Mostrar mensagens com a etiqueta dormir. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta dormir. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 21 de maio de 2018

A minha filha quer dormir no chão (no chão mesmo!)

E por chão, entenda-se chão mesmo. Tapete no máximo. Se lhe ponho um edredão ou colchão fininho, na tentativa de lhe dar mais algum conforto, ela recusa.

Eles têm com cada mania, não têm? A Luísa tem sido uma caixinha de surpresas.

Já pensámos que pudesse ser calor, mas mesmo com pouca roupa, a meio da noite - e às vezes logo ao início - pede para ir para o chão. Às vezes nem pede e vai sozinha. Com ou sem almofada.


Será de ter começado a dormir no chão no colégio? Será que lhe dá mais segurança?


Não faço a mínima ideia, mas eu cá não gostaria de estar a dormir nem sobre o soalho, nem sobre um tapete. Não acho sequer muito higiénico, se me ponho a pensar nos ácaros e bichezas que por ali andam (não aspiro todos os dias...). Às vezes lá aceita que ponha o lençol sobre o tapete, mas é sempre um forrobodó durante a noite. Ainda por cima ela é bem espaçosa e já chegou a enfiar-se debaixo da minha cama! Ahah isto é de loucos.

Decidi escrever este post na esperança que me dissessem que conhecem o filho do primo do enteado do leiteiro que também tem a mesma mania e como a solucionaram. Mesmo não sendo um problema, não é nada de especial, não faço ideia do que faça: deixo que a panca lhe passe, ponho um colchão maior no chão...?

A Isabel dorme numa cama daquelas montessoriana no chão mas, já aconteceu, a Luísa ir lá ter a meio da noite, mas quando acordámos já estava no chão mesmo. Propositadamente (sim, não é por cair)...


Coisa mais fofinha de sua mãe

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Adormeço as minhas filhas. Até quando? Até deixarem de querer.

Já estive em todas as fases: a fase de desespero, quando ela demorava muito tempo a adormecer e eu tinha toda uma vida para acontecer; a fase de adorar, quando não tinha nada para fazer e adormecia com ela; a fase de ter duas para adormecer e de ficar um bocado ansiosa se a primeira (a Luisa) acordava a meio de adormecer a segunda; e agora a fase em que me sabe muito, mas mesmo muito bem os minutos que tenho só para a Isabel antes de a adormecer, as conversas tão divertidas que temos, as novidades que escolhe contar na cama, as coisas bonitas que me diz nesses momentos e quando me dá a mão e fico a ouvi-la respirar e adormecer, serena.

Claro que já desejei ter filhas que se despedem na sala e que vão sozinhas para a cama. Claro que já desejei despedir-me com um beijinho, aconchegá-las nos lençóis e dizer “dorme bem e até amanhã” e sair do quarto. Claro que já me passei da cabeça quando, ao fim de não sei quanto tempo, ela me pede água ou creme ou tem calor ou comichão ou... vocês sabem. Custa-me muito quando adormeço e tenho coisas para tratar. Mas passou a ser menos difícil a partir do momento em que assumi que as minhas filhas (ainda) precisam de se sentir acompanhadas para adormecer e, por vezes, até para readormecer. A Luísa ainda dorme no nosso quarto, por isso, diria mesmo, que ainda necessita de companhia para dormir. É o que é. Alguns diriam que as habituámos mal, eu prefiro acreditar que respeitámos as necessidades delas. Ter isso em mente facilita todo o processo.

Adorei adormecer a Isabel esta noite. Rimo-nos muito quando eu vesti as calças de pijama do David e ela me chamou papá. Disse-me coisas lindas antes de dormir e eu a ela e demos as mãos. Foi o momento cúmplice do dia. Gostei de adormecer a minha filha de quarto anos. Enquanto ela quiser, assim será. Eu sou das que gosta de dormir acompanhada, por isso percebo-as bem. Enquanto me quiserem, ter-me-ão.*


* o pai também as adormece, vamo-nos revezando
Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Dormem com as vossas filhas? Péssimo hábito!

Se da primeira filha ainda levava em consideração algumas opiniões sobre coisas para as quais nem sequer pedia opinião, da segunda, não quero nem saber. Estou mais forte, mais confiante, mais segura. Continuo com dúvidas, há sempre escolhas a fazer, mas já não levo nada a peito. Já sei que faz parte. Que toda a gente tem algo a comentar sobre todas as escolhas e hábitos que temos enquanto família. Que toda a gente tem verdades feitas e que se baseiam nas suas histórias ou em histórias circundantes para criar regras e leis. 

Se há coisa que percebi nestes meus quatro anos de maternidade é que cada criança é uma criança e CADA FAMÍLIA É UMA FAMÍLIA. E que o que resulta para uns pode não resultar para outros. E que não há um certo e um errado. E que os médicos não têm de opinar sobre determinados assuntos, ou melhor, podem opinar mas a escolha vai ser sempre nossa.

Já não me lembro bem em que mês me disseram, numa consulta do médico de família, que já era suposto a Luísa ter o quarto dela. Numa das vezes ainda argumentei. Dadas as vezes que ela acordava, era preferível assim, para descansarmos todos melhor. Claro que tentei outras opções, mas não resultaram. Da segunda vez, sorri, disse que estávamos a tratar disso, e seguimos com a nossa vida. Da terceira vez, menti. Não me apeteceu dar explicações que não iam levar a lado nenhum. 

A verdade é que dormimos com as nossas filhas. Às vezes com as duas. Às vezes só com uma. Vamo-nos adaptando às necessidades delas. Às vezes estamos sozinhos na cama e acordamos quatro. Às vezes adormeço-as às duas e fico a dormir com as duas. Fazemos uma espécie de jogo das cadeiras com as camas.

Claro que isto seria inconcebível para outras famílias e não quer dizer que estejam erradas. Isto é o certo para nós.

Claro que eu preferiria que lhes pudesse dizer "boa noite, até amanhã", saía do quarto, beijinhos e lá elas adormeciam sozinhas e acordavam às 8h da manhã e ao fim-de-semana às 11h. Mas não é assim que elas funcionam, não são essas as capacidades e necessidades delas. E nós temos respeitado isso. A Isabel já faz noites seguidas, mas às vezes tem pesadelos ou xixi e acorda. A Luísa acorda todas as noites, mais do que uma vez. Às vezes mama outras vezes aceita o pai (e isto já é uma vitória, acreditem). Dormirmos juntos, a três ou a quatro, ou dois a dois, tem sido a solução para DORMIRMOS TODOS o melhor possível. Essa é a nossa prioridade. No outro dia diziam-me que era um péssimo hábito.  

É preconceito nosso.
Em muitas culturas, o co-sleeping é natural. E cá em casa é o que resulta melhor. Sem culpas, sem receios, sem achismos de que as estou a estragar. Amor nunca é demais. Respeito pela tranquilidade deles nunca é demais. 

E o casal?
Se não dormíssemos de todo é que dificilmente haveria vontade para sexo. Assim, o casal é capaz de se reeiventar, usar a imaginação e até se torna mais criativo.  

Por isso, e sabendo que esta será uma situação provisória, que durará apenas alguns anos, está tudo bem. Sem pressas. 

Péssimo hábito? Péssimo hábito é opinarmos sobre a vida dos outros. 


Almofada Ipi's
Colcha Zara Home
Coroa Momentos com Design
Álbum personalizado: Alboom Pic
Barra lateral: não faço ideia, foi emprestada, mas faz parte da decoração :)









Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:



quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Como dizer que não a isto?

Como dizer que não à miúda que acorda às 6h da manhã (e, portanto, agradeço continuar a dormir) e que diz: "mãe, quero ir para a tua cama?". 

Por muitos livros que leia, muitas coisas que os psicólogos, pediatras, blá blá blá digam... Não consigo.

Sim, filha, podes. 

Teve de tomar o pequeno-almoço na escola, ir no carro a comer qualquer coisa, hoje não tivemos tempo para calma porque dormimos até às 8h30, mas... sinto que quase que não há melhor que isto. 

Hoje. Por agora.



a Mãe é que sabe Instagram

domingo, 11 de junho de 2017

Primeira noite com ela na casa do pai (e primeira noite sem ela).

Há uns bons meses, quando fantasiava com a primeira noite sem a Irene, estava longe de imaginar que seria por me ter separado e por ela ir dormir à casa do pai. Apesar de termos concordado que fico com a custódia dela, que ela vai fim-de-semana sim, fim-de-semana não para a casa do pai, todas as sextas e durante a semana sempre que o pai quiser (desde que a traga a hora de iniciar a rotina de sono), as coisas têm ido devagarinho.  

Assim que o pai teve o quarto dela pronto na "casa do Pai", fiquei entusiasmada por poder incentivar a dormida. Não quero que ela perca a ligação com o pai enquanto cuidador e fique só pai "de fim-de-semana". Tudo isso depende da relação que construirem os dois, mas dormir em casa do pai é fundamental, o pai cozinhar para ela, dar-lhe banho, verem os dois televisão, fazerem planos... 

Estava feliz por ambos e ainda estou. A Irene precisa de sentir o toque do pai, o cheiro do pai, ouvi-lo gargalhar, fazer as brincadeiras que só eles sabem, sentar-se no colo do pai, pentear o pai, pregar-lhe sustos, ver o amor profundo nos olhos do pai... Só se vêem essas coisas estando, sentido, com calma. 

Ontem foi a primeira noite na "casa do pai" e foi também a nossa primeira noite separadas. Estava confiante que iria ser simples, mas não foi. Quando a deixei lá, ele fez-me notar que dei umas 3 vezes o mesmo recado e acabou por me sair (surpresa) "isto não está a ser fácil para mim". Facilmente me desfiz em lágrimas enquanto "corria" para a saída (a Irene não viu nada) e disse: "é a primeira vez que durmo sem ela, não é fácil". 

Dei-me uns minutos de tristeza esquisita. Porque não era tristeza, era... Desconforto. Fui eu que incentivei a dormida, quero muito que ela durma mas... e quando chegasse a casa e visse o quarto dela vazio? 

"Ela está com a outra melhor pessoa para cuidar dela em todo o mundo".

Segui e fui correr. Corri 5 kms e passou-me (reportagem no meu stories no meu instagram). Fiquei feliz pelos dois, apesar de ter sido difícil adormecê-la. Ela percebe que quando está com o pai que é o tempo dos dois e que, quando está comigo também. Não chamou por mim. E por que haveria de o fazer? :)

Voltou hoje às 11 da manhã. Tranquila. Descansada. Sem saudades minhas. Feliz. Pronta para outra e eu também.  






Coisinhas giras: 

Fotografias - Joana Hall


Colar do coração e brincos - Our Sins 

Relógio - Timex 


Para ler: 


✩✩✩✩✩✩✩✩✩✩

Sigam-nos no instagram 
aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 



domingo, 23 de abril de 2017

Já sei porque é que dorme a noite toda!

Não!!! Não façam essa cara! Não sou como aquelas mães todas saudáveis e com uma pele óptima que dizem tranquilamente (sem terem a felicidade devida, porque não sabem o quanto custa viver) "o meu sempre dormiu a noite toda". Aliás, quem lê este blog antes de ser o "cagão" que é agora com tanta gente a ler (e que me deixa toda orgulhosa e envergonhada quando vêm ter comigo  - adoro, mas "não sei lidar", como diz uma colega minha de 20 anos) sabe perfeitamente que eu, das duas que escrevem, sou a que tem a cabecinha mais fritinha e que não ajudaram as noites sem dormir em condições.

Foi das coisas mais difíceis de sempre o "tentativa e erro" para ver o que se passava com ela para acordar desde "se calhar está muito _______" - inserir: quente, fria, esfomeada, cheia, estimulada, sozinha...

Fiz de tudo e mais alguma coisa, leiam aqui tudo o que já escrevi sobre sono no blog (quanto mais para trás, mais desesperado). A Constança ajudou-me imenso mas, no nosso caso, as coisas persistiram, mais calmas, claro (porque eu fiquei MUITO mais calma desde que fui à consulta com a Constança), mas factos são factos e o que é facto é que a minha filha ainda acordava de noite. 

Aí está: é normal eles acordarem de noite. Podem é re-adormecer sozinhos ou não. No caso da Irene, muitas vezes era não. Mudei o meu mindset, passei a aceitar este meu destino em vez de tentar mudá-lo (muito mais serena depois do toque da fada - credo, sempre que escrevo ou penso a palavra toque, o meu pipi contrai-se). 

E, de repente, o tempo passou mais rápido. As noites mal dormidas já não eram um peso enorme ou um motivo para ter pena de mim própria, mas passaram a ser parte da família. 

"De repente" passou a dormir a noite toda. O de repente está entre aspas porque ela tem 3 anos. Isto não é um "de repente". De repente é, por exemplo, a facilidade com que se põe aquilo para fazer uma endovaginal sem haver um jantar antes. Isto foi mais um: "não estava à espera". Não estava. 

Agora, nalgumas noites, dorme desde as 20h30/21 até às 6h30 e sinto-me abençoada. Não acordo muito mais descansada (não sei porquê, na volta até já estava a gostar de não dormir), mas acordo numa de "fase nova, fase melhor". 


Já sei porquê! Porque está pronta. Porque lhe faz sentido. Porque fez 3 anos e é por volta desta idade (leiam Brazelton, por exemplo - obrigada, Joaninha) que se dão imensas mudanças e que terminam outras e, por isso, de momento, o cérebro dela parece-me mais calminho - até à próxima, claro. Também tudo melhorou depois de a ter mudado de escola, verdade seja dita. 

Às vezes não somos nós que não os tapamos, que não escolhemos o pijama certo, que não sabemos qual é a temperatura do quarto, que não devíamos ter deixado que eles vissem aquele desenho animado que nos deixou dúvidas, que... às vezes são eles a crescer. Ajuda-me compreender como é que ela funciona. E agora já sei porque é que dorme a noite toda (de vez em quando) e porque é que dantes não dormia. 

Como andam vocês por aí? 

A Irene e a avó, minha mãe, hoje à tarde. 



Recomendo vivamente: 

Os Bebés também querem dormir - leiam aqui o que escrevi sobre ele. 

De tudo o que leiam na internet ou mesmo que esteja nas estantes, não deixem que o desespero vos tolde o coração. Se sentem que não é suposto e que vocês e os vossos filhos estão em sofrimento, não o façam. Amor é sempre a palavra certa. Por vocês, por eles... 


Vestido da Irene - Tuc-Tuc

...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

terça-feira, 21 de março de 2017

Então e já dorme no quartinho dela?

Não, não dorme. Dorme no quarto dos pais e estamos todos bem com isso. Não temos pressa.

Não foi bem assim que respondi na consulta, mas devia ter sido (a resposta à minha resposta foi algo como "já devia ter sido"). Não sei porquê amedrontei-me, como se estivesse a fazer alguma coisa errada, talvez porque são muitos os anos de formatação e de "tem de". 

Já vos tinha dito aqui que a Isabel foi para o quartinho dela com 3 meses e, apesar de me parecer na altura benéfico para todos, porque de facto durante uns tempos dormimos melhor porque ela acordava menos para mamar ou com os roncos do pai (eu não disse isto, ele não ronca... não...), depois acabou por ser mais chato para mim, que tinha de me levantar para lhe ir dar de mamar no cadeirão, despertava bastante e depois custava-me voltar a adormecer. Ficava com o braço dormente a tentar readormecê-la, curvada sobre a caminha, às vezes depois de estar imenso tempo com ela ao colo. O David também lá ia, íamo-nos revezando. Uma noite estatelei-me no chão no percurso até ao outro quarto, não sei o que me aconteceu mas até hoje acho que adormeci no caminho. Não me lembro sequer de me ter levantado.

Agora? Agora temos uma filha mais velha que ainda acorda uma ou duas vezes por noite (a não ser que nos sinta por perto), temos uma bebé de 9 meses que, depois de dormir a noite toda durante 6 meses, agora acorda algumas vezes e que pede mama, por isso - e sabendo que se acordam uma à outra - queremos minimizar estragos e queremos, acima de tudo, DORMIR. Por isso, metade da noite a Luísa dorme na cama dela, no nosso quarto, o tempo restante na nossa cama, ora com o pai, ora comigo, ora com ambos, quando não estamos cá e lá. Parece o jogo das cadeiras, mas não nos importamos. Já assumimos que faz parte e, felizmente, apesar de acordarmos durante a noite, não temos grandes dificuldades em a readormecer e em readormecermos.

Até quando? Não sei, mas não temos pressa. Um, dois anos? É a velha história "não há de ir para a faculdade e dormir ainda na cama dos pais". Quando acharmos que vamos todos, em conjunto, beneficiar da mudança de quarto, assim o faremos. Para já, está bem assim. 





............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.