sexta-feira, 26 de maio de 2017

Não fui mãe aos 9 meses de gravidez, fui ao décimo mês da minha filha.

Quando fui mãe, vivi os primeiros dias de forma tranquila e feliz. Apesar das dores, apesar da subida do leite dolorosa, apesar dos receios e de nem sempre perceber o choro da minha filha e de não saber bem como acalmá-la. Sentia-me plena, com força e amor. Sentia que tudo aquilo tinha um propósito e, acima de tudo, estava a vivê-lo com o melhor pai do mundo ao meu lado, a pessoa mais talhada para a paternidade que eu conheço. Ríamo-nos muito, o que tirava uma certa pressão de todos os momentos menos bons. 

Digo-vos quando é que a ficha me caiu mesmo e quando senti um abanão que me tirou o chão: quando o David foi trabalhar, uma semana depois. Senti-me sozinha, desamparada, triste, muito triste. Cheguei a sentir que era uma criança a tomar conta de outra criança. Chorei copiosamente, senti solidão. Como era possível? Ter acabado de realizar o maior dos meus sonhos e não estar a usufruir daqueles momentos em pleno? Sentir-me orfã... nem sei bem explicar. E atenção que tive a sorte de ter a minha avó em casa naquela segunda semana, que me lavava os bodies cheios de cocó e me fazia a sopa (imagino quem não tem nada disto e quem se vê sozinha, sozinha a todos os minutos e a todas as horas...). Não fui mãe quando a minha filha nasceu, ao 9º mês de gravidez, fui ao décimo. Foi nesse primeiro mês que comecei a perceber as dificuldades e a superá-las, a derrubar mitos e a crescer como Mãe. Foi naquelas manhãs em que não conseguia tomar banho nem tirar o pijama, foi naquelas tentativas de passeio em que me esquecia sempre de alguma coisa fundamental (quem é que se esquece de fraldas?!), foi naquele dia em que já tinha tudo pronto e que ia finalmente chegar a horas ao combinado e ela me faz um cocó que saiu por todo o lado, parede inclusivé, enquanto a trocava. Ou quando ela chorava no ovo e eu parti uma unha a tentar fechar a porcaria do carrinho. Ou de quando caí nas escadas com ela no ovo e malas e torci o pé (e acabei nas urgências). E as dores a amamentar que me faziam dar uma volta de 360 graus à cabeça qual exorcista? E aquelas perguntas do "o que fazes o dia todo" vindas de gente que obviamante não é mãe/pai ou então teve um nenuco em vez de um bebé com necessidades a toda a hora? E aquelas fomes loucas que nos fazem encher a cama de migalhas e atacar o frigorífico a qualquer hora da noite quando nos queremos ver livres daqueles quilos a mais que não reconhecemos (e nem está lá a barriga a justificar)?

Agora à distância, dá-me para rir (e até sentir saudades), mas na verdade o décimo mês de um primeiro filho pode ser uma tempestade, mas com a ajuda certa (amigas, especialistas, família, blogues tipo amaeequesabe.pt ehehe) e agora com o décimomês.pt (uma plataforma pensada por Bepanthene Pomada) pode melhorar e muito. Às vezes basta sabermos que o que estamos a passar é normal, basta sentirmo-nos identificadas com alguma história, basta termos resposta a algo que nos andava para ali a atarantar. Basta que nos perguntem "como te sentes?" em vez de, como sempre, "como está o bebé?". 
Eis alguns dos textos que podem fazer algo melhorar nos primeiros tempos enquanto mães, dar-nos aquela segurança que nos falta, sentirmos uma mão no ombro ou um abraço que nos está a faltar para podermos ver tudo com maior clareza e relativizar (já que as hormonas nem sempre ajudam...). 
Visitem, recomendem às amigas grávidas ou no pós-parto. Vale muito, muito a pena.
Fotografia do David - Isabel com uns 10 dias de vida
O resto? É deixar o tempo correr. Tudo vai melhorar.

............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

18 comentários:

  1. É muito bom saber que existem blogs como este que nos fazem sentir que não somos as únicas a passar por estes momentos. Obrigada Joana. Eu cheguei a casa numa sexta, 23 de Dezembro, depois de uma cesariana, e o pai foi trabalhar segunda. Fiquei sozinha dia após dia uma vez que os avós trabalham. De manhã quando o pai se preparava para trabalhar, lá estava eu sentada na cama a dar mama e a chorar baba e ranho...ele ficava aflito e não conseguia sair até que ficasse melhor. O primeiro mês foi terrível. Nem queria comer, preferia dormir quando ele dormia. Os afazeres domésticos era sempre o pai que fazia quando chegava do trabalho. Nisso tive sorte. :) a subida do leite foi terrível, tinha as mamas em pedra e não conseguia estar no banho a massaja-las devido ao penso na barriga. Recuperar da cesariana, subida do leite e ter o bebe sempre a querer mamar deu cabo de mim. Mas passou! Hoje tem 5 meses e é o meu tesouro!❤️
    Um beijinho e obrigada Joana?

    ResponderEliminar
  2. Same here! A minha mãe esteve connosco na primeira semana mas depois teve de voltar ao trabalho. Quando fechei a porta depois dela sair chorei copiosamente. O mesmo aconteceu na primeira semana sozinha, cada vez que o meu marido saía para ir trabalhar! Um dia bom era quando conseguia chegar a hora do almoço com um duche tomado e a cama feita! E acho que a minha filha foi um bebe muito fácil! E agora sorrio ao pensar nisso, mas sim, há dias de solidão e tristeza, que não se conseguem explicar mas sentiram-se bem naqueles meses!

    ResponderEliminar
  3. Verdade. Não diria melhor. Um dos maiores problemas é a cobrança que a sociedade nos faz e o facto de pensarem que o bebé é um objecto público e que devemos explicações sobre nós mães e nós mulheres a toda a gente. Não percebem o que magoa ouvir "se tiveste todo o dia em casa e te fartas de descansar, como é que isto não está feito?". Foram tantas vezes que ouvi que se as coisas não estavam feitas era porque dormia o dia todo. Meu Deus as noites e os dias em que não dormi nada para conseguir dar atenção às duas e deculpa mas conforta-me saber que também passas por tudo isto e sabes bem o que é, pois a Isabel é um mês mais velha que a Sofia e a Luisa uns meses mais velha que a Mariana. Por isso eu compreendo-te. Dá cá mais cinco! 😉😊 beijinhos a todos

    ResponderEliminar
  4. Igual. O primeiro mês foi um mar de rosas. Os dois em casa era tudo amoroso, até o cocó. Quando o pai voltou ao trabalho acabou-se a lua de mel. Ainda me lembro de um dia em que o meu marido entra em casa devia ter a miúda 1 mês e uma semana e eu mandei-a para os braços dele e disse-lhe "afoga-a" ao mesmo que batia a porta de casa. Voltei passado 1h 😂😂.

    ResponderEliminar
  5. Quando falo sobre ser mãe, a mulheres que ainda não foram, muitas outras mães me dizem que não devia falar assim, que assim ninguém quer ser mãe! Fico a pensar que isso não faz sentido. Se uma mulher decide ser mãe, sem saber que pode custar MUITO, que sofremos bastante a nível físico e não só, então se calhar não devia ser mãe. E quando falo de sofrer, não falo de terror ou de horror. Falo de "dores" de crescimento, de deixarmos de sermos quem éramos para passarmos a ser algo diferente, às vezes tão diferente que ficamos ali uns tempo a olhar ao espelho sem saber quem é aquela pessoa. As mulheres morrem de medo da dor. Medo da dor do parto, medo da dor da amamentação, medo da dor da solidão. Fugimos disso a todo o custo. Mas essa dor é precisa, é útil, é normal. Custa sim, mas não é essa dor que esconde a parte feliz e cor de rosa da maternidade. Senti muito a solidão, senti muito a pressão, imposta por mim, de ser o meu ideal de mãe. E depois libertei-me desse ideal. Porque ele não era real. Porque ser mãe não pode continuar a ser pintado como uma coisa apenas maravilhosa ou apenas horrorosa e cheia de sacrifícios. Ser mãe é um novo papel que assumimos. Para mim, o mais exigente e difícil. Para mim o mais importante que tive até hoje, porque é onde o que faço tem mais impacto. Se eu fosse outro tipo de pessoa, com outra missão profissional/pessoal, poderia ser igualmente impactante. Não é preciso ser mãe para mudar o mundo de alguém. Essa foi a minha forma de contribuir. Muitas outras há. Ser mãe deveria ser uma escolha, tomada em consciência, sabendo que mesmo com o medo, a solidão, a dor, a pressão, o cansaço, somos mães porque quisemos criar um filho. Somos mães porque quisemos contribuir para este mundo dando vida a uma pessoa que esperamos venha a ser decente, útil, humana. Não somos mães para ter nenucos, cópias de nós mesmos, segundas oportunidades de concretizar o que não vivemos na nossa própria vida. Somos mães porque queremos dar de nós a uma pessoa. O melhor de nós, sempre que possível. Mas não escondamos que há dias e momentos negros, que há dor e sofrimento neste processo de nascimento de uma mãe. Apoiemo-nos umas às outras, sem competir, mas com verdadeiro sentido de missão, de solidariedade, de compaixão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão bonito!!! Soube bem ler. Obrigada.

      Eliminar
    2. Tão verdade Ana! Subscrevo tudo o k disse.
      Cristina

      Eliminar
  6. Por acaso não me identifico nada com isso. Fui mãe com 21 anos (e fui o total oposto daquilo que achei que seria como mãe - e ainda bem), o marido foi trab passados 5 dias ou 10, já não me lembro. Nunca me senti "overwhelmed", fui sempre muito pelos instintos, mt colo mama e co sleeping e não me chateava mt se n tomasse banho ate ele chegar ou ficasse td por fazer em casa. A mim só me chateavam as visitas constantes, a troca de colo de um para colo de outro, o interromperem o nosso namoro pegado que devia ser 24/7 nessa altura. Amamentar era uma chatice, doía horrores nos primeiros 15 dias, depois passou. Mas acho muito bem que quem não sentiu o mesmo que eu logo de início tenha uma plataforma onde possa buscar apoio :) é uma bela ideia.

    ResponderEliminar
  7. Belo artigo! É preciso falar-se disto sim. É preciso partilhar. Nem tudo é sempre um mar de rosas. Obrigada

    ResponderEliminar
  8. Igual aqui. O meu marido foi trabalhar 2 semanas depois. Os avós ou trabalham ou estão longe. E eu precisava tanto dele, até para amamentar porque ele me ajudava a tirar o excesso de leite... Lembro me de chorar agarrada a ele porque não queria que saísse de casa para ir trabalhar. Lembro me de olhar para o bebé a dormir e ter medo dele (sim, medo!) porque ele ia voltar a acordar e chorar e eu não saber o que fazer! Depois tudo melhora. Espero com este segundo que vem a caminho ter outra serenidade.

    ResponderEliminar
  9. Não me identifico nada com este texto. Não estou a dizer que sou melhor que as outras e até compreendo quem apanha um choque com a maternidade mas não senti nada disto. O meu marido foi trabalhar logo a seguir a ter chegado da maternidade. Os meus pais trabalham e os meus sogros vivem longe mas eu só queria estar sozinha com o meu bebé, longe de palpites para fazer as coisas à minha maneira sem ninguém à volta a dizer que eu devia fazer de outra. Se calhar tive um bebé fácil não sei mas fico sempre chocada quando oiço mulheres a dizerem que detestam a maternidade (Não estou a falar das Joanas obviamente :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu chocada não fico. Fico muito triste por essas mulheres e ainda mais pelos seus filhos que não pediram para nascer, e acabam por ser vistos como um fardo.. nesses casos é importante sairmos um pouco da nossa bolha, e tentar perceber. O que se passou para essas mulheres terem uma experiência tão negativa? O que lhes faltou? E quase sempre descobrimos histórias de grande desilusão face às expectativas do que seria ser mãe, do apoio que achavam que iam ter da família e amigos. E estes os casos mais "simples". Porque há histórias de maternidade verdadeiramente dolorosas/aterrorizadoras. E quando as conhecemos ficamos "chocadas" é com a sorte que tivemos.. com os filhos que nos calharam, com a família e amigos que nos rodeiam, com as oportunidades que não nos foram roubadas, com a dignidade que conseguimos manter. Só precisamos ouvir e ver sem ser com as nossas próprias lentes. Felizmente a grande maioria das mães da a volta, mesmo qdo sentem momentos mais negros.

      Eliminar
  10. Joana, não tem nada a ver com este assunto, mas aconselho-te muito a ires ao site forksoverknives.com, pesquisares "paleo" e ler o primeiro artigo que se chama "why the paleo dieta doesnt make sense". É muito interessante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ter-me porque o tema tb me interessa :) nao li tudinho tudinho, mas já vi docs sobre os "erros" da paleo. e tal como neste artigo, todos falam dos erros da paleo "versão marketing". quem conhece bem paleo sabe que a base da refeição paleo não é, de todo, a carne. e ainda menos a carne de animais de grande porte (vacas e porcos). a paleo defende consumo de pequenas porções de carne de animais pequenos (que seria o que se caçava na altura - coelhos, aves, etc.). a base da paleo, em termos de quantidade, é sem dúvida os vegetais e as gorduras saudáveis. nao se defende consumo de quantidades enormes de carne.. mais, se o homem é geneticamente vegetariano, então porque nao consegue digerir uma serie de vegetais ou seus componentes? eu considero que somos geneticamente omnívoros, com capacidade de comer pequenas quantidades de carne e algumas variedades de legumes. dito isto, a informação sobre nutrição neste momento é tanta.. que acho que apenas há consenso em duas coisas - acúcar e processados são para evitar a todo o custo! de resto, acho possível ter uma alimentação saudável sendo vegetariano, paleo, macrobiótico, etc.. mas é sempre bom estarmos informados sobre os temas, e para isso é importante ler tb os críticos ;)

      Eliminar
  11. Cheguei da maternidade numa 2ª feira à tarde, o meu marido nessa noite saiu para uma aula, e na 3ª feira teve de regressar ao trabalho.
    Não me lembro de ter sofrido horrores, ou de me sentir "sozinha", lembro-me de chorar muito de noite, pois ela não dormia e eu estava exausta.
    Devo ter achado que tudo seria normal, mas lembro-me perfeitamente da vontade de regressar ao trabalho, sabendo tudo o que isso custaria e implicaria, mas "não podia" estar mais tempo só eu e ela. Precisava de espaço, precisava de adultos (eheh), precisava de rotina, de normalidade, sei lá...
    Nasceu no Verão e quase todos os dias dávamos um passeio matinal e/ou de final de tarde. Acho que isso nos fazia bem a ambas para sair um pouco, espairecer, ver pessoas, apanhar sol e ar. Fiz muito em casa (não consigo estar parada), foram janelas, armários e roupeiros, etc. Com ela junto a mim a "aprender" :-)
    Por isso admiro quem decide ficar em casa exclusivamente com eles, após terminado a licença da maternidade. O desgaste e o cansaço são muitos, 24h/24h, "sem tempo para respirar".

    ResponderEliminar
  12. Olá Joana!

    Que bom que também criam espaço para abordarem estas questões que se constituem um lugar tão comum na transição para a maternidade.

    Gostava só de aproveitar o momento para salientar uma questão onde ainda se necessita de criar mais awarness e que concerne ao facto de estes momentos menos positivos nem sempre passarem. Por vezes (e não são assim tão raras as vezes) esses momentos menos positivos na gravidez e no pós-parto perduram, seja num tom de ansiedade, de ataques de pânico, de sintomas depressivos, de momentos em que a realidade fica alterada, ou qualquer outro neste âmbito. Muitas mulheres, ainda guardam muitos destes 'sinais e sintomas' para si. Vivem-nos em silêncio durante meses, anos, supostamente "tranquilas" à espera que passem, mas isso não acontece. Por vezes, é mesmo necessário recorrer a tratamento médico e acompanhamento especializado, pois mesmo se tal não ocorrer, estas situações deixam marcas que influenciam a vida destas mulheres e das suas famílias a longo prazo, e as consequências, neste sentido, são bem conhecidas. Com todo o respeito pelo vosso trabalho, que sigo com agrado, ao ler no final de um texto sobre o tema, "É deixar o tempo correr. Tudo passa", fez-me considerar que poderia ser um momento oportuno para alertar para o facto de, nem sempre passar, e por vezes, ser mesmo preciso pedir ajuda. E este pedido, não tem de vir no limite. As mulheres não precisam de sofrer tanto até aqui.

    Obrigada e continuação do bom trabalho!

    Qualquer questão sobre o tema:
    blog@mulherfilhamae.pt

    ResponderEliminar
  13. Fui mãe há menos de dois meses e felizmente o meu marido pode ficar connosco durante uns meses. E nåo sei como seria sem ele. Esteve doente dois dias e eu fiquei de rastos, por ter de fazer tudo sozinha. Os pais deviam ter o mesmo tempo de licença das mães, era bom p todos.

    ResponderEliminar