sábado, 15 de abril de 2017

Nunca pensei que este dia chegasse. Its time!

Acho que é típico das mães. Ou, pelo menos, espero que sim. Parece que sabemos que "aquele dia" - seja "esse dia" o dia do desfralde, a entrada para a escola, a saída de casa... - vai chegar mas, no fundo, não o visualizamos, não sentimos na pele que vá acontecer. E ainda bem, que temos de viver mais no presente, mindfulness blá, blá!

Não consigo usar "muito" ou "demasiado" porque acho que o natural é as crianças serem apegadas às mães. Acho também que é natural que, aos poucos - cada família ao seu ritmo - que esse espectro se vá alargando à restante família, começando por aqueles que estão mais perto. 

Até recentemente, a Irene era muito mãe. "Más línguas" ou gente preocupada e bem intencionada diziam ser da "mama", houve quem dissesse que era porque eu tenho uma relação assim e assado com ela, houve quem... A verdade é que chegou a altura: a Irene começou a mostrar de forma muito mais intensa o amor que sente pelo pai. 

Se dantes, em casa, o "sargento" - como ele gostam de me chamar - era o topo da hierarquia para receber mimos e fazer tarefas (que é a Irene a designar "a mãe muda a fralda", "a mãe dá a sopa", "a mãe..."), agora o pai já não tem descanso. E estamos todos muito felizes com isso. 

A Irene tem mais um companheiro em tudo o que queira fazer e não há nada que me deixe mais comovida que vê-los juntos (a não ser, talvez, quando me chega uma encomenda da Zara). 

O pai brinca de outra maneira e ela já vê quais são as especialidades de cada um. 

Isto tem-me dado uma pica para ir reajustando a minha vida que nem vos conto. Compensa esperar pelos timings dela. Tudo a seu tempo. Agora que é mais pai, a mãe pode ser mais outras coisas ou até voltar a estudar - deixem-me ter este sonho até ver horários e propinas (até tenho medo de ir ver e de ficar triste). 


 


...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

4 comentários:

  1. Por aqui o príncipe (23meses) também é "muito" agarrado a mãe, é para tudo e em tudo a Mamã e só quer a Mamã e mais nada!! A mim não me afeta nada e acho perfeitamente natural que ele seja apegado à Mãe (e eu super apegada a ele) mas as más línguas sempre preocupadinhas e prontinhas a opinar acham que ele é "demasiado" "muito" "não é saudável" e isto e aquilo. Eu falo ouvidos de mouco e quando já me chateia pergunto se não sabem o que significa que é o meu filho e não o delas 😊😜😉 Nao falta amor na família e ele aos poucos mostrara interesse por outros membros da família, para ja vou curtindo este apego que tem com a mamã. Porque um dia cresce e eu sentirei saudades e me arrependerei de tudo aquilo que não fiz porque dei ouvidos as más línguas. Beijinhos e a Princesa é Linda 😘

    ResponderEliminar
  2. Eu quero é saber onde é que compraste essas Vans!! Isso do complexo de Édipo já reina cá em casa há algum tempo e ela só tem 2 anos... Às vezes é bom outras é uma chatice!!

    ResponderEliminar
  3. Complexo de Edipo... vi o mesmo acontecer cá em casa ☺

    ResponderEliminar
  4. O meu também é muito mãe... e aproveito cada segundo destes mimos porque sei que não será sempre assim... ou talvez até seja quem sabe?

    ResponderEliminar