
    Andou a bur e brufen de 4 em 4h mas custou a passar .. e custou-me tanto a mim já que ele nunca tinha estado doente ou com febre ! Foi um susto, mas agora está de volta ao normal .. infelizmente as viroses são assim mesmo 😣

    ResponderEliminar
  6. O meu andou com febre intermitente durante 2 semanas, teve uma amigdalite vírica e depois uma virose sem nome. Sim, depois de perguntar a 6 médicos e dois fóruns, tenho de me render. Infelizmente, é normal. Mas vai passar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah sim perguntar em fóruns é do mais fidedigno que há!

      Eliminar