Mostrar mensagens com a etiqueta catavento. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta catavento. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Beijam-se e batem uma na outra: são irmãs.

Era expectável. Tenho conhecidas cujos filhos não se batem, mas cá em casa acontece, de forma bastante regular até, mesmo elas não tendo como imitar esse comportamento dos pais (não lhes batemos). 

Alguém anda com a mão demasiado leve foi um dos posts que escrevi sobre o facto da Isabel, já há ano e meio, e que ajuda a que não se sintam sozinhas, caso os vossos filhos estejam a passar por esta fase.

Na altura fez-me bem ler este texto do blogue Parentalidade com Apego para perceber até as razões fisiológicas para o ato de bater. Adorei a questão da "tampa" no cérebro, o modelo cérebro-mão e de relembrar (como eu adorava as aulas de psicologia do 12º ano!) o córtex e o sistema límbico. A questão do desenvolvimento dos sentimentos mistos é super, super interessante. 
"Só a partir dos cinco anos de idade é que córtex cerebral começa a desenvolver-se o suficiente para que a criança comece a ser capaz de sentir estas duas coisas opostas e aparentemente contraditórias ao mesmo tempo: detesto-te neste momento mas sei que gosto muito de ti e não te quero magoar. Então tudo que precisamos de fazer é dar-lhes tempo para chegarem até aqui", pode ler-se.

Portanto, as duas pegam-se - principalmente em momentos em que têm de partilhar - e eu tento explicar-lhes que não se faz e que as mãos são boas para desenhar, para fazer festinhas, para bater palmas, etc, etc. É fácil? Nada fácil. Mas faz parte. O importante é não reagir por impulso e dar uma lamparina a cada uma. Às vezes apetece? Apetece, não vou negar! Só que é uma forma preguiçosa de responder e eu acredito na disciplina positiva! Ensinar que não se bate a bater? Ensinar que o mais forte pode bater no mais fraco? Não, zero sentido, não posso concordar. 

O que fazer? Esperar que ambas superem esta fase, com respeito por elas.

A seguir a este episódio deram festinhas uma à outra e andaram de carro de mãos dadas. Beijam-se e batem uma na outra? São irmãs.











Saias, camisola e body de golinha - Catavento

Colcha - Snug me


 

 
Sigam-me também aqui: 

www.instagram.com/joanapaixaobras

a Mãe é que sabe Instagram

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Há por aí mais viciadinhos em autocolantes? Então têm de saber isto!

Se vos dissessem que havia autocolantes que colam e descolam as vezes que quisermos, não ficavam mega entusiasmadas? Eu fiquei.

Tenho uma filha doida com autocolantes - por ela já teria paredes e louça de casa de banho forrada a pandas e a coroas - e quando a avó cá apareceu em casa com este caderno de autocolantes, achei a melhor ideia do mundo. Além de prático e dar para pôr e tirar e brincar sem ser nada definitivo, e, por isso, durar muito mais tempo e dar muitas mais possibilidades, é super didático.
Tem 5 habitats de animais e 150 autocolantes diferentes para associar a cada ambiente (ou então não, já nos divertimos a colar dinossauros na quinta do tio Manel!).
Outro ponto positivo: a Luísa (com 1 ano, idade óptima para destruir tudo e estragar os brinquedos da irmã) pode colar e descolar e pôr cuspo e amarrotar porque eles não se estragam. :)

Nota-se que fiquei muito fã? Fiquei mesmo. 
Onde podem encontrar? Encontram na Catavento, que envia para todo o lado.