Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens

domingo, 20 de maio de 2018

A roupa que temos vestida é especial. Muito.

Conheci este projecto através da minha vizinha do rés-do-chão, quando éramos crianças. Ainda agora estávamos a brincar com as pollypocket dela (eu nunca tive, mas ela emprestava-me tudo, uma querida) e agora tenho eu duas filhas com a nossa idade, ou quase, e está ela a abraçar um projecto fantástico de voluntariado em Marraquexe. Impossível ficar indiferente a isto: Al Nour

Al Nour significa "a luz" em árabe. Patricia Kahane, austríaca, deparou-se com a necessidade de criar, em Marrocos, um projecto que envolvesse o público feminino com deficiência e o integrasse no mercado de trabalho, apostando na igualdade de género e na independência da mulher. É já por si difícil uma mulher conseguir emprego, por razões culturais, mas caso a mesma nasça ou se torne, por acidente, deficiente, as suas oportunidades diminuem consideravelmente. Deparada com esta realidade, Patricia investiu nesta empresa social, em Marraquexe, que proporciona a uma equipa de artesãs um emprego digno, salário mensal, segurança social, seguro de saúde, transporte privado, refeições diárias, serviço de creche, formação contínua em diversas temáticas, aulas de árabe, acompanhamento psicológico e um espaço de trabalho com uma infraestrutura devidamente adequada às suas necessidades. Isto bastava para uma pessoa se deliciar com o projecto, mas ainda não viram nada. O trabalho que sai das mãos destas mulheres é uma maravilha. Mãos que trabalham tecidos que vêm da Europa (os mais simples de linho, algodão ou lã) ou de Marrocos e Índia (as sedas e caxemiras, respeitando as leis do comércio justo) através de técnicas tradicionais, ancestrais da Berber. Há peças para criança, bebé, homem, mulher, de decoração e acessórios. Além de um vestido para mim e para as miúdas, encomendei um cestinho para o pão tão bonito! 














Luísa
 - 
vestido Loubna

Isabel - vestido Milli em branco

Joana - vestido Paola

Cesto de pão - Panini

Percam 8 minutos para ver este vídeo absolutamente inspirador, chamado Blessing, sobre algumas destas mulheres - disseram a uma delas que não era um ser humano... - sobre conquista, superação e sobre esperança.


Sigam este projecto em:

Partilhem. Contribuam. E, além de vocês, se souberem de alguém a precisar de comprar roupa de cama, de banho, para pousadas, hotéis, airbnb, o que seja, já sabem onde encomendar.
Escolhem através do site e depois encomendam através do email, é bem simples. É por uma causa muito especial ❤


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quinta-feira, 17 de maio de 2018

É um pouco isto.

Quando o teu filho adormece, fica na cama e consegues sair do quarto em pézinhos de lã sem que ele acorde.


via GIPHY

Quando finalmente vais ver a tua série (Safe, na Netflix), depois de lhes teres dado banho, brincado, dado jantar, adormecido e arrumado a cozinha.



via GIPHY

Quando a tua filha te pergunta o que estás a comer e são doritos, chocolates ou restos de gomas que vêm naqueles saquinhos do demo das festas de anos. São bróculos, filha, queres?


via GIPHY

Quando te dizem que o teu filho vai ficar muito mimado por lhe dares muito colo.


via GIPHY

Quando alguém se oferece para te ficar com as crianças para ires ao cinema ou jantar.


via GIPHY

Quando insinuam que não estás a educar bem o teu filho.


via GIPHY

Quando te esfregam na cara que o filho já dorme a noite toda, sabe contar até 467 mil e já sabe as cores em mandarim.


via GIPHY

Só porque sim. Não precisam de agradecer.


via GIPHY


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Estou K.O.!

Assumo, dei o berro. Nem mesmo depois de um fim-de-semana prolongado, a dormir bem durante quatro noites, recuperei. Quem não dorme convenientemente há quatro anos, como eu, sabe o que isto é. Há quem diga que se habitua, eu nunca me habituei. Não entro em delírio (mas já me passei e até gritei!), não vou para a rua de pijama (se bem que nem era uma má ideia, às vezes, ir dormir para o carro), não passo o dia inteiro a queixar-me e a carpir o quão difíceis são as nossas noites – ora porque a Isabel tem pesadelos, ou sede, ou chichi; ora porque a Luísa quer leite, colo, ou ir dormir para o chão, o que calhar, ora porque alguma tem tosse, ou as duas…- mas nunca me senti tão cansada. Nem mesmo depois de noitadas e noitadas a estudar para os exames da faculdade.

Não me sinto tão lerda como na gravidez (alguém sentiu o cérebro a carcomer-se todo e a ficarem sem memória?), mas também sei que não estou na minha melhor forma. Demoro mais um bocadinho, às vezes sinto que não estou criativa e tenho menos paciência, no geral. E eu que era uma pessoa muito positiva, divertida e de sorriso na cara para os colegas… às vezes tenho a sensação de que me devem achar mal-encarada.

Estou, pela primeira vez na vida, a tomar suplementos. Num mundo perfeito, alimentava-me sempre bem, fazia exercício diário e dormia bem (ahah que piada!), mas nem sempre consigo. Por isso, reforço o pequeno-almoço com um comprimido de Viterra Mulher (porque há vários: para bebés, crianças, adolescentes, homens, desportistas, mais de 55 anos, o clássico e agora um tal de Viterra Max Energy, novidade da marca, que se toma sem água, porque basta colocar o pó da saqueta na boca). O Viterra Mulher tem uma série de componentes que me ajudam a reduzir o cansaço, como a vitamina B12, o ferro e o ácido pantoténico que contribuem para um normal metabolismo produtor de energia, além de ter muitos outros minerais e vitaminas, com reguladores hormonais e antioxidantes da pele (ansiosamente à espera que estas unhas voltem a ser duras e fortes).

Sim, o sono e o cansaço mexem com tudo isto. E entra-se às vezes numa espiral que nos enrola e que é muito difícil de combater: pouca vontade de fazer comida, de comer bem e, já se sabe, a energia é cada vez menos se não a vamos buscar aos sítios certos e sentimo-nos incapazes e deprimidas.

Já estou a reverter a situação. Ainda acordo duas ou três vezes por noite mas já não sinto que me passam dois camiões por cima, já passa só um. A caminho da Joana esperta e divertida. Fresca e fofa.


Colegas do trabalho, eu sou fixe, a sério que sou.





Os produtos da gama Viterra são SUPLEMENTOS ALIMENTARES. Não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado e equilibrado e de um estilo de vida saudável. Não exceder a toma diária recomendada. Manter fora da vista e do alcance das crianças. O consumo dos produtos não é recomendado em caso de hipersensibilidade a qualquer um dos ingredientes. Para mais informações consultar a rotulagem.



*Post escrito em parceria com a agência de comunicação


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

segunda-feira, 14 de maio de 2018

A maternidade exige um copo de vinho

E quem diz um copo de vinho, diz uma massagem, diz uma noite de sono revigoradora, diz um jantar de amigas, diz uma escapadinha a dois, diz muita coisa que alivia e tira pressão de cima. 
E quem disser o contrário, ou está já um caco e não consegue reagir ou tem um poder de meditação e de controlo muito grande. 
A minha maternidade precisa de um copo de vinho. Nem sempre, que amamentei em exclusivo e não me podia dar a esses luxos, mas agora dou de vez em quando. Se fumasse, talvez fosse esse o momento de relaxar. Se corresse, talvez fosse a minha forma de reagir (e fugir). Se vivesse no campo, talvez me bastasse ir ao terreno ao lado mandar uns gritos. 
Nem sempre tenho o poder de lidar com as birras e as brigas delas com serenidade. Nem sempre tenho ferramentas para me acalmar e as acalmar. Nem sempre me consigo meter no lugar delas nem falar com elas como gostaria que falassem comigo. Não tenho paciência. Não tenho. Hoje não tive. E tive de as separar, de gritar, de as meter em divisões diferentes. 
Chegou a idade “difícil” para a Luísa, a idade desafiadora, das birras, da frustração (dela e minha). Talvez a memória me atraiçoe mas era mais fácil lidar com a Isabel. Acho eu. O tempo ameniza muito e ajuda-nos a relativizar, claro. Ralho. Ralho bastante. Faço muitas das coisas que me parecem fazer sentido, mas também me descontrolo e zango. Estou certa? Não. Mas também não tenho vergonha em assumir. Não sou perfeita, muito longe disso. 
E sim, hoje precisei de um copo de vinho. Vou precisar mais vezes.
A minha maternidade não é (só) cor-de-rosa. 


domingo, 13 de maio de 2018

Os segundos ficam traumatizados?

Estava aqui a decidir se fazemos festa de anos à Luisa, a segunda, como sabem. Faz, no final do mês, dois anos. 
Eu explico: talvez vamos viajar nessa altura e iria complicar muito encaixar uma festa antes de irmos ou depois de chegarmos. Pelo menos uma festa com tema, com cupcakes e tudo bonitinho como tenho feito. 
Mas depois pensei: quão triste ficaria ela quando soubesse, daqui a uns anos, que não teve festa de anos? Somos nós que valorizamos isto e que lhe damos mais importância do que realmente tem? Um bolo e um balão “faz a festa”? 
Para a Isabel, fiz um filme para os dois anos dela, com os melhores momentos desses 24 meses. Imprimi fotos e pus em molduras. Escrevi um diário da gravidez. Da Luísa, nada. 
Mas depois penso: será mesmo importante tudo isso? Não será mais importante estarmos juntos, termo-nos e aproveitar esses momentos?
E lá decidi. Se não formos viajar (ou se formos mais tarde), vamos fazer um piquenique no dia com bolo e algumas coisas básicas com avós e primos. Vou aproveitar decoração que sobrou de outras festas e dar-lhe esse miminho. 
Querem dar-me ideias de coisas fixes para ter num piquenique? Vou pedir à minha avó para fazer croquetes, rissóis, pastéis de bacalhau e um bolo de noz. Compro húmus, faço guacamole, cenouras aos palitos e espetadas de fruta e de tomate com queijo mozarella. E mais? 
Obrigada! :) 



E já agora respondam à pergunta que me levou a escrever este post: os segundos ficam traumatizados? [o meu irmão mais novo chegou a escrever uma composição uma vez chamada “pobre membro”, onde se queixava de ser o membro mais desprezado da família. Será?...]






sexta-feira, 11 de maio de 2018

Adormeço as minhas filhas. Até quando? Até deixarem de querer.

Já estive em todas as fases: a fase de desespero, quando ela demorava muito tempo a adormecer e eu tinha toda uma vida para acontecer; a fase de adorar, quando não tinha nada para fazer e adormecia com ela; a fase de ter duas para adormecer e de ficar um bocado ansiosa se a primeira (a Luisa) acordava a meio de adormecer a segunda; e agora a fase em que me sabe muito, mas mesmo muito bem os minutos que tenho só para a Isabel antes de a adormecer, as conversas tão divertidas que temos, as novidades que escolhe contar na cama, as coisas bonitas que me diz nesses momentos e quando me dá a mão e fico a ouvi-la respirar e adormecer, serena.

Claro que já desejei ter filhas que se despedem na sala e que vão sozinhas para a cama. Claro que já desejei despedir-me com um beijinho, aconchegá-las nos lençóis e dizer “dorme bem e até amanhã” e sair do quarto. Claro que já me passei da cabeça quando, ao fim de não sei quanto tempo, ela me pede água ou creme ou tem calor ou comichão ou... vocês sabem. Custa-me muito quando adormeço e tenho coisas para tratar. Mas passou a ser menos difícil a partir do momento em que assumi que as minhas filhas (ainda) precisam de se sentir acompanhadas para adormecer e, por vezes, até para readormecer. A Luísa ainda dorme no nosso quarto, por isso, diria mesmo, que ainda necessita de companhia para dormir. É o que é. Alguns diriam que as habituámos mal, eu prefiro acreditar que respeitámos as necessidades delas. Ter isso em mente facilita todo o processo.

Adorei adormecer a Isabel esta noite. Rimo-nos muito quando eu vesti as calças de pijama do David e ela me chamou papá. Disse-me coisas lindas antes de dormir e eu a ela e demos as mãos. Foi o momento cúmplice do dia. Gostei de adormecer a minha filha de quarto anos. Enquanto ela quiser, assim será. Eu sou das que gosta de dormir acompanhada, por isso percebo-as bem. Enquanto me quiserem, ter-me-ão.*


* o pai também as adormece, vamo-nos revezando
Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quinta-feira, 10 de maio de 2018

À minha amiga que acabou de ser Mãe

Meu amor,

Não é fácil. E é tão bom. E tu estás aí, tão longe de mim, e eu sem te poder dar um abraço.
As mães precisam de abraços. Principalmente as que acabaram de ter filhos.
E precisam de quem as ouça. De quem lhes pergunte como estão em vez de lhes perguntarem apenas pelos filhos.
E precisam de uma sopa feita e de roupa lavada. Isso sei que tens. Conforta-me saber que os teus pais estão contigo neste momento. E o teu maridão.
Mas eu queria estar aí. Queria dizer-te que compreendo as tuas angústias, as tuas dores.
Queria dizer-te que vai tudo melhorar. E que esses sentimentos tão díspares que convivem dentro de nós, de alegria e de angústia, por não conseguirmos controlar tudo, vão continuar vida fora. Mudam as razões. Apenas aprendemos a apaziguá-los. A domá-los. 
Mas tu estás a dar o teu melhor. E o teu melhor é o mais do que suficiente para o teu filho. Ele só quer o teu calor e ouvir-te cantar, tal como cantavas quando ele estava na tua barriga. E que voz... Ele só quer o teu colo, o teu cheiro, a tua pele. 
Ele tem-te como mãe e eu sei o quão sortudo ele é. Ele vai ter esses olhos rasgados e cheios de vida a olhar por ele a vida toda. Ele vai ter essa pessoa incrível a ler-lhe histórias e a mostrar-lhe o mundo. Que privilégio!
E tu mereces. Tu mereces tanto ter esse bebé nos braços. Que lindo ele é. Aproveita cada momento. Ouve-te. Ouve-te bem. O teu instinto fala mais alto. O teu amor fala mais alto.

Sejam muito felizes, meu amor.
Adoro-te. Mesmo muito.

Com amor, 
Joana


Luisa Starling Photography

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

terça-feira, 8 de maio de 2018

Iguais no coração.

O primeiro teste
O primeiro enjoo
As batidas do coração
A barriga que não está lá mas queremos que esteja
Os outros não vêem mas nós sabemos
Pisamos algodão doce
O sono doentio
A primeira eco a sério
O nosso coração também bate
A troca de olhares
As análises
O alívio
A partilha
O choro, as gargalhadas, a emoção
As semanas
As primeiras roupas
Menino
Menina
Não quero saber
As primeiras dicas
Livros blogues grupos do Facebook
A barriga
As borboletas
Os pontapés
A balança
A fome
O nome
Os nomes
O teste do cotonete
A mistela de sabor a laranja
Ou a limão
Horrível
Os esquecimentos
As ecos e as análises
Os cursos
As respirações
As listas
As expectativas
O dia
Os nervos
A felicidade
A espera
As dores
O parto
Normal
Cesariana
Com epidural
Sem epidural
De cabeça
De rabo
Vida
O choro
A felicidade
Pele com pele
Primeira roupinha
O cheiro
A mama
O biberão
A encubadora
A espera
A pressa
O tempo
O que dorme
O que chora
O que mama
O que bebe no biberão
O da sala do lado
O da cama ao lado
E o outro
A primeira fralda
O primeiro banho
Um andar torto
Já pronta para outra
Um pai que vai dar banho
O banho da mãe
A força
A noite em claro
Os receios
A confiança
A magia
A porta de casa
Sair dois, entrar três
O início de tudo

De todas as formas
De todas as maneiras
Iguais no coração.




sexta-feira, 4 de maio de 2018

Lembra-me para não me esquecer.

Lembra-me para não me esquecer de que terminas as palavras de todos os versos das músicas que ouvimos no carro.
Lembra-me para não me esquecer que estiveste durante um ano e meio no meu colo todos os dias da tua vida, que te cheirei e te beijei vezes sem fim.
Lembra-me para não me esquecer de que cumprimentas toda a gente na rua, de que pedes colo a qualquer um, de que, desde cedo, começaste a chamar os empregados de mesa para te pisgares e que mandas beijinho e dizes adeus a toda a gente com que te cruzes.
Lembra-me para não me esquecer de que me ensinaste a respeitar o teu ritmo, a não enfiar sopa pela tua goela abaixo, a dar-te comida inteira, a ver-te aprender a comer, mastigar, com calma, até ao dia em que pegaste na colher e estavas pronta, por ti, a comer uma sopa, uma papa, um iogurte. Pela tua própria mão.
Lembra-me para não me esquecer de que um dia apareceste em casa a dizer as cores e que eu senti um misto de orgulho com aquele terror de te estares a tornar numa menina, depressa demais.
Lembra-me para não me esquecer de que chamavas "minha" às maminhas, com 1 ano e picos. 
Lembra-me para não me esquecer de que no primeiro fim-de-semana sem os teus pais dormiste noites inteiras em casa dos avós (safada).
Lembra-me para não me esquecer de que eras um despachanço fora do comum a comer, com garfo com a colher ou com a mão, e de que gostavas de azeitonas, limão e de café, quando te dei a provar. 
Lembra-me para não me esquecer de que tens um feitiozinho do caraças, uma energia inesgotável, uma fofura desmedida (que beijos bons são esses que nos dás?!). 
Lembra-me para não me esquecer de que um dia foste uma bebé muito dorminhoca e que depois descarrilaste completamente. 
Lembra-me de que só começaste a ligar a livros e a histórias já com quase dois anos mas que não as largaste mais. 
Lembra-me para não me esquecer de que adoravas mamar, escolhias a mama que querias, dizias quando passar à outra e voltar à primeira. Três vezes. 
Lembra-me para não me esquecer que por mais que me possa ter queixado de teres vindo tão próxima da tua irmã, duas bebés, nunca me poderia arrepender de todo o amor que vieste trazer contigo, todo o crescimento, toda a emoção.
Lembra-me para não me esquecer nunca que quando pensei que me poderiam perder, há quase dois anos, senti que nada tinha sido em vão: tinha deixado mais uma alma luminosa neste mundo. Não me enganei.

Luísa, menina do meu coração, fazes dois anos este mês 
(longo suspiro).
Lembra-me sempre do quão felizes somos por nos termos.





Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Mudei ao ser Mãe e não tenho pena

Andava sempre atrás não sabia bem do quê. Insatisfeita, sonhadora, exigente. Comigo, com a vida, com os outros. Sôfrega. Intensa. A só estar bem aonde não estava. A desejar ser mais magra, mais inteligente, mais bem-sucedida. A querer ter uma cara mais fina e sem marcas do acne. A desejar ter uns joelhos que me permitissem usar calções. A rezar para não me fazerem perguntas de cultura geral inesperadas porque não queria ficar mal, afinal tinha acabado com 18,6 o 12.ano. A desejar ser amada. A acreditar que um dia poderia viajar muito e ter casa própria. Mesmo sendo jornalista.
Seria muitas coisas ao mesmo tempo se fosse preciso. Quis ser muitas coisas, conhecer muitas coisas, conhecer muita gente. Continuar a ler, a ler muito, sempre. Ser boa filha, boa namorada, boa amiga e boa profissional.
Até que fui Mãe. E as prioridades mudaram. Quase todas. E, de forma inesperada, ao mesmo tempo que chegou o caos - das mamas a pingarem leite no meio do centro comercial, da miúda que não mamava comigo sentada (tinha de andar em pé), do sentir que perdi alguns amigos, que perdi muito do que era, de não conseguir almoçar porque tinha de dar mama e adormecer e o tempo passava a correr, de não conseguir perceber se o choro seriam cólicas ou dentes ou... apesar de todo esse rebuliço confusão e dor; eu comecei a respirar fundo. A acalmar mais um bocadinho. A não exigir tanto do meu corpo e da minha cabeça. Eu queria ser bonita, agora quero ser bonita principalmente aos olhos delas. Eu queria ser bem sucedida, mas agora quero mostrar-lhes que isso de ter uma carreira é muito relativo e que podemos descobrir outros talentos que consigamos conjugar melhor com o que não queremos mesmo perder. As estrias tornam-se secundárias. O desejo de ter o corpo de qualquer uma das campanhas de fatos de banho cheios de folharecos já só me faz rir e não me deixa frustrada. O verbo ter é substituído mais vezes pelo ser. Há sonhos, claro que há. Mas são mais simples. 
A caminho dos 32, duas filhas maravilhosas, o meu melhor amigo é meu namorado (e futuro marido), temos saúde, Netflix e mais uma série de coisas boas nas nossas vidas. Está tudo bem. E eu sou menos ansiosa, exigente e mais consciente. Mudei ao ser Mãe - muito - e não tenho pena.






Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais: