Mostrar mensagens com a etiqueta ginásio. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta ginásio. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Desafio: até ao verão de 2018 ficamos gostosonas.

Vá lá, eu bem sei que não devia fazer este título. Que o mais importante é a saúde. E bla bla bla. Mas isso já todas sabemos, certo? Não vou estar aqui a enganar ninguém. Quero, a par de tudo, ficar gostosona. E, para mim, é mais fácil ficar gostosona se tiver amigas que também queiram ficar gostosonas. :)

Há por aí quem queira abarcar neste desafio comigo?

DESAFIO: até ao verão de 2018 ficamos gostosonas (inspiração na Pipoca mais doce que está um arraso) 


1) temos de ter cuidado com a alimentação. Levei-me pela onda "ah é verão e tal, é preciso é viver e ser feliz" para me desculpar de todos os estragos e de todo o pão com queijo amanteigado ou molhado no molho das ameijôas, de todos os gelados e bolachas e bolos e de todo o leite com café. Nem me pesava para tentar ignorar. Até acharam que eu estava grávida, tal foi a forma como a minha barriga inchou. Pesei-me no ginásio e aumentou massa gorda, aumentou a massa magra, toda eu aumentei. Vou ter mais cuidadinho, sem extremismos.

2) temos de mexer o rabo. Se não conseguirem por questões de orçamento ou de disponibilidade ir para o ginásio (tenho a sorte de estar no SCAPE, em Santarém, com óptimas instalações e profissionais e ambiente, o que é já 20% de motivação extra para não me deixar levar pelo sedentarismo), tentem arranjar 30 minutos diários para uma caminhada (ou correr) ou então treinem em casa. Há imensos canais no Youtube: este por exemplo, com imensos treinos que vos vão deixar a pingar ou este. Comprem uma corda na Decahlon e saltem (para ver como elas mordem ahah). Façam prancha (jesus me valha, que custa tanto).

3) temos de acreditar em nós. Os resultados mais consistentes são os que demoram mais a chegar. Não vale a pena começar com intensidade 100, desmaiar de cansaço, fechar a boca com dietas parvas (já sabemos que é a comer - e bem - que se perde peso de forma consistente, mudando hábitos de toda uma vida) para depois nunca aprendermos a gostar de exercício nem a gostar de comer bem. Não pensem que são as únicas a dizer "odeio isto", "não sou capaz", "que se lixe". Tudo requer tempo. E é no processo que aprendemos sobre nós, sobre o nosso corpo e vamos percebendo que afinal até somos capazes. Somos. Temos de acreditar em nós.

O que posso fazer por vocês? Querem que partilhe sempre que possa o que como e que exercício faço? Gostava que o fizessem também, em comentário. Pode ser? Dão-me as vossas dicas? 

Juntas somos mais fortes! 
(Quantas vezes preciso de motivação...).

#ateaoveraode2018ficamosgostosonas



www.instagram.com/joanapaixaobras
a Mãe é que sabe Instagram

domingo, 14 de maio de 2017

A minha dieta e o exercício que faço?

Comecei, como já vos tinha contado aqui, a fazer exercício físico de forma mais regular (esta semana consegui ir duas vezes (Obaaaaaa!), sábado inclusive. Teria ido três se o meu carro não tivesse dado o berro (deverá ser alternador e bateria...) a meio da semana. 

Comprei uma corda de saltar e já usei os degraus de casa para fazer mais qualquer coisinha ao longo da semana, mas confesso que em casa ainda não entrei no espírito (logo entrarei). 

Para já estou a adorar estar no ginásio: ando no Scape, scalabitanas que me seguem! Aconselho muito porque, apesar de eu não ter PT, os instrutores são muito presentes e atentos e o director técnico é muito experiente e motivador, além do ambiente ser fantástico. As instalações são excelentes (ainda não experimentei a piscina e a sauna, mas está para breve). Apesar de no último treino me ter apetecido falecer e ter dito 3 vezes para mim "odeio isto!" com as pernas todas a tremerem - estou mesmo em baixo de forma, mas vamos lá com calma - adoro sentir as dores nos dias seguintes. Serei masoquista? Não sou grande fã de máquinas, por isso estou no sítio certo: têm um placard diário com treino metabólico, funcional, com exercícios em circuito, muito diversificados e giros.

Zonas onde noto mais diferença: barriga e cara. Pernas também.

A juntar-se a este meu regresso ao ginásio, estou a fazer uma desintoxicação desde 5a feira - Whole 7- que vai durar 7 dias e em que estou a ser rigorosa: não entram processados, açúcares adicionados (não há cá nem mel nem açúcar de côco), lacticínios e cereais. No segundo dia, o corte com o açúcar deu-me algumas cores de cabeça (aí é que temos mesmo noção da droga, do vício...), mas ao terceiro já estava fina. Notei logo perda de peso na balança (sim, não se deve pesar com tanta regularidade nem o peso é o único indicador que se deve ter em conta, mas ajudou muito ver que estava no caminho certo e arranjei mais motivação para sobreviver às tentações que há nesta casa).

Desculpem se forem feet haters (e os meus ainda por cima são feiosos). Estava com 69,5 na 5a feira.

Cá estão algumas das minhas refeições nos últimos 4 dias (os dois de cima são pequenos-almoços; as do meio são porções familiares). Vão desde caldeiradas a peixe no forno e batata doce com alecrim, bifes, saladas e sopas. 


Falta aqui o meu preferido destes dias: beringela recheada com carne picada, cogumelos e tomate a a acompanhar com uma saladona que além de canónicos e alface, levava azeitonas e abacate. Estava maravilhoso. 

Ando muito motivada :) Mesmo com uma ida ao shopping (com almoço) e um almoço fora, consegui fazer boas escolhas. Depois destes 7 dias, voltarei ao paleo descomplicado, com as minhas incursões ao arroz selvagem (e de vez em quando ao sushi), à aveia, ao iogurte grego, etc, etc - e a uns disparates, que não sou fundamentalista e acho que, se tivermos cuidados na maior parte das vezes, podemos bem dar umas facadinhas de vez em quando! 



Podem ver mais infos do Scape Health & Medical Spa aqui no site (se já andarem por lá, avisem, para nos encontrarmos). ;)


............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Antes de sermos Mães somos Mulheres e quem diz o contrário está a mentir.

Era tema para horas de discussão, mas acompanhem a minha reflexão e depois decidam por vocês.

*fotografia Ties para a campanha da Zilian

Acredito que para as mulheres que, antes de serem mães, não iam ao cabeleireiro, não frequentavam um ginásio, não sentiam necessidade de ter tempo só para elas de qualidade e fora de casa, não eram fãs de jantar fora ou de uma ida ao cinema, não tinham grande vida social e não tinham assim grandes interesses fora do trabalho ou da relação, não é no pós-parto que vão sentir essas necessidades. 
Para quem gostava de programas e se cuidava, o pós-parto pode ser um grande filho da mãe. Enquanto andamos ali inebriadas com o cheiro do bebé, com aquele quentinho, aquele colo que lhes damos mas eles também nos dão, com aquelas descobertas - e aquele sono e cansaço - tudo o que não nos apetece é ter Mundo. Aquele é o nosso Mundo. É tudo demasiado intenso para querermos colocar mais coisas na equação e está bom assim. Mas, depois que passa esse furacão (cada mãe terá os seus timings e as suas necessidades, claro), começa a apetecer-nos espairecer. Para umas, será um jantar a dois, um encontro de amigas, uma ida ao teatro, uma hora por semana num ginásio, ou duas ou três. Para outras serão umas férias num sítio bem longe. Para outras, meia hora numa banheira é suficiente para se evadirem e relaxarem e voltarem à carga. 

É certo que passamos a fazer mil programas onde os podemos e queremos incluir, mudamos muita coisa, recusamos muitos convites, mas também sabe bem, de vez em quando, não andar com as malas e as fraldas atrás.

No pós-parto da Isabel, achei por bem ir uma vez comprar roupa à Primark e à Zara tinha ela umas 3 semanas e correu tudo bem. Sempre a olhar para o telemóvel, chamada ao David, tudo controlado. Mas depois achei boa ideia ir a um concerto, teria ela mês e meio. Justin Timberlake. E umas mamas completamente a rebentar pelas costuras, um desconforto gigante, idas à casa de banho para tirar o excesso e aliviar e enfim - não aproveitei grande coisa, não. Além disso estava quase sem bateria e em stress. Percebi que não era hora para grandes aventuras. Depois, ao fim de 9 meses, achei boa ideia irmos passar um fim-de-semana fora. Primeiro dia, perfeito. Segundo, a falarmos muito nela. Terceiro já desejosos de vir embora (parecia que estávamos a adivinhar que estava a ficar doente). Apesar de agora não me parecer uma excelente ideia, lembro-me de na altura precisar de espairecer e nada fazia prever que ela ficasse assim. Adeus culpa, não preciso de ti agora para nada. 
Lembro-me também de ter começado a trabalhar demasiado cedo (aos 3 meses) mas de, depois de muito choro durante vários dias (e quase mastites, por não conseguir extrair leite em reportagem), lá me conformei. Até me sabia bem estar com adultos, ter outros interesses e recordo-me de não invejar a parte das sestas da Irene (a Joana estava em casa com ela) e nem me imaginava em casa com a Isabel tanto tempo. Depois os meses foram passando e fui percebendo que estava tudo a ir depressa demais e que estava a perder muita coisa do crescimento da minha filha e que não ia querer perder da segunda.

Como sabem, dei uma volta de 180 graus. Estou em casa e estou a gostar muito de estar perto da minha filha estes quase 12 meses. É um privilégio. MAS, já senti necessidade de fazer coisas PARA MIM. De ter TEMPO para mim. Sem ter de estar preocupada com fome/sono/brincar. Sem ter de estar alerta. Acho saudável até termos vontade de descansar a cabeça, de trocar o chip, de nos mimarmos. Se tivesse mais ajuda, já o teria começado a fazer há três ou quatro meses. 

Foi agora, aos 11, que se proporcionou: Luísa entregue a uma pessoa de confiança, cá em casa, duas horas à 2a e duas horas à 5a para eu poder ir ao GINÁSIO. Comecei há uma semana e estou a adorar. Precisava mesmo disto. Tenho noção de que nem toda a gente poderá dar-se a esse luxo (para elas farei vídeos e darei dicas para treinarem um bocadinho em casa, fica prometido), mas, caso possam, força nisso. 

Pude dar este passo, estou feliz, feliz, feliz, a adorar o ginásio, os instrutores, o banho pós-treino (que sensação maravilhosa), o chegar a casa e tê-la bem, sorridente e a vir para o meu colo, toda feliz. 

Era isto que me faltava para ser FELIZ e eu não sabia. Ter um escape, limpar a cabeça e ter objectivos que não só os de fazer a minha filha feliz (apesar desses objectivos me darem também a mim muita felicidade). Antes de ser Mãe, era Mulher. E é bom voltar, aos poucos, a ter outros objectivos: neste caso, ser mais saudável e, claro, ter um bumbum mais firme. :) #operacaocoracaofortebumbumfirme

Estou no Scape, em Santarém, e quero aproveitar essa hora para treinar e para o combíbio! Se mais alguém alinhar ou por lá andar, é dizer, para darmos dois dedos de conversa entre agachamentos. :)







............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Não têm tempo para treinar? Tomem lá!

Lembram-se de vos ter perguntado se queriam um treino para fazer em casa? Nem toda a gente tem tempo para ir ao ginásio ou "disponibilidade" para ter um PT - é um facto. Tenho a sorte de ter #omelhorptdomundo para me treinar e pedi-lhe para vos dar umas dicas. Porém, ele é péssimo a tirar fotografias, pelos vistos. 

Vamos a isto? 

Agachamentos

Garantir que a anca vai para trás (usar um banco atrás como referência), que o peso do corpo fica nos calcanhares, joelhos e o peito "para fora" (coluna lombar em posição neutra).



Quando sobem, façam a extensão total da anca e dos joelhos apertem os glúteos e encaixem os joelhos.


Y

Esta é fazer o "Y". Polegares a apontar para cima.


Atenção aos pés. Se não aguentarem com as pernas no ar, esta é uma óptima opção.




Flexões

Flexões com joelhos no chão. Esta é a posição inicial. Podem encaixar os braços, esticá-los.


Tentar que os cotovelos estejam o mais perto possível do corpo. Desçam até dar "beijinhos à esquimó" no chão.

Tentar que os cotovelos estejam o mais perto possível do corpo.
Lunges

Tentem ter uma referência no chão. Mantenham a mesma perna à frente durante as repetições tendo sempre o pé a apontar para a frente. O pé de trás sempre com o calcanhar para cima. 


Baixar a perna o máximo possível sem tocar com o joelho no colchão. Ter o joelho à frente orientado para fora.

Baixar a perna o máximo possível sem tocar com o joelho no colchão. Ter o joelho à frente orientado para fora. 


Isto é o "para fora".

Isto está errado:o joelho está para dentro.
Jumping Jacks 



Estas calças estão longe de me favorecer, senhores... 

Façam o circuito numa fase inicial 1 a 2 vezes podendo depois aumentar o número de voltas (3 a 4 vezes)

Agachamento - 15 repetições
Y - 20segundos
Flexões - 10
Lunges - 10+10
Jumping Jacks - 60 segundos

Pronto. Fica a ideia. Lamento a qualidade das fotografias, mas o rapaz é tão #omelhorPTdomundo que não conseguiu abstrair-se do facto de ter de me corrigir durante o treino. 

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Fui. Não arranjei desculpas.

Já somos crescidinhas para não esperar pelo ano novo para fazer grandes mudanças ou para nos enchermos de esperança de que, desta vez, estamos a falar a sério e "desta vez é que é" e "vamos mesmo fazer isto". 

Ainda não consigo controlar a alimentação a 100% (incorporando alguns deslizes neste 100%, claro). O cansaço e a necessidade de me sabotar e afins são coisas que ainda tenho de trabalhar, mas ninguém me tira o prazer do treino. Ninguém.



Tenho estado a adorar, a amar e a delirar com ir ao ginásio. Os resultados têm chegado, mas não ando a trabalhar activamente para eles. Ando mesmo feliz por treinar, tal como já vos fui falando por aqui

Ontem, pela primeira vez, tive vontade de ir treinar duas vezes hoje. Apeteceu-me ir de manhã e outra vez à hora de almoço. Não seria algo para manter e fazer para sempre, mas queria desafiar-me, queria sentir que estava no "poder" e outras bimbalhadas que ditas parecem ainda piores. Não fui porque não tenho mensalidade para isso. Tinha treino com #omelhorptdomundo à hora de almoço e, a ter que escolher, não iria escolher o treinar sozinha a ouvir Linkin Park outra vez. 

Fui. Não arranjei desculpas. Já na sexta-feira passada não ia conseguir fazer o terceiro treino da semana e fui na hora de almoço. Consegui. Não falhei.


Hoje também não. E, aliás, estou a ficar mais forte. Fiz coisas que tentei fazer há um mês (por piada) e eu própria notei a diferença. 





Ando toda vaidosa com isto. Adormeço ainda mais cedo à noite no sofá, é um facto, mas no dia seguinte tenho vontade de ir outra vez.

Estava aqui a pensar e o que acham se pedir ao #omelhorptdomundo um treino para irem fazendo em casa para se mexerem um bocadinho enquanto não conseguirem organizar a vossa vida? Querem?

Gostaram das fotografias do Pau Storch? Eu também ;) 

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui
O nosso canal de youtube é este

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

10 dicas para ficarem mais felizes e todas boas.

Ao longo de toda a minha vida sonhei que queria estar em forma. Sonhei olhar-me ao espelho e não olhar para o lado mau, mas para o lado bom. À medida que fui resolvendo coisas que tinha por resolver na minha vida e na minha cabeça, fui conseguindo mudar a minha percepção de mim própria. Não obstante, mais do que nunca, agora quero estar e ser saudável. Não vos vou mentir: claro que quero uma boa peidola para se ver no Verão, claro que adora um dia usar um crop top e conseguir respirar ao mesmo tempo, mas neste momento não estou concentrada nos resultados a curto prazo. 

O que queria mesmo era mudar o meu estilo de vida. Tentei milhares de vezes quando era mais nova. Fiz imenso ginásio intermitentemente, mas acabei sempre for falhar. Falha-se nestas coisas porque (tirando situações graves que poderão mudar tudo num segundo) ou não temos mesmo presente o que queremos ou porque não queremos o suficiente, digo eu. Acabamos por nos sabotar porque "como fomos ao ginásio posso ir ao McDonalds" ou porque "vou para a próxima semana que esta está cá o meu amigo tal e não tenho tempo". 

Quando queremos, queremos. Porém, há sempre coisas que podem ajudar. E eu descobri as que me ajudam a ir (quase) SEMPRE ao ginásio (não que seja obrigatório ir ao ginásio para se ser saudável, mas eu gosto): 

1) Encontrar o melhor horário para vocês

Eu descobri que falhava muito a minha ida ao ginásio porque não podia ir de manhã. Como tinha a rádio e fazia manhãs ou segundas manhãs, não me podia dar ao luxo de "entrar mais tarde" e "depois do trabalho" é muito difícil pegar em nós para irmos até lá e gastar o que resta das nossas energias. Agora vou de manhã e saio de lá arranjada para ir trabalhar. 

2) Desencantar uns ténis do caraças

Preciso disso. Chamem-me o que quiserem, mas se gostar do material de desporto que tenho, vou sentir-me mais motivada para ir (por isto não quero dizer coisas de marca, quero dizer coisas que gostem). Aproveitei os saldos de Verão e comprei por 1/4 do preço uns ténis muito bons e sempre que olho para eles tenho vontade de ir treinar. 


Isto sou eu a pensar se a virose que a Irene me tinha passado já teria passado, visto que o exercício existia alguns movimentos mais ali ao nível do glúteo.

3) Ter uma playlist 

Apesar de trabalhar em rádio, a música que se ouve para treinar tem de ser mesmo muito bem escolhida e para cada tipo de treino, não se pode por numa rádio qualquer e pronto. Às vezes vou treinar furiosa e quero ouvir Placebo, Offspring, etc. Noutras vezes estou tão feliz como uma pita irritante de 16 anos e, por isso, apetece-me ouvir umas Destiny's Child ou assim. Isto motiva. Ando a pagar o Spotify, que se lixe. 

4) Um bom creme hidratante

Depois do treino sentimos que alcançamos qualquer coisa. Está mesmo provado que há uma mudança nos químicos do cérebro. Se conseguirmos associar isso a outras sensações acho que nos poderá motivar ainda mais. Uso um creme hidratante com um cheiro maravilhoso que me faz sentir ainda melhor quando acabo o treino. São mariquices assim que às vezes nos fazem querer ir. Ou, pelo menos, a mim sim.


Aqui já com alguma confiança no que toca ao glúteo, mas a implorar para que fotógrafo acabasse de tirar a fotografia para cair com o mesmo no chão.
5) Um PT de que se goste

Não sei quanto a vocês. Como já vos contei, nunca tinha tido um PT, mas encontrei o PT perfeito para mim. Não é daqueles que parecem seguranças de uma discoteca a percorrer devagar o ginásio a ver se alguém se está a portar mal. É o Diogo. O Diogo é #omelhorptdomundo porque se preocupa genuinamente em corrigir-me ao longo do treino. Além de me sentir perfeitamente à vontade com ele, sinto que tenho um amigo (com um Mestrado nisto e mais umas certificações de não sei quê que são poucos os que têm em Portugal) que está a dar o máximo para que EU cumpra os meus objectivos.

6) Não treinar com amigas (pelo menos das que gostem de conversar)

Isto é a minha opinião. Acho que quando se entra no ginásio é para trabalhar. Não é para ter distracções. Já que ali estamos e podíamos estar a fazer outra coisa qualquer, é para potenciar o tempo que lá estamos. Não é para conversar, não é para fazermos maquininhas juntas. É para bulir. 


Nunca aguentei tanto tempo a fazer uma prancha. O Pau está convidado para ir a todos os treinos para eu dar o meu máximo.

Eu a mentalizar-me que ia partir os pulsinhos.

7) Ter um plano (e variar)

Já fiz ginásio com plano, já fiz sem plano. Com plano, conseguimos visualizar o final do treino e sentir algum progresso à medida que o vamos alcançando. Sem plano estamos entregues à nossa disposição diária e poderá correr mal - até porque não temos formação nisto e podemos acabar com um músculo enorme, mas na testa. Variar é importante para não aborrecer e para sentirmos que estamos a evoluir (atenção que o importante não é só emagrecer). 

8) Descansar

Nós que somos mães sabemos o mal que faz não dormir. Como fica a nossa cabeça, as nossas relações, as nossas opiniões sobre nós próprias e o mundo, o nosso bom-senso passa a mau-senso, etc. Descansar aqui tem um papel importantíssimo não só para garantir a estabilidade do mindset (e continuarmos a querer ir ao ginásio e fazermos por isso), mas também por uma questão física da qual percebo 0, mas que já me foi explicado que se não houver descanso, não há músculos. Às vezes deito-me com a Irene e acabou o dia. 


A pensar se o Frederico teria levado a bata da Irene para a escola.

A ser parva. 
9) Não sermos demasiado duras connosco 

Lá por queremos ficar rijinhas, não temos de o ser connosco. Pela primeira vez não me impus um número de vezes mínimo para ir ao ginásio e, por isso, se não puder ir não sinto que "deitei tudo a perder". Antes pelo contrário, tem-me acontecido mais vezes "porque não ir hoje outra vez?". 

10) Ignorar a balança

Não são os kgs que importam. Até porque podem não ser indicadores de perda de gordura, mas de água. Podem ser sinónimo de músculo, etc. Sinto que se não estivermos focadas nos resultados a curto, médio prazo, mas se estivermos a criar um novo estilo de vida que tudo corre melhor. Queremos ser saudáveis, sentirmo-nos bem. Eu quero! O resto? É um plus (muito desejado, mas é). 

Só não me doeu nas maminhas porque estavam espalmadas com o soutien de desporto (vocês sabem).

Já se nota ali um rabinho que não me envergonha.

Tenho sido mesmo muito mais feliz desde que decidi ir ao ginásio à séria. Desde que decidi dedicar-me a mim. Não é um "tempo para mim", é pensar que quero cá estar mais anos e bem de saúde para fazer mais diferença na vida das pessoas de quem mais gosto. Ter mais tempo para a minha vida ficar tal como gostaria que fosse, etc. E isto é um gatilho. Este tipo de decisões (que podem ser tomadas sem que seja a passagem de ano) são um gatilho para tudo de bom começar a surgir mais rápido. Andarem mais felizes, andam mais pacientes, mais produtivas, criativas, brincalhonas, optimistas, melhores mães. 

Se, neste momento na vossa vida, não conseguirem encontrar uma hora para "tratarem de vocês", não se sintam tristes com isso. Esse momento há de surgir. A mim surgiu só agora, aos 30, depois de uma filha. Estejam atentas a vocês, ao que sentem, à vossa vida e assim que tudo se conciliar, não percam a hipótese. Estão cá para serem felizes, não se esqueçam disso. 


Estava em cima da passadeira para não parecer um gnomo ao lado d' #omelhorptdomundo
Quero agradecer ao Pau pela disponibilidade de ter ido fotografar-me ao ginásio e com tanta dedicação, boa disposição, qualidade, simpatia... (sou tua fã, já sabes). 

Quero também agradecer ao meu PT Diogo porque sinto e sei que não encaixaria assim tão facilmente com a maior parte dos PTs. Creio que somos a combinação perfeita. O Diogo é muito informado, gosta de explicar, de corrigir...  Eu gosto de saber, gosto de fazer bem e, além disso, tem um óptimo sentido de humor (vocês que me conhecem um bocadinho, imaginem-me com uma pessoa sisuda). Já te disse, Diogo, sente-se que és mesmo boa pessoa e que adoras o que fazes. 

Ando mesmo muito feliz e queria partilhar tudo isto com vocês e continuarei a partilhar. Espero que vos inspire a fazerem mudanças na vossa vida (todas precisamos algures) e que sejam substanciais e não temporárias. Não façamos "dietas" alteremos a nossa forma de "comer. 

               Sigam-me no instagram @JoanaGama e ao blog também @aMãeéqueSabe


* Se quiserem experimentar treinar com o Diogo, entrem em contacto com ele no Facebook ou no instagram. Neste sábado ele estará a dar treinos e basta apenas que se inscrevam. Experimentem que eu partilho o meu homem convosco de bom grado e até podemos treinar juntas (sem grandes conversinhas, já sabem haha). Vejam um exemplo de um treino meu com ele aqui


* Aproveitem o Pau para fotografias vossas. Ele faz retratos em que se sente o que o vosso coração diz. 

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Vocês já me viram nua.

Hoje, quando acabei no treino ginásio (hoje sem #omelhorptdomundo), fui abordada por mais uma leitora. Repare-se que escrevi "MAIS". Já é a terceira leitora que me aborda (e ainda bem que fico toda contente) no ginásio. 

É portanto a terceira leitora que me vê o pipi e a quem eu vejo o pipi. 

Sinto que nos estamos a tornar demasiado íntimas. 

Não sei qual será o nível seguinte. 



PS - Não se preocupem que não estive a olhar para o vosso pipi. Olhei tanto para o vosso como para o meu. 

PPS - Beijinhos a todas, mas depois mais vestidas. 

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

NUNCA treinem com um PT porque...

... há imensos inconvenientes. Tenho-me vindo agora a aperceber porque me meti nisto há 15 dias e nunca antes tinha falado com nenhum mais do que os 2 minutos necessários para recusar as aulas de abdominais ou para ir encher uma aula de cha-chá-chá à última da hora... 

#1 Ter de variar mais frequentemente a roupa do ginásio 

Podem não ser como eu, mas eu sinto que toda a gente decora a minha roupa - talvez porque eu decoro a dos outros. E, por isso, o meu castigo é sentir que não posso repetir roupa muito perto uma da outra. Se passo a ir ao ginásio (ou estou a tentar) ir três vezes por semana, tenho de começar ou a usar calcinhas de domingo só para variar ou, então, de ir fazer uma razia à Decathlon à secção das coisinhas mais baratuchas.




#2 Ter a paranóia dos macacos no nariz 

Como vamos andar em posições mais criativas, tenho sempre receio de ter um gorilinha à espreita que esteja pronto para diminuir a minha credibilidade. Eles ficam muito perto de nós. Demasiado.


#3 Ter de mostrar a real face

Não sou capaz de ir para o ginásio maquilhada. Porque é que disse que não sou capaz? Porque já ponderei. Ponderei quando há pouco tempo tive um eczema no olho direito e parecia que tinha tentado estrelar um ovo em cima dele. Ponderei quando me apareceu um herpes (e tive em negação em relação a isso durante uma semana). Ponderei quando ontem me apeteceu um mini quisto perto do queixo que eu, estupidamente, insisti em espremer (não é quisto, mas é uma borbulha grande). Eles vão ver tudo. Tudo.

#4 Ter que ter o buço actualizado

Ah pois, meninas! Se no dia a dia até podemos gozar da questão de andarmos sempre muito rápido de um lado para o outro e de ninguém nos ver bem de perto, neste caso o bucinho tem mesmo de ir. Até porque senão é das primeiras coisas a reluzir quando começamos a ficar mais suadinhas. 

#5 Ter que ter as axilas impecáveis

Epá, imaginem só. Estarem a fazer alongamentos com uma mini púbis debaixo dos braços. Acho que não é isso que pretendemos para a nossa vida. Claro que adorava ser hippie e não me preocupar com estas coisas, mas em mim a lavagem cerebral já foi demasiado fundo. Não consigo ver nem 4 mini pêlos aqui debaixo. 

#6 Trabalhar uma resting face agradável

Quando temos de fazer trabalho mais pesado, vamos fazer semi caras de AVC. Claro que vamos. Creio que é difícil ter cara de selfie quando se faz agachamentos ou seja lá o que fiz hoje que sei que envolveu algo pesado e ter que me levantar e baixar. 

#7 Ter atenção aos ruídos sensuais

Agora depende da intenção de cada uma. Eu não pretendo clima sensual e como sou mesmo muito sensualona, tento sempre que os meus ruídos sejam similares aos de alguém que tenha sido pisado por uma grua. Porém, garotas que querem seduzir seus PTs, aqui acho que podem sempre tentar fazer uns relinchares de gato cansado e indefeso, pode ser que tal ofusque o vosso cheiro a cavalinho por já irem a meio do treino.

#8 O suor mamal e genital

Tinha uma colega minha no teatro que, quando se empolgava e entregava muito, por estar de leggins, ficava com uma mancha enorme nas virilhas que acabava por, ao longo da aula, se ir espalhando por tudo o que era sítio. Fiquei traumatizada com isso e, então, ando sempre atenta se não parece que já devesse usar um Tena Lady ou outro. Debaixo das maminhas não há nada a fazer, a não ser sobrepor tops ou assim. 

#9 Os puns

Como? Não há momento a sós. Abençoado fio dental que silencia os mais teimosos. 

#10 Não poder ouvir música

A não ser aquilo "que nos dão" no ginásio. Os meus bícepes ou lá o que é já vomitam David Guetta e acho que se os apanhassem na rua que lhe poriam um dedo no duodeno. Ou dois. Se calhar todos, vá. 


Querem a verdade? A verdade é que isto só se aplica se não tiverem encontrado um PT que vos faça sentir à vontade. Eu encontrei #omelhorptdomundo. Quer dizer, estamos à vontade, mas tento não beber leite nos dias de treino porque no #9 não me aventuro assim.

Querem conhecer #omelhorptdomundo? Sigam-no aqui ou aproveitem o # ali em cima para verem o instagram, o que vos der mais jeito. Estou toda ofendida que já pôs um vídeo de outra cliente (somos clientes???) que não eu, mas terei de lidar com o facto de não haver exclusividade... Na próxima segunda vai ver como vão as minhas axilas!!!! 


Sigam-me no instagram @JoanaGama
                                       e o @aMaeequesabe e o Canal também ;)



quinta-feira, 29 de setembro de 2016

O meu PT anda a enviar-me mensagens.

Long story short (depois conto-vos tudo, aliás, preparem-se porque ando a ficar mais interessada nisto de tratar de mim fisicamente e, por isso, avizinha-se uma temporada de posts de ginásio e afins - prometo, porém, não haver nenhum camel toe se for filmada de frente): tenho um PT.

Sempre fui super preconceituosa em relação a PTs e, para piorar, houve uma vez que, numa avaliação física, tive uma experiência super desagradável ao ponto de ter de falar com a gerência do ginásio sobre isso (também vos conto tudo depois).

E hoje, às 8h da manhã, recebi uma mensagem do meu. 

A primeira coisa em que pensei foi: "... hoje era dia de treino?". Não era.

Então, depois do nosso primeiro treino juntos, o Melhor PT do Mundo (é como ele se chama a si próprio - acho maravilhoso), decidiu enviar-me uma mensagem de manhã a pedir para lhe fazer o relatório das dores e respectiva intensidade para saber as consequências do treino e para adaptar o próximo.

Querem ver que vou ter de mudar de opinião em relação aos PTs? Não estava à espera disto. Que profissionalismo! 

Eu, quanto muito, o que faria era, no dia do próximo treino, perguntar se estava tudo bem e na altura lá inventaria qualquer coisa. 



PS - Não, não. Não há clima entre os dois. Nenhum dos dois quer cá misturas, estamos focados; #oMelhorPTdoMundo e a Badocha Mais Determinada do Mundo.

quinta-feira, 3 de março de 2016

Dá para ir ao ginásio, isto?

Prometo que um dia paro com estas conversas, mas ainda não é hoje. Estou a ponderar inscrever-me num ginásio (a sondar opções ainda, queria um que fosse tão perto da minha casa que pudesse ir a gatinhar), mas não estou a ver como posso ir sem fazer "sacrifícios". Levantar-me mais cedo para ir ao ginásio? Ver a filha menos horas para ir ao ginásio? 



Como é que isto se faz? 

A única opção que estou a ver é ir ao fim-de-semana durante a sesta dela, mas não me estou a imaginar louca de vontade. Mães do ginásio, quais foram as vossas opções? Falo de mães com crianças pequeninas, aqueles que já têm buço não conta ;)