quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Carta à minha filha que foi para a creche pela primeira vez

Querida filha,

Espero que à hora que te escrevo já tenhas parado de chorar. Que tenhas comido qualquer coisa. Que tenhas conseguido dormir um bocadinho e sem soluçar. Que já tenhas presenteado todos os que te rodeiam com esse sorriso contagiante, com essas notas musicais no corpo, com os teus abraços demorados, com o teu despachanço. Tu que deitas alegria por todos os poros, que és meiga e suave e quase não choras. O meu coração mirra cada vez que te deixa, qual furacão a cuspir lava, pronta a ficar vermelha de tanto chorar. Faço um esforço enorme para não chorar ali à tua frente. Choro por dentro filha, tanto, tanto. Choro agora. 

E recordo a última sesta que fizemos juntas. Fiz questão de dormir contigo, de estar ali a ouvir-te respirar. Não quero saber se é parvo, adoro pôr o meu nariz bem perto da tua boca tão bem delineada para sentir o cheiro que de lá sai. É qualquer coisa de maravilhoso. E fui percorrendo todo o teu corpo com o olhar. Os teus dedos dos pés, quentinhos, a tocarem nas minhas pernas. As tuas dobrinhas perto dos joelhos. Tudo tão perfeito. A tua barriga que sobia e descia num ritmo calmo, relaxado. Estavas tranquila. Estavas segura. Sabias que eu estava ali. Dormes sempre mais quando eu estou ao teu lado. Eu protejo-te da ausência, do vazio. Eu sou a tua mãe. Foi a última sesta antes de ires para um sítio diferente, com outros cheiros e outras caras. Foi a última sesta comigo ali, por perto, pronta para te sorrir quando acordasses. Foi a última sesta em que pudeste sentir o meu cheiro, logo tu que, quando te cansas de mamar, gostas de enfiar a cabeça no meu sovaco. Tu não sabias que havia mais mundo lá fora, nem que quando acordasses eu poderia não estar lá. E isso dói-me em todos os músculos, articulações e na alma. Fazer este corte custa. Custa muito. Para as duas.

Sei também que vai deixar de custar tanto. Sei que um dia irás, conformada e entusiasmada, para a tua salinha e dir-me-ás adeus com a tua maozinha sapuda e tentarás dar-me um beijinho. Sei que um dia terás a certeza absoluta que eu volto para te devorar com beijos e colo e mimos. 
Até lá tenho de acreditar que vais ficar bem, que esta fase faz parte e que não deixará mossas em ti, minha filha querida. Que tudo o que vivemos foi tão forte e tão bom que já ninguém conseguirá desfazer. Que a nossa ligação te dará sempre forças quando eu não estou e que a saudade vai passar a ser algo bom. 

Estou aí às 4 horas, filha. Sabes que é a melhor parte do meu dia? Quando tudo volta a fazer sentido? Quando o meu coração acelera, qual apaixonada antes de um encontro? Chora tudo o que quiseres, faz-me queixinhas, pendurada no meu ombro. Até amanhã de manhã sou toda tua. E serei sempre. Mesmo nas horas em que não estou.

Sempre, filha. Sempre.


22 comentários:

  1. Que bonito Joana. Eu não sou parte das mães choronas, mas custa-me deixar um filho a chorar na escola. O António que sempre ficou tão bem, tem estado a estranhar e chora, dizem que não fala. Ele que é todo bem disposto, apesar de refilão, é rijo mas também lhe custa ficar. À noite adormece alapado a mim e assim que saio desperta logo, essa parte tem sido complicada porque ele acaba por adormecer tarde.... mas vamos dar-lhes tempo de se adaptarem!

    ResponderEliminar
  2. Não me leves a mal, que não pretendo mesmo criticar, estou só intrigada... Mas é mesmo necessário ela estar tanto tempo na escola? Desde manhã até meio da tarde? Passar de estar contigo 24/7 a passar a maior parte do dia sem ti? Percebo q seja conveniente ir buscá-la ao msm tempo q a Isabel, mas parece-me, a mim, um choque tão grande para a Luisinha... Sei bem q eles são resilientes e se adaptam, mas não vejo mm o pq de passares do 8 para o 80. Percebo q te saiba bem umas horas kid free, mas o dia todo? Não era viável começares por levá-la só as manhãs? Não me deves explicações nem a ninguém, e já li o post sobre as tuas motivações, e tu é q sabes das tuas, claro. Eu é q estou com o coração apertadinho por ela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não levo nada a mal e percebo perfeitamente. Não me deram essa opção - daí ter ponderado ainda durante algum tempo se a Luísa iria para a escola. Apesar de tudo - e ainda bem porque sempre me acalma um bocado o coração - ela fica bem depois de almoço, faz a sesta e passa bem a tarde. Felizmente! ❤️ obrigada pela preocupação, senti que foi genuína. Beijinhos

      Eliminar
    2. Nem nos primeiros dias Joana?

      Eliminar
    3. Joana, não deveriam dar sequer opção de ficar mais que 1 ou 2h nos primeiros dias. A adaptação deveria ser respeitada e obrigatoria pela creche. Nenhuma criança se sente segura numa mudança tão drástica. Que pena que não bateste o pé. Não me parece que na creche tenham pensado no bem-estar da criança.

      Eliminar
    4. Comigo não tive opção também, vai sempre antes do almoço e vou buscá-lo depois do lanche para criar rotina mas tem sido muito muito más as noites... Acorda a chorar...

      Eliminar
    5. Eu trabalho numa creche e por lá nós incentivamos a adaptação gradual. 1-2 horas no primeiro dia. No segundo dia almoçar. No terceiro dia fazer a sesta. E só a partir daí ficar até ao lanche ou depois. Dá tempo às crianças e aos pais para se adaptarem às novas rotinas e para conhecerem o espaço/equipa educativa.

      Sei que cada espaço funciona de sua maneira mas a verdade é que os primeiros dias custam a todos. Ainda assim não duvido que a Luísa e a Isabel se vão adaptar super bem :) Boa sorte e muita coragem!!

      Eliminar
  3. Não me leves a mal, que não pretendo mesmo criticar, estou só intrigada... Mas é mesmo necessário ela estar tanto tempo na escola? Desde manhã até meio da tarde? Passar de estar contigo 24/7 a passar a maior parte do dia sem ti? Percebo q seja conveniente ir buscá-la ao msm tempo q a Isabel, mas parece-me, a mim, um choque tão grande para a Luisinha... Sei bem q eles são resilientes e se adaptam, mas não vejo mm o pq de passares do 8 para o 80. Percebo q te saiba bem umas horas kid free, mas o dia todo? Não era viável começares por levá-la só as manhãs? Não me deves explicações nem a ninguém, e já li o post sobre as tuas motivações, e tu é q sabes das tuas, claro. Eu é q estou com o coração apertadinho por ela.

    ResponderEliminar
  4. Ohhh... até o meu coração ficou pequenino.

    Acho esta parte dos blogs deliciosa, quando elas descobrirem estas memórias e as fizer sorrir. 😊

    ResponderEliminar
  5. Olá,
    A minha filha vai daqui a 12 dias para a creche pela 1a vez. Após 17 meses entre estar comigo e com as avós.. Tenho uma semana de férias para fazer a adaptação a minha e a dela... Nem imagino como nos vamos sentir... Força e beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Revejo.me em todas as palavras...a minha pequenina de 23 meses começou esta semana e tem chorado todos os dias na despedida e quando a vamos buscar...faz o chamado ugly cry e berra a plenos pulmões: mãe!!!!esta coisa de ter de os deixar porque temos de trabalhar è dolorosa demais para eles e para nós pais... nós tentámos a adaptação progressiva e hoje já ficou para dormir ...Contámos todos os minutos até chegarem as 16h 00 horas para a ir buscar e para saber que almoçou mal,dormiu 30 minutos e já lanchou...gritou de felicidade quando o pai a foi buscar e começou a chorar mais uma vez...amanhã mais uma voltinha nesta roda de sofrimento chamada relógio que teima em passar devagar até termos noticias dela..até vermos o seu rosto a abraçarmos e tentarmos que perceba, dia após dia, que vai ficar bem e que a iremos sempre buscar...coração apertado e simpatizante com todas as mães e pais que estão a passar pelo mesmo!temos de ser fortes mas que custa...custa...

    ResponderEliminar
  7. Revejo.me em todas as palavras...a minha pequenina de 23 meses começou esta semana e tem chorado todos os dias na despedida e quando a vamos buscar...faz o chamado ugly cry e berra a plenos pulmões: mãe!!!!esta coisa de ter de os deixar porque temos de trabalhar è dolorosa demais para eles e para nós pais... nós tentámos a adaptação progressiva e hoje já ficou para dormir ...Contámos todos os minutos até chegarem as 16h 00 horas para a ir buscar e para saber que almoçou mal,dormiu 30 minutos e já lanchou...gritou de felicidade quando o pai a foi buscar e começou a chorar mais uma vez...amanhã mais uma voltinha nesta roda de sofrimento chamada relógio que teima em passar devagar até termos noticias dela..até vermos o seu rosto a abraçarmos e tentarmos que perceba, dia após dia, que vai ficar bem e que a iremos sempre buscar...coração apertado e simpatizante com todas as mães e pais que estão a passar pelo mesmo!temos de ser fortes mas que custa...custa...

    ResponderEliminar
  8. Revejo.me em todas as palavras...a minha pequenina de 23 meses começou esta semana e tem chorado todos os dias na despedida e quando a vamos buscar...faz o chamado ugly cry e berra a plenos pulmões: mãe!!!!esta coisa de ter de os deixar porque temos de trabalhar è dolorosa demais para eles e para nós pais... nós tentámos a adaptação progressiva e hoje já ficou para dormir ...Contámos todos os minutos até chegarem as 16h 00 horas para a ir buscar e para saber que almoçou mal,dormiu 30 minutos e já lanchou...gritou de felicidade quando o pai a foi buscar e começou a chorar mais uma vez...amanhã mais uma voltinha nesta roda de sofrimento chamada relógio que teima em passar devagar até termos noticias dela..até vermos o seu rosto a abraçarmos e tentarmos que perceba, dia após dia, que vai ficar bem e que a iremos sempre buscar...coração apertado e simpatizante com todas as mães e pais que estão a passar pelo mesmo!temos de ser fortes mas que custa...custa...

    ResponderEliminar
  9. Olá.. ainda falta um mês para a minha filha ir para a creche, ainda com 4 meses... Nunca pensei que me custasse tanto... Só de pensar já custa! Custa saber que não vai ter a atenção que tem agora, que não vão estar lá para ela assim que ela chorar, como eu estou agora. Às vezes sinto-me cansada e gostava de estar umas horas valentes sem ela, mas nem uma consigo!
    Estou a sofrer por antecipação... Muito! Não consigo parar de pensar nisto...
    Obrigada por este blog magnífico, pelo livro que tanto me ajudou...
    Beijinho
    Soraia

    ResponderEliminar
  10. E pronto eu tb choro....Choro porque me lembro do primeiro dia em que tb deixei a minha na creche depois de 15 meses...e choro pelo coração de mãe a pensar no aperto de outra mãe...Isso de ser mãe afinal é só chorar, tanto de amor como de aperto de coração...

    ResponderEliminar
  11. Pensei que era a única que gostava de cheirar o hálito dos meus filhos... Pensava mesmo que era panca só minha, mas afinal...não ��.
    Vai ficar tudo bem, Joana. Força e calma. Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Joana as suas palavras emocionante me tanto porque retratam tudo aquilo que sinto neste momento... A certeza de ter tomado a melhor opção para a minha filha de 22 meses deu agora lugar a culpa e muito sofrimento por ver como fica qd a deixo... Tem choramingado as 2 horas que lá tem ficado... Coragem e um beijinho muito grande para as suas meninas lindas

    ResponderEliminar
  13. Boa noite
    A minha filha vai fazer um ano e iniciou a adaptação à creche esta semana. Tive a possibilidade de gozar os 8 meses de licença de maternidade e juntei férias e licença sem vencimento. Sofri imenso por antecipação, vejo agora que fui tola, hoje ja me sinto preparada para a levar para a creche e vê-la agarrar-se com carinho às pessoas que a recebem. Passado este tempo todo comigo também vejo que ela está pronta para ir. Custou-me deixá-la no 1 dia. Ela nem olhou para trás. Só queria ver tudo o que havia naquela sala. Apontava o dedinho para todo o lado. Saí com a lágrima no olho e com coração apertado mas ela ficou bem. Há uns meses, ficava destroçada com a ideia de saber que ia perder o sorriso dela ao acordar. Que outra pessoa que não eu ia estar lá. Essa altura chegou e consigo estar tranquila porque a vejo bem. Reparo que chorou uma vez ou outra, mas é normal. Bastaram 2 dias para comer e dormir lá.
    Coragem mamãs, com calma, paciência e muito amor os nossos bebés adaptam-se e nós também.

    ResponderEliminar
  14. Deixei há pouco a minha filha na escola... ficou mais uma vez a chorar... começou na segunda e parece cada vez pior, para ela e para mim.
    Joana reveijo me nas suas palavras e chorei bastante ao ler a carta... é isso tudo e muito mais... a dor a mim paraliza-me e o meu corpo dói todo... espero que um dia seja mais fácil ou pelo menos mais aceitável para ambas.
    Beijinhos e obrigada

    ResponderEliminar
  15. Sinto-me reconfortada com as vossas palavras. Sinto-me a pior mãe do mundo porque nem sequer sou eu que a posso deixar e buscar à creche. Diz que odeia tudo, tem 2 anos e meio e começou Segunda. Sou tem ficado 3 horas e não parece melhorar. Não estou a ver ao luz do túnel. Parece que anda mais nervosa e triste. Que desespero!

    ResponderEliminar
  16. Olá Joana. O meu filho tem 8 dias a menos que a Luísa e por falta de opção teve de ir para o infantário aos 5 meses. Na altura não me perdoava por não estar junto dele a 1a vez que gatinho, que bateu palmas e que comeu sozinho mas depois quando ele fazia isso em casa vivíamos esse momento com a emoção normal da 1a vez. No início passava o dia a imaginar o que ele estaria a fazer e ficava de coração apertado por não poder estar lá para lhe dar o colinho que ele tanto gosta quando acorda mas depois percebi que ele era um privilegiado por ter uma educadora que o mima e lhe dá tanto carinho que já o conquistou. Perco 6 horas do seu dia mas depois quando voltamos a estar juntos sou 100% dele. Brincamos, passeamos, mama sempre que quer, dorme sestinhas no meu colo e é maravilhoso. Afinal ganhamos tempo de qualidade e isso é o melhor que lhes podemos dar. Por isso mamas força aí. Custa muito mas ficamos todos a ganhar.

    ResponderEliminar