Mostrar mensagens com a etiqueta amizade. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta amizade. Mostrar todas as mensagens

sábado, 29 de julho de 2017

Casar a melhor amiga é...

A melhor amiga vai casar. Uma das. Hoje. As minhas miúdas vão ser meninas das alianças e eu vou chorar tanto, mas tanto, quando entrarem todos na igreja que não vai dar para aguentar a maquilhagem. Ver a Raquel casar é tão emocionante, para mim, quanto o dia em que ela foi conhecer a Isabel lá a casa. É como que o ritual de entrada na idade adulta. É a nossa passagem. O momento simbólico em que nos apercebemos de que já não somos as miúdas dos Onda Choc, a caminho de um concerto em Mirandela, lado a lado no autocarro, a contarmos todos os segredos que tínhamos para contar uma à outra. Sei que vai estar linda (fui a uma prova do vestido e está ma-ra-vi-lho-so), sei que vai estar feliz, radiante e radiosa, e eu - lamechas assumida - vou chorar. Choro em todos os casamentos, como não chorar neste? 

Casar a melhor amiga é:

- vermos festas, lágrimas, desabafos, mensagens, karaokes, gargalhadas de anos e anos passarem-nos diante dos olhos, como flashadas
- recordarmo-nos de quando dormíamos em casa uma da outra, desabafávamos os amores não correspondidos, riamo-nos de paixões assolapadas ou de beijos que não tinham sido como o esperado ou de quando íamos alugar filmes ao videoclube, ao cinema e às piscinas
- lembrarmo-nos dos colares de missangas que davam voltas intermináveis ao pescoço e brincos de fimo amarelos fluorescentes enormes que se usavam (usavam?) com BW altíssimas, e calças com uma boca de sino tão grande que lhes chamávamos pata de elefante
- vermos aquela foto tipo passe tirada num fotógrafo manhoso que nos fez soltar pinguinhas de chichi de tanto rir (talvez tenha sido só eu a incontinente, vá)
- pensar nas viagens que se fizeram para estarmos uma com a outra, ao longo de anos, e mais valorizadas ainda depois de sermos adultas
- lembrar as mensagens/whatsapp/messenger trocadas, sobre tudo e sobre nada, porque é também do nada, das coisas corriqueiras do dia-a-dia, que as amizades se reforçam
- vermos um sonho de alguém, que adoramos profundamente, realizado e desejarmos que seja infinitamente feliz.

Hoje vou chorar. De FELICIDADE.





Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Aos amigos sem filhos.

Obrigada.


Obrigada aos amigos sem filhos que nos acolhem. Que nos continuam a escolher para estarmos nas vossas vidas. Nós não somos os mesmos, nunca mais seremos. Seremos sempre dois, três, quatro corações: um dentro, os outros fora. Seremos sempre dois pratos de uma balança que alterna, qual baloiço do jardim, entre harmonia e rebaldaria (ou loucura). Tudo muda em segundos. E volta a mudar. Seremos sempre muitas vozes, várias vontades e, às vezes, poucos ouvidos.

Por vezes estamos mas a nossa cabeça não está. Podem ver pelas olheiras e pelas madeixas por fazer que não estamos a conseguir levar na mala de viagem todos os itens da lista. Uns ficam a faltar, ficam para depois. Paciência. Às vezes também vocês ficam para depois. A chamada fica por atender para não acordarmos a bebé que dorme no nosso colo. A sms fica por responder porque a mais velha pede atenção e depois é a hora do banho e a hora do jantar e depois lavar os dentes e história e cama. E às vezes adormecemos ou temos ainda a casa para arrumar. E depois esquecemo-nos. E dormimos mal e tornamo-nos a esquecer na manhã seguinte. Mas vocês sabem. Vocês sabem que não é por não querermos. Demora a conseguir pôr tudo em ordem, na vida e na cabeça.

Não somos os mesmos: somos os mesmos mas mais um bocadinho. Mais um bocadinho de emoção, mais um bocadinho de lágrimas, mais um bocadinho de desorganização, ou então mais um bocadinho de organização, onde nem sempre o acaso e o imprevisto podem entrar. Já não podemos andar ao sabor do vento nem fazer o que nos dá na telha. São poucas as vezes em que conseguimos, mas valem por dez, vivemo-las intensamente e aí vão poder ver que somos os mesmos, mesmo não sendo.
Obrigada por nos continuarem a mimar, a visitar, a mandar sms. Obrigada por nos receberem em vossa casa, mesmo correndo o risco de levarem com um Miró nas vossas paredes. Ou de quase vos rebentarem os tímpanos com as birras dos nossos pestinhas.
Obrigada, amigos.
(Obrigada, Sandra, por estes dias no Porto <3)

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Não podem deixá-la ganhar!

Não, não façam isso! Não compensa minimamente!

Sei que estão muito casadas, acreditem que sei. Olhem eu ontem à tarde no Parque da Serafina:

Unhas pintadinhas em casa que não sou fina, ahah.


Porém, mesmo assim, pensei: "já não vejo a minha amiga Susana há tanto tempo, mesmo que pareça ser por pouco tempo, mesmo que, estando com a Irene ainda não dê para ter grandes conversas, 'bora lá tentar combinar alguma coisa.".

Conseguiu-se. E assim, do nada, conseguimos todas (a Irene, a Susana e eu) uma hora do nosso dia para apreciar o óptimo tempo e apaixonarmo-nos mais um bocadinho pela miúda. Não deixem que a rotina vos ganhe!

A Susana e eu éramos inseparáveis. Ainda sentimos que somos, mas já nos separamos muito mais. Praticamente morávamos juntas antes do Frederico surgir na minha vida. Íamos ao ginásio juntas, jantávamos juntas, as passagens de ano eram só a duas, íamos as duas para o Tokyo no Cais do Sodré dar espectáculo completamente sóbrias, dormíamos juntas (calma haha ela tem nojo de pés, mesmo que fôssemos um casal daria muito trabalho fazer alguma coisa evitando que os pés se tocassem). Sabíamos tudo uma da outra. Agora já não sabemos, mas continuamos a saber o que a outra vai dizer, antes de falar. 

Passámos por uma fase complicada (ou passei eu), porque senti que durante a gravidez ela tinha desaparecido e senti também que durante o primeiro ano da Irene que deveria ter estado mais presente. Quando, finalmente, consegui ouvir o que ela tinha para me dizer (já depois de ter escrito um post a dizer que há amigos que desaparecem com a maternidade - era sobre ela), percebi os motivos e pareceram-me fazer sentido. Não estive foi preparada para ouvir durante demasiado tempo. 

Só agora reparei que estou a escrever um post que já escrevi antes (este). São realmente os sentimentos que tenho depois de estarmos as três juntas. A maravilha do pós-parto, para mim, tem sido repetir-me imenso. A maravilha do pós parto, para mim, tem sido repetir-me imenso. A maravil...

Ser mãe, além da questão da criança, é encontrarmos a beleza no diferente, no novo. Mesmo nas coisas que gostávamos muito e que achávamos que estavam bem. Essas desaparecem. Ou melhor, transformam-se. 

 Deixa-te de coisas, Susana. Nem se notam os bigodes.

 As sobrancelhas estão impecáveis (as tuas), as minhas podiam ser a capa do filme "E tudo o vento levou!". 

 Acho que esta (e a de cima porque estive a ver melhor e são praticamente as duas iguais, mas não me apetece estar a apagar) espelha bem a nossa dinâmica: a histérica e palhaça e a calma, mas totó (e com uma barriga que mete nojo). 

Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Não se aguenta!



Isto foi na despedida do dia de ontem. Se há coisa que vamos incentivar é esta amizade. 
Lindas, lindas, lindas! E tão nossas. <3





Não desculpei a Joana Gama


Não, não desculpei. Não desculpei porque não havia nada para desculpar. [Estou a falar do post da festa].

Somos bastante diferentes, agimos de formas diferentes e temos algumas prioridades diferentes. Mas uma coisa é certa: somos amigas. Amigas com o coração, daquelas que se riem até doerem as entranhas e que choram uma pela outra. Que se ajudam, que se preocupam, que dão na cabeça, que dizem a verdade. Eu digo a verdade de uma forma mais meiga ou com mais floridos, a Joana é mais despachada, mas nem por isso com falta de inteligência emocional. Já a achei agressiva (não necessariamente com as pessoas, mas com a vida, no geral), mas acho que fez um caminho fantástico de descoberta pessoal (esta frase quase poderia ter sido retirada de um qualquer vídeo do Gustavo Santos), depois que conheceu a Eugénia e que fez hipnose (e eu que era super céptica...). Ficou mais tranquila, menos ansiosa, mais feliz. 

A Joana não veio à minha festa, eu teria ido à dela, fizesse ela festa. Mas teria ido não por gostar mais dela do que ela de mim. Teria ido porque, para mim, faz sentido estar presente no dia dos anos dos meus amigos, porque ligo a datas e porque não seria esforço algum, por gostar de festejar. Não fiquei magoada, nem quando falámos, dias antes, nem no próprio dia, porque a conheço e porque conheço a nossa relação. Sei o quão forte é. E porque sei que a Joana está lá para mim, todos os dias, sempre que eu precisar. E porque sei que se lhe tivesse dito, na nossa conversa, que era muito importante para mim ela estar presente e que ficaria chateada ou triste, ela viria. Combinámos logo que viriam um dia inteiro, nas férias da Joana, e que aproveitaríamos o dia ao máximo.

Assim foi. Houve tempo para colo à recém chegada Luisinha, para danças parvas a quatro, para almoço debaixo do alpendre (obrigada, Frederico, pelo risotto, estava óptimo!), para piscina e para balde de água à sombra, para saltos na cama da Isabel e, ainda, para a Joana me arrumar a cozinha (!!!). Foi um dia bom, mas bom.


 
Sigam-nos no instagram @aMaeequesabe
E a mim também;) @JoanaPaixaoBras

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Fiz e hei-de fazer de novo.

Não era para ter escrito este post. Ser solidário e escarrapachar isso pode parecer, aos olhos dos outros, um bocadinho show off. E, na verdade, fi-lo porque me apeteceu e achei que seria o certo a fazer. E porque ajudar os outros - por pouco que seja - dá um prazer do caraças. 

Bem, vamos do princípio. Há uns tempos, reuni os amigos e fizemos o babyshower da Luísa (podem ver o post da festa aqui).



Como vou experimentar, nos primeiros tempos (excepto nos dias em que estivermos na Maternidade), as fraldas reutilizáveis (da Mita) e como, graças a Deus, não passamos necessidades, lembrei-me de propor aos meus amigos que, em vez de levarem fraldas, produtos de higiene ou presentes para a Luísa, levassem antes pacotes de vários tamanhos e toalhitas (ou cremes ou papas, o que quisessem) para doar a uma instituição. Foi bonito de se ver, os amigos gostaram da ideia e aderiram! Escolhi a Ajuda de Mãe, em Santarém, e lá fui eu, de coração cheio, entregar as coisinhas.

Por que é que entretanto mudei de ideias e resolvi falar sobre isto? Porque pensei que a ideia era boa e que poderia inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. Apenas isso. Se gostarem da sugestão, tentem perceber quais as instituições perto de vossa casa que possam estar a precisar mais de ajuda (ou às vezes até um vizinho ou alguém mesmo ao nosso lado...).

Entretanto deixo-vos com mais imagens daquelas horas boas, passadas entre amigos.


O meu mano Frederico

Os 3. Os 4. Os 5, que a Irene também aparece!

Ternurinha

A partener mais gira

Andam aí a insinuar coisas...

Beeeeem... Não estava a contar com tantos fotógrafos e paparazzi ;)

O emplastro, que calha ser o padrinho da Isabel e o meu melhor amigo.

Apanhados super desprevenidos

A testarem os meus abs.

A Luisinha a ser mimada. Obrigada Lolla Kids pelo carinho <3


Patinho do banho original

  Espaço -  Mom and Me 
Decoração - Momentos com Design  
Bolo e doces - Caramelo Encantado

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Já tenho amigos outra vez!


Quando se tem filhos, passa-se por imensas fases. Pelo menos eu passei por estas: isolamento total, isolamento parcial, solidão imensa, estranheza do afastamento de algumas pessoas, pena por não poder fazer os planos de antigamente e sentir-me "diferente", aceitação, aproximação de outras pessoas, adaptação dos planos a um equilíbrio entre ser pai e ter amigos, re-aproximação das pessoas "de sempre", etc. Sinto que, nesta fase, depois de ter voltado ao trabalho (fez-me maravilhas, não tenham medo que não vale a pena) a minha vida está como uma boa receita: uma pitadinha de tudo nas doses mais equilibradas. 

Já consigo voltar a estar com pessoas de quem gosto. Já não me sinto aprisionada por ser mãe, já consigo ter maior flexibilidade (não na prática que tenho a flexibilidade de uma vassoura) e a Irene também. Passeamos, encontramo-nos com amigos, fazemos planos diferentes... agora sim.

Nunca antes tinha sentido este grau de "silêncio" em mim. Sentir-me completa em todas as vertentes. Trabalho em algo que gosto, tenho o meu companheiro (Frederico) sempre comigo, tenho amigas, tenho amigos e tenho o maior presente que a vida pode dar a alguém (que o queira): um filho. A Irene. 

A Susana, minha amiga desde o secundário... Aliás, foi mais do que minha amiga. Estávamos juntas praticamente todos os dias, só as duas, saíamos sempre as duas juntas, só as duas, jantávamos juntas, só as duas, andávamos no ginásio, só as duas, dormíamos juntas lá em casa, só as duas (sem ordinarices, 'tá bem?)... Bom, a Susana desapareceu durante a minha gravidez. Ou melhor, desaparecemos as duas. Deixamos de ser compatíveis... eu arranjar namorado e ela também fez com que a vida das duas mudasse de tal maneira que não nos conseguíamos encontrar. Hormonas e sentimento de culpa à mistura, ainda deu para uns quantos e-mails e whatsapps mais palermas e frios. 

Quando me passou a crise hormonal e o babyblues (e ela passou a estar mais atinadinha também - toma, cabra!), voltámos. Não voltámos a ser "namoradas" porque isso já não era "normal" antes, não iria passar a ser agora, mas somos nós na mesma. As brincadeiras são as mesmas, os olhares cúmplices, as bocas passivo-agressivas (tudo na boa, claro) e, mais do que tudo, a história. Sabemos a história uma da outra. 

Vejo um bocadinho dela em todas as mulheres que conheço. A Joana Paixão Brás tem algumas coisas de Susana, a minha amiga Eugénia tem outras, a Renata não tem NADA de Susana... Ela é como se fosse uma espécie "molde" para mim.

Sinto que passamos de dupla a trio. Quando estivemos juntas na terça-feira, apalhaçamos as três. Teríamos apalhaçado na mesma antes da Irene, mas não se ouviriam os Caricas em som de fundo, nem falaríamos tanto de animais de quinta. 

Adoro esta equipa. Somos diferentes, somos três.

Os vossos amigos já voltaram?








Para assistirem a estes eventos de extrema importância para a humanidade em "directo", sigam-me no meu instagram aqui

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

O padrinho da minha filha (shhhhh ele ainda não sabe!)

Ele não sabe ainda. Vai saber por aqui, quero fazer-lhe esta surpresa. Se não vier aqui ler, então retiro-lhe o convite que se lixa. Hahaha

O Renato é meu amigo desde 2000. Amigo de liceu, amigo do teatro, daqueles amigos para a vida, das borgas e dos assuntos sérios. Era um puto quando o conheci. Já tinha aquele sorriso enorme e sentido de humor não lhe faltava. Estava aqui a pensar escrever que crescemos juntos e que o adoro e aquelas lamechices todas, mas não é nada o estilo dele. Vou comedir-me. Mas o que é certo é que, desde que a Isabelinha nasceu, é das pessoas mais próximas, mais preocupadas, mais atenciosas. É daqueles amigos que não me fugiu, que se mete num carro para nos vir visitar e que continua a dizer "que coisa málinda que vocês para aqui fizeram", referindo-se obviamente à nossa (minha e do David) maravilhosa capacidade de procriação. Não foi por acaso que foi das primeiras pessoas a saber da minha gravidez.

Por tudo o que ele representa para a nossa família, vai ser brindado com este convite: ser o padrinho da Isabel.

Aceitas, Renato?






Fotos CV Love
Como se vos interessasse muito saber coisas das coleções anteriores:

Isabel - Sandálias Rosa Amora (para o ano compro outras, adorei)
Laço Little i

Coelho - Zara Home (obrigada Raquel!)
Mãe -  Vintage Bazaar

Renato - não faço ideia.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Mães que estão prestes a deixar os filhos na creche (#02)

Mães, acalmem esses corações. Não chorem. Não muito.

Isto foi o que escrevi, e o que senti, no primeiro dia de creche da Isabel.

Agora, um ano depois, estamos finalmente de férias. Voltei a tê-la só para mim, com todo o tempo do mundo. É bom. Não é bom, é óptimo. Mas vamos a balanços: foi bom a Isabel ter ido para a creche. Não queria que tivesse ido tão cedo, é verdade, mas não tive alternativa. Acabou por correr tudo muito bem. Nem sempre, mas quase sempre.

Fato que usou no Carnaval na creche

No dia do pijama

A primeira mochila

Teve a fase de ficar a choramingar quando a deixava.
Também a cheguei a apanhar a chorar quando a fui buscar. 
Teve a fase de beber o meu leite lá e de nem sempre querer beber.
Teve a fase de trocar doenças com os colegas.
Teve a fase de não dormir nada bem nem deixar os outros dormirem.
Teve a fase de fazer moche aos colegas e de, muito provavelmente, também levar com eles.

Mas sei que o balanço é positivo. 

Agora apanho-a sempre feliz e a brincar. Às vezes nem quer vir logo ao meu colo, mas continuar nas brincadeiras, a mostrar-me como está feliz.
Agora dorme bem a sesta grande. Nem sempre dorme toda, mas lá se habituou à rotina.
Agora tem comido muito bem lá (é o que a safa, porque em casa é o que se sabe).
Agora dá beijos aos amiguinhos e já a vi dar um grande beijinho na boca à Laura, que entrou na mesma altura que ela, há um ano.
Agora, sei que ela está bem, integrada, crescida. 
Sei que teve atenção, colo, mimo, amor.


Mães que estão prestes a deixar os filhos na creche, eles ficam bem. Eles vão ficar bem. Confiem. 
O balanço vai ser positivo. No final do dia, eles vão voltar para o vosso colo e vão perceber que eles estão felizes.

terça-feira, 28 de julho de 2015

'Ca giras

No sábado fomos a um baptizado com uma cerimónia muito bonita, de uma bebé linda, linda e também nos esforçámos por ir bué da giras (não falo assim normalmente, só no gozo, não se preocupem).



Sim, sim, não se deve ir com tudo a fazer pendant (ou pandan), mas desta vez marimbei-me para isso. Gostei de ver. O vestido é dos saldos da Lanidor, os sapatos e a carteira dos saldos da Blanco.









A Isabel foi com um vestido de linho, cor-de-rosa bebé, da Laranjinha, e com um body de gola, com debruado rosa, da Isabella Babywear (espreitem que tem preços bastante acessíveis). Os sapatos e o laçarote são da Maria Benedita.

A brincadeira nº. 2 da Isabel (a nº. 1 tenho de explicar-vos num post em breve), passar por baixo das minhas pernas.
Neste caso, pois...




A dar a mão à Mia, coisas mais fofas


Com o querido Lucas, filho da Marta que começou connosco o blogue



Como é que isto se faz?

É assim?






Sessão "E tudo o vento levou", já com os sapatos de descanso. Ai não, chamem-me parva! (Pessoas a levar esta expressão à letra, check! lol)