quinta-feira, 12 de abril de 2018

Mães que vivem sozinhas com os filhos: palmas para vocês

Seja por divórcio, seja porque o marido está no estrangeiro, ou porque trabalha fora, seja por que razão for, opcional ou não, ter os filhos apenas sob a nossa alçada todos os dias, cuidar deles, brincar, acalmar os pesadelos, passear, cumprir horários, educar... É DOSE. E eu cheguei a esta conclusão tendo o David presente ao fim-de-semana, nem quero imaginar quem só tem de quando em quando... ou NUNCA!
Por motivos profissionais (dele), vivemos assim em abril e maio. Além das saudades que todas sentimos (e ele também, claro), foi duro. É duro a falta de apoio, aquele time breakzinho, aquela ida à casa de banho mais demorada enquanto se faz uma passagem rápida pelo feed do telemóvel, porque sabemos que o outro está lá. Não há um jantar feito pelo outro, não há um "pergunta ao pai", não há aquele apoio perante uma birra, até porque às vezes é preciso é ter ideias para contornar as crises. Não dá para tirar um intervalinho, é contínuo, é sem paragens e sem desculpas. 

Não é fácil, pois não? Ou sou eu que tenho uma tendenciazita para a vitimização - o que também é possível, porque com o cansaço (lá está a queixinhas em acção), a nossa margem para resistir e aguentar tudo diminui substancialmente!

Vocês, que vivem só com os filhos, merecem uma estátua. A sério que sim. "Eu não aguentaria muito mais tempo", saiu-me várias vezes. Claro que aguentaria, se tivesse de ser. Mas sai do pêlo, desgasta, cansa. Por eles, tudo, claro. E acredito que aquela felicidade espontânea, aquele abraço mais demorado sem termos pedido, aquele "gosto de ti, mãe" no final do dia ao adormecer seja suficiente para repor as energias para mais 24 horas. Queixamo-nos mas queixamo-nos com o coração a transbordar.



*Válido também para pais, claro 





Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:
 

17 comentários:

  1. Não é nadaaaaa fácil. Eu tenho um super marido, como o David, e qd ele ficou de molho com gripe há uma semana, tive de fazer e gerir TUUUUDO com uma de 4 e uma de 3meses... Dou-lhe sempre muito valor, mas comento muitas vezes q mães/pais solteir@s ou até mães q não são solteiras mas é como se fossem são umas heroínas/heróis. Não sei como conseguem manter-se sãs, tendo de viver assim todos os dias...💪💪👏👏

    ResponderEliminar
  2. Marido no estrangeiro em trabalho, dois filhos pequenos (2 e 5), terra estranha (do marido), trabalho exigente... vale o apoio da mãezinha (que faz temporadas deslocada para ajudar), a alegria das crianças e a esperança de dias melhores (daqui a um ano 😛😛😛). Obrigada pelo post 😊 Teresa

    ResponderEliminar
  3. É verdade cansa que dói... mas tem que ser, no final compensa. Tem que compensar. Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  4. 4 anos sozinha com 3 miúdas super giras, sem apoio familiar e com um emprego a tempo inteiro... Muitas são as vezes que tenho vontade de mandar a toalha ao chão mas depois tudo passa ❤️ coragem e saúde para todas que passam pelo mesmo 💪💪

    ResponderEliminar
  5. Joana queixinhas só quem não passa por isso! Não é mesmo nada fácil! é de valorizar sem dúvida ;)

    ResponderEliminar
  6. ola
    eu sou mae de 2princesas, 15 anos e 4 e sou viuva ha 3 anos e posso-te dizer que é a coisa mais dura da minha vida, sendo que para alem de tudos ainda tenho de saber lidar com o luto, meu e delas.

    ResponderEliminar
  7. um dia desta semana, durante o jantar, ouvi esta pérola "eu só não ajudo em casa porque não sei"... para tudo!! "não ajudo"? então mas ainda me está a fazer um favor? e mais.. "porque não sei"??? mas sabe estar deitado no sofá enquanto espera pelo jantar e diz à filha para ficar quietinha e não o chatear que o pai está a fazer algo muito importante.. (algo importante na internet... ou a falar com a mãezinha.. que quando não recebe telefonema do filho por volta das 19h, 20h, telefona ela.. em vez de perguntar ao filho porque é que não está a fazer o jantar ou dar banho à miúda fica na conversa da treta) e depois ainda se admira que me passe e discuta... pois claro então a maluquinha sou eu e é bem verdade porque ainda o aturo... confere! não sei se ria, não sei se chore... mas só até um dia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque não pega nele e diz “Anda, vou ensinar-te a fazer arroz. Assim da próxima vez fazes tu”. Ou diz apenas que é fazendo que se aprende por isso a partir de agora é ele que lava a loiça ou põe a mesa. O que pode ele fazer? Uma birra?

      Eliminar
    2. Até um dia? O dia já foi ontem!?!? Está à espera de quê? Malinhas à porta, já! Isso era bom para mim. Ah, uma última coisa, se tiver filhos rapazes, eduque-os melhor que a palerma da sogra.

      Eliminar
    3. Sugiro que leia o comentário da anónima que ficou viúva há 3 anos. Perante estes factos, verdadeiramente dramáticos, devemos olhar para a nossa vida e tentar analisar o que podemos mudar. E pode sempre tentar que algo mude, antes de chegar a inevitável separação.

      Eliminar
    4. "anda, vou ensinar-te" pode dizer-se que pensei, vou dizer isto até que a voz me doa ou ele aceite aprender.. passados 7 anos doeu-me a voz primeiro..
      "Malinhas à porta" uii, tantas vezes pensei que nunca me iria ver numa situação abusiva, fosse ela de que tipo fosse... pois bem, aqui estou eu, independente financeiramente, psicologicamente, não preciso dele para nada, a filha precisa cada vez menos... inteligente... gosto de pensar que interessante também ahhhahhh mas a descobrir que a paciência estica e a esperança, o raio da esperança é mesmo a última a morrer e que difícil é matar a "desgraçada" da esperança...

      @bailarina onde está o comentário? Obrigada :)

      Eliminar
  8. Sozinha com o meu filho, desde os 3 anos e meio dele, com dois empregos, mas com um grande apoio dos meus pais (que foi fundamental, caso contrário seria de todo impossível). O pai do meu filho nem sempre presente. Não foi fácil mas orgulho-me do que consegui sozinha. Hoje o meu filho tem 13 anos continuamos sozinhos por minha opção e só digo isto : Tenho um orgulho imenso por tudo o que conseguimos, não foi uma caminhada fácil, mas temos conseguido!!

    ResponderEliminar
  9. Boa tarde Joana!!! Gostei do seu texto, mas se me permite gostaria de acrescentar algo, talvez ainda mais "difícil". Quando uma mãe tem uma doença grave que a limita bastante, mas que mesmo assim se recusa a "desistir", embora MUITAS vezes é "só" o que lhe apetece... O que merecem estas mães??? Não são mais nem menos que as outras mães, "simplesmente" têm a tarefa de mãe ainda mais dificultada... E não se livra das críticas e julgamentos alheios... Cumprimentos pra TODAS as mães... Força pra todas,estamos juntas!!! Por alguma razão somos mães e não somos pais... 😊😊😊

    ResponderEliminar
  10. O meu marido não está emigrado, mas só chega a casa por volta da meia noite/uma hora. Quando ele chega já fui buscar s três miúdos às escolas, levei às actividades, fiz compras, banhos, jantares, trabalhos de casa, brincadeiras e deitei-os. Agora já são crescidos mas foram anos nisto. Como é que aguentamos? Porque não temos alternativa...

    ResponderEliminar
  11. O meu marido não está emigrado, mas só chega a casa por volta da meia noite/uma hora. Quando ele chega já fui buscar s três miúdos às escolas, levei às actividades, fiz compras, banhos, jantares, trabalhos de casa, brincadeiras e deitei-os. Agora já são crescidos mas foram anos nisto. Como é que aguentamos? Porque não temos alternativa...

    ResponderEliminar
  12. Este texto é igual a um publicado no ano passado... não percebo porque fazem isto aos leitores. Percebo quando voltam a partilhar no fb e assinalam que é repost, agora escrever o texto como se fosse novo não entendo. O objetivo primário de ter um blog não é escrever por prazer?

    ResponderEliminar
  13. Sozinha desde cedo com a pequena que berrava e gritava o tempo todo. Já lá vão 3 anos e meio onde nem um fds porque o vai é visita e não leva mais que umas horas e devolve logo a traquinas. Trabalho e tenho de gerir a casa. O curtíssimo rendimento de dois empregos precários em part time onde nem um ordenado mínimo trago para casa. Gerir isso com as contas selvagens que não me largam, a miuda que só quer colo e miminho, os tribunais, a casa que ele deixou vazia e que tenho de mobilar... Ah e tal não tens tv na sala... Não e não terei tão cedo. Primeiro tenho de comprar a mesa e as cadeiras... e ela quer mais colo e fica doente e quer só a mãe... E recupera e continua a querer a mãe.. Dou graças a Deus de ser só uma! Ao menos vou levando o barco conforme posso mas que já deu vontade de deitar e dormir e não querer saber de mais nada... deu!

    ResponderEliminar