Mostrar mensagens com a etiqueta animais. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta animais. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Aquário Vasco da Gama - check!

Fomos ao Aquário Vasco da Gama. Fui lá quando era miúda e nunca me tinha lembrado que seria um sítio excelente para levar a Isabel. Além de ser acessível (5€ adulto, 2,50€ crianças, sendo que até aos 3 anos não pagam), não é muito grande, eles não dispersam muito e tem uma variedade enorme de peixes, corais, anfíbios e tem bastantes animais embalsamados, conchas, etc. Vimos ainda alguns peixes a serem alimentados e a Isabel ficou toda contente. Mesmo que possa parecer um programa para miúdos mais crescidos, eu sou das que gosta de os habituar a visitar museus e a ter destas experiências desde sempre e que raramente acha que estes programas são em vão.

Como fomos num dia de semana, de manhã, não havia mais visitantes por ali e pudemos percorrer tudo à vontadinha. Uma das partes de que mais gostei foi de estar um bocadinho à conversa com uma senhora muito querida que lá trabalha, a dona Maria Luísa, avó de uma Luísa Isabel (hehe), de 26 meses.

Aquário Vasco da Gama - check. Venham mais!


Acho que nunca tinha fotografado tanta bicharada e fiz esta montagem para vos poupar a tanta vida selvagem.
Um destes animais está embalsamado. Qual? (demasiado óbvio?)



Gostei do pormenor da mãozinha

À saída, o meu pilar (trocadinho dos secos hahaha Não sou a Joana Gama, o que querem, pá?!)

Sigam-nos no instagram @aMaeequesabe
E a mim também;) @JoanaPaixaoBras

domingo, 23 de agosto de 2015

Jurei que nunca mais voltaria a este sítio!

Sabem aqueles sítios que estão para sempre ligados às vossas histórias amorosas passadas? Pronto. Eu andei na Faculdade ali para aqueles lados e coiso e tal. Já me tinha passado pela cabeça ir lá passear com a Isabel, já fomos a vários jardins de Lisboa e Cascais, mas tinha sempre algo que me dizia "não mistures alhos com bugalhos".

Até que disse para mim "Joana Cristina, passado é passado. Foi um passado feliz, só há memórias felizes e são apenas isso, memórias, distantes. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Para isso não poderias andar por metade da cidade, nem ir até alguns shoppings, nem tinhas ido revisitar cidades lá fora". Tudo verdade, menos o Joana Cristina. Sou, pasmem-se, tchan tchan tchan... Joana Isabel.

Os sítios são aquilo que fazemos deles, no presente. O jardim da Gulbenkian é um dos meus jardins preferidos e quis que a minha filha o conhecesse. Assim foi. Enfrentei o passado e acho que o David não se sentiu nada desconfortável (sim, sim, sou daquelas que conta "tudo" e deixa tudo em pratos limpos).

Foi um belo passeio. Se não conhecem, têm de ir. Se têm filhos com tendência para o mergulho no lago, então se calhar esqueçam. A Isabel levantou os braços não sei quantas vezes, o que nos dava margem para perceber que se ia atirar e conseguimos agarrá-la. Nas férias aprendeu a mergulhar (é como quem diz...) e agora deve querer treinar isso em todo o lado.











Tínhamos toalhas na relva, mas ela preferiu mesmo o contacto com a natureza. Hehe






A máquina fotográfica está avariada (e agora não tenho tempo - € - para mandar arranjar), não consigo fazer o foco como é suposto, mas mesmo um bocado desfocadas, ficaram giras as fotos! :)


Ah! E um grande beijinho à mãe do Martim que reconheceu a Isabel e foi muito simpática (adoro conhecer-vos).

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Pedi à minha filha que escrevesse este post.

- Filha, podes fazer uma composição sobre o fim-de-semana passado?
- Ão, ão.

- E se fizesses um desenho?
- Ão, ão. 

Muito bem. Adorava conseguir saber o que ela achou do fim-de-semana Barrigas de Amor, no Vila Galé Clube de Campo, em Beja, mas ela é um bocadinho enigmática. Ou então tem só 14 meses. Se eu fosse uma pessoa que vê o copo meio vazio, diria, pelas duas horas que passou a chorar na noite de sábado, que odiou. Mas como o vejo meio cheio, digo que chorou porque estava a gostar tanto, tanto, que não queria estar no quarto a dormir.

Já a vou conhecendo, por isso arrisco-me a escolher os melhores momentos por ela.

A ISABEL ESCOLHE

1) a Piscina. Agora que lhe ganhou o gosto, não quer outra coisa. Ficaria lá até lhe caírem os dedinhos de tanto frio. Já sabemos que assim que a tiramos da água, vem birra, mas faz parte. Até acho piada. Então se a isso acrescentarmos uma piscina onde consegue ficar em pé e que ainda tem escorregas, imagine-se o dilúvio que não foi depois.








2) os Animais. Uma das actividades mais giras para as crianças foi dar comida (ou dar comer, como se diz por esse Portugal fora) aos animais da herdade e, apesar de se ter afiambrado a um bocado de pão, lá percebeu que aquilo não era para ela. Foi bom ver o entusiasmo da criançada.
Como é que faz o burro? Ão, ão. Esperta, a minha filha.








3) andar de jipe e sujar as mãos de terra. Cheguei a pensar que não seria boa ideia. Que ela não ia gostar nada, que ia chorar e fazer birra. Qual quê. Não há nada como experimentar. Portou-se muito bem e adorou a parte final: chafurdar bem as mãos na terra molhada, quando, depois de visitar a horta biológica, foi dada aos meninos a tarefa de plantar as sementes nuns copinhos para levarem para casa. Ela não plantou, mas por pouco não fazia uma taça de barro com tanto mexe e remexe na terra molhada. Reparem no ar concentradíssimo da criatura.










Se a Isabel falasse, escolheria, quase de certeza, estes momentos em família. Momentos partilhados com as outras famílias que conhecemos lá, dos blogues Definitivamente são dois, Bicharocos Carpinteiros, Dias de uma Princesa e A Mulher é que Manda.  




Foram dois dias intensos, de muita brincadeira, de muitos beijos, em que tivemos tempo uns para os outros. Claro que SE FOSSE O PAI DA CRIANÇA a escrever este texto, a lamechice seria posta de lado e os momentos de eleição seriam:

1) Conduzir este carrinho, com aquelas coisas todas que eles adoram e gostam de comparar. E não estou a falar dos órgãos reprodutores. Falo dos computadores de bordo, das televisões nos bancos de trás, do tecto panorâmico, do cruise control... enfim, o rapaz gostou mesmo do Citroen Grand C4 Picasso. E eu também, não me vou fazer de esquisita, até porque para além de andar bem e ser confortável, tem espaço para as nossas 30 malas de viagem (podem explicar-me como é que se leva tanta tralha para um simples fim-de-semana?!)



2) Trazer para casa uma coisinha destas para matar saudades do gordalhufas (já falei deste namoro aqui). E para achar que me vence no SuperMario Kart. Está tão enganadinho (obrigada, Nintendo)



E agora, para que isto não se torne um daqueles pergaminhos que nunca mais se acaba de desenrolar, AS MINHAS ESCOLHAS (para as duas pessoas que ainda estão a ler este testamento):

1) o meu batismo de balão (de que já falei aqui). Uma experiência a repetir, de certezinha, com a Emotion - Life on adventure






2) Todos os momentos que partilhei com ela. Até a tirar-lhe macaquinhos do nariz.














Que venham mais fins-de-semana destes, ainda por cima com fotografias tão bonitas da Magma Photo para mais tarde recordar! Obrigada!