terça-feira, 5 de dezembro de 2017

A minha filha não dormiu a noite inteira durante 3 anos.

Não há um único dia em que não me lembre. Um único dia em que não acorde com a Irene a chamar por mim, olhe para as horas, veja que são 7h - e não 1h e depois 2h e depois 2h30 e depois 5h - e não pense em todos os pais que ainda não dormem a noite toda. 

Sofre-se muito, caramba. Sofre-se muito fisicamente por privação de sono (não temos os ciclos de sono deles e acordamos a meio do nosso sono), psicologicamente porque deixamos de funcionar e tudo o resto agudiza: "o que estou a fazer de mal para ele não dormir?", "eu mereço isto porque houve uma vez que...", "terá frio?", "ele não gosta de mim", "não faço nada bem"... 

Nem toda a gente terá este diálogo interno tão negativo como o meu mas há, de certeza, quem tenha. 

Falo para vocês. Vocês para quem o choro do bebé representa muito mais do que um bebé a chorar, representa todas as inseguranças e medos e com dias, meses e anos de sono em cima... tudo fica pior.

 


Há imensos motivos para um bebé não dormir e nem sempre se poderá não dar atenção a alguns factores. Pode realmente ter dores, fome, frio, ter os horários desregulados/ausência de rotina, estar hiperestimulado, tudo... 

Porém, é normal. É normal que haja bebés que não durmam a noite seguida durante muito tempo. Nós, adultos, não dormimos a noite toda também, mas já lidamos com os pequenos despertares nocturnos com outra segurança e não chamamos por quem nos faz sentir protegidos. 

Depois de muitas noites a culpar-me, à mama, a mudar a temperatura em décimas, a ponderar mudar a cama de sítio, o tipo de pijama, a ingestão de líquidos, o tipo de fraldas, o material do pijama, as horas da dormida, a ordem do banho e do jantar... a Irene passou a dormir a noite inteira. 

Aconteceu passados 3 anos, sem ter conhecimento de ter mudado alguma coisa para isso. Além de nós, o cérebro deles e o corpo deles tem o seu ritmo e aprendizagem. Foi quando se fez o click para ela. A minha responsabilidade é fazê-la sentir-se segura o máximo possível e assegurar-me que estou atenta aos sinais dela de autonomia.

Respira bem? Não sua? Está quente? Terá fome? Frio? Precisa de mim?

Três anos depois passei a dormir, mas sentindo a sorte que isso é, de tudo já ter passado.

Quero, com este post, dizer-vos que um dia irá acontecer.

Recomendo o Centro do Bebé para quem precise de sentir que "está tudo certo".

Apesar do desespero nos levar a fazer o impensável, passem sempre as vossas decisões e estratégias pelo coração. Usem as vossas últimas forças para pensar que, se o bebé estivesse a falar, o que diria quando acorda duarnte a noite e o que estarão a dizer com a estratégia que adoptarem. O que vos parece ter mais amor?

Não fiz co-sleeping (num segundo nem vejo como não fazer, sinceramente), mas parece-me ser a maneira mais simples de não abdicar do nosso máximo descanso e também de não oferecer ao bebé a quantidade de mãe e de pai que ele precise.

É o que for preciso.

Agora que a Irene fala e que, às vezes, acorda durante a noite, sabem o que diz?

"Mãe, anda para aqui que tenho saudades tuas, gosto tanto de ti... anda, por favor".

Eles chegam lá no ritmo deles. 

Que fique claro que não sou entendida na matéria. Tenho só a minha experiência e desespero em cima. E desespero à séria.

Força.


Tudo o que já escrevemos sobre sono aqui.


O meu instagram e o d'a Mãe é que sabe :)
a Mãe é que sabe Instagram

19 comentários:

  1. Olá Joana. Em 20 meses (vá em quase 2 anos que já a partir dos 18 meses parece-me parvo continuar a falar em meses) dormi uma noite inteira 3 vezes (tão poucas vezes é fácil de memorizar). Não estou a exagerar...
    Já me conformei e quando leio estes posts e outras leituras do género penso: OK não sou a única, há-de passar. Mas cansa-me chegar sempre as 22h e já me estar a babar de sono no sofá, porque durmo mal, esquecer-me de fazer coisas, principalmente no trabalho onde não acreditam que a minha cabeça não funciona muito bem por isto (ah não acredito, 3 vezes??). Sinto-me muitas vezes pirulas da cabeça.
    E sim, enfio-o na nossa cama assim que acorda a meio da noite para conseguirmos dormir e não vejo nenhum mal nisso. Levantar-me vezes sem conta deixou se ser oprção há muito tempo...
    Já deixei de pensar que faço alguma coisa mal, acho que foi só o que me calhou na rifa. LOL
    :)
    Anónima Catarina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "levantar-me vezes sem conta deixou de ser opção há muito tempo". É muito isto. O meu filho foi o maior a dormir nos primeiros meses. Uma amiga com uma bebé 1 semana mais velha do que ele chorava porque não dormia mais do que 2 horas seguidas. Eu e o meu marido, embora a morrer de cansaço, tínhamos noção de que tinhamos um bebé que era um campeão de sestas e de noites. E de uma noite para a outra acabou. Passou a precisar de mama de hora a hora, passou a sentir a nossa falta e a decisão não tardou: dorme connosco. Eu estava a regressar ao trabalho depois de 9 meses fora. Estava a lidar com uma mudança de emprego para uma empresa com o quádruplo do tamanho e ainda ia feita zombie todos os dias trabalhar. Pelo meio já dormiu durante 3 semanas seguidas a noite inteira. Toda. E eu dormi mal porquê? Porque sonhava toda a santa noite com ele... Que se estava a engasgar, que o estavam a tirar do berço e não era nenhum de nós, enfim... Nessas noites acordava ficava de barriga para o ar a ouvir o respirar dele (2 anos e ainda dorme no nosso quarto, sim...) e pensava comigo que devia estar muito drogada ou bêbeda quando decidi ter filhos... Vai passar, mais cedo ou mais tarde vai passar. Tem de passar porque o irmão ou irmã dele já está em produção!

      Eliminar
    2. Anónima das 22:39 posso questionar só como fica a intimidade dum casal com o.filho a dormir no mesmo quarto?
      E sei que os adeptos de co sleepling entendem que momentos íntimos não têm de ser no quarto, e claro que não, mas pergunto me sempre como fica um casal no meio disto tudo.
      E antes que me agridam, pergunta aqui alguém sem maldade, sem fundamentalismos mas acima de tudo algo assustada com aquilo que poderá ser também o meu futuro.

      Eliminar
    3. Anónima das 22.39 gabo-lhe a coragem de estar a fabricar um com o outro ainda a dormir mal :)
      Eu digo sempre que este primeiro tem de dormir bem, depois eu tenho de me esquecer que ele dormia mal e então aí penso nisso...
      (Mas é a coisa mais fofinha do mundo, tinha de dizer isto que até me sentia mal de estar aqui a desabafar, parece que só digo mal do miúdo :).
      Já agora, dormir mal é estar sempre a acordar - tipo 3/4 vezes noite... já ouvi outros casos piores de acordar a meio da noite e não querer dormir mesmo...
      Anónima Catarina

      Eliminar
    4. Aqui 2 anos sem dormir a noite inteira, a acordar, 2, 3, 4 vezes por noite. Só quem passa por isso é que percebe a tortura que é a privação de sono. No verão desistimos. Continuo a deitá-lo na caminha dele, já sem grades porque ele não aceitava e começava logo aos gritos, assim até é ele que se deita, leio-lhe lá a história, apago a luz e é nesse momento que ele pede para ir para a minha cama. Vamos, ele deita-se, eu ao lado dele e adormece quase instantaneamente. A seguir posso ir para a sala descansada ter o meu tempo de adulto e ele sempre ferrado a dormir na nossa cama, quando se estivesse na dele acordaria de hora a hora a chorar, chamar, pedir leite, enfim, fazer tudo para ter companhia. Na hora de deitar fica no nosso meio e ali dorme quentinho e envolto em amor até de manhã. Tem 27 meses e nunca dormiu tão bem, precisávamos todos mesmo disto. Quanto à Catarina da 01:27 que perguntou sobre a intimidade do casal, a resposta está na sua pergunta, há muitos locais sem ser a cama do casal, inclusive temos o quarto dele que está vago lol e posso garantir-lhe com 100% de honestidade que a nossa vida íntima está muito melhor agora com o filhote a dormir na nossa cama do que estava com uma criança que não dormia, embora estivesse no seu próprio quarto. Precisamos de nos marimbar um bocado nas convenções e fazer o que nos parece natural e é melhor para todos :)

      Eliminar
  2. Olá ! Tive a minha segunda filha há quase 7 anos. Durante 5 meses não dormi à noite. Não foi a noite inteira, nem um pedacinho de noite. Estive literalmente 5 meses sem dormir. Claro que depois tive uma depressão gravíssima. Entretanto a L. foi crescendo, sempre com grandes dificuldades em dormir a noite toda
    , ora porque adoecia, ora porque tinha medos. A contragosto, comecei o co-sleeping. Até hoje. Ela é uma miúda espertíssima, desenvolvida, mas não dispenso isso, pela sanidade mental da família inteira.

    ResponderEliminar
  3. Anónima Catarina estou na mesmíssima situação com um piqueno de 2 anos. Nunca dormiu mal mas nunca dormiu uma noite inteira. E sim, também o levo para a minha cama. E sim, também só dormi poucas noites inteiras em dois anos. Mas acredito que passe e que até lá fazemos o melhor que podemos! :)

    ResponderEliminar
  4. Só entende , quem passa pelo mesmo eu cheguei andar em modo offline , ate ao ano a minha pipoca acordava 4 à 5 vezes por noite , depois 2 à 3 vai fazer 3 anos tem noite que eu dou em maluca tal é o cancaso acumulado

    ResponderEliminar
  5. Por aqui quase 3 anos com imensas noites mal dormidas! Grávida cansada e com necessidade de dormir ainda vivo pior essa ausência e tranquilidade do dormir uma noite de sono completa! Saber que durante outros 3anos vai ser assim..é das piores coisas a privação do sono das piores! 😖

    ResponderEliminar
  6. Tenho fé. 2 anos e 2 meses sem nunca ter dormido uma noite inteira. Numa noite em que acorde 4-5 vezes é uma noite boa para mim. Muito cansada física e psicologicamente. Muito choro às escondidas. Mas continuo a ter fé. Hei-de descansar e a menina também 😢

    ResponderEliminar
  7. Obrigada Joana! Estava mesmo e precisar...

    ResponderEliminar
  8. Depois de ler todos os comentários sinto-me, dentro da minha insanidade mental, consequência de noites muito mal dormidas e cansaço físico e psicológico de quem tem um bebé tão ativo, perfeitamente normal.. Obrigada a vós por me compreenderem tão bem!!

    ResponderEliminar
  9. O meu filho do meio tem 13 anos e até aos três anos não dormia nada entre a uma e às seis da manhã. Nada!!!
    Ainda hoje eu acordo de noite a achar que o estou a ouvir chorar...
    Nem na minha cama ele dormia, pura e simplesmente para ele não era hora de dormir! Muitas vezes fui dar aulas às oito e meia completamente zombie!
    Um dia, passou. Passados dois meses descobri que estava grávida da terceira e ia morrendo! Cheguei a dizer que a dava para adopção se ela fosse como o irmão... Não era, graças a Deus!
    Neste momento a luta é acordá-lo de manhã...

    ResponderEliminar
  10. ...é interiorizar que é mesmo assim e não stressar. Foi o que fiz ao fim de 15/18 meses do primeiro e comecei a viver bem melhor com a privação de sono. Dorme-se nos intervalos e pronto, comecei a conseguir fazer a minha vida plena com um máximo de 5h de sono diárias bem somadinhas e tentava recuperar a um sábado ou domingo de manhã. Um dia para a mãe e outro para o pai recuperarem. Veio o 2º bebe ao fim de 3 anos do 1º e enquanto o 1º ainda não dormia noites seguidas e sinceramente como amamentava em livre demanda e sem os macaquinhos de não dormir 2h seguidas a coisa levou-se na desportiva... desde que dormisse as minhas 5h somadinhas mesmo que nunca seguidas eu estava bem. O truque é mesmo não dramatizar!

    ResponderEliminar
  11. Precisava ler isto.. Infelizmente percebo que não sou a única que não dorme uma noite seguida há algum tempo. O S. está no quarto dele com o colchão no chão há 2 meses, jão conseguia estar na caminha de grades. Já dormiu algumas noites até as 7h da manhã e ultimamente acorda várias vezes por noite a chorar. Mete se nas posições mais inusitadas, acorda destapado e gelado e a chorar compulsivamente. Deito me com ele ou o meu marido, e esperamos que adormeça e voltamos ao nosso quarto. é tão cansativo. Sinceramente já não sei o que será melhor para ele e para nós.

    ResponderEliminar
  12. Bem, se é apenas uma questão de tempo, se não adianta mudar as rotinas, mudar a cama, o pijama, a alimentação, etc, etc... porque quando tiver de ser será, então para que serve o centro do bebé?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para alguns bebés mudar as rotinas ajuda na regulação do sono e no centro do bebé ajudam muito a perceber se é possível fazer alguma alteração significativa das rotinas.
      Ou então serve "só" para sossegar o coração de algumas mães, inundadas com conselhos desadequados que muitas vezes não pediram, e sentir o apoio e o conforto de um "estás a fazer tudo bem, continua a seguir o teu coração e vai melhorar"

      Eliminar
  13. Quando nasceu, o meu filho dormia num berço junto à nossa cama; mamava e quando acordava era só puxá-lo para mim, nunca saí da minha cama durante a noite; adormecia sozinho depois de mamar.
    Depois ficou grande demais para esse tal berço e com 9 meses tentei passá-lo para o quarto dele (por conselho médico) para um berço maior de grades: chorava ele e chorava eu e pensei "isto não pode ser natural, se nos custa tanto não pode ser natural" e então levei o berço de grades para o nosso quarto e ele adormecia na minha cama e depois colocava-o no berço, pois a partir do momento em que se começou a mexer e a sentar-se sozinho nunca mais adormeceu sozinho; a meio da noite acordava e eu não o conseguia adormecer dobrada sobre o berço, então vinha para a nossa cama.
    Agora, tem 2 anos e já há algum tempo que dorme no quarto dele, numa cama de casal, enorme; deito-me ao lado dele para ele adormecer, e a meio da noite já nem sequer nos chama, foge para a nossa cama, e quase sempre eu e o pai só damos por ele lá de manhã; de vez em quando lá dorme uma noite toda no quarto dele 
    A questão é: tentei desde pequenino que ele não se habituasse à nossa cama, mas não consegui. Levantar-me todas as noites para o adormecer novamente e voltar para a minha cama?? Impensável, isso não é qualidade de vida/sono para ninguém. Podem perguntar-me: então mas ele não fica mimado, mal habituado, ect? Não. As crianças têm o seu próprio feitio e não me parece que dormir aconchegado com os pais as últimas horas da noite o afectem negativamente, muito pelo contrário! Ele é a criaturinha mais teimosa e de personalidade forte que eu conheço, independente (fica perfeitamente bem com outras pessoas e não quer saber do pai nem da mãe para nada), quer fazer tudo sozinho, fala pelos cotovelos e está saudável e bastante sociável.
    Desculpem o testamento, mas faz-me confusão estas ideias tão fixas e rígidas sobre a criança dormir sozinha, porque é melhor, ai Jesus se dorme com os pais que fica logo mal habituado, ect. Não suporto fundamentalismos e essencialmente faço o que o meu coração de mãe manda, e acho que muitas mães se iriam sentir melhor se também o quisessem fazer e o fizessem. Beijinhos!

    ResponderEliminar