Mostrar mensagens com a etiqueta desabafo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta desabafo. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 16 de março de 2017

Temos que ser nós!

Temos que ser nós a reconhecer-nos primeiro. Temos que ser nós a olhar para dentro, a olhar para trás, a olhar para os lados e para a frente e a reconhecer o caminho que fizemos, fazemos e que nos falta fazer. 

Depender do outro para nos avaliarmos é um risco e cansativo - falo por conhecimento próprio e, por isso, hoje, estou de parabéns. 

Depois de toda a viagem atribulada que tem sido grande parte da minha vida lidando com a ansiedade, hoje quase que me esqueci disso. Hoje, fui ao Ikea com a Irene comprar algumas coisas (que achamos sempre que são muito necessárias, mas porque não queremos pensar muito nisso...) e, quando dei por mim, a hora de "saída" já tinha passado. Às 7 já é mais do que suposto ela estar à mesa para jantar (são as nossas horas cá em casa, cada família terá as suas). Às 7 ainda estávamos na caixa. Sem pressas. Ainda a agradecer a todos os santinhos por haver uma fralda na mochila visto que a miúda ainda só quer fazer o número 2 na fralda, apesar de andar de cuecas todo o dia e não haver nenhuma casa de banho minimamente perto e prática no andar de baixo e já com as compras feitas, enfim. 

Era tarde, mas e então? O meu cérebro pensou: vamo-nos divertir, "um dia não são dias". Isto, para quem é "normal" é algo perfeitamente usual de acontecer, mas para quem via o mundo e o tempo como eu via, não. É uma aventura que nos parece perigosa e que nos faz sentir com fracas possibilidades de sobrevivência, por muito estúpido que pareça e percebo que pareça e ainda bem que vos parece.

Fomos jantar lá acima. A Irene comeu umas almôndegas, umas colheres de sopa, uma pêra e eu comi um hambúrguer e algumas colheres de sopa. Foi um jantar fora de mãe e filha, sendo que havia tudo o que ela precisava para se sentir incluída. Cadeira alta, babete, talheres, pratos, .... 

Acabou por perguntar se também íamos descansar por lá (na escola dela não falam em "dormir") e até achei uma ideia gira. Provavelmente acusar-nos-iam de um crime qualquer, mas quase que valeria a pena. :)

Não dei pelas horas. Comemos com calma. Com calma ao ponto de por todos os pensos que tínhamos comprado para feridas nos dedos dela para fingir que eram anéis. Ao ponto dela, a caminho do elevador, ir metendo conversa com toda a gente e fazendo caretas e sem eu sentir mais nada do que gratidão. Não senti o coração acelerado, não me senti aflita, não me senti num beco e, mais importante que tudo isso: não passei nada de negativo para a Irene. 

Compensa ter dado atenção a mim própria. Ter reconhecido parte de mim que precisava de reconstrução e de ter mudado a minha vida toda. 

Estou grata por o tempo passar de forma mais normal. Grata por mim e pela minha família. 

Mais sobre a minha ansiedade aqui

Agora o LoveLab chama-se The LoveProject, cusquem que vão adorar! 


...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

terça-feira, 14 de março de 2017

Vamos ter que ir ao neurologista.

Vocês que acompanham o blog mais do que só ver as "gordas" (que não me refiro a mim e à Joana), já devem ter reparado que a Irene "sofre" de convulsões febris. Pus o "sofre" assim porque, na prática, como ela não parece lembrar-se do que aconteceu, quem mais sofre são as pessoas que cuidam dela. 

Depois da última convulsão (a semana passada) a maravilhosa educadora dela ligou-me a perguntar detalhes e como estava a Irene e desabafou um "ainda bem que foi consigo" e claro que eu penso o mesmo. Apesar de ter sido no parque infantil. 

Foi a primeira convulsão da Irene fora de casa e confesso que ainda não tinha bem materializado este cenário. Ela pode mesmo ter uma convulsão a qualquer altura e não consigo imaginar quando. Tinha acabado de a ir buscar à escola, ela estava bem, animada, estava quente (ligeiramente) mas imaginei eu por estar a correr e até fomos aos "baloiços". 

Tenho vídeos dela a brincar em cima de um cavalo de madeira dois minutos antes das convulsões e nada me fazia prever que isto fosse acontecer. Eu estava descontraída - tanto quanto uma mãe pode estar num parque infantil com uma criança de 3 anos. 

Quando dei por ela, a Irene estava no chão a uns 5 metros de mim. De onde eu estava podia muito bem ser ela a deitar-se no chão para explorar qualquer coisa. Decidi ir ver e afinal estava a tremer, a abrir e a fechar a mão, a revirar os olhos e a espumar-se da boca. Foi a primeira vez que a vi a ter uma convulsão - até agora ainda tinha sido poupada (ou tinha apanhado no fim da convulsão já ela tendo recuperado os sentidos ou as convulsões tinham sido apenas ausências) ao drama inteiro. 

Estava uma mãe preocupada a perguntar se podia ajudar e se estava tudo bem. A verdade é que estava. Eu sei que a Irene sofre de convulsões. O problema é que tinha deixado a mochila dela no carro onde está o ansiolítico (ou lá o que é) que ajuda a encurtar as convulsões (raramente quando o alcanço, ainda vou a tempo). Ou a deixava sozinha no lancil enquanto tinha a convulsão e voltava com a bisnaga do carro ou ficava com ela até a convulsão parar. Fiquei com ela, rezando para que a convulsão fosse curta. Foi. Sabendo que existem convulsões de 15 minutos (acho que essas não são benignas), uma de um minuto que pareceu 10 (tive ainda a capacidade de tentar cronometrar como me pediram) foi curta, apesar do tempo ter congelado. Foi um minuto como a percepção que tenho de um minuto na rádio. Um minuto a falar na rádio é "muito tempo". Às vezes até enchia "chouriço". Senti que enchi muitos chouriços, preocupada com a minha filha e preocupada com a criança (filha da outra senhora que lá estava) que estava a assistir a tudo aquilo. Tentei sossegar a miúda ainda durante a convulsão da Irene, mas a mãe disse que ela nem estava a ligar. Acho que lhe disse que a Irene estava a fingir ser um peixe, não me lembro bem. Talvez não tenha conseguido dizer isso, mas a intenção era descansar a miúda. 

Apesar disto ser genético e de eu ter tido convulsões febris, não tive tantas e com esta frequência. Fomos aconselhados a ir ao neurologista só por "descanso" e vamos. Sei que é tudo "normal" dentro do "anormal", mas claro que há sempre uns quantos % que quando olho para a minha filha me fazem sentir "tu não podias ser tão perfeita, isto tudo que tu és tinha de ter um revés". Não que não a ame assim, não é isso que quero dizer, de todo, mas... que ela é realmente tudo o que se pode querer numa filha e que o perfeito é impossível, é mais isso. 

Além de ter sido duro de ver (hoje ela deitou-se na Tiger e tive de a por em pé que só vê-la naquela posição me estava a deixar stressada), apercebi-me que a convulsão poderia ter acontecido enquanto subia para o escorrega ou enquanto toma banho (como me aconteceu a mim em pequena). 

Apesar de serem benignas, são até ela cair de algum lado. E já são duas coisas que não me deixam em paz. 

O que é facto é: ainda bem que foi comigo. 

...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Ela está cansada e doente e quer a mãe, mas a mãe tem ir trabalhar

Sábado à tarde, a Irene começou a ter algumas secreções nos olhos. Achei que podia ser conjuntivite mas, para ter a certeza (além de ter enviado mensagem à pediatra), fui limpando com toalhitas próprias para os olhos. 

Nessa noite teve febre. Sempre mais nervoso para nós por causa da possibilidade de convulsão. Pareceu ficar tudo bem. Não ficou. Segunda fomos ao hospital e tem uma infecção respiratória, continua com febre e já passaram mais de 72 horas. 

Hoje devemos ir à médica dela (à espera de resposta) para reavaliar. 

Aqui pelo meio são três noites em que nenhuma das duas descansa. Ela toda entupida, com alguma tosse, com febre e depois a deixar de ter. Eu, com as barreiras da cama a espetarem-se-me nas costas, cheia de pontapés dela nas costas (confesso que até tem um lado agradável porque sinto que estou a dormir com a minha filha), preocupada com medir febres, assoar narizes, dar água, dar mama, dar mama, dar mama, dar mama. 

E no dia seguinte, o sol amanhece ignorando tudo o que aconteceu, como se fosse um dia normal para o mundo. Lembro-me dos primeiros dias de vida da Irene em que o medo da noite e o cansaço aliviavam só por saber que finalmente havia pessoas a viver a sua vida lá fora. Agora o sol significa que passou mais uma noite em que nenhuma das duas descansou e em que ela continua com febre. 

Acordei sem paciência porque ela estava a fazer um drama por causa de um ganchinho. Dei-lhe 200 ganchinhos, mas queria o único que não havia. Fez drama porque não queria que eu fosse tomar banho, não queria que eu fosse trabalhar. Ainda consegui ter um laivo de sanidade e dar-lhe miminhos antes de sair. Ela está cansada e doente e quer a mãe, mas a mãe tem ir trabalhar (mesmo que depois esteja a escrever um post no blog). 

Chego ao trabalho, com um ar terrível e perguntam-me o que se passa. Digo que tenho a filha doente e, a mãe que sai do outro carro diz "pois, isto anda péssimo, ontem à noite o meu filho vomitou imenso por causa da tosse". 

Estamos preocupadas, cansadas, até parece que também estamos doentes, mas temos de continuar a abrir o estore quando o sol nasce e ser mais uma daquelas pessoas que "vive a vida lá fora", apesar de termos os filhos doentes e o nosso corpo a gritar por sono.

::::::::::::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 22 de janeiro de 2017

A ti, grávida cheidanerves.

Nem todas levamos a vida numa de "ai, o que tiver de acontecer, acontece". "Vai correr tudo bem". Há umas quantas de nós que se enervam, que têm medo de não estar a fazer bem as coisas, que têm medo que o corpo não funcione em condições ou que toda a humanidade tenha um segredo fatal sobre isto da maternidade e que nós sejamos as únicas a não saber. 



Sim. Eu era uma dessas pessoas. Achava que, além de não estar equipada para ser mãe fisicamente (não sei porquê, achava que o meu corpo talvez nunca viesse a funcionar, desde pequenina) também não seria capaz de ser a mãe que eu precisaria de ser para ser feliz (sim, tenho noção do quão egoísta parece ser esta afirmação).  

A verdade? É como tirar a carta de condução. Antes de tirarmos parece (para estas algumas, claro), muito assustador e "demasiada coisa ao mesmo tempo", depois começamos a reparar nas pessoas que nos rodeiam e que têm carta e que nem todas parecem ser guardadoras de um potencial gigante para a condução e começamos a apercebermo-nos de que talvez seja possível conseguirmos. 

O problema? Não há aulas para isto de ser mãe. Não andam connosco durante umas 100 e tal aulas a explicar regras (das quais nunca nos iremos lembrar - o mais próximo disto são as aulas de preparação para o parto) e depois conduzem connosco num automóvel até nos sentirmos seguras o suficiente para fazermos um exame e, se passarmos, podemos ser mães. 

Neste caso, em princípio, decidimos e depois temos logo as chaves na mão para levar o bicho a passear, sendo que convém que ele sobreviva (e nós também). A parte boa é que temos 9 meses para nos habituarmos à ideia, mas temos também 9 meses para nos minarmos por dentro e para que as pessoas "da nossa vida" não nos acalmem, antes pelo contrário. 

Gostava que me tivessem dito estas coisas (podem rir-se à vontade, mas teriam ajudado): 

- Não és menos de que qualquer outra mulher que seja mãe. 

- Lá por não seres perfeita, não quer dizer que não mereças ser mãe. 

- O amor pelo teu filho encaminhar-te-á sempre para as decisões mais certas.

- Tu vais sentir o amor de que toda a gente fala. O teu coração não está morto. 

- O teu medo, em ti, é sinal de que queres muito que tudo corra pelo melhor. 

- Não depende tudo de ti, mas no que depender darás o teu melhor (porque amarás) e é isso que importa.


Depois de tudo isso que senti e que, de vez em quando ainda sinto - mas que quanto mais vou amando a Irene mais me vou amando a mim - cá estamos. A Irene tem praticamente três anos e é feliz e eu também.

Tudo começou naquele dia em que, numa de loucura, achei que era capaz.



Outras leituras: 

"Estás grávida se..."

"Não sou mãe galinha, sou mãe informada". 

::::::::::::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Por que não se deve elogiar o sono dos bebés?

Achei que tinha uma bebé que dormia bem à noite. Porém, nunca mandei foguetes e apanhei as canas. Sabia que podia ser uma coisa temporária. Ao fim de poucas semanas, talvez duas, tinha uma bebé que dormia a noite toda. Noite toda, das 20h às 08h/09h. Raramente acordava e, a acordar, era para mamar uma vez, voltava a adormecer e assim seguia. Sabia o privilégio que era, por comparação com a Isabel, mas também por saber que o normal é acordarem. Normal, porque é um mecanismo inato, animal, de defesa. Portanto, o normal é acordarem várias vezes, a fim de "se protegerem". 

Mas eu andava feliz por ter, desta vez, uma bebé que me dava algum descanso (nunca tive aquela coisa de ir ver se estava a respirar, confiava e pronto), até porque assim poderia ir acudir a Isabel, sempre que tinha pesadelos e que me pedia para ficar lá a dormir. Raros foram os dias em que fiz piscinas, só  quando andaram ranhosas e com tosse.

Agora, já faz parte das minhas noites. Uma chora, vou lá, adormeço. A outra chora, volto, adormeço-a e volto à outra. Há dias em que não me custa. Há outros - hoje - em que fiquei super revoltada. Disse ao David: "estamos a criar um monstro igual ao primeiro". Claro que foi daquelas bocas que saíram a meio da noite, da boca para fora, quando o sono nos tolda a razão. Mas a verdade é que, desta vez, estava com algumas expectativas de que poderia ter um daqueles raros casos de lotaria em que teria um bebé que dormisse umas quantas horas seguidas (já nem digo noites, se bem que o sonho maior até era esse). 

Já me passou pela cabeça comprar uma cama de casal para pôr no chão no quarto da Isabel e ficar a dormir com as duas, tal é a minha vontade de dormir descansada, sem estar sempre de antena no ar a ver qual será a próxima a acordar e a ter de me levantar. Já pensei em pô-las a dormir no mesmo quarto na esperança de que se sentissem acompanhadas e dormissem melhor. Já tive esperança de que possa ser só uma fase da Luísa, um pico, ansiedade de separação, e que passe. 

Talvez seja melhor procurar umas palavrinhas sábias. Não estou a saber lidar muito bem com as sestas curtíssimas e com coisas que tenho (e quero) fazer. Há dias em que consigo discernir, desvalorizar, dizer que "faz parte". Há outros - como hoje - em que quero soluções. Que me confortem. 


Uma foto publicada por Joana Paixão Brás (@joanapaixaobras) a





Uma foto publicada por Joana Paixão Brás (@joanapaixaobras) a


Será que a teoria de que não se deve elogiar o sono dos bebés é mesmo verdade? ;) 


---------------------
--------------------- 
 
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Vamos mudar de escola. Está decidido.

Foi uma decisão que muito nos custou. 

Não é de ânimo leve que se fazem mudanças tão grandes. Ainda para mais aquelas que significam que tudo "deu para o torto" e que têm uma influência tão grande no crescimento da Irene. 

Lembro-me quando andei a visitar escolas com o Frederico no ano passado, estar a dar em doida por sentir que não tinha grandes critérios, parecia não ter "conhecimento de causa" e, por isso, sentir-me perdida. Tivesse eu encontrado, por exemplo, este artigo que me deram a conhecer no outro dia (obrigada, Ana). 

Fomos a imensas escolas, a maior parte delas tinha algo negativo perfeitamente incontornável para ambos: condições que deixavam a desejar, crianças com aspecto pouco feliz (não vos sei explicar mais do que isso) ou sítios onde parecia que o caos imperava (não o caos infantil - que acho positivo e expectável - mas institucional). 

De todas as que vimos, gostei imenso de uma onde senti que tinha criado uma ligação especial com a coordenadora pedagógica. Tinham imensas "mariquices" (senti isto assim e esse foi o meu erro, já tento explicar) que me agradavam, nomeadamente uma atenção virada para o desenvolvimento emocional da criança, com actividades em prática para tal - não sendo apenas uma coisa escrita ali no site e pronto. Tinham meditação de manhã, trabalho frequente com uma psicóloga (acho eu) que lhes apresentava as emoções e ferramentas, música à hora de almoço, etc. Faltava um bom espaço exterior. De todas as que vi, parecia-me perfeita. A partir daí nem liguei muito às seguintes. 

Uma das seguintes foi para onde foi a Irene. Quando entrei senti um frio grande na instituição. Senti uma organização extrema e disciplina, mas não senti aquele colinho que queria encontrar e que me deixaria mais descansada quando entregasse a minha filha. Lá tinha eu deixado a escola que estava dentro de uma quinta com animais para trás por visitar porque me tinham dito que não tinha bom aquecimento (apesar de não ser a que mais gostei, essa sempre me deixou com água na boca). 

Não me pareceu nada de tremendamente mal. A alimentação deixou-me triste em praticamente todas as escolas, ainda para mais nos casos em que diziam que as ementas eram supervisionadas por pediatras e ou nutricionistas. Pensei que teria de ceder nalgumas coisas e cedi. Além de que, quanto mais investigamos cada escola, mais feedback negativo aparece e acabou por acontecer isso com a minha preferida. Tinham saído de lá uma ou duas turmas para a escola que acabou por ser a da Irene. Engoli uns 30 sapos e porque "temos gente conhecida que tem lá os filhos e adora" e porque parece bem (ou porque "não parece assim tão mal e talvez eu esteja a ser maricas") lá ficou.

Fiz mal. O que eu queria, as coisas que eu procurava e que acabei por achar que eram "mariquices" de toda a gente me dizer que sim, eram realmente as coisas que eu achava mais importantes para a minha filha. Reparei agora à procura de uma nova escola para a minha filha em que, há mais frio, mas em que existem 1000 outras coisas pequeninas que me deixaram feliz, radiante, aliviada e expectante em relação ao futuro, ao crescimento dela. Senti que havia uma continuidade do nosso trabalho em casa e que não teríamos de estar constantemente a desdizer as coisas que eram feitas na escola ou de dizer "isso fazes na escola, aqui não". Tem de haver coerência. 

Quando dizem para ouvirmos o nosso "instinto", acho que é isto: fincarmos pé, especialmente connosco próprias e de não nos contentarmos com menos. Não acharmos que queremos demais. 

Como diz uma amiga minha da antiga escola da Irene (por quem estou muito apaixonada, digo já aqui ahah) "não vais encontrar a escola perfeita, é sempre preciso trabalho". Acredito que sim. Porém, uma coisa é o ADN da escola e temos mesmo de encontrar uma escola que vá ao encontro com os nossos princípios até para não ser frustrante para ambas as partes. Não digo que esta escola fosse má, há de ser excelente até porque essa minha amiga ama lá estar e tem lá os seus 59 filhos. Não é o que quero para a Irene. 

Quero amor, compreensão, empatia, escuta, conversa, cuidado, consciência, calma, respeito, jardim. Quero abraços espontâneos, explicações com vontade, ferramentas variadas e atenção. 

Quero muita coisa e, por isso, não me vou contentar com metade. Mesmo que custe ter que o explicar, mesmo que custe ter que mudar, mesmo que custe. 

"Para melhor, muda-se sempre". 

Acho que foi o que aconteceu. Sou das pessoas mais sensíveis que irão conhecer, é um facto. E este assunto é dos mais importantes para mim, é outro facto. Quando assisti ao que se passava nesta nova escola e que tudo, além de coerente, transpirava amor, senti que a minha vida tinha começado ali. 

Mudamos a Irene de escola principalmente porque já não vamos morar lá para o pé como tínhamos pensado (num futuro próximo), mas há males que vêm por bem. Estamos os três muito mais felizes, descansados e orgulhosos. 



Esta situação, apesar de desnecessária, também ajudou a que algumas das pessoas que achavam que os meus quereres eram "mariquices" (eu incluída) percebessem a importância de pequenas coisas como respeitar o ritmo de cada criança ou sua sensibilidade. 

Não parem de procurar. O que vocês querem é importante. 


Os putos estão a dormir? Ainda não fizeram tudo na sanita? Então leiam mais isto: 

Mais sobre a mudança de escola da Irene aqui

Quais eram os nossos planos aqui

:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

Isto também vos deixa tristes?

Desculpem. Não queria contribuir com algo negativo para o vosso fim-de-semana. Porém, como é mesmo a reflexão que ando a fazer desde há um dia ou dois, não consigo evitar. 


Cada vez julgo menos as mães. É injusto falar "à boca cheia" quando não conheço o contexto. A única coisa que gostaria é que todas nós conseguíssemos ter vontade de ganhar novas ferramentas para, quando chega o momento em que já não conseguimos pensar, conseguirmos optar. Optar por algo mais oportuno para ambas as partes, com menores danos (visíveis ou invisíveis) e com menos culpa e maior eficácia (mesmo que a médio/longo prazo). 

*We heart it 

Estou em vários grupos no Facebook (hoje mais uns 16 graças à Jhuaninha, ahah) e num deles - onde sinto que as mulheres são mesmo muito cruas e onde se criou um espaço de partilha sem cerimónias - fala-se de sexo, traições, inseguranças e até já houve uma menina que eu muito admirei que publicou algo a dizer que se sentia sozinha e que precisava de amigas. 

No meio de tanta partilha (umas que me fazem lembrar aquelas coisas que circulavam por mail nos anos 90 ou assim), encontrei um post que me deixou triste e que me deu vontade de refletir. Por motivos óbvios não digo o grupo, nem vou referir os nomes das participantes. Grupo fechado é fechado e é para respeitar. 

Houve uma rapariga disse "Digam uma frase que a vossa mãe dizia e que mais vos marcou a infância.". Já vai em mais de 600 comentários até ao momento da escrita deste post. Vou transcrever alguns (a mim também me deu vontade de rir de vez em quando na primeira leitura, confesso, mas depois deu-me mais para pensar): 

Nota: estou a seleccionar as mais comuns e as que mais me deixaram triste

"As meninas feias têm de ser simpáticas!"

"Engole o choro!"

"Nem mais um pio!"

"Quando chegar o teu pai vais ver!"

"Já chega de chorar, senão ponho-te a chorar com vontade!"

"Levas uma lamparina que até andas de lado!"

"Para de rir, para, olha que apanhas mais!"

"Se for aí e encontrar levas com ele na cara!"

"Viro-te a cara para onde tens o cú!"

"Vou-te partir o focinho!"

"O primeiro a chorar, leva!"

"Diz a verdade que a mãe não te bate... Pumba!"

Já sei que nem todas pensamos da mesma maneira e que muitas de nós pensam que "uma palmada na hora certa, blá blá". Porém, acho que quando tivermos uns minutos (ou presas no trânsito ou naqueles dias em que podemos ficar mais um minuto ou dois na sanita) podíamos pensar se isto tem tanta graça assim como poderá parecer à primeira vista. O que sentirá a criança em cada uma destas situações (que obviamente, depois de ditas 50 mil vezes, já não devem "furar" mais do que já está "furado")? E o que isto quer dizer de cada mãe em cada situação? 

Ser perfeito é impossível, mas nada nos impede de irmos crescendo também à medida que eles vão crescendo. Aprendi qualquer coisa com este post e queria que vocês também vissem algo especial como eu e que vos ajudasse a pensar, caso achem que precisem. Isto de tentar melhorar diariamente, reconhecendo os nossos erros acaba por ser um desafio engraçado e produtivo. Vemos os resultados diante de nós. É gratificante também. Talvez não seja no próprio dia, mas já não somos nós crianças de querer tudo logo na altura, não é? :) 

Gostei muito de um livro que me ajudou a ganhar algumas ferramentas para contornar (até agora) situações mais complicadas: é este. 


E "oiçam", não sou nenhuma expert, não sou a melhor mãe do mundo, hoje tive duas ou três situações delicadas com a Irene em que estive muito perto de me passar. Numa até me passei um pouco mais do que queria, mas amanhã é um novo dia e estou a fazer tudo o que posso.

Nota2: Às meninas do fabuloso grupo, não duvido que as vossas mães sejam maravilhosas e que tenham dado mundos e fundos para que vocês se tenham tornado nas mulheres que são hoje. O que é importante agora, poderá não ter sido o que era importante na altura e, mais uma vez, não julgo. Quero só propor que façamos melhor. Talvez, se elas fossem mães de crianças nesta altura, também tentariam fazê-lo. :) Ou, se calhar não e vocês virem-me a cara para onde tenho o cú. 


:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Não sou a mãe mais feminina de sempre...

Já fiz aqui várias confissões de que não sou a mãe mais feminina de sempre. Tinha medo de que, por isso, não deixasse a Irene ser a pirosa que queira ser, mas vai acontecendo naturalmente. Se ela mostra interesse por alguma coisa, passa a ser giro e divertido. Mesmo que isso tenha brilhantes, demasiado cor-de-rosa, muitas flores, asas de borboleta e que implique parecer que gosto de ir à Claire's. 

Pensei que a miúda fosse usar calças de fato-de-treino para sempre, que só a calçasse com ténis, que não tivesse paciência para lhe fazer tranças e totós. Porém, houve algo que se apoderou de mim: ela. 

Ela gosta, ela pede, eu faço. E aqui entre nós? Fica linda. Fica linda a ser pirosa. 

A avó Sílvia ofereceu-lhe uma caixa de maquilhagem, tremi a pensar na quantidade de toalhitas e banhos que teria de dar, mas nem correu mal. Foi giro. Lindo, piroso e ... adorámos.



























:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 25 de dezembro de 2016

Está de volta! Está de volta!

Tão bom o Natal voltar a ser entusiasmante. Lembro-me perfeitamente quando o Natal passou a ser uma coisa mais séria e sem magia. Eu já tinha crescido e já nem me ficava bem perguntar quando é que era para abrir as prendas. Continuava a jantar na mesa à parte com a minha prima e irmão (não cabíamos todos na grande - e ainda bem que assim podíamos falar do que nos apetecesse), mas já era diferente. Já era expectável que desse uma ajuda na cozinha e que não estivesse apenas a "fazer tempo" até receber qualquer coisa que tinha andado a pedir durante meses. 

Não é que tenha deixado de ser giro, mas foi quando o meu irmão cresceu que deixou de ter tanta graça. Já não acreditava que eu era o Pai Natal e, por isso, já nem desculpa para me mascarar tinha. Geralmente dizíamos que a "mana ia para a casa do pai" e lá aparecia vestida de pai Natal com uma barba improvisada por mim e cheia de algodão, o gorro puxado o máximo até baixo possível e umas calças de fato de treino vermelhas e uma camisola também. Tentava não ir muito além de um "Oh Oh Oh" porque tinha medo que ele me descobrisse. Achou estranho que o Pai Natal tivesse um swatch parecido com o da irmã, mas acho que nesse dia até passou. 

A abertura das prendas era às 22h, se não estou em erro. Pareceu que todos os Natais foram acontecendo mais rápido e mais rápido (mas nem por isso pelos melhores motivos, não sei). As minhas prendas, em princípio, até já sabia quais eram porque teria sido eu a escolhê-las ou algo do género. Já não havia surpresas. Um pijama para aquele, umas camisolas da Ericeira para o mano, livros de história para o padrasto, coisas de mulher para a mãe e para a prima, serviço de loiça para a tia...

Irene em frente à árvore de Natal
Juro que não pedi para fazer pose de "tenho xixi".


Agora, o Natal voltou. Ainda estamos em modo part-time. Não achei que fizesse sentido fazer jantar e esperar até à meia noite pelas prendas com uma miúda de 3 anos com uma família tão pequena e, então, no dia 24 (ontem, quando estou a escrever este texto) fizemos um lanchinho cá em casa com os sogros. À última da hora indaguei onde estaria o meu pai, madrasta e o irmão Tiago e convidei-os a passarem por cá. Ainda bem. Ficou um 24 muito mais composto e fiquei com o coração muito mais cheio, como antigamente. Falou-se alto, riu-se muito, deram-se prendas, houve surpresas, comida a mais, música de Natal a tocar, foi mágico. Por mim, fechava já a loja, mas sei que hoje, 25, no lanche em casa da minha mãe, a história vai repetir-se e é um privilégio ter dois Natais com tanta magia.

Há "males que vêm por bem" e já nem me lembro do mal que levou a que houvesse tanta família para a Irene conhecer e que me trouxe duas das minhas pessoas preferidas: o João (meu padrasto) e a Bibi (minha madrasta). 

Natal em família
Pai, Bibi, Tiago, Frederico, Celina, Virgílio e Irene. 

Coisinhas que podem ter achado giras: 

Vestido da Irene - Boboli 
Lacinho - Lost Colours
:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Vocês, mães, são mesmo espectaculares!

Ontem desabafei sobre o caos do meu dia, do nosso dia, aqui. Choveram comentários, aqui e no Facebook, que me alentaram. Não tinha grandes dúvidas de que se há qualquer coisa que nos une, a par de metermos criancinhas no mundo, é uma generosidade que nos faz abraçar, mesmo que virtualmente, outras mães. Pelas partilhas do texto, percebi que fiz também isso. E vocês retribuiram. Sou-vos tão grata! Foi esta sensação de não nos sentirmos tão sozinhas nesta missão de criar os nossos filhos, de não sentirmos que somos umas falhadas, que acontece a todas, que nos limpa as lágrimas, nos dá um abanão e nos põe a andar para a frente. É o que nos faz varrer da cabeça ideias erradas a nosso respeito, permite-nos ganhar novo fôlego e acreditar. Em nós e nos nossos filhos. Eles não estão estragados, faz parte, nós não estamos estragadas, estamos apenas cansadas, faz parte.

Obrigada, a todas, pela empatia.


A photo posted by Joana Paixão Brás (@joanapaixaobras) on



Não se admirem se não houver posts meus nos próximos dias. Tal como no nosso trabalho, quando eles estão doentes, faltamos. Eles primeiro.

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Se estivesse em teste de maternidade hoje, chumbava!

Se isto funcionasse assim, com notas a atribuir, com escala de zero a vinte, eu hoje teria chumbado. Foi um "dia não" para aquilo que são os meus limites do razoável nesta coisa de ser mãe. Não fui capaz de pôr para trás das costas, não fui capaz de respirar fundo o suficiente, não suportei as birras, gritei, chateei-me, fiz birra e não peguei na Isabel ao colo quando ela mo pediu, mesmo podendo. Quis mostrar-lhe que estava zangada, como se isso fosse resolver o que quer que fosse. Só que ela estava adoentada. A irmã também (ainda sem perceber bem com o quê, ranho e tosse). Não consegui gerir ter duas filhas em casa mais carentes, dar almoço, pô-las a fazer a sesta, dar mama, dar colo, brincar, fazer jantar, não deixar a lareira apagar, ir limpar o rabo a uma enquanto a outra fazia uma birra de morte. Deixei queimar o jantar, a Luísa caiu do sofá(!!!) - valeram-nos umas almofadas que estavam no chão - a Isabel tanto dava beijos à Luísa, como lhe dava estalos. Quando a minha mãe me perguntou se precisava de mais alguma coisa em casa, além de pão, respondi "uma pistola". Para mim não é fácil e eu não me aguentei nas canetas. 

Quando ouvirem por aí outras super mães ou avós dizerem que os filhos são uma delícia, que se portam muito bem, que não admitem birras, que com elas eles "não fazem farinha"; quando virem por aí fotos de miúdos todos aperaltadinhos, sorridentes, com uma auréola a sobrevoar as cabeças, quartos brancos imaculados, e tudo saído de capa de revista, não acreditem. Por detrás daquilo tudo, há - quase de certeza - uns gritos, uns choros e uns nervos. Pelo menos, é no que acredito para me sentir um bocadinho menos mal quando a coisa descamba. E por aqui descamba muitas vezes, mais do que as que gostaria. Hoje descambou. Amanhã se verá. 
Ter consciência disto, pensar no que poderei melhorar amanhã para minorar o filme de terror em que somos todos obrigados a entrar, faz-me bem. Hoje chumbava mas, felizmente, não é assim que se mede os nossos papéis, vocações, relações. 

Coisa mais boa. Ela e a irmã. Mesmo quando dão comigo em louca.

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Ela foi sem mim... sniff...

...e eu fiquei totalmente apardalada. 

Pode ter sido por ter sido "criança de casa" até aos 2 anos. Pode não ter sido por nada. Podem, se calhar, todos serem assim, pode só ser ela. No final de contas, pouco importa. 

A Irene é (muito) apegada a mim. Ponho o "muito" entre parêntesis porque acho que é o normal e o desejável para uma filha e uma mãe e ainda para mais nesta idade. Não acredito em "mimos a mais. Acho saudável que a criança saiba do que precisa para estar bem. Precisa da mãe. Poderia precisar da chucha (não usa), da fralda (só usa a do rabo) ou do coelhinho (que só usa para dormir), mas quer a mãe e a mãe está cá é para isso. 

No entanto, quando passa por fases em que a angústia de separação está aos picos, torna-se tudo um pouco cansativo para todos. O pai não pode fazer nada porque só quer a mãe, quando saio de casa é uma birra enorme, quando sai ela também, vai aflita para a escola porque tem medo que "a mãe não a vá buscar ao colo"... E eu, às vezes, vou com muita vontade para o trabalho só para a deixar de ouvir um bocadinho! 

Porém, vou tentando que ela vá abrindo asas e que vá estando com outros. Ao fim-de-semana costumo deixá-la a dormir para acordar com uma das avós (acorda sempre triste, adormece a perguntar se lá estarei quando ela acordar, quando acorda e pergunta se eu estou, volta a dormir para fazer tempo até eu chegar) e incentivo sempre a que faça coisas com o pai, sem forçar, claro. Não quero que não se sinta desejada e acho que as relações têm que ser naturais. Para já anda numa fase de mãe, mas daqui a uns tempos vou sentir falta dela quando só for "menina do papá", apesar de ficar muito feliz por os ver juntos. 


Neste domingo, o Frederico tinha de ir às compras e já que eu já estava meio apanhada da garganta, perguntei se a Irene queria ir. Disse que sim. Vesti-a e foi. 

Estive incrédula e histérica o tempo todo em que a estive a arranjar e fiquei foi plenamente em choque depois de saírem. Fiquei sozinha em casa porque os dois foram passear. Os dois felizes e até enquanto iam fazer compras. Que maravilha. Que felicidade e... que tempo livro para fazer o quê?

Arrumar a casa. 

Vocês sabem como é. Fiquei super contente e tão mas tão feliz que... aproveitei para dar "aquele jeitinho". 

Aos poucos isto vai lá (claro, não quero que a minha filha faça a figura do outro do Big Brother que deu linguadões à mãe quando estavam no confessionário), mas tudo a seu tempo, ritmo e consoante as necessidades da Irene. 

Nunca fui a favor de empurrar para a piscina para aprenderem a nadar com a adrenalina. Não é a minha onda. 

Agora a minha missão secreta é que isto se torne uma rotina. Se for sempre o pai às compras também é o cartão do pai que vai passear. ;)

Das melhores fotografias que já recebi:



Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.


                                           O nosso canal de youtube é este 

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

"Não quero a mãe!"

Doeu-me. Muito. Na alma. Nunca a tinha ouvido expressar tal coisa. "Não quero a mãe". Assim. Com um olhar duro. Assim que cheguei à sala dela, na escola, para a ir buscar. Chorei por dentro. Fingi que não. O meu lado mais optimista procurou o humor. "Olha, isto é para me preparar para a parvoíce da adolescência, quando gritar do quarto que me odeia", pensei para os meus botões. Não correu para mim, não ficou feliz de me ver. Não foi a primeira vez, mas desta vez disse-o. Fiquei ferida. Mesmo tentando desdramatizar, mesmo sabendo que me adora mais do que ninguém. "Vá, Isabelinha, vamos para casa, amor." "Não quero ir para casa". Okay, não é novidade. Nunca quer ir para casa, adora a escola e quer ficar sempre mais um bocadinho. Mas ultimamente demoramos uma eternidade a sair. A Luísa cansa-se, choraminga por levar com uma enxurrada de mãos e apertos e festinhas dos colegas da sala, e nem perguntando se quer ir ao pão ou à loja da fruta a convenço. É difícil. Depois de lhe dar tempo, é tempo de ir. Corre pela escola, foge, não quer ir ao colo, não quer entrar no carro, não quer ir na cadeira. Eu, que até lhe consigo dar a volta tantas e tantas vezes, não tenho conseguido. Todos os dias, sempre que sou eu a ir buscá-la, é um número de circo para a levar para casa. Já sei que há birra certa no carro.

Mas desta vez foi diferente. Pior, muito pior. Eu estava a pensar em tudo o que poderia estar a fazer de errado. Perguntei-me baixinho, por entre o choro alto da Isabel, que interrompia para dizer que queria ir à Susana (a educadora), o que estaria a fazer de mal. Quis saber o porquê daquela repulsa. Não era suposto, depois de tantas horas separadas, ela querer ver-me, estar comigo, brincar comigo? Não querem todas as mães ser recebidas com um enorme abraço? Serão ciúmes? Estarei a dar-lhe pouca atenção? Por que razão se contorce toda e chora como se não houvesse amanhã, aos soluços, quando tento prendê-la na cadeira? Por que razão não colabora? Acabo por aleijá-la, às vezes, ao prendê-la à força e, depois de tanto tempo aos berros, às vezes acabo por perder a calma e dizer-lhe que estou zangada e triste, levantando a voz. Já lhe pedi que se calasse também. Já gritei por cima. É extenuante.

Viu-me chorar. Chorei muito e não escondi. Quando saímos do carro quis ir ao meu colo e deu-me abraços. Muitos. Perguntei-lhe o porquê, e ela, de nariz vermelhinho de tanto chorar, deu-me um beijo e fez um som querido. Foi o pedido de desculpas à maneira dela.

E agora? Vai ser sempre assim? Faz estes números comigo por se sentir à vontade? Por saber que o meu amor é inesgotável? Por saber que não fujo? Mas... até quando? O que se está a passar?

Tento, nos meus momentos de tristeza e de ira, lembrar-me de que ela é um bebé, para fugir à tentação de a tratar como uma adulta e exigir-lhe sensatez e controlo, quando até eu o perco. Já me apeteceu esbofeteá-la. E ontem, o meu lado mais irascível estava a apoderar-se de mim e eu só queria que parasse, até porque aquilo me estava a assustar e à Luísa também. Parecia um animal ferido, a gemer. Quase lhe ouvi os uivos.

Não sei o que lhe acontece nesses momentos. Só sei que tenho de ajudá-la. Alguém me consegue ajudar a ajudá-la?



Sigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras
E o @aMaeequesabe também ;)
O nosso canal de youtube é este.