Mostrar mensagens com a etiqueta namorar. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta namorar. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Não deixem o amor morrer.

Já todos sabemos que não é um bebé que sustenta uma relação. Aquela máxima de "engravidar para segurar um homem" ou ter um filho para tentar salvar um casamento é crendice do passado. 

Neste momento, acho que já todos temos consciência de que a relação do dia-a-dia, o amor, a cumplicidade, a união na saúde e na doença, a noção do lado lunar do outro, o respeito e a empatia já têm de vir de muito antes. Se não vem - porque nunca antes havíamos sido confrontados com esse teste - tem de passar a haver. E a verdade é que um filho vem mudar muita coisa. Muda a casa, muda os horários, muda os estados de espírito, muda corações. E, ao mesmo tempo que os muda, acrescenta. E ao mesmo tempo que nos acrescenta uma força que não sabíamos que existia, acrescenta medos, acrescenta incertezas e traz ao de cima algumas das nossas maiores inseguranças e fragilidades. Perante o assoberbamento que é ter um filho a depender totalmente de nós, ficamos expostos. Totalmente nus.

Com o nascimento a paixão, como todas as outras, deixa-nos meio anestesiados no início e com borboletas na barriga. É uma explosão tão grande de emoções que choramos, rimos, ora estamos tranquilos e orgulhosos a olhar para aquele ser a dormir, tão perfeito, tão nosso, ora estamos em rebuliço a achar que não damos conta. E é na soma desses dias, em que começamos uma nova vida - todos -, em que nos vamos conhecendo e redescobrindo, em que vemos nascer e crescer uma criança, mas também dois pais, que o amor se sustenta.

Se não conseguirmos esperar que o outro se reencontre, se não conseguirmos colocarmo-nos no lugar do outro e perceber que há muito por curar, há um corte e um luto com o passado por fazer, há até memórias de infância que surgem, inesperadas, há um nós que às vezes não reconhecemos e que demora a reconstruir-se ou a aceitar-se, há sono, há cansaço e há - acima de tudo - mais uma pessoa na equação.

Nem tudo vai continuar a ser igual. Arrisco-me a dizer que nada vai continuar a ser igual. E se no meio desta mudança, a relação não sobreviver, então não é amor. Porque o amor é compreensão, é paciência, é abertura para tentarmos encaixar novas rotinas e novos "eu" na história. Amar é tentar, é dar uma nova oportunidade, sabendo esperar. O amor sobrevive a maus feitios, a zangas miúdas e a grandes, sobrevive a dias ou semanas com falta de sexo, a muito sono e a birras, de todos. Mas só sobrevive se for alimentado - mesmo com períodos de jejum-, só sobrevive se relativizarmos palavras afoitas ditas a meio de uma noite mal dormida, só sobrevive se dermos e recebermos e se tivermos noção de que amor não é só o prazer momentâneo e auto-satisfação. É abdicar também, é procurar também a felicidade do outro. Amar dá trabalho, ao mesmo tempo que não dá trabalho nenhum, porque, se de coração aberto, não custa nada.



Fotografia: Joana Paixão Brás



............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 30 de outubro de 2016

A importância de sermos dois.

Ontem fomos jantar os dois sozinhos pela primeira vez desde que a Luísa nasceu. Foi a segunda vez que me afastei da bebé: só a tinha deixado a dormir para ir ao velório do meu avô. Ontem parecia que tínhamos uma missão secreta e fizemos um trabalho de equipa perfeito: cada um entrou num quarto e deixámos as miúdas a dormir em pouco tempo (o David adormeceu a Luísa e eu a Isabel), saímos sorrateiramente dos quartos e pisgámo-nos sem deixar rasto. Duas horas e meia depois estávamos de volta com um sorriso nos lábios, como se nada tivesse acontecido, como se fosse um segredo só nosso. Soube-nos bem. 

Sei que muitas de vocês não o conseguiriam fazer, sei que muitas outras já o teriam feito. Somos diferentes e temos necessidades e vontades diferentes e é nessa pluralidade que, para mim, reside a magia de estarmos neste mundo (que pirosada, eu sei).

Senti-me preparada e confiante. Maquilhei-me, deixei o cabelo meio despenteado para fingir que até nem estou careca, vesti um casaco giro de cabedal - que nem foi preciso graças à noite de verão que estava - e lá fomos nós até ao Festival de Gastronomia.  Achei que o risco de não correr bem era pequeno face ao bem que me (nos) podia fazer. Se tivessem acordado, estava cá a minha mãe, que fez um bom trabalho comigo e com o meu irmão (eheh), e - mesmo que não tivesse dado conta - estávamos a 20 minutos de distância. A Luísa já tinha dormido a noite toda na noite anterior e calculei que, por não ter feito mais febre nem ter já grande tosse, o fizesse de novo. Deixei leitinho, mas a minha intuição dizia que não iria ser preciso. Não foi. Dormiu a noite toda, assim como a Isabel, que já não o fazia há algum tempo. Tivemos um bónus: além de termos ido namorar, dormimos bem. Os astros conspiraram e eu senti-me ainda mais realizada. 

Para mim, a vida mudou muito depois de ser mãe. Teve de mudar. Os horários são diferentes, as preocupações são outras, as rotinas são importantes, as sestas, a alimentação, as noites: pouco ou nada permanece igual. É o expectável, é assim que tem de ser. Não acredito muito no "continuei a fazer exactamente as mesmas coisas", nem acho que faça sentido. Percebo que os bebés se possam adaptar a muitas das nossas rotinas anteriores, mas acho que também nós temos de nos moldar às necessidades deles. É uma questão de bom senso, de ir apalpando terreno, é ir pesando tudo numa balança e percebendo o que nos faz bem a todos, em conjuntoTambém é verdade que um bebé vem tirar, pelo menos numa fase inicial, alguma disponibilidade mental ao casal, enquanto parelha. Passam a ser um trio, um quarteto, a virar alguns - muitos - interesses para o(s) rebento(s) e às vezes esquecem-se de que já cá estavam antes e que sabe bem tirar um bocadinho do dia, da semana, para eles, seja no sofá da sala, num banho, a ver uma série, enroscadinhos, seja a ir dar um passeio, jantar fora, um cinema. Sabe bem dar as mãos e andar abraçados sem ter uma mala cheia de fraldas a pender. Sabe bem dizer uns disparates, trocar uns beijos mais demorados, comer umas tapas, sem ter de limpar um ranho, dar um colo, acalmar uma birra. Mesmo que as conversas vão ter a eles, mesmo que eles estejam presentes no nosso pensamento e entranhados na nossa pele. Ainda bem. Mas é bom distanciarmo-nos umas horas para poder parar e ouvir o coração a bater forte, ter saudades e voltar para eles.

Isto quando quisermos, se pudermos, se fizer sentido, se estivermos preparadas.




Sigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Foi assim o nosso primeiro dia a sós.

Como vos contei ontem aqui, hoje pudemos gozar do nosso primeiro dia a sós - fazendo bem as contas foram só 6 horas, mas souberam tão bem quanto uma viagem daquelas caras a um sítio longe. Um dia, seis horas, foram mais do que suficientes (podiam ter sido mais, claro), para sentirmos que, longe dos "paii! e mãeeee", ainda existe um Frederico e uma Joana. 

Minto. Não senti parte daquilo que disse. Isto é o que a minha cabeça me disse para escrever. Grr. Odeio quando isso acontece. Não gosto de misturar cabeça e... vá... nada. Sempre me custou a compreender a divisão de papéis que "a sociedade" nos impõe. Muitas frases se ouvem (ditas por mim até) como "para além de ser mãe, também sou mulher", "além de mãe, também sou esposa", etc. A verdade é que não me dissocio de papel nenhum. Esta Joana é mãe, esposa e sei lá mais o quê, sempre ao mesmo tempo. Não deixo de ser mãe quando vou a um spa, nem passo a ser mulher só porque não estou com a minha filha. 

Ao invés de vermos a ocupação do nosso tempo livre como supostamente uma roda dos alimentos (já ouvi dizer que essa também estará desactualizada), em que o importante é ter tudo de forma "equilibrada", acho que devemos fazer o que bem nos apetecer. Acho que nós devemos ser as nossas principais bússolas nas tomadas de decisões e, se assim for, andamos mais perto do que nos faz felizes. Borrifemo-nos para timings, para aparências, para necessidades criadas por terceiros...

Não sou nem melhor mãe, nem pior mãe por fazer estas escolhas. Simplesmente as faço de acordo com o que eu sinto.  Se me apetecesse mais ir passear com o meu marido do que ficar em casa porque sou eu quem a adormece para a sesta, era isso que faria. Porque seria isso que me faria mais feliz. 

Estive dois anos e meio sem ter um dia a sós com o meu marido porque quis. Foi essa a minha escolha. Foi uma escolha falada, conversada, entendida, etc. Se fizesse outra escolha que não a do meu coração, não me saberia bem, iria contra mim. Não foi algo que decidi só por ter a Irene, foi vendo o que tinha sempre do lado dos prós e dos contras e ganharam sempre os contras (em ir) e os prós de ficar.

Não me imagino a ir de viagem x dias sem querer efectivamente ir para estar o fim-de-semana inteiro com o coração nas mãos por ter ido, só porque "já estava na altura de viajar sem crianças". Isso sou eu, porque não tive vontade de ir. Se tivesse tido essa vontade, iria, porque seria isso que me faria mais feliz. 

Chamem-me optimista - é raro chamarem-me assim (aliás, ainda hoje a Joana Paixão Brás me disse "és mesmo do contra" - mas eu acredito que há tempo para tudo. E que o tempo só é algo que interesse se fizermos aquilo que nos deixa mais felizes. Para mim é comer 6 barras de chocolate kinder quando vou meter gasolina, para outra pessoa poderá ser avistar rúcula na secção dos frescos. 

Nota-se que estou um pouco empolgada a escrever? Acabei de adormecer a Irene e foi uma noite difícil em que ela já tinha "passado do ponto" e, por isso, estava elétrica. 

Porém, nada me tira o maravilhoso dia que passei a sós com o Frederico. Depois de muita pesquisa e alguns telefonemas para verificar disponibilidades e pricings, acabámos por ir matar a curiosidade do Hotel Belverde no Seixal. 

É um hotel com um design e arquitectura giríssimos, maravilhosos para instagram. Nota-se que a decoradora de interiores ficou um bocadinho entusiasmada demais e facilmente passou de bom gosto para tentativa desesperada - pelo menos no lobby, mas nada que me tenha feito perder vontade de lá estar. Ficamos foi totalmente apaixonados pela massagem de relaxamento de casal. Verdade seja dita que nenhum dos dois é extremamente experiente nesta área, mas era exactamente aquilo que procurávamos: uma massagem a dois relaxante, num hotel confortável e bonito. 







As duas senhoras que nos atenderam, além de muito simpáticas, foram óptimas nos objectivos propostos (parece uma avaliação dos professores na escola básica) e a que me massajou até teve em conta o facto de eu ter ido ao ginásio antes e deu uma atenção especial aos músculos mais doridos. 

Saímos de lá e fomos para o jacuzzi. Perfeito. 

Optámos por ir almoçar à Quinta do Tagus. Para mim que não gosto de peixe (nem de sushi, claro), não foi a melhor opção a nível de carta. No entanto, safei-me com um bife de lombo que não me fez sentir ostracizada pelo tema gastronómico. O Frederico gostou e se ele gosta de comida e de sushi, portanto... 





Coisas de que gostei muito: 

- Tirar selfies com ele: ele não é muito fã de fotografias, nem que sejam publicadas e até foi da iniciativa do meu rapaz. 

- O carro dele ter mudanças automáticas e, por isso, termos estado o tempo inteiro nas viagens de mão dada. 

- Termos ficado um pouco deitados numa cama que havia no jardim da Quinta do Tagus quase a adormecer depois do grande almoço.

- O dia ter acabado com o melhor final possível: ir buscar a Irene à escola. 

Planeamos repetir o dia do casal mais vezes. Mais ou menos como o "dia do filho único". Foi maravilhoso para namorar e também para nos esquecermos das rotinas. Uma féria. ;)


Sigam-me no instagram @JoanaGama
                                       e o @aMaeequesabe e o Canal também ;)

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Primeiro dia a sós.

Fizemos (ou fiz) várias escolhas desde que a Irene nasceu - das quais não me arrependo - que nos levaram até aqui. Até ao facto de em dois anos e meio não termos estado mais do que umas três horas sozinhos. 

Cada casal terá o seu ritmo, as suas prioridades e, acima de tudo, as suas necessidades. Eu sou aquele "clássico" caso de quem se focou na filha. A amamentação era (e é) muito importante para mim, ter ficado um ano e tal em casa fez com que não introduzisse o biberão, ela só adormece comigo, por isso tranquilamente chegámos até aqui. 

E, pelo meio, houve muitas conquistas: a primeira vez que ficou com os avós, a vezes em que fomos almoçar só os dois, a minha ida para o trabalho, o pai ficar sozinho com ela, etc. 

Por alguma razão - que não interessa contar aqui - achei que a escola estaria aberta hoje e começamos a planear coisas. Depois vim a saber que, afinal, não estava. Porém, pus um dia de férias para o Frederico e eu irmos passear amanhã. Ela adormece optimamente na escola com a educadora e com os outros meninos e isso dá-nos para aproveitar a manhã e a tarde até a irmos buscar. E para ela? É mais um dia normal. 

A legenda mais desnecessária do mundo, mas é do aniversário da Irene :)

Para nós, vai ser como um dia qualquer há 3 anos e tal. 

Provavelmente passaremos 70% do tempo a falar da Irene, mas e então? Estar a dois, não é negar a existência dos três. E a existência dos três também tem de dar lugar a estar a dois. 

Porém, sem pressas. Tudo a seu tempo. Cada uma de nós tera o seu ritmo, as suas prioridades, as suas necessidades. Cada coisa que sentimos tem um motivo. 

Sinto que amanhã é o dia perfeito para irmos namorar os dois, enquanto a Irene está na escola. 

Depois conto-vos... "tudo"? ;) Há coisas que não deverão querer saber, digo eu. 

AH! Se houver sugestões para um dia a dois (sem noite), apitem! ;)


Sigam-me no instagram @JoanaGama
                                         e o @aMaeequesabe e o Canal também ;)