quarta-feira, 5 de julho de 2017

Não tenho dinheiro.

O dinheiro não estica, é verdade. A vida não está fácil, também é verdade, mas dei por mim a aperceber-me que gastava muito do meu dinheiro em "trampa". Aqueles momentos em que achamos que tudo na loja do Tigre (coff.. coff..) é muito barato e acabamos por comprar um piaçaba, um tampão com motivos infantis e meio candeeiro de plástico a 50 euros.

Reparo que assento muito da minha vontade de me sentir bem em comprar "coisinhas". Seja mandar vir umas camisolas da Zara sem precisar ou de comprar uma vela na Zara Home (calma, não estão a pagar o post - mas deviam) ou comprar uma agenda nova de 50 euros (aconteceu). 

Isto sou eu. Provavelmente a esconder um buço por fazer porque "não tenho dinheiro". 


Em vez disso, estou a privar-me de, talvez: 

- ter poupanças - seria interessante poder ter um "pé de meia" para não me arrepiar sempre que me lembro que é mês de pagar o condomínio 

- ter menos merd* cá por casa - a quantidade de porcaria que tenho por aqui, brinquedos perfeitamente desnecessários para a Irene e mini porcarias sem utilidade. Não quero nada um corta ovos, que parvoíce! Corto o ovo com uma faca, para quê tanta mariquice?

- viajar nas férias - poder pegar em mim e na Irene (e, se calhar na Susana) e irmos a Londres, Paris, Espanha... Fazer coisas "em grande" que me preencham mais do que apenas comprar e "enfiar na gaveta" (sei que esta expressão também tem algo que ver com cuecas e rabo, mas decidi manter). 

- comprar cortinados - ando sempre a dizer que não tenho dinheiro, que é caro e, se calhar, com tanta trampa, já tinha os cortinados e até uma pessoa para mos abrir e fechar quando fosse preciso. 

- ir à manicure e pedicure e não sei quê - "não tenho dinheiro para isto", se calhar até tenho! Ando é a gastar em coisas que me façam sentir menos bem tipo um pedacinho de relva artificial dentro de um vaso de plástico que está aqui a enfeitar-me a secretária e que os meus gatos adoram roçar o esfíncter nela - já valeu a pena por eles. 

Sei que não vou conseguir abdicar de tudo, mas vou "deixar-me de merdas" e tentar aproveitar o que já cá há em casa. Se me organizar melhor no armário, provavelmente até tenho mais roupa para usar em vez de andar a comprar mais "básicos" a 3 euros por serem baratos. 

Vá. 

#adeixarmedemerdas

✩✩✩✩✩✩✩✩✩✩

Sigam-nos no instagram 
aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 

25 comentários:

  1. Estamos juntas! Também vou deixar-me de merdas.

    A Mulher do 31 | Blog | Facebook | Instagram | Twitter |

    ResponderEliminar
  2. Eu sou o oposto. O meu filho só quando fez 2 anos é que comprei uns legos, uns animais, uma mota e livros. De resto não lhe compramos nada. Tenho horror a trabalha, tou sempre a deitar tudo fora. Mas, ao mesmo tempo também gasto muito dinheiro estupidamente.
    Há uns tempos li um livro muito giro sobre destralhar de uma forma geral, e"A Arte da Simplicidade" da Dominique Loreau, aconselho, pois ensina métodos de ter menos e ter tudo mais organizado, e isso claro que passa para cabeça e ficamos verdadeiramente mais felizes.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que engraçado! "Cruzei me" com este livro no fim de semana passado. Não tive a oportunidade de ler o prefácio e, pelo titulo, julguei que fosse um daqueles livros de auto ajuda aborrecidos. Muito obrigada!
      Ana Pedro

      Eliminar
  3. Também era assim comprava tudo e mesmo para a minha filha tentava dar lhe o k me pedia mas um dia tb tive esse alerta fiz 'limpeza' a casa e joguei algumas coisas desnecessárias e compro muito menos.tenho dinheiro k não tinha para outras coisas e ha pouco tempo fiz um passeio ha muito esperado.vale a pena tentar ser forreta que e como me chamamkkkkk

    ResponderEliminar
  4. Completamente! Tambem breve vou juntar me a esse clube ahah

    ResponderEliminar
  5. Bom dia a todas, estou a passar por essa fase em que acho que gasto muito dinheiro e sinto sinceramente que estou farta de gastar dinheiro, estou farta de centros comerciais, lojas, sacos e roupa, já não tenho espaço para nada, não uso metade e é super difícil manter a organização. Acho que a nossa geração precisa de uma mudança de mindset, simplificar as coisas, acho que somos mais felizes quando passamos um dia ao ar livre, ao sol, num parque, a conhecer algo novo do que quando compramos uma camisola. Joana acho que vais conseguir, força miuda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu concordo, estar em contacto com a Natureza traz nos respostas para tudo na nossa vida. É um equilíbrio.
      Sobre o consumismo...também concordo. O meu marido tem uma mercearia ambulante e desde essa altura que só vou ao super à peixaria e ao talho...e é muito mais saudável!
      Cumps, Ana Pedro

      Eliminar
  6. Concordo completamente...

    ResponderEliminar
  7. Os 30 estão a trazer-me isso! Graças a Deus! Os 30, 2 bebés é uma casa pequena! :) Os meus filhos não têm muitos brinquedos, o que ajuda, primeiro porque ao temos espaço e segundo porque gostam mm é de brincar com os tachos e tupperwares ����

    ResponderEliminar
  8. Bom dia a todas. Eu consegui destralhar a minha casa e a minha vida graças a Marie Kondo (e ao meu marido que nunca gostou de demasiada tralha lá por casa). :) Ouvi falar, pesquisei e pus em prática os princípios dela. Na hora de comprar aquela pechincha é muito mais fácil ser "forreta" se nos lembrarmos realmente das coisas que temos em casa e que tantas vezes não usamos. Muitas vezes penso mesmo - Se não uso o que está em casa também não compro nada do género, para castigo. Isto aplica-se muito a bijuterias e cremes... Vale muito a pena pensar antes de comprar e comprar 1 coisa especial em vez de 10 coisas básicas e baratas!
    Celina Almeida

    ResponderEliminar
  9. bom dia,
    sempre chamaram-me forreta e até considerava que era mas só para algumas coisas... mas depois fui a Santiago Compostela com a roupa/casa nas costas e percebi que não precisava de tanta coisa para viver... neste momento encontro-me a reduzir quase tudo ao indispensável... ainda não vi grandes melhorias mon€tárias mas é um esforço que a recompensa virá a médio/longo prazo...
    Força.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. às vezes é tão isso. Gastamos o dnheiro em coisas. Só coisas. Desnecessárias. Dispensáveis. Já dei por mim a destralhar as coisas e a fazer a mesma reflexão. Conclusão - uma vida mais leve é uma vida mais feliz!

    aescritadosdias.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Quem nunca??! :D Já de algum tempo para cá que optei por duas "técnicas": uma delas é comprar um daqueles mealheiros de lata do chinês (uma tralhinha mas para uma boa causa)sem abertura e ir colocando 1€ por dia,o ano passado fiz isso para as férias de verão, quando abri tinha 186€, não é nenhuma fortuna, mas por exemplo paguei a ida ao parque aquático e ainda sobrou para uns gelados; outra "técnica" é a que chamo de técnica do envelope, todos os meses assim que recebo coloco 20€ no envelope, que vou amealhando para algo que queira muito ou por exemplo agora estou a juntar para uma viagem que irei em Outubro, de modo a ter já algum para gastar lá e não mexer no orçamento mensal.
    E também cada vez mais penso 2, 3 vezes antes de comprar "bugigangas"! Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Estou na mesma onda. tanta tralha e vivemos com bem menos e um pé de meia dá mesmo jeito para aflições e para viajar que é o que mais gosto fazer e tenho me privado nos últimos três anos.
    Priscila Cunha :)

    ResponderEliminar
  13. Participei no movimento "destralhar" ou "viver mais devagar" à coisa de 6 anos. Tinha mudado de casa fazia pouco tempo. Era mais pequena. Estava literalmente atulhada em tralha. Tinham sido anos a acumular. Faseadamente (há quem tenha uma lista e faz por zonas de casa) fui organizando e limpando. Bibliotecas e associações da zona agradeceram os donativos :) Aos poucos mudei a minha forma de pensar e estar. Acima de tudo trata-se de simplificar a nossa vida. Quanto menos coisas tivermos, menos trabalho temos e mais tempo temos para viver o interessa. Simplificar o nosso dia-a-dia. Usar aquilo que realmente precisamos e assim se dá outra importância ao dinheiro. Queremos e usamos o dinheiro para aquilo que realmente precisamos e não só porque é bonito ou barato. Basta fazer duas perguntas quando me deparo com um artigo que me despertou atenção: Tenho? E preciso? Sinceramente, recomendo e uma vez iniciado este processo, mentalmente e fisicamente, tudo fará mais sentido. Basta olharmos para as coisas e acontecimentos de outra forma. Boa sorte ;)

    ResponderEliminar
  14. Sou mais uma que anda a destralhar a casa. Eu tenho horror a casa a cheias de bugigangas (traumas de infância! 😂) e estou sempre a despachar roupas e a deitar coisas fora. Também era muito de comprar coisas baratas para me sentir bem, mas deixei-me disso. Raramente favo compras por impulso, é tudo muito ponderado. Quero começar a poupar para poder passear mais com os miúdos, é isso que levamos desta vida! Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. ePAH.. tirem se só uma duvida.. O que é a loja do tigre????? tou mesmo á nora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tiger, é uma estilo Ale-Hop mas melhor. Montes de coisas giras. Recorro muito a ela quando naquelas alturas em que se faz muito a troca de prendas do "amigo secreto" ou quando quero uma prendinha original e barata.

      Eliminar
    2. Deve ser 'tiger'!

      Eliminar
    3. Penso que seja a Tiger (passo a publicidade) que é uma loja com imensas coisas e porque são baratas, o instinto leva a comprar o que não é de todo preciso.

      Eliminar
    4. Tiger ;)
      Excelente para bugiganguices by the way... Já caí em algumas :)
      Anónima Catarina

      Eliminar
    5. Lol😀 pense em inglês 😜

      Eliminar