quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Quando temos de adormecer sozinhas



Tem sido uma fase particularmente difícil. No meu caso os meses mais difíceis com o Sebastião não foram os primeiros três, como para a maioria das mães. Tive um bebé tranquilo, que dormia imenso, que acordava para mamar, dava um ar de sua graça e voltava a adormecer. Para mim o difícil é agora. Um bebé de cinco meses que desde há um mês quase não dorme nada. Birras monumentais para adormecer, no início ao fim do dia, agora ao longo do dia inteiro, muitos despertares nocturnos, muitos pedidos de atenção durante o dia, muito colo, muita agitação e muita resmunguice. Se antes podia sentar-me a jantar descontraída com o meu marido, talvez ver uma série, irmos até casa de amigos, agora tudo isso está fora de questão. Já li três livros diferentes sobre o sono, tenho pesquisado imenso, tentei uma rotina, não funcionou, tentei outra, voltou a não funcionar. Há dias em que não sei bem para onde me virar. O que fazer a seguir. Se aquela é a hora em que lhe devo dar banho, se lhe dou mama antes ou depois, se o mantenho connosco ou se o levo para a cama. Há dias em que estou perdida com tanta informação. Em que falo ao telefone com amigas de amigas que são mães na réstia de esperança que me digam alguma coisa que não saiba já. Há dias em que me sento a olhar para ele enquanto chora descontroladamente, depois de eu já ter tentado tudo, colo, mama, banho, música, white noise, e choro também. Ou rezo baixinho. Há dias em que estou quase quase a descontrolar-me e pego no telefone só para ouvir outra voz, apenas alguém que me diga que vai correr tudo bem. Para respirar fundo. Mas depois percebo que, na verdade, não está lá ninguém. E que toda a gente se pode ir embora, excepto eu. Que o pai está em viagens de trabalho, que a avó está a trabalhar e longe de nós, que as amigas têm pouca experiência. E toda a gente faz aquele sorriso condescendente quando digo que tenho sono, muito sono. E até acham estranho porque ele tem um ar tão bem disposto e dizem que vai passar. Mas não passa. Não passa e nós, mães, não nos podemos ir embora. Não podemos bater com a porta e voltar quando nos apetecer. Porque tudo o que queremos naquela altura, não é de alguém que venha com mais uma teoria de como fazer o seu bebé dormir em três dias, nem de histórias da carochinha de alguém que tentou qualquer coisa e resultou, nem de novos conselhos para nos baralhar mais os dias. O que nós queremos, verdadeiramente, e não temos coragem de pedir, é de alguém que nos bata à porta, passe uma mala com um pijama e uma escova de dentes para a mão e diga “Esta noite trocamos, vais para minha casa e eu fico aqui.” Porque todos os bebés são diferentes e o que resulta com os outros pode não resultar com o nosso. A única coisa que permanece é o que sentimos. E toda a solidão, frustração e cansaço que está cá dentro, passa para dentro deles. Como se fossem esponjas. Agora digam-me, qual é a sensação de tentar adormecer quando se sentem desamparadas?




Joana Diogo
A Joana escreve no O que vem à rede é peixe
 
Sigam-na no Facebook e no Instagram


 

 Podem ler também: 

da mesma autora

Sigam-nos no instagram aqui 


41 comentários:

  1. Olá Joana,

    Este post podia ter sido escrito por mim. Ando assim há quase dois anos. O cabelo enbranqueceu quase todo na raiz, tenho só 41 anos e a pele e as olheiras, o ar cansado e extrema falta de energia diariamente fazem-me sentir frustrada, desmotivada e logo eu, que amo ser Mãe.
    Tenho ainda outra filha mais velha, com 7 anos que faz o mesmo do que o pequenino, o que duplica o cansaço.
    Quase todos os dias sou eu que os vou buscar, dou banhos, preparo o jantar e só depois é que o meu marido chega, já com o bebé em modo birra nº5 sem querer jantar de tanto choro, a filha a medir forças connosco e o sono, que é tanto, tanto, me faz pestanejar vezes sem fim, no regresso a casa de 1h de carro em que só me apetece parar e adormecer por um bom par de horas em sossego.
    Não é nada fácil, no meu caso, não passou ainda, cada dia e noite é um extremo desafio e a solução que arranjámos foi deixar o bebé a dormir duas noites seguidas nos avós de 15 em 15 dias.
    Mas não chega.
    Só posso desejar que por aí melhores dias e noites cheguem.

    ResponderEliminar
  2. Joana, passei exatamente pelo mesmo que tu.
    Li milhentos livros, consultei terapeutas de sonos, aderi a grupos no facebook. Apliquei rotinas dicas. Senti-me culpada, achei que dependia de mim. Da rotina, do pijama, da cama, do colchão, de pouca mama, de muita mama, de falta de colo, de colo a mais, da luz de presença, da escuridão, dos pêlos do cão, do barulho dos vizinhos de cima...
    Andava exausta, achava que ia colapsar que não ia aguentar. Não percebia o que a maternidade tinha de bom.
    Até que aceitei. Aceitei que ia ser assim e que - aliás - isto era o normal dos bebés. Que iria fazer o que fosse preciso para descansarmos mais, sem braços de ferro, sem expectativas. Trouxe-o para a minha cama aos 3 meses. Ele não mudou. O que mudou foi a minha atitude. Deixei de entrar nessa espiral de auto-comiseração. Acreditei que era capaz.
    Hoje tem 14 meses, ainda há noites em que me apetece ir dormir para o carro e nas outras continua a acordar.
    Já estou a trabalhar e sabes que mais? Nuna fui tão produtiva no trabalho com tão pouco sono.
    O corpo habitua-se e nós somos fantásticas.
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  3. A minha faz amanhã seis meses. Sempre foi assim de dormir muito, adormecer rápido e pouco chorar. Esta semana (em que de repente ficou mais frio) deu-nos as primeiras duas noites más, em que berrava e berrava. Depois de tentarmos também tudo, percebemos que tinha o nariz entupido e com dificuldade em respirar. Tão sim

    ResponderEliminar
  4. Ou seja a única solução foi desentupir com muito soro ao longo do dia e consulta de otorrino e com gotas no nariz e benuron.

    ResponderEliminar
  5. Nunca percebo as pessoas que dizem 'o bebé chorou dez horas seguidas só porque sim'. Como se fosse normal. Não é normal. Se chora muito e descontroladamente tem de se fazer mais alguma coisa do que o habitual de dar colo e mama. Isso até vem no boletim de saúde: sinal de que deve ir ao médico é quando chora sem se conseguir consolar com nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é bem assim. Há bebés que são perfeitamente saudáveis mas que choram por necessidade de contacto. Que nos bebés pequenos é uma necessidade tão fulcral como comer.
      Há bebés que simplesmente precisam do contacto para se sentirem seguros. E isso não é anormal.
      Nós é que quase que criamos bebés sozinhas, quando nos faz falta uma "aldeia", uma rede de apoio. Seria tão mais fácil para a mãe.

      Eliminar
    2. Sim, claro que sim. o meu primeiro filho chorava mais do que esta segunda bebé, e precisava muito mais de estar constantemente ao colo. dormia sestas no colo e de noite também ficava muitas vezes várias horas comigo no sofá. Mas o que digo é quando choram a berrar descontroladamente durante muitas e muitas horas, um dia seguido, ou como parece ser o caso aqui, vários dias. Eu não acho que isso seja normal. Eu iria ao médico despistar.
      Bem sei agora vou dizer uma coisa super irritante (a mim irrita-me quando me relatam casos de não sei quem a quem aconteceu não sei o quê)....mas cá vai: a bebe de uma prima da família chorava e chorava sem dormir quando era recém nascida e vários meses, até que algum tempo depois descobriram que ela tinha uma infeccção urinária. Andaram vários meses a desesperar porque pensavam simplesmente que ela era uma bebé que não dormia, como se fosse normal, e afinal tinha uma infecção que precisou de ser curada.

      Eliminar
  6. É horrível. E desumano. Mas vai passar. Não parece. Pode levar dois meses ou dois anos, mas passa. E nós sobrevivemos. Com sequelas: nunca mais dormimos como antes. Mas dormimos. Vale a maquilhagem para quando precisamos de parecer humanas, e paciência, muita paciência. Eles crescem, os problemas mudam... e de uma forma perversa, isso é um alívio.

    ResponderEliminar
  7. Minha querida,
    Identifiquei-me imenso consigo. A minha M tem 3 anos e faz me noites dessas.
    Foi uma bebé 5 estrelas, mas há um ano a esta parte que são birras atrás de birras... terrores noturnos... choros inconsoláveis...
    Apesar do marido dormir em casa ela só me quer a mim!
    Ele dorme, ressona mesmo! E eu fico que nem um farrapo! No dia seguinte, de manhã, sou sempre a primeira a acordar, sou eu quem trata dela e quem tem que por um sorriso enorme na cara para vir para o Gabinete...
    Somos assim! Mães!
    Mas nunca, nunca estamos sozinhas!beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aconteceu-me o mesmo. Fui dormir uma semana na casa dos meus pais (se não tivesse os meus pais perto acredito que teria encontrado outro sitio para dormir) e deixei pai e filha a dormirem sozinhos. Voltei ao fim de uma semana e tudo melhorou.

      Eliminar
  8. Ui Joana... Nao sei mesmo o que dizer excepto estamos juntas 😃
    Ç Bebé Mada um anjinho até aos 6 meses e entretanto já vao mais 9 meses de acordares nocturnos de hora a hora... Conheço bem a sensação de viver dentro de um esfera onde efectivamente nao posso (por agora) sair. O meu marido vai jantar com amigos, viajar em trabalho, jogar à bola,... E eu porque tenho alguém dependente, vivo dentro deste passar de dia entre colegio-trabalho-colegio-casa-colegio-... Adora poder dormir uma noite inteira! Mas sei que vão passar, que é uma fase e que tudo passa rápido de mais. E nós apenas temos de garantir que não nos perdemos em nós! Vai passar... E ainda vamos ter saudade 😃!

    ResponderEliminar
  9. Revejo-me muito nestas palavras. E já lá vão 18 meses.

    ResponderEliminar
  10. Sim algumas d nos passam por isso outras nao..se existe um metodo funcinal?! Nao todos os bebes sao diferentes so nos baralha e deixa mais fustradas os conselhos alheios, sim devemos pedir ajuda se nao for possivel o unico conselho que me ocorre é durma com ele junto a si procure o conforto de ambos, pois a falta de descanso para nos maes é o nosso pior inimigo nesta fase...espero que tudo se resolva rapidinho...

    ResponderEliminar
  11. Percebo tão bem o que descreve, revejo me em tudo. Um pai que viaja muito, avós e amigos indisponívei..Um bebe de 10meses que só conta conigo para tudo! Cansaço, tanto cansaço! Ha dias em que pareço zombie! Não sei como aguento,mas acredito que um dia ha de passar, espero que não leve anos! Muita força, coragem e acredite em si, está a fazer o seu melhor!

    ResponderEliminar
  12. Bem compreendo aindei assim, sei lá ate ele ter um ano.. Adoro o meu filho mas sentia-me na prisão, que não havia mais nada para além de ser a mãe a cuidar do filho. Ainda hoje com quase 3 anos demora muito para adormecer e dorme mal acorda no mínimo 2 vezes por noite, nem que seja só para me chamar e voltar a adormecer!! Também li e pus em prática algumas coisas mas depois volta ao mesmo... passo os dias cansada por falta de dormir uma noite sem interrupção.. ja nao tenho capacidade para mais... devia existir uma professora para ensinar os bebes a dormir a noite toda ou alguma terapia...

    ResponderEliminar
  13. O primeiro ano da minha filha foi extremamente dificil, desde a primeira semana de vida até à data mágica em que fez 1 ano. Ela mamava a cada 2 horas e meia, dia e noite. Ouvi todas as teorias e nada funcionava. Diziam-me que passaria aos 3 meses, depois aos 4, depois aos 6 e depois ja ninguem tinha coragem de me dizer mais nada! Lembro-me de pensar a meio da noite desesperada que tinha vontade de me esconder na garagem e telefonar à policia a dizer que estava uma criança sozinha, hoje percebo que eu devia estar mesmo a alucinar. Passou, não sei bem como, mas passou, e temos uma relação super forte e penso que muito se deve ao que tivemos de sobreviver juntas! Não pretendo consolar, só dizer que é possivel sobreviver e sair ainda mais forte...

    ResponderEliminar
  14. Joana emocionei me muito com o seu texto. Senti cada palavra,pois já passei por tudo isso. Tive um bébé que desde o primeiro dia foi muito dificil, chorava imenso, era dificil de acalmar...era tudo muito intenso. Tantas vezes me senti sozinha, ansiosa e com medo...tantas vezes chorei de desespero.
    A frase em que diz "toda a gente se pode ir embora excepto eu"...é tão verdadeira...traduz o peso que tem o papel de mãe na perfeição.
    Não tenho nenhum conselho milagroso...só lhe quero deixar um abraço e desejar muita força.
    E se não lhe oferecerem ajuda, se puder peça. Um beijinho.
    Estou a torcer por si...que tenha brevemente dias melhores.
    Milene

    ResponderEliminar
  15. Estou solidária consigo, já passei por isso e brevemente voltarei a passar (caso o q aí vem saia à irmã). Recomendo consulta com a Constança Cordeiro Ferreira. Como já vi q pesquisou, deve certamente saber de quem se trata e porque lhe chamam a fada dos bebés. Tudo a correr bem

    ResponderEliminar
  16. Tudo vai correr bem porque é mãe, porque tem um amor enorme dentro de si que se vê cá fora! Peça ajuda de alguém que possa ficar com a sua criatura encantada, mas não e preciso ser de noite nem dormir! Chega só para não fazer nada, para não estar constantemente a pensar num solução e para estar a Bezerrar sem fazer nada!
    Olhe para o seu bebé e vejA-o como ele é e como seu! Esqueça o que os outros dizem da perfeição!

    ResponderEliminar
  17. Olá Joana!
    É de facto uma fase muito difícil, mas deixo-lhe uma sugestão, que não sei se será viável para si, porque cada pessoa é uma pessoa e porque nem sempre há recursos para isso...
    Conheço alguns casos de mães que contratam uma enfermeira especialista em pediatria para um serviço noturno, ou seja, para estarem permanentemente com o bebé durante toda a noite. Se por um lado a mãe pode dormir essa noite mais descansada, também pode ajudá-la a encontrar estratégias adequadas ao bebé para que seja mais fácil adormecê-lo e tentar ultrapassar esta fase menos boa! Sei que não é um recurso que se pode utilizar todas as noites, mas talvez uma noite bem dormida, dê para ganhar forças para os dias seguintes!
    Não sei se fui útil, mas com certeza que tudo vai acabar por passar, cada bebé é diferente do outro e todas as mães são maravilhosas por darem o seu melhor!
    Boa sorte! Um beijinho!

    ResponderEliminar
  18. A sensação de não dormir há meses seguidos é ter medo constante que a noite venha... Já sei que vai ser longa, que vou desesperar, que vou acordar como se nunca tivesse ido ao sono profundo ... É horrível, desgastante e tira energia para tudo o resto . É uma dor física e mental que leva a questionar tudo o que andamos a fazer...porque automaticamente pensamos que alguma coisa estamos a fazer mal!! Espero que passe para si..e espero que passe por aqui. Um beijinho de compreensao

    ResponderEliminar
  19. É uma dor física e mental, é um medo que a noite chegue porque sei que vai ser longa, exigente e solitária. O não dormir é horrível e odeio que me tire disponibilidade para ser mãe... Ser pessoa! Já tentei tudo.. tudo! Excepto deixar chorar, sou contra.. e continua a pensar onde estou a falhar. Toda a gente aponta o sítio onde posso ter falhado..talvez um dia saiba, ou então consigo convencer-me que não tenho culpa. Um grande beijinho !!

    ResponderEliminar
  20. Tenho gêmeas q começaram a dormir mal aos 18meses.... desesperei até o pediatra me aconselhar a dar-lhes Melamil. Umas gotinhas meia gora antes da hora de dormir. Não faz mal, não vicia. Tomaram até perto dos 4 anos, aprenderam a rotina ganharam o hábito, agora dormem bem... :) é complicado porque chegam a uma altura em q já não conseguem adormecer de tão cansados que estão.

    ResponderEliminar
  21. Felizmente apesar da minha mãe ainda trabalhar, vinha duas vezes por semana dormir cá a casa para ficar com o bebé. Eu tirava leite e ia dormir para o outro quarto. Ela fez isso até ele começar a dormir a noite toda aos 8 meses. Acho que foi o que me salvou. O dia seguinte era logo outra coisa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha sogra também me ajudou muito com noites nos dois bebés. e os meus até nem nunca foram um terror..... isto para dizer que só o facto de podermos livrar a cabeça de pensar no bebé,já nos ajuda a ficar mais calmas e a conseguir pensar mais racionalmente e talvez isso ajude a conseguir acalmar bebé.

      Eliminar
    2. É isso mesmo. Quebra o ciclo da impaciência e frustração. Se um dia tiver netos, espero poder fazer o mesmo com eles!

      Eliminar
  22. Perdoe-me a intromissão mas acho que o que realmente precisa (assim como as restantes mães que comentaram sobre cansaço extremo) é que alguém da família ou círculo próximo de amigos/vizinhos se chegue à frente para ficar com bebé um dia e uma noite... Impressionou-me muito a frase sobre esperar que alguém toque à porta com um pijama...

    ResponderEliminar
  23. Revi-me no seu relato. Também no meu caso os primeiros meses da minha filha foram uma maravilha. Parto e pós-parto fantásticos e uma bebé come e dorme.
    Até que ao 4 meses tudo mudou. Hoje tem 15 meses e durante este tempo passei por várias fases, fases em que li tudo, fases em que tentei diversas soluções (com exceção do deixar chorar, com o qual não concordo de todo)mas como já algumas mães disseram, para mim foi fundamental aceitar e deixar de comparar bebés. Se é fácil ter sempre este pensamento? Claro que não! Mas no meu caso é o que me ajuda. Isso e praticar co-slepping. Não que a minha filha durma mais horas seguidas mas os despertares dela são mais ligeiros e os meus também! No entanto acho que cada mãe tem que fazer aquilo que melhor resulta para si e para a sua família porque não há formulas mágicas. E já agora procurar ajuda/apoio de alguém que efetivamente o faça sem juízos de valor.
    Deixo-lhe um beijinho grande e votos de melhores dias e noites!
    Ana

    ResponderEliminar
  24. Olá Joana!
    Sei muito bem o que isso é. A minha filha tem 7 meses e até há bem pouco tempo era um pesadelo para a minha filha adormecer à noite. Ficava 1h com ela nos braços a embala-la e mesmo assim quando a ia pousar na cama, muitas vezes ela acordava e tinha que voltar a fazer tudo outra vez... Tive muitos ataques de choro, perguntei a mim mesma muitas vezes que mal tinha eu feito para merecer aquilo... Depois de chorar sentia-me muito melhor. De um momento para o outro deixou de querer colo e agora fica sozinha na cama até adormecer. Mas passei por isso desde o primeiro mês até agora.
    Muita força Joana 😊

    ResponderEliminar
  25. Conselhos nesta fase não costumam ajudar, mas vou deixar um. A minha filha teve exatamente este comportamento (bebé "perfeito" até aos 5 meses e depois um terror nocturno até aos 24). Pesquisei imenso, implementei mil técnicas, fui a uma especialista em sono do bebé (mais do que uma vez). O que realmente ajudou foi perceber que ela tinha passado a dormir mal porque algo se tinha alterado na rotina dela - o pai primeiro ficou de licença connosco e depois eu fui trabalhar. Escolhe um e so um método que te pareça mais "certo" e stick to it durante pelo menos 2/3 semanas. Dá-lhes (aos bebés) segurança e os resultados demoram sempre a aparecer. Mudar de método para método, por desespero que "nada funciona" (foi o que eu fiz), dá-lhes insegurança... Ainda hoje à mais pequena alteração de rotina, a minha filha dorme mal. E tem mais de três anos. Acorda, chama-me... mas pelo menos agora sei por que é.

    ResponderEliminar
  26. Não conheço o caso particular nem contexto das pessoas que comentaram mas a minha sugestão seria pedir ajuda e delegar. Passar parte da responsabilidade e das tarefas ao pai. Contra mim falo que também fiz isso durante muito tempo, 'puxar' as tarefas todas para mim por gostar das coisas feitas à minha maneira, porque faço mais rápido, porque há um jeitinho que só eu é que sei, porque o bebé quer a mãe, quer a mãe, quer a mãe. Mas por ventura, o bebé fica igualmente bem com o pai.. que seja o pai a dar banho, pôr creme e vestir, que seja o pai a dar biberão, a estender a roupa, pôr e levantar a mesa, etc. E quem diz o pai, diz amigos ou familiares que estejam disponíveis para ajudar.
    Eu fui muito galinha na primeira filha mas com o segundo a nascer um ano depois, que remédio tive eu se não relaxar e descomplicar as coisas. Continuo a achar que fica tudo melhor feito à minha maneira lol mas já não sou tão territorial como fui e acho que isso só me ajudou como mãe.

    ResponderEliminar
  27. Ler estas palavras faz-me recordar da minha história. Foi o pior da maternidade, a privação do sono! Não é à toa que é utilizada como forma de tortura! Hoje, esse mau bocado, já é passado mas deixou-me sequelas. Pura e simplesmente envelheci, tenho muitos episódios de falta de memória e o meu sono não voltou a ser o mesmo.

    Quando o meu filho nasceu, e o pai teve que voltar ao trabalho, os meus dias passaram a ser muito duros. Durante o dia e, apesar do cansaço, não conseguia dormir. O meu marido chegava a casa por volta das 20h e eu nem jantava, ia logo dormir até à hora que ele ia para a cama...o meu marido foi uma grande ajuda e mais não podia fazer. Deitava-se por volta da meia noite. E aí era eu que ficava de "serviço". Chegava a minha hora e eu ficava de alerta constante, com receio de não ouvir o bébé. Também com receio da morte súbita, que tanto ouvimos. Estava sempre a ver se ele respirava. A noite era assustadora, temia a noite. Como deixei de me alimentar, pois preferia dormir a comer, deixei de ter leite e emagreci até aos 52kg...pesava 70kg quando o meu filho nasceu. Lembro-me de um episódio em que o meu filho começou a chorar com fome e eu levantei-me para fazer o biberão. Comecei a chorar e o meu marido acordou e perguntou-me o que se passava e eu respondi-lhe que já não aguentava mais, estava exausta, já não tinha forças. Por causa da privação do sono, hoje olho para as fotos com o meu filho e não me lembro mais de metade. Sinto culpa por sentir que não aproveitei o meu bébé. Hoje ele tem dois anos e é maravilhoso.

    Digo muitas vezes, os tão conhecidos "terrible two" são "piners" em comparação à privação do sono. Desejo-lhe muita força e tenho a certeza que vai aguentar. E, daqui a uns meses, já não se lembrará destes maus momentos.

    Por agora, agarre muito o seu bébé, beije-o muito, de-lhe muito colo e, se puder, durma com ele.

    Um forte abraço.

    Sónia Barreto

    ResponderEliminar
  28. Não sou especialista mas quando diz que tentou uma rotina tentou por quanto tempo? para ver se realmente resulta é necessário pelo menos 2 semanas com a mesma rotina, sem cedencias em nenhum dia. Se assim não for nem vale a pena porque ainda confundirá mais o bebé. A rabugentice provavelmente é derivada ao sono ou pode ser a fase de mudança ou mesmo já dentinhos a nascerem, ou mt mais provavel ser isso tudo junto.

    O essencial agora na verdade seria cuidar do seu descanso tendo alguém que a pudesse ajudar em algum período do dia. Com as forças renovadas poderia de certo pensar melhor, muitas vezes os nossos bebés absorvem o nosso nervoso e assim piora tudo.

    Força e peça ajuda!!! Nem que contrate alguém se não houver amigos ou familiares para ajudar, mas é perigoso um nivel extremo de cansaço. Bjinhos

    ResponderEliminar
  29. Olá Joana. Sou mãe de uma menina com 3 anos e só agora comecei a dormir noites inteiras. Percebo-a tão bem... cheguei a ir dar aulas com noites seguidas sem dormir... até que fui ao médico de tao exausta que estava e implorei ansiolíticos para que pudesse adormecer depois da minha filha acordar... Teve de ser assim. Além de tudo o que fiz, acabei por po-la a dormir na minha cama para ter algum tempo de descanso e mais tarde, por volta dos dois anos, trocava com ela de cama. Ficava com o pai, que nunca acorda mesmo com os pontapés, e eu ia para a cama dela. Foi assim que passei os ultimos 3 anos... a tentar arranjar soluções sozinha, a desesperar em silencio, a implorar que ela dormisse 5 horas seguidas... Foi horrível. Espero mesmo que o seu bebé comece a dormir melhor porque não dormir é a pior tortura que podemos ter. Ainda assim, percebi que somos mais fortes do que julgamos e que pelos filhos, aguentamos quase tudo. Faça aquilo que entender, não se deixe intimidar pelas críticas dos outros e ponha-o na sua cama se assim o desejar. Comigo, foi a única solução. Mais tarde acabou por começar a dormir na cama dela mas ainda preciso de me deitar todos os dias com ela ate que adormeça... é cansativo.
    Espero que consiga passar melhor as noites, espero mesmo do fundo do coração porque sei exatamente o que está a sentir. Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  30. Tantas mamãs a sentirem-se sozinhas. Eu também. Se puderes pô-lo umas horas num colégio, ou ter uma ama por algum tempo em casa, ajuda-te a ganhar energia. Neste meu filho já estou sem paciência para algumas fases, exaspero mais rapidamente. Durante o fim de semana suspiro pela semana pois só nessa altura, por ter ajuda duma ama, consigo respirar. Porque ela não me diz "estou tão cansada, tenho mesmo de ir dormir que amanhã trabalho, ou, ele não se cala, só te quer a ti".

    ResponderEliminar
  31. Não sei se é o caso, mas há uma consulta para bebés coléricos.

    ResponderEliminar
  32. Somos nós que quando estamos extremamente exaustas passamos isso para eles. Tens de tentar arranjar alguém que fique com ele um bocadinho do dia para poderes respirar. Às vezes até num ginásio existem pessoas que ficam com os bebés para fazeres aulas. Relaxares e respirares faz toda a diferença e eles depois sentem e acalmam.

    ResponderEliminar
  33. Aqui nao ha pai para dividir as noites (porque pai pode ir...)mas pelo que vi nos comentarios e so menos uma coisa para me irritar. Hihi (joke)
    O meu baby tem 21 meses foi um anjinho ate aos 5 dormia facilmente e acordava de 3 em 3 horas para mamar. Depois voltei ao trabalho e foi o caos... hora a hora 40/40m e assim se mantem... na loucura dorme 2h seguidas. Ja nem sei se realmente durmo nos intervalos dele acordar. Mas grande partes dos dias faco a metade das coisas em piloto automatico... muitos mais.cabelos brancos, olheiras, pele envelhecida um cansaco extremo em muitas alturas do dia. Ja perdi o medo da noite..mas ja tive. Agora e aceitar e pedir que quando esta fase passar o meu cerebro reaprenda tambem a dormir.

    Abracinho solidario.

    ResponderEliminar