Mostrar mensagens com a etiqueta natal. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta natal. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

As Prendas de Natal da Irene (#02)

Esta teve mesmo que ser. Estava à espera de ter um debaixo da árvore, mas por circunstâncias várias não chegou a acontecer. E, então, dia 26, quando fui ao ginásio de manhã, aproveitei para dar um salto ao centro comercial e não resisti: comprei-lhe a malinha de médico da Imaginarium. 

Surpreendentemente, apesar de algumas más experiências com médicos (na óptima da Irene, claro), ela continua muito interessada por tudo o que tenha que ver com esse mudo. Ajuda imenso na altura de lhe dar medicamentos. É ela quem dá comprimidos ao pai, quando ele precisa e me lembra de tomar "a vitamina" de manhã. Tenho de a pôr a lembrar-me de tomar a pílula - não me posso esquecer. Já me esqueci. Que chatice. 

O estetoscópio era a única prenda que a Irene tinha pedido no Natal e eu tinha-lhe prometido. Além disso ainda recebeu um penso, uma seringa (espero que ajude depois nas vacinas), caixas de comprimidos, termómetro, instrumento para ver os canais auditivos e umas quantas mais coisas (tudo para criança, não lhe dei isto a sério haha). Já tenho máscara de Carnaval, a juntar à bata deste post

Apresento-vos (novamente) a Dra. Necas! 









:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Os putos estão a dormir? Ainda não fizeram tudo na sanita? Então leiam mais isto: 


- Não quero que a minha filha seja médica

- "Mais um jogo, mãe!"

- Que doçura 

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

As Prendas de Natal da Irene (#01)

Asas de borboleta da Claire's, plasticina Giotto, estufa de melancias da Science4you e vegetais para cortar da Vertbaudet. 

Adorava poder dizer-vos que o Natal é bonito por causa da reunião familiar e que nada mais importa mas, para mim, o ponto alto foi ver a Irene histérica com os presentes. Ela - além de ser criança e de praticamente todas serem muito expressivas (uma há de ter sido o meu marido que não é a pessoa mais expressiva de sempre a nível facial) - é muito muito teatral e acaba por ser um espectáculo muito giro de se ver. 

No dia a dia vou explorando com ela as coisas de que ela mais gosta. No outro dia, chamei-lhe fada Irene e ela ficou deliciada e, por isso, as asas de borboleta ou de fada vieram mesmo a calhar - além dela ficar uma ternura, claro. 

Plasticina é uma prenda que nunca falha, apesar de parecer que eles têm sempre os piores timings para irem brincar com ela - imediatamente antes de irem dormir, depois de termos limpo as mesas, etc. 

A fruta preferida da Irene é a melancia. Como optámos recentemente por comer frequentemente biológico, não há melancia há alguns meses. Ver a fruta crescer pareceu-me uma tarefa muito gira e foi. Plantamos as melancias juntas mas esqueci-me que poderia ser doloroso para ela esperar alguns meses para que dessem sinal de vida (ou até, se calhar, nem darem de todo). A verdade é que temos um alarme que apita todos os dias às 6h da tarde (perto da hora de chegada a casa) para irmos verificar juntas a estufa das melancias para averiguar se a terra está húmida o suficiente e é uma tarefa gira da mãe e da filha. Quando - e se - nascerem melancias, vai ser melhor ainda. 

Por último, a preferida da Irene deste grupo: uns vegetais de madeira que dão para cortar (estão unidos por velcro e vêm com uma faca de madeira) da Vertbaudet. Ainda por cima ela já tinha visto isto no youtube e já tinha ficado louca. Apesar de cortar vegetais também ser uma das tarefas que ela mais gosta recentemente (ainda não ganhei coragem). Fico duplamente contente até porque está a cortar coisinhas saudáveis e a aumentar o interesse dela por fruta e vegetais - acho eu. 

Ficam como ideias para prendas de aniversário ou algo do género? ;)

:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Já vomito de tanta betalhada...

Já vos contei como foi o dia 24 aqui. No dia 25 fomos à casa da minha mãe, do João e do tio Pedro. Havia milhares de prendas para a Irene e ela deixou bem claro que as preferidas foram um estojo de maquilhagem (até porque me tinha pedido para a pintar quando saímos de casa) e uma caixa gigante de Lego (era só a caixa vazia - brincadeira). 

Abetalhei-a toda (a minha mãe gosta de coisas pipis) e tínhamos as duas roupas a combinar e lá fomos. Só quando fui gozada por uma leitora no instagram a dizer qualquer coisa como "ai que bem... nunca pensei" é que reparei na betalhada inerente. Até a própria Joana disse que nem a Isabel estava assim. Pronto. Aí quis ter um revólver à mão e rebentar com a mioleira porque até dentro de casa a mulher põe uma touca à bebé (pff, how beta can you go!).  Quando põem toucas às bebés, penso sempre que terão uma doença qualquer contagiosa. Parecem hospedeiras pequeninas. Depois admira-se que a Isabel tenha começado a falar mais tarde que a Irene, não conseguia ouvir nada com tanta touca, tanta mantinha para a cabeça... (vamos ignorar que a Irene ainda hoje precisa de ajuda para subir escadas, Joana, vá!). 

Bom. Se calhar já não posso dizer estas coisas. Abetalhei mais do que a Joana. É certo que ia passar o 25 a Oeiras, mas não precisava de exagerar. Vá lá que a miúda a meio do Natal tirou as carneiras e equilibrou um pouco as coisas. 

Se não fosse o meu ar evidente de quem nasceu na Damaia de Baixo em 1986, vocês poderiam pensar que este era um post da outra Joana. Ai não, esperem, deixem-me só escrever qualquer coisa amorosa e lamechas e com adjectivos caros (gente que vai para escolas finas é assim): 

A minha filha. Tão pequena e tão minha. Gigante no meu coração, pequena no universo. Que grandes aventuras te reservará este planeta, minha princesa flor. Te guardarei sempre junto ao meu peito onde o meu calor te apoiará nesta caminhada que é a vida, que é o sol do amor de flores e terrinas de Vista Alegre. Inexoravelmente (faltava o adjectivo). Tu. E eu. Santarém é vida. 

Joana Gama, resolvi vir aqui só dizer-te que inexoravelmente é um advérbio de modo. Não tens de agradecer. E sim, fizeste-me rir. Muito. Parvalhona. JPB










Coisinhas que podem ter achado giras:
Camisola ou túnica (vi no post da Joana que talvez fosse isso): Laçarote - Sweet Collection

Gancho (Joana, queres ajudar aqui? Se calhar depois de leres isto não queres haha) 

Ajudo, sim, mesmo que não mereças. 
Laço - Mademoiselle's Bow
:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este

Os putos estão a dormir? Ainda não fizeram tudo na sanita? Então leiam mais isto: 

- "O nosso Natal é com pais separados juntos" - o Natal da Joana Paixão Brás



segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

O nosso Natal é com pais separados juntos

Tenho um enorme orgulho nos meus pais. Nos meus tios. Na minha família. O nosso Natal é com pais separados. Os meus pais juntam-se sempre por estas alturas (tios idem), mesmo que separados, por saberem o quão importante isso é para nós. Para os filhos, para os netos. Para todos. Descomplicar. Amar. Simples assim...
{obrigada}



Foi o avô quem lhe cortou a franja e eu tive arritmias ;)



Nenhuma criança ficou magoada no decorrer desta sessão :)













A avó Rosel a dar-lhe arroz doce como se fosse sopa (fechei os olhos para não ter um colapso)

A rir a sério porque a minha mãe estava a fazer-se de emplastro







Coisinhas que podem ter achado giras:
Túnica e fofo miúdas giras - Laçarote - Sweet Collection
Merceditas Victoria -  Pegada Doce

:::::::::::::::
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 25 de dezembro de 2016

Está de volta! Está de volta!

Tão bom o Natal voltar a ser entusiasmante. Lembro-me perfeitamente quando o Natal passou a ser uma coisa mais séria e sem magia. Eu já tinha crescido e já nem me ficava bem perguntar quando é que era para abrir as prendas. Continuava a jantar na mesa à parte com a minha prima e irmão (não cabíamos todos na grande - e ainda bem que assim podíamos falar do que nos apetecesse), mas já era diferente. Já era expectável que desse uma ajuda na cozinha e que não estivesse apenas a "fazer tempo" até receber qualquer coisa que tinha andado a pedir durante meses. 

Não é que tenha deixado de ser giro, mas foi quando o meu irmão cresceu que deixou de ter tanta graça. Já não acreditava que eu era o Pai Natal e, por isso, já nem desculpa para me mascarar tinha. Geralmente dizíamos que a "mana ia para a casa do pai" e lá aparecia vestida de pai Natal com uma barba improvisada por mim e cheia de algodão, o gorro puxado o máximo até baixo possível e umas calças de fato de treino vermelhas e uma camisola também. Tentava não ir muito além de um "Oh Oh Oh" porque tinha medo que ele me descobrisse. Achou estranho que o Pai Natal tivesse um swatch parecido com o da irmã, mas acho que nesse dia até passou. 

A abertura das prendas era às 22h, se não estou em erro. Pareceu que todos os Natais foram acontecendo mais rápido e mais rápido (mas nem por isso pelos melhores motivos, não sei). As minhas prendas, em princípio, até já sabia quais eram porque teria sido eu a escolhê-las ou algo do género. Já não havia surpresas. Um pijama para aquele, umas camisolas da Ericeira para o mano, livros de história para o padrasto, coisas de mulher para a mãe e para a prima, serviço de loiça para a tia...

Irene em frente à árvore de Natal
Juro que não pedi para fazer pose de "tenho xixi".


Agora, o Natal voltou. Ainda estamos em modo part-time. Não achei que fizesse sentido fazer jantar e esperar até à meia noite pelas prendas com uma miúda de 3 anos com uma família tão pequena e, então, no dia 24 (ontem, quando estou a escrever este texto) fizemos um lanchinho cá em casa com os sogros. À última da hora indaguei onde estaria o meu pai, madrasta e o irmão Tiago e convidei-os a passarem por cá. Ainda bem. Ficou um 24 muito mais composto e fiquei com o coração muito mais cheio, como antigamente. Falou-se alto, riu-se muito, deram-se prendas, houve surpresas, comida a mais, música de Natal a tocar, foi mágico. Por mim, fechava já a loja, mas sei que hoje, 25, no lanche em casa da minha mãe, a história vai repetir-se e é um privilégio ter dois Natais com tanta magia.

Há "males que vêm por bem" e já nem me lembro do mal que levou a que houvesse tanta família para a Irene conhecer e que me trouxe duas das minhas pessoas preferidas: o João (meu padrasto) e a Bibi (minha madrasta). 

Natal em família
Pai, Bibi, Tiago, Frederico, Celina, Virgílio e Irene. 

Coisinhas que podem ter achado giras: 

Vestido da Irene - Boboli 
Lacinho - Lost Colours
:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

O que me deixa triste no Natal.

Eu sou das que sente uma dualidade enorme de sensações nesta quadra.

Adoro a ideia de ter a família à mesa reunida a comer coisinhas boas e a dizer disparates, a discutir e a vociferar, quando os ânimos aquecem (sim, somos tipo família italiana).

Fico triste com o facto de já não estarem cá pessoas de quem eu gostava muito e que tanta falta nos fazem.

Adoro os enfeites, as luzinhas, os cânticos, as canções pirosas e as menos pirosas.

Fico cansada pelos que têm de fazer uma ginástica mental enorme para resolver como se distribuem pelas famílias, pais separados, sogros separados, famílias afastadas e decisões que vão melindrar sempre alguém.

Adoro o espírito de união, de entreajuda, o facto de nos preocuparmos uns com os outros, de pensarmos em formas de surpreender, mesmo que com coisas simples, quem mais gostamos e por aí fora.

Fico chateada com o consumismo desenfreado, com a loucura das compras.

Adoro olhar para o ar surpreendido da Isabel, que já vive esta quadra toda entusiasmada e a cantar a música do pinheirinho vezes sem conta (aqui). Diz todos os dias: "Feliz Natal".

Fico sem chão quando penso em todas as crianças que não têm família, em todas as pessoas que estão numa cama sozinhas, em todos os que passam o Natal no meio de hospitais.

Adoro o presépio e tudo o que ele representa.

Fico nostálgica e cheia de saudades da magia que o Natal tinha para mim em criança, de ir apanhar musgo em Montejunto para o presépio; de acreditar no Pai Natal, apesar de achar estranho o facto de ele conseguir subir até ao 6º andar numa corda; de acordar dia 25 de manhã e ir ver o presente que ele nos tinha deixado; de dançar com o meu tio Jorge, sempre tão animado (que saudades do meu tio (!), que dizia que eu era a sobrinha preferida dele - a única); de ir ao cinema com os meus pais e irmão no dia 25.

Ai Natal, Natal... és tão bonito mas tão difícil de gerir dentro de mim.






Fotografias  I Heart You Photography

Da entrevista (aqui) que dei ao Save the Date


Se ainda tiverem um tempinho, podem ler estes textos:
:::::::::::::::::::::::::::::::::::
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Não estava à espera de ter esta reacção.

A festa de Natal da Irene foi no domingo. Confesso que a minha vontade de ir não era grande coisa. Não gosto muito de "eventos" e a Irene tinha estado doente recentemente e, por isso, tínhamos válidos motivos para não irmos, mas não quis privar a Irene de ter a mesma experiência dos amigos e que provavelmente se iria divertir e muito. 

Quando ela subiu a palco... Quando ela subiu a palco. O meu coração ficou estático. Parece que olhei para ela e que a vi a ser. Como se pudesse espreitar por um buraco de uma fechadura para o meu útero. Via-a a ser sem mim, a andar, a brincar, a gostar da música (ainda por cima vestida de uma maneira tão carinhosa e bonita) e não senti orgulho, mas foi parecido. Senti que a Irene é uma criança feliz e que estamos a fazer um óptimo trabalho (os três, porque isto não é algo que a gente faça sem que ela participe). 

Claro que não era preciso haver uma festa da escola para sentir isto, mas vê-la lá ao longe, pequenina, no palco, de mão dada à educadora e depois a dançar à sua maneira louca a música... claro que comecei a chorar baba e ranho (bom, o ranho é de estar constipada). 

E confesso: gritei. Houve uma parte no fim em que ela estava à nossa procura no público (sei bem que não conseguia ver grande coisa porque já "fiz palco") e eu, lá de cima, gritei "NEEEEECAAAAAAAS". Ela não ouviu. Acho que deve ter havido meia dúzia de mães e pais a achar que me passei da cabeça, mas foi incontrolável. Foi o equivalente a ver os Backstreet Boys quando não pareciam só uns ex-jogadores da bola bimbalhões. 

Quando lhe mostrei a filmagem (não mostro aqui porque as outras mães não têm que gostar de partilhar os seus filhos na internet, além de suspeitar que será ilegal partilhar fotos dos outros filhos assim em canal aberto) ficou toda contente por eu ter gritado e ainda hoje fala disso. Menos mal.

Expliquem-me só uma coisa, é requisito para as educadoras de infância terem jeito para trabalhos manuais? Senti que estava a ver um programa de DIY demasiado avançado para mim que nem a porcaria de um quadro consigo que fique direito na parede. 

Já foi a festa dos vossos? Como correu? :)

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este 

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

A verdade por detrás da sessão.

Estão a ver a mesinha toda linda e decorada que saiu hoje na entrevista ao Save the Date? Estão a ver as minhas filhas com um ar querido? O meu sorriso 31?

A verdade é esta. 

Tinha regressado de Paris e tinha ficado com as duas no dia seguinte, feriado, pelo que tive pouco tempo para me organizar. Fazer a árvore com a Isabel (que ficou uma salganhada, mas tem graça assim), descobrir os pratos e as decorações, escolher a roupa das miúdas. Os copos de pé alto? Só três?! Como assim? (Aconteceu o fenómeno das meias que vão para a máquina de lavar, só pode). A toalha que costumamos usar está super manchada? Vai a outra, mas não fica bem. E os guardanapos de pano? Velinhas? Onde andam as caixas que trouxeram tudo há meses da outra casa? Não encontro. Tenho de ir comprar velas?... O quê? O vestido da Isabel já não serve à Luísa? Vai de arranjar outro que sirva. Tudo bem, tenho a manhã de sexta para limpar a casa, preparar o resto e ir comprar o que falta. Sexta-feira. Luísa caga o vestido todo. Há mais uma opção, não tão gira, mas é a vida. Quando estou a ir com ela à loja comprar os copos, novo cocó, cadeirinha toda porcalhota, eu atrasada, ela toda suja na loja, vestido fica com um bocadinho de amarelo, paciência, nem se nota. Não há guardanapos vermelhos? Como assim? Oh mas por que é que eu - que nem tenho grande jeito para decorações - me meto nisto?! Guardanapos de papel brancos? Ok, uso aquela máxima do less is more e está feito. Ainda tenho de ir buscar a Isabel, com azar está cheia de mau feitio e chora-me no meio da sessão. Nem me maquilhei, tenho de pôr ao menos um pó na cara, o que me safa é que as pestanas postiças de transformista do Finalmente compõem e nas fotos não ficam tão escandalosas. Ao menos podia ter uma camisa mais jeitosa vestida... esquece. Não dá tempo. Já tenho a Isabel, a cheirar a vidros embaciados e a correria, com cabelinhos oleosos na testa, mas não faz mal. Vá, Isabel, sorri para a fotografia! Anda cá, filha, olha tão giroooooo! Preciso de uma medida extrema... "a mãe não devia estar a fazer isto e vou arrepender-me tanto deste método pouco pedagógico mas... tenho ali uns ovinhos de chocolate pequeninos, anda cá. Vá, sorriiiiiiii!" :) Foi isto. A Luísa sempre na boa a lamber sapatos e tudo o que apanhasse, a Isabel a ser comprada com chocolate (felizmente nunca mais pediu, tive sorte). 
















Os meus pormenores preferidos que usei na decoração da mesa e da sala: 
- as casinhas de cartão são da Momentos com Design <3 
- o candelabro em forma de árvore de natal e as pinhas para os guardanapos da De Borla

Obrigada Save the Date pelo convite (zero jeito para isto mas adorei!) e Cláudia do I Heart You Photography pelas fotografias lindas (e paciência!).

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.