segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A minha vida mudou e vai mudar na próxima semana mais ainda

Ninguém perguntou, mas faz'conta. Ora então comecei a trabalhar na 3a feira e correu muito bem.

Fim do post.

Então eu era lá menina para deixar isto assim. 

Na 3a feira comecei a trabalhar, pela primeira vez, num trabalho que não é a televisão. Coincidentemente no dia mundial da televisão. Estou numa agência de comunicação.

O friozinho na barriga, o não chegar tarde, o receber as pastas e as dicas, o começar a conhecer os clientes e a ter noção dos procedimentos e das regras da empresa, o aprender coisas novas, programas novos e tentar decorar os nomes dos colegas e os cargos, tudo ao mesmo tempo... Já não me lembrava de como isto se fazia e trouxe-me à memória uma vez, noutro trabalho, em que ouvi, alto e bom som, "quem é esta?". Desta vez, "esta" foi muito bem recebida e tudo começou da melhor forma. Mesmo com tantas novidades. Mesmo com comboios e metros por apanhar, casas para tentar arrendar, creches por procurar,  consegui focar-me e dar o meu melhor. Melhor serei quando tudo fluir, quando já souber fazer (quase) tudo e quando tudo me sair com mais naturalidade.

Sempre gostei de reinícios. Nesta coisa dos primeiros dias, nunca fui de fugir. Se calhar também sempre tive a sorte de ter colegas pacientes, que dão a mão e que explicam tudo tintim por tintim (Betinha, agora tive saudades tuas e das tuas explicações sobre o Arquivo). Facilita muito.

Está a fazer-me muito bem voltar a trabalhar. Não que estar em casa não me desse água pela barba, não que estar mais tempo com as minhas miúdas não me fizesse o sangue correr pelo corpo, quente, cheio de vida. Não que a minha vida não me desse alegrias. Mas, algures entre ir levar e ir buscar as miúdas, passava muito tempo sozinha {e isso não me dava prazer}. Precisava de pessoas, de ouvir umas larachas, de me sentir (ainda) mais útil {atenção que nunca duvidei do quão útil era para as minhas filhas e nunca me esquecerei do quão enriquecedor foi poder acompanhar este ano e meio delas mais ao pormenor, um autêntico privilégio que não trocava por nada!}, de aprender e de ter alguns desafios, de ganhar autonomia e até de (voltar a? recomeçar a?) construir uma carreira.

Esta semana e a próxima são atípicas. É a minha mãe quem me está a fazer a retaguarda, a ir por e a ir buscar, a dar banhos e dar refeições. ❤️Meu amor.

A partir de Dezembro, vamos mudar-nos para Lisboa. Não estava à espera de ser tudo tão rápido mas tudo se está a compor para voltar a ter as minhas filhotas mais perto de mim e do David.

Casa nova, creche nova, vida nova. Sem grandes angústias, tudo se vai compor,  e 2018 vai ser um ano do caraças!






Sigam-me também aqui: 


a Mãe é que sabe Instagram

61 comentários:

  1. Boa sorte!! Como vossa leitora assídua não pensava que fosses sair de Santarém tão depressa. Achava mesmo que te ias aguentar por lá uns 3 anos! É uma chatice as miúdas mudarem de escola outra vez! Mas de fato o dinheiro faz falta a todos e as rotinas o trabalho também! Espero que corra tudo bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Maria! Eu já andava com esta fisgada há algum tempo confesso. E agora que todas as condições se reuniram, percebemos que seria o passo a dar. Bjs

      Eliminar
  2. Desejo-te tudo de bom... Que corra tudo pelo melhor :)
    Beijinhos e muitas felicidades para esta nova fase na vida de todos.
    A avó vai ficar tão tristinha :( mas vai correr tudo bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! A avó vai visitar-nos muitos dias e nós a ela também! Vai correr tudo bem sim, obrigadaaaa!

      Eliminar
  3. Boa sorte Joana. Eu cá odiei trabalhar em agências de comunicação, espero nunca mais ter que voltar.

    ResponderEliminar
  4. Desculpem mas agora fiquei confusa... então mas não se tinham mudado para Santarém para ter outro tipo de vida? Afinal vão mudar-se para Lisboa outra vez? Eu sei que não tenho nada a ver com isso mas como seguidora do blogue há 3 anos houve aqui qq coisa que me escapou...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, vamos voltar a Lisboa. Com pai e mãe a trabalhar em Lisboa, não faz mais sentido continuarmos a viver em Santarém, por tudo o que isso implica (principalmente menos tempo com as filhotas). Depois de pesarmos todas as possibilidades, vamos viver em Lisboa e passar fins de semana em Santarém. Resumindo, é isto.

      Eliminar
  5. Boa sorte Joana... e depois conta como tem sido a procura de casa em Lisboa, fácil encontrar alguma coisa de jeito?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na zona que procurávamos não foi muito difícil! Boa sorte!

      Eliminar
    2. Aproveito para desejar as maiores felicidades nesta nova etapa, mas já agora também peço um post sobre este tema... pretendo mudar para Lisboa em breve e a procura de casa não está fácil...

      Eliminar
    3. Joana, boa sorte para esta etapa - "a quem muda Deus ajuda", diz o ditado. Crendo ou não em Deus, os recomeços são sempre bons! Um beijinho e tudo a correr bem!
      Se não for pedir muito, um post com informação sobre a procura de casa, com dicas, era capaz de ser útil a muita gente 😉

      Beijinhos!

      Eliminar
  6. Por aqui também estamos em recomeços... Trabalho novo,cidade nova,creche nova...vamos ver como corre. O primeiro dia de creche não foi o mais agradável,o k me deixa em pânico,mas acredito k vai correr bem...
    Boa sorte pra esse lado. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos fazer adaptação na creche para tentar que seja tudo mais suave, vamos ver. Boa sorte para esse lado também. 😘

      Eliminar
  7. Joaninha, voa bem alto!
    Boa sorte na adaptação para toda a família. A vida é isto, uma rouleta russa. :)

    ResponderEliminar
  8. Felicidades! Espero que seja uma mudança boa, pacífica e sem angústias ;) <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim será, com muita calma, tempo e amor. Obrigada

      Eliminar
  9. Gosto sempre muito dauilo que leio e não me leves a mal o comentario mas resumindo foram para o campo para poupar enquanto ficava em casa com a miúda mais nova. Agora troca pela terceira vez a outra miúda de creche. Não tens medo que essa tua instabilidade afete as tuas miúdas? Bem sei que os miúdos se adaptam mas perdem sempre os primeiros pares, as confianças, etc... acho que nós os adultos temos de saber gerir melhor o nosso egoísmo. Não é mesmo nada fácil!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por favor, estamos a falar de creche... é bem mais fácil mudar aí do que mudar de escola quando tem 10 anos ou por aí! Egoísmo seria terem uma mãe triste.

      Eliminar
    2. Eu tb acho uma crueldade mudar a Isabel de creche outra vez. Eles adaptam-se, claro, q remédio. Mas vamos pôr isto na perspectiva da Isabel: mudaram-na de creche para a mãe poder ficar com a mana mais tempo em casa. Educadoras, estranhas, novas. Amigos novos. Agora a mãe aborreceu-se de estar em casa com a Luísa e a Luísa foi para a creche, e a adaptaçao foi difícil. Agora trocam as duas de creche novamente, nova adaptação a pessoas estranhas... Parece-me um bocado egoísta. Parece-me que certas decisões têm de ser melhor pesadas. É importante terem uma mãe feliz e realizada, mas tb é importante terem estabilidade. Mas isto é como tudo... A mãe é q sabe. :)

      Eliminar
    3. Essa é que é uma grande verdade, a mãe e o pai é que sabem. 😉

      Eliminar
    4. Crueldade?! Ahahhahaha,calma. Crueldade, a meu ver, é virem dar essas opiniões super gratuitas depois das decisões de outras pessoas tomadas. Sem conhecerem a vida das pessoas, necessidades, o que for. Que vergonha... vejam mais telenovelas que isso passa. Força, Joana! Boa sorte para tudo! As meninas irão ser muito felizes perto dos pais e cheias de amor. És uma inspiração! Beijinhos

      Eliminar
    5. Sofia,grande beijinho e obrigada pelo cuidado.

      Eliminar
    6. Pequenos póneis defensores das bloggers, não se indignem. A Joana já saberia q ia receber este tipo de comentários, nem teci o meu como uma crítica ao carácter da Joana. Acho uma crueldade pq são muitas mudanças para cabecinhas pequenitas que não conseguem processá-las assim tão bem quanto isso, não têm a capacidade de pesar os prós e contras e perceber que a mudança vai ser positiva pq vão voltar a ver o pai diariamente. Na cabeça delas, vão estar a ser deixadas num ambiente novo OUTRA VEZ, sem perceber bem pq. Só me interrogo se achas mm q ir pra Santarém foi boa ideia e não te arrependes mesmo de o teres feito, dado que rapidamente percebeste que não és o tipo de mulher que se sente realizada exclusivamente com o papel de esposa e mãe, ou se só tentas convencer-te assim própria q sim, fez sentido, pra não te sentires culpada por desestabilizar as rotinas (principalmente) da Isabel novamente agora. Não acho q és pior ou melhor mãe por isso, até pq acho q faz todo o sentido estarem os 4 juntos diáriamente, e isso só pode poderá ser bom para a dinâmica familiar! Mas não consigo deixar de pensar que se precipitaram ao ir pra Santarém, se acabou por ser tao pouco tempo e com o impacto que isso teve principalmente na vida da Isabel. Não condeno, atenção. Cada um sabe de si e dos seus. Respeito-te muito, Joana, independentemente de estranhar algumas coisas. Como já disse, cada pai e mãe sabe das suas crias :) foi só um comentário 😉 e não, não gosto de telenovelas nem um bocadinho :)

      Eliminar
    7. Assusta-me que alguém se preocupe assim tanto com as nossas vidas ao ponto de comentar de forma tão exaustiva e tantas vezes... que estranho! Mas bom, lá terá os seus motivos e inquietações... Respondendo à sua questão, zero arrependimento. Melhores dois anos das nossas vidas. Bom enquanto durou. Next. No meio disto tudo, tenho não uma, mas duas miúdas meigas, divertidas, curiosas, bem resolvidas, com as birras e os conflitos normais para a idade. Zero preocupada com as mudanças, zero culpada, zero tudo. Não preciso disso para nada. Preciso de estar confiante de que tudo irá correr bem, como aliás correu até aqui. As minhas filhas tiveram mãe mãe mãe tempo tempo tempo atenção atenção atenção na fase mais importante da vida delas. Um privilégio para as 3. Acima de tudo, tiveram uma mãe bem resolvida e a fazer o que quis e o que achou melhor. Se agora a mãe (em conjunto com o pai), acha que o melhor para todos, e o necessário, é voltarmos a Lisboa, assim vai ser. Menos dramas. Se lhes faltasse estrutura, amor, pilares... Não é o caso. Tudo o resto se fará, caminhando. Estamos felizes. Espero que a anónima também esteja. Beijinhos!

      Eliminar
    8. Lamento, mas tenho de concordar com este comentário. Sempre me pareceu estranha a mudança para Santarém e o stay at home mum... Esta mudança agora faz todo o sentido, mas provavelmente poderia ter sido evitada. E ainda há pouco tempo era tão boa a vida no campo... Tretas...

      Eliminar
    9. Vocês aturam cada chata sem vida própria, Jasusmavalha. A querer à força puxar para baixo, para o nível dela. E ainda com laivos de psicóloga, mas ainda pior que o Quintino Aires. Cabeça erguida, para a frente é que é o caminho. O que seria do meu filho que nos viu emigrar e regressar no espaço de 3 anos... Um traumatizado, pobrezinho. 😂 não, viveu coisas diferentes, conheceu pessoas diferentes, sempre com o colo da mãe e do pai por perto. Desde que haja essa estabilidade, o resto arranja-se. Não duvide nunca das escolhas que fez, Joana. Se foi feliz e se os fez felizes, não há dúvidas. Não vai propriamente levá-las agora para um país em guerra.😅 ainda por cima vai mudar de casa! O que eu adoro mudar de casa e mandar fora tudo o que não interessa nessas ocasiões! Beijinhos de, pelos vistos, um pónei

      Eliminar
    10. Eu até percebo o comentário inicial, mas não concordo. Vejo esta mudança como positiva. Os miúdos precisam de estabilidade sim, mas a estabilidade mais importante está lá, o pai e a mãe delas sempre juntos com elas.
      Eu acho que até lhes faz bem estas mudanças, torna-os mais flexiveis, a meu ver.
      Acho que a Joana tem muita sorte, porque conseguiu ficar em casa com as filhas e no campo, durante um tempo importante para todos, e vai regressar ao trabalho a tempo de conseguir retomar as coisas e também ter a sua vida e o seu espaço - nada contra mães que não trabalham, atençao, só lhes tenho muito respeito mesmo. Mas pronto. A única parte menos boa é talvez de deixarem o campo :) Mas lá irão muitas vezes e ao menos, pelo menos a Isabel já leva um pouquinho desse gosto para a vida dela. :)
      Força Joana, não vai ser facil, mas correr tudo bem. Mudanças são boas, e ao menos não se aborrecem.

      Eliminar
    11. Joana, expões a tua vida aqui no blog e, como se já não fosse suficiente, no instagram. Como é que depois não queres que as pessoas conheçam a tua vida e a comentem? Não é uma crítica a essa exposição. até porque gosto de ver mas tens de saber arcar com as consequências dessa exposição.

      Eliminar
    12. O blog não é meu e a mim não me assusta nada.

      Eliminar
    13. Se a Joana expõe a sua vida é para que? Para ser comentada..... certo? Ora, existem comentários a favor e contra! Não há paciência para isto! Se não quisessem comentários não tinham um blog! (Ou será que vamos todos deixar de comentar e assim lá se vai o dinheiro gostoso que isso acarreta?)

      Eliminar
    14. E acha normal alguém comentar assim tanto a vida de outra pessoa?
      Não deve ter mais nada que fazer.
      Comentem.
      Digam a vossa opinião.
      Mas deixem se dessas coisas do Renato, de arrependimentos, etc
      Tipo...
      Arranjem uma vida

      Eliminar
    15. Quando essa pessoa se expõe da forma como a Joana o faz, acho normal sim.

      Eliminar
    16. Volto a explicar, sem um pingo de ironia:adorei ficar em casa quase dois anos, primeiro 3 meses so com a Isabel na creche e grávida da Luisa; depois com a Luisa quase um ano e meio. De outra forma, não poderia ter desfrutado tanto do primeiro ano da Luísa, porque teria ido logo trabalhar aos 3 meses dela, tal como aconteceu com a Isabel, sem redução de horário. Ir para Santarém possibilitou-nos isso. Foi muito, muito bom. Já com a Luísa na creche, apercebi-me que o que eu queria mesmo era voltar a ter um trabalho, a estar com pessoas, a ser criativa e a voltar a ter a minha independência. Voltar, por conseguinte, a Lisboa, foi uma consequência disso. Eu nunca disse que ia ficar em casa para sempre. E mesmo que tivesse dito, as pessoas estão em constante crescimento e mudança, nada é estanque e é possível reformular o que se disse. Estamos muito felizes com todas as decisões que tomámos, fizeram sentido na altura em que foram tomadas e, enquanto fizeram sentido, aproveitámos. O que há para estranhar aqui ou para achar que são/ foram tretas?
      É isto.

      Eliminar
  10. Boa sorte Joana :)

    Esta semana por aqui também é de recomeços...

    Tenho a loja aberta desde dia 1 mas o pai estava cá e as coisas eram mais fáceis...

    Hoje começa o verdadeiro "corre corre".

    O pai foi embora ontem e só volta no fim de Janeiro (o Ruca calhou mm vem que deu para distrair a pequena) e agora negocio para gerir sozinha mais a casa... e um mês dos diabos a começar ahahahah se chegar viva a Janeiro aguento tudo ahahahah

    Boa sorte para ti e boa mudança

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa sorte também! Aos recomeços cheios de energia, vontade e amor! O resto vem!

      Eliminar
  11. Joaninha, uma vez alguém disse ( eu não sei quem): " às crianças é preciso dar-se duas coisas: raízes e asas." Deste as raízes ás tuas filhotas e eu tenho a certeza que elas vão saber voar, mudar de sitio sem se sentirem perdidas, pois têm um alicerce muito importante: o amor dos pais e raízes fortes e robustas. Tu também tens o direito de voa por ti mesma e para ti mesma. Sê ( sejam os 4) feliz sempre. <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vale fazer chorar! Obrigada obrigada obrigada! Quero acreditar que sim também. 😘

      Eliminar
  12. Joana vai mudar-se para Lisboa para ficar mais perto do Renato?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim sim, para ter um relacionamento extra conjugal com o Renato!
      Mas ainda pergunta?
      Isto aqui até é uma agência matrimonial e tudo
      Epá arranje uma vida, e um amigo assim de peito como Renato

      Eliminar
    2. É porque não arranja uma vida também em vez de vir para aqui defender os outros? A Joana tem palavra própria, não precisa de defensoras... mas como compreendo pronto, a sua vida não lhe deve nada que fazer, tem de vir para aqui defender a vida da Joana

      Eliminar
    3. Ui alguém fiquei ofendida anónima das 20:51
      Amanse

      Eliminar
  13. A minha filha tb mudou de creche 3 vezes e nao lhe fez mal nenhum. Com calma e com muito carinho as coisaa correm bem. Beijinho

    ResponderEliminar
  14. Se uma pessoa pensar de forma contrária, não tem vida própria. Se uma pessoa achar o máximo, e idolatrar tudo o que aqui é dito e feito, já é uma pessoa espetacular e de bem com a vida.
    Expliquem-me a lógica, por favor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, só se pode comentar se for para bajular as autoras. Pffff. Elas expõem-se, permitem comentários, é normal q recebam opiniões favoráveis e desfavoráveis. Se espero q a minha opinião influencie as decisões das autoras? Nem remotamente lol. É só isso: uma opinião. Ng tem nada q fazer o q quer q seja baseado nas opiniões nos outros.

      Eliminar
    2. O que é "pensar de forma contrária" a uma escolha de uma vida que não a nossa, expliquem-me por favor. Uma coisa é dizermos "EU não faria assim. EU não mudaria. EU..." AGORA chamar os outros de egoístas ou de não sei que mais, pelas escolhas deles,que nem sabemos a real motivação, nem como são, o que sentem... Parece-me tudo tão infantil e imaturo, para não dizer outras coisas. Alguém falhou o filme do Bambi, em que a mãe do Tambor lhe diz qualquer coisa como "se não temos nada a dizer de bom, calamo-nos". Sobre a vida dos outros e as escolhas dos outros, vamos opinar levianamente, tentando claramente destabilizar, puxar para baixo? Vergonha alheia de pessoas sem o mínimo de educação e sensibilidade... Bem, a caixa do correio da manhã está sempre cheia, explica muita coisa. #pessoaspequeninas

      Eliminar
  15. Fiquei indignada com os comentários que dizem k uma criança não deve mudar de sítio. Tenho 25 anos agora duas filhas, já vivi em 4 países e já mudei de casa 15 vezes e não por isso perdi nada. Mt pelo contrário sou uma pessoa flexível que se adapta mt bem a mudanças em todos os aspectos. E os amigos no parque são sempre outros e eles brincam na mesma ou acham que vão andar para sempre na creche com os mesmos professores e com os mesmos colegas? Aí coitadinhas das crianças Pk estão a aprender como é a vida real coitadinhas por terem uma mãe com garra que as vai ensinar por exemplo próprio a serem lutadoras e procurar o que lhes faz melhor. A vida é feita de mudanças Kem nunca muda nunca aprende nunca evolui. É o mal da sociedade portuguesa é que as pessoas por falta de coragem de darem o pulo ficam na sua mesquinhez a criticar a vida dos que tomam decisões. Acertadas ou não. Quem cai aprende a levantar se. Agora o ideal é assim se daki a dois anos o ideal for voltar para Santarém Pk não? Nunca se sabe as voltas que a vida dá. Além disso como a Joana disse o tempo k la esteve foi bem aproveitado e não se arrepende Pk la está um livro é feito de muitas páginas diferentes

    ResponderEliminar
  16. http://www.resilienciamag.com/tudo-e-transitorio-o-que-era-ontem-pode-nao-ser-hoje-2/

    ResponderEliminar
  17. Joana... Muita sorte nesta altura e daqui para a frente. Claro que as meninas vão adaptar se. São crianças e é tudo mais fácil para elas. Mil vezes melhor passarem a estar a 4 diariamente e estarem todos felizes e realizados. isso sim trás felicidade e estabilidade ás meninas.. Força aí e Boa sorte..

    ResponderEliminar
  18. Só peço uma coisa por favor... Não voltes a dizer que ficaste em casa com elas na fase mais importante, isto agora é moda dizer esse tipo de coisas que não são de todo uma realidade! Estabilidade, segurança e amor são sem dúvida o melhor que lhes podes dar seja onde fôr. Santarém foi bom enquanto não trabalhaste, óbvio, agora a vida fantástica do campo, puf acabou. Vai começar a vida fantástica da cidade.

    ResponderEliminar
  19. Muita sorte nesta nova fase da vossa vida! As mudanças são sempre boas para dar uma lufada de ar fresco! Felicidades! Cláudia ferreira

    ResponderEliminar
  20. Força, Joana! Que corra tudo pelo melhor!
    Eu estou a tomar conta das crianças há 9 anos e estou sempre activa, mas mesmo assim sinto a falta desta adrenalina e deste convívio que deixas presente no artigo.
    Em Agosto a pequena vai para a creche umas horas e eu vou dedicar-me a um projecto.
    Compreendo bem que o que deixas não é que tenha perdido valor (tempo inteiro para a tua família), mas o que ganhas (colocar as tuas capacidades e conhecimentos ao serviço) acrescenta ainda mais valor ao que já tens (a família).
    Beijinhos, acredito que muitas de nós, mesmo as que nada escrevem, estão a torcer por ti e pela tua linda família! O resto... é ruído.

    ResponderEliminar