Mostrar mensagens com a etiqueta medo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta medo. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

É tudo uma farsa!

Achei que não me iria interessar por festas de aniversário com alguma organização, decoração e preocupações, porque neste tipo de coisas mais desnecessárias prefiro simplificar. Porém, no ano passado, quando fui à festa de uma colega minha do trabalho, não pude deixar de reservar aquele espaço enorme que, além de ter imensa relva para as crianças correrem, ainda têm uma tenda tipo "casamento" caso chova. Visto que a Irene faz anos em Março, é arriscado pensar numa festa só "no exterior". 

Olhei para aquilo e pensei: a ver se não deixo tudo para a última da hora para sair uma coisa bem feita. O tempo foi passando e enviei menos de uma dúzia de e-mails e "já é Janeiro". Lembrei-me que talvez a Joana Paixão Brás quisesse juntar festas já que as miúdas fazem anos com 3 ou 4 dias de diferença (oh amor, troco-me sempre toda, desculpa). 

Ela disse que sim, mas depois veio a chapada. 

"Não quero ter trabalho nenhum. Quero só chegar e desfrutar da festa". 

Vamos lá a ver se entendemos aqui uma coisa: a menina pode ser muito querida e chegar ao coração de muita gente, mas não lhe pedi para fazer uma presença. Se a convidei foi porque achei que, de alguma forma, iria também ajudar a organizar as coisas visto ser algo que você adora anunciar ao mundo: "ai, 'migas, adoro organizar eventos e decorações e sessões e cupcakes e merdas, mas quando chega a altura de ter que o fazer, até a Joana Gama serve para safar". 

Transcrição de conversa no Whatsapp: 
(já não tenho a conversa, pelo que poderá não estar 100% fiel)

JPB: Ai adoro folhos e golas.

JG: Pois adoras. Olha, queres fazer a festa em conjunto? 

JPB: Das miúdas? Ai, adoro. Vou já ver que bandeirolas pôr e arranjar maneira de termos algumas loiças giras, coisa descontraída que é o que se quer. 

JG: Boa, gosto de ver que estás entusiasmada!

JPB:  Olha, afinal não. Este ano não quero trabalho nenhum. Faz tu tudo.

JG: O quê? Como assim? Hã? Mas eu convido-te e não me serves para nada? Tens noção que vou pôr imensos garrafões de água em cima das mesas [ela odeia], croquetes partidos ao meio para parecerem mais, guardanapos daqueles da casa de banho das empresas e reciclados e toalhas de plástico com alguns galos de Barcelos, alguns já meio gastos.

JPB: Parece-me muito giro! Adoro o conceito! Força, tu consegues!

JG: Joana!!! Vou lá deixar cinzeiros com beatas de outra festa!

JPB: Wow! Que criativa! Estou contente por ti, Joana!

E é esta a sacaninha com a qual lido diariamente e que vos vende ideias do género: "ai, as mães têm de ser amigas umas para as outras, #tamojuntas, o que conta é o interior..". A verdade nua e crua é esta. 

Posto isto... quem me ajuda com a festa da Irene? 

As minhas ideias: 

- Quero um catering super saudável ao máximo. Pelo menos 70% dos comes e bebes gostaria que fossem sem açúcares, sem coisas processadas, etc. 

- Também tem de haver coisas para as pessoas "normais", claro. 

- O tema é, claro, Patrulha Pata. 

- Queremos música, mas direccionada mais para os pais do que para as mães. 

- Gostaria que alguém me ajudasse na decoração da cena porque senão atiro para lá uma colcha do gato preto e digo a todos que é algo minimalista. 


Ah, entretanto, a sacaninha que afinal está cheia de tempo que até faz printscreens de conversas já me enviou a verdadeira conversa. Não está muito longe da original. 







Adicionar legenda



A minha beta falhou-me! Help! Dicas! A festa será em Carcavelos, São Domingos de Rana.

:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Tivemos medo. As duas.

Ontem, à saída de casa para ir ter com o tio Pedro (meu irmão), como sempre, deixei a Irene carregar para chamar o elevador. Entrou à minha frente rapidamente - coisa que um familiar nosso odeia, porque viu algures (claro que foi na internet) que, às vezes, as portas do elevador até se podem abrir mas não estar lá elevador nenhum (só não digo quem é porque não quero revelar pormenores tão medricas de quem não perguntei se podia hehehe) e perguntou se podia carrregar no zero. Deixei. 

Chegámos ao zero e saí. A porta fechou-se a Irene continuou dentro do elevador. Desceu até ao menos um, para onde também tinha carregado. Gritei, com a boca colada ao elevador "não saias do elevador, Irene, não saias!", pensei que assim voltaria logo para cima. Nem me lembrei da possibilidade se ela sair demasiado tarde e poder ficar entalada na porta (o nosso elevador é um bocadinho bruto a fechar as portas). 

Enquanto o elevador descia, com a minha filha lá dentro, ela gritava "ANDA COMIGO, MÃE!". Ainda não estava minimamente assustada, creio que estava só a explicar que não entendia porque é que não estaríamos juntas. 

"A mãe vai já, só um minuto! Não saias do elevador, Irene, não saias!". 

Saiu. 

Desci eu e fui ter com ela. Ainda demorou - quer dizer, não deve ter demorado, mas para nós sim. Cheguei lá no timing perfeito em que ela começou a ficar assustada. A luz do hall onde ela tinha ficado, por causa do sensor, já se tinha apagado. Chegou a mamã. 

Sei que é um episódio com nenhuma gravidade, mas ao contar, sei que HOJE vão ter atenção a isso e, por isso, talvez vos poupe a uns segundos de coração acelerado. 


O dia continuou como sempre. Não foi nada. Especialmente para ela, digo eu. 

Tive de lhe comprar estas boias, porque as de plástico estavam a magoa-la nas axilas. Aconselho vivamente!


Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)