segunda-feira, 12 de junho de 2017

Carta ao meu namorado.

Estou de camisa de dormir, daquelas que comprei, grávida da Isabel, para levar para a maternidade. Estou com a azul clarinha, fresca, com botões até lá abaixo, uns números acima e conforto para dar e vender. E é incrível como me sinto sexy mesmo numa camisa de dormir que comprei grávida da Isabel para levar para a maternidade. Voltei a sentir-me confiante, segura, e o meu corpo voltou a pertencer-me, mesmo que diferente, mesmo que não o mesmo que conheceste em 2009. Elas estão a dormir as duas, tu estás longe e eu estou com o portátil no colo, dei de mamar nem há cinco minutos e já estava a ceder ao sono quando me apeteceu vir escrever-te. Dizer-te que, oito anos depois, duas filhas depois, estou como quando me conheceste, mas outra. Sinto-me uma miúda, pés descalços, corpo a pedir dança e cabelos desalinhados. Despenteados, para dizer a verdade. Cheia de vontade de me fazer à estrada no teu carro vermelho com lascas de tinta a sair, perdermo-nos com umas caipirinhas e a pedir pollo em vez de pulpo. Uma, duas, três vezes. Andar de mãos dadas, suadas do calor. Peles salgadas, tostadas e corações a palpitar muito. Aquele bikini preto que dizias que me ficava bem. Aquelas músicas que cantávamos nas viagens sem vergonha do ridículo. Aquelas idas ao cinema umas atrás das outras com uns hambúrgueres escondidos na mala. Como nunca viste o Laranja Mecânica?, perguntaste e mostraste-me esse e muitos outros. Fizemos colecções de clássicos e de Almodovares e de Allens. Ofereci-te uma viagem que era para a Tunísia mas acabámos nas Canárias. E fomos tão felizes em Veneza e em Florença. E nos nossos aniversários em degustações no Olivier na rua do Alecrim ou jantaradas naquela tasca maravilhosa em Caxias. Perdemo-nos em Londres e em Amesterdão (literalmente), descobrimos cidades e descobrimo-nos nelas. Dormimos sestas demoradas em longos domingos, chegámos a ir dormir para a banheira tal era o calor daquele T1 minúsculo num nono andar sem ar-condicionado e enroscámo-nos bem nas noites mais geladas. Comemos poeira em festivais de verão, dormimos em Ibis e em hotéis manhosos em Milão, perdemos carteiras em Tarifa. Trabalhámos juntos alguns anos e, quando nos diziam que trabalhar com namorados não resultava ou cansava ou sei lá mais o quê, mais gozo nos dava provar o contrário. Somos uma boa parelha - nem é preciso falar para sabermos o que o outro acha daquele corte na edição ou daquela escolha de música.

Começaste por dizer que me amavas, sem eu saber se algum dia te iria corresponder, quando o meu coração já era todo teu e eu nem adivinhava. Há coisas que têm mesmo de ser, há coisas que têm mesmo de acontecer. Nem um mês depois e já tinha a minha escova de dentes em tua casa, mal sabia eu que seria para a vida toda. Sei que é. Nós sabemos. Aquele bikini preto já não me deve ficar grande coisa, já não devemos voltar a pedir pollo em vez de pulpo, o carro vermelho a cair de podre já deve estar na sucata, mas nós somos os mesmos. Quando os nossos olhares se cruzam, mesmo que debaixo deles haja olheiras, mesmo que eles se tendam a fechar mais rapidamente, a luz é a mesma, ou maior ainda. Gosto daquilo em que te tornaste. Gostas da mãe em que me tornei, já mo disseste, todo orgulhoso. Já sabíamos o que trazíamos no coração, já sabíamos que éramos boa gente, mas vermo-nos a ser família, a ter provas para superar, fortaleceu tudo. Mais e mais e mais.

São oito anos - ou serão mais? Parecem mais ou foram muito intensos? Bons oito anos. Os melhores. Ao teu lado, os melhores.

Parabéns a nós. Por querermos dançar esta dança, mesmo que às vezes pisemos os pés um do outro, sem querer. Por mandarmos para trás das costas o que não é importante, por nos darmos, dedicarmos e cedermos, sem fazer jogos de força. Que sejamos sempre assim. Que consigamos sempre respirar fundo, relativizar e reencontrar o que nos juntou e o que continua a juntar. O nosso amor. Elas. E o nosso amor nelas.

Parabéns, amor.

Há 7 anos. Constato que somos como o vinho do Porto.

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 

17 comentários:

  1. Caramba Joana...

    Lágrima no canto do olho (mentira... a escorrer cara abaixo)... aqui em casa faz este ano 18 anos que conheço o meu namorado... metadr da minha vida já "é" dele... e está quase à 2 meses fora (trabalho) e eu fiquei ainda com mais saudades:(

    Parabéns a vocês e continuem assim...

    Enqt as "borboletas" cá andarem no estômago sempre que o vamos buscar ao aeroporto ou quando recebo uma mensagem mais fofinha acho que estamos bem eheheh

    ResponderEliminar
  2. Dá para me perder nas suas palavras, e como me revejo profundamente.
    É tao bonito termos amores assim, haja espaços um do outros e em conjunto. Que venham mais 8..e mais 8..e mais. PARABÉNS!! Anónima Teresa

    ResponderEliminar
  3. Parabéns Joana e parabéns David.

    ResponderEliminar
  4. Parabéns aos dois! Que saibamos sempre deitar pelas costas o que não interessa, e ficar só com o Amor!

    ResponderEliminar
  5. Bonitas palavras fiquei arrepiada. E parabéns aos dois, continuem assim.

    ResponderEliminar
  6. Se existir um(a) anónimo fdp (filho da puta. Ressabiado. Infeliz, no fundo) que tenha a lata de vir aqui estragar toda a onda de felicidade por este casal e amor profundo pela respectiva cara metade, eu juro que o descubro e que o enfio dentro de um microondas para ver se lhe descongelo o coração!
    Fora de brincadeiras... Que carta tão bonita, que sentimento tão bom! Não resisti e enviei a parte com que me identificava ao meu namorado, por quem sinto exatamente o mesmo!
    Vocês (enquanto casal e família) e vocês, Joanas, enquanto mães, são um exemplo a seguir!
    Parabéns por tudo o que conquistaram e felicidades para tudo o que está para vir! Adoro vos à séria
    (p.s sigo o blog praticamente desde o início, já vos mandei um mail e, às vezes, comento fotografias das miúdas no Instagram mas esta é a primeira vez que comento o blog).
    Beijocas ❤️

    ResponderEliminar
  7. Uau, uau, uau!
    Lindo, um jogo de palavras que embeleza ainda mais esse sentimento tão bonito que vos enche por dentro. Um amor tão grande que não cabia só em 2 corações e que teve de transbordar para 2 meninas lindas.
    Felicidades.

    ResponderEliminar
  8. Lindo��. Ainda bem que te "roubei"o namorado aos 15 anos; pois se não o tivesse poderíamos não ser tão feliz como és. Eu sabia que o tinha que fazer�� pois hj és uma mulher fantástica, tens uma família linda...e por incrivel que parece continuámos sempre amigas��

    ResponderEliminar
  9. Que bonito texto Joana! Muitos parabéns e que continuem a construir um caminho tão bonito em conjunto.

    ResponderEliminar
  10. Que bonito Joana! Fiquei super emocionada, muitos parabéns!

    ResponderEliminar
  11. Joaninha e casório?Não pensam nisso?é a cereja no topo do bolo.😍já estou a imaginar as 2 bonequinhas a levare as alianças

    ResponderEliminar
  12. Joaninha e casório?Não pensam nisso?é a cereja no topo do bolo.😍já estou a imaginar as 2 bonequinhas a levare as alianças

    ResponderEliminar
  13. Caraças David, pede-a em casamento já!!!

    ResponderEliminar