terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Inventam tudo (#02)

Se receberem, de fininho, esta prenda no Natal, guardem o talão para trocar por outra coisa qualquer. 

Quando vimos isto (o meu rapaz e eu) na internet, ficámos malucos: "Nãaaaaao! Como é que isto não é usado por toda a gente? Isto é espectacular! Percebo que ainda não tenham inventado a cura para a rosácea, tendo-se dedicado a isto!"

Parece que estávamos enganados. 

Apresento-vos a...


Colher squirt. 
Tal como o nome indica, é uma colher que possibilita um jacto. Não parece incrível e maravilhoso? Põe-se a sopa no reservatório de silicone (ou lá o que é) e, se apertarmos, a comida sai por um orifício pequenino e enche a colher propriamente dita. 

Vantagens do conceito? Todas! Não suja um prato, ficamos com as mãos livres para afastar as mãos deles da colher ou para lhes limparmos as fuças, é só por na máquina de lavar...

Vejam lá o vídeo (ou não, podem passar à frente que só serve por motivos de curiosidade): 



Afinal, cá em casa, chegámos à conclusão de que não só a Squirt não é assim tão fabulosa, como não deveríamos ter sido garganeiros e ter afiambrado logo duas pela net e, pior, nunca deveria ter convencido a Joana Paixão Brás a comprar uma também para a Isabel. 

Desvantagens: 

  • Temos de sujar um prato na mesma porque não vamos aquecer a sopa dentro da colher no microondas. 
  • Visto que é mais indicado para bebés mais pequenos dado o tamanho da colher ser proporcional ao tamanho da boca de um bebé em idade de iniciar sólidos, a colher devia ser mole. Cheguei a magoar as gengivas da Irene com isto, numa daquelas vezes com falta de timing em que a miúda abre a boca e não cheguei a tempo. 
  • Se a sopa for um pouco mais consistente, tipo puré com alguma coisa (como é suposto ser), não passa tão bem pelo orifício. 
  • É preciso espremer com alguma força quando já há menos quantidade ou mesmo sacudir a maldita colher para que a sopa chegue toda à parte do orifício. Se não o fizermos, a colher está constantemente a espirrar o puré de legumes para cima da criança. É só estúpido. 
  • É um utensílio mais difícil de manusear por ficar pesado com a sopa. 
  • Quase metade da sopa depois fica agarrada ao silicone sem descer para a colher, por muito que apertemos. Desperdiça-se comida. 
Espero não ser processada pelos senhores que fabricam a colher, mas se forem tão bons em clipping como a fazerem colheres, não terei com que me preocupar. 

Fica a dica. 

A arte de mudar fraldas a dormir.

Claro que o título se refere a quando os bebés estão a dormir e não nós. Nós sabemos perfeitamente como mudar fraldas a dormir, basta que lhes tentemos mudar uma fralda às 2h da manhã ou às 5h ou... 

Aqui entre nós, só vou à parte "deixa ver se é a fralda", depois de já ter experimentando tudo o resto. É muito arriscado, durante a noite, estar a mexer-lhes muito, estar a por-lhes a fralda e eles com as pernas ao léu. É um pânico terrível.

Senão vejamos aqui os nossos principais inimigos

  • Luz. Parece que não há uma luz indicada para que consigamos ver bem o que estamos a ver e que não os desperte. Vou pegar na venda que temos ali no quarto e pô-la na Irene. O quê? Eu disse que temos uma venda no quarto? Ah. É porque o estore está estragado e eu não consigo dormir com luz (serviu?). 
  • Frio. Quanto mais frio, mais enchouriçado está o bebé, mais roupa temos que despir e mais briol apanha quando tem as pernas cá fora. Se, ao menos, houvesse uma maneira de por uma espécie de tubo na fralda, aspirar e não ter que os despir... Hã? Óptimas ideias aqui para vocês. Se me aparecem no Shark Tank com isto, dou-vos uma murraça.



Ora aqui vão (e de graça) algumas dicas que eu cá aprendi por sentir que estou sempre num campo minado, quando lhe mudo a fralda à noite (evitei ao máximo mudar-lhe fraldas durante a noite, sob aquela máxima do "mas na caixa diz que aguenta até 12 horas", a questão é que há mesmo uma altura em que se torna inevitável, por muito que tentemos negar e, acreditem, tentei): 

  • Mudar a fralda na cama. Ter tudo à mão, claro. Não nos podemos dar ao luxo de, ainda por cima, termos que mudar os lençóis por ficarem sujos. Temos de ser rápidas como os chefs quando cortam vegetais daquela maneira sexy. Os especialistas dizem que o caldo está entornado (para voltarem a adormecer) se os pegarmos ao colo, por isso, visto que dá para mudar a fralda na cama...
  • Não usar babygrows armados em finos. Quanto mais práticos forem os babygrows, melhor. Se forem daqueles com molinhas no rabo, é complicado porque temos de os virar do avesso para por as pernas de fora.  Pijamas. Os pijamas são nossos amigos. É só baixar as calças e já está. Estou há meia hora para pegar na última frase ("É só baixar as calças e já está) e acrescentar-lhe a seguir: "mais ou menos como comer a - inserir nome de porca famosa aqui -", mas não tenho coragem. Até tenho, mas um dia, sei lá, posso vir a trabalhar com elas, sei lá. Pronto. Fica Elsa Raposo.
  • Tirar o bolo e pronto.  Temos de pensar que eles já têm muita sorte em que estejamos a arriscar a nossa vida (noite) em lhes estarmos a mudar a fralda. Por isso, não hão de falecer se retirarmos só o "bolo" e trocarmos a fralda (por "bolo", entendam "cocó", acho que mais vale explicar do que acharem que guardo um mil folhas nas fraldas da Irene). Sinto sempre que ela desperta com o facto das toalhitas estarem frias. Eu sei que existem aquecedores de toalhitas, mas por favor, já comprei um aquecedor de biberões à parva, já chega. 
  • Guardar a fralda suja no dia seguinte. Se tiverem um cesto do lixo com tampa no quarto, não arrisquem. Enrolem a fralda e arrumem-na de manhã. Ninguém falece por ficar ali encostada a um canto (desde que fechada). Quanto menos barulho, melhor.
  • Tentar não ter as mãos muito frias. Eu berraria se, a meio da noite, me passassem uma posta de pescada congelada nas pernas. Deve ser isso que eles sentem.
  • Fazer tudo com o mínimo de luz possível, se chegar a luz do despertador do quarto do bebé ou da luz de presença, melhor.  Eu sigo-me pela luz do intercomunicador (que só usamos durante o dia), nem preciso de mais nenhuma. 
  • Por-lhes o dou-dou (aqueles bonecos para dormir, tipo umas fraldas com cabeças de bonecos) nos olhos. Se não conseguirem fazer tudo quase às escuras, experimentem por-lhes o coelhinho ou o boneco com o qual eles dormem, em cima dos olhos. Pode ser que adormeçam outra vez ou, pelo menos, ganham tempo em que eles não estão a levar com a luz nas trombas e tentam ser supersónicas a mudar-lhes a fralda. 
Fica aqui tudo o que aprendi na arte de mudar fraldas à noite nos últimos nove meses. Temos de ser umas para as outras! Depois digam que se funcionou ou se "rebentou a bolha"

Querem que a primeira palavra seja mamã?

Adoramos que os pais se dediquem aos bebés, adoramos que se adorem mas, por dentro, ai dos nossos filhos que não digam primeiro "mamã". 

Estou convosco, mães cujos filhos, depois de tanto mês a depender só e somente da mamã, são ingratos ao ponto de começarem a balbuciar primeiro um "papá" ou, pior, "papapapapapapapapa". Que dor. É aqui que, mais uma vez, a nossa capacidade de representação é posta à prova: 

"Oh meu amor, que querido! Fico tão contente que a primeira palavra dela seja papá. É mesmo comovente, olha para mim a chorar e tudo, amo-vos tanto." - lágrimas caem, mas de nervos e por estar a fazer um esforço enorme para não enfiar os dedos com uma camada de gelinho antiga nas pálpebras do pai





Truques para que o bebé aprenda primeiro a dizer o que interessa (mamã, portanto): 

  • Assim que consigamos perceber que gostam de nos ouvir cantar (ou a tentar cantar), cantarmos todos os dias durante meia hora a música "Mamã, eu quero" sempre no máximo da nossa expressividade e, se possível, com coreografia a acompanhar. É cansativo? É. Ouvir "papá" primeiro, depois de termos feito com que aquele perímetro cefálico saísse do nosso perímetro vaginal também. 
  • Sempre que o pai apareça ou fale com o bebé, referirmo-nos a ele como o "eutdgihfkjn". "Olha, quem é ele, é o uridfjksx, gostas do gruekjdf"? Sim, é intencional ir variando. Se a miúda nunca ouvir a palavra papá e, se o nome do pai for super complexo e for mudando, estamos a ganhar território à grande. Vale tudo, meninas. Vale tudo. 
  • Quando desconfiarem que o bebé tem fome, provoquem-no dizendo (no tom mais agudo possível, vocês sabem como é) "quer maminhas? quer maminhas?" e depois dêem-lhe de mamar. Se possível, acompanhem esta provocação sonora com o por mesmo os seios de fora. Assim, o bebé começa a associar o som "mam...mam..." a coisas que ele gosta e/ou precisa e/ou o consolam. O pai agradece mais uma oportunidade para nos ver as nossas chuchinhas (ou então, como o meu, diz que, para ele, já nem são mamas porque está farto de as ver).


Nota: Não garanto resultados, mas garanto que tentar obtê-los assim é divertido. Nem que seja para mim, deste lado, a imaginar-vos a fazer isto tudo ao mesmo tempo e com as mamas de fora. ;)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Vai para o quarto dela.

Quando é que se põe os bebés a dormir no quarto deles?

Alguma literatura diz que deve ser por volta dos 9 meses por já não haver tanto risco de morte súbita (li aqui e noutros sítios, mas que agora não me vou por a procurar, apesar de gostar muito de vocês).

Li também que não convém ser perto dos 9 meses, o melhor é ser muito antes ou muito depois por causa da ansiedade de separação que ocorre por volta desta altura e, portanto, para não se sentirem abandonados por serem colocados noutra divisão. 

Não preciso de ler qual será a opinião do muito amado pediatra Carlos González sobre isso porque é sempre "como a mãe achar melhor". E, neste caso, concordo: a mãe é que sabe. 

Nunca percebi qual pode ser o nosso contributo para não ocorrer a morte súbita. Se é súbita, se não se sabe por que é que acontece, como é que os pais poderão evitar isso, estando perto dos bebés? Não percebo. Devo estar mal informada (algo que, de vez em quando, é possível).  

Se fosse morte por engasgamento súbito, percebo porque ouviríamos e fazíamos aquelas manobras de emergência (também se ouve se eles dormirem no quarto ao lado). Sendo que é súbita, se ninguém sabe por que é que acontece, até porque se soubéssemos, deixaria de existir tão "subitamente", será por uma falsa sensação de segurança que, por isso, também os queremos no quarto connosco?

Seja como for, a Irene foi para o quarto dela no 2º dia cá em casa. A respiração dos recém nascidos é tão irregular que, sempre que não a ouvia respirar, achava que ela tinha morrido. Estava a dar em doida (ainda mais), para além de ainda ter o pipi todo cosido, ter os pés todos inchados, estar ainda toda "mamadinha" do parto, tudo. E queria descansar. Além disso, sempre que tinha de lhe dar de mamar, de três em três horas, tinha de acordar o pai para fazer tudo isso (no início, com pouca prática, é tudo muito complicado) e assim era mais justo. Se era eu quem tinha de acordar para dar de mamar, era só eu quem acordava. Poltrona no quarto dela e dava-lhe de mamar de olhos fechados. 



Habituamo-nos, desde sempre, a ter a Irene no quarto dela e acho que ela também. Aos 3 meses fazia noites seguidas de 12 horas (até tivemos de falar com a pediatra, para saber se estaria tudo bem). A verdade é que, desde aí, nunca mais dormiu tão bem, mas atribuo isso ao facto do cérebro dela estar a fritar de tanta coisa que anda a aprender. 

Sei que é chocante ter posto a minha filha a dormir no quarto dela tão cedo até porque, na altura, andava num centro de recuperação pós parto para mamãs (durei umas 7 aulas hehe), falou-se sobre isso e tanto a PT como as outras mães ficaram em puro choque (o que me magoou um pouco, dada a falta de sensibilidade da PT, mas deve ter sido por causa das minhas hormonas ou assim, porque não costumo ser muito sensível no que toca a julgamentos públicos). 

Se eu não tivesse passado por isto, provavelmente julgaria que seria sintoma de depressão pós parto e falta de apego à bebé (que me aconteceu, é verdade, na maternidade, mas não acho que tenha sido falta de apego, atribuo a parto traumático, mas também falarei disso noutro post). 

Não vejo necessidade nenhuma de ter a bebé no meu quarto. Ela está tão perto de mim no quarto ao lado que nem preciso de intercomunicador. Acordo ao mínimo barulho dela. Como não dormimos na mesma cama, não vejo necessidade (apenas vontade, claro). Ando doida para, um dia, conseguir dormir com a Irene, na mesma cama, mas a pirralha ainda não se acalma a esse ponto. Fica para quando ela tiver 40 anos e estiver a mudar-me as fraldas. 

Infelizmente sei de muitas mães que reagem a por os filhos nos quartos deles como se fosse uma expulsão da casa dos segredos: eles não vão morrer, não vão desaparecer, vão só para outro sítio e, mesmo assim é o pânico total. Deve ser uma hormona maternal qualquer que me falta, mas acho muito bonito, claro. 

Para mim, o lugar das mães é sempre ao pé dos seus bebés, mas eu sinto-me ao pé da Irene na mesma. 

Quanto a ter falta de apego à Irene... nem me vou pronunciar. :)

Quando planeiam por os vossos bebés no quarto deles? Ou, para as mães mais experientes, quando os puseram?

De ressalvar que há imensas vantagens em os bebés dormirem sozinhos (quando a mãe sentir que é oportuno), não estamos a falar de um mal desnecessário, ok?

Faço sempre a ressalva de que "a mãe é que sabe" porque tudo o que ela sinta que é contra-natura, além de matar todas as vantagens, até poderá fazer mal e a todos lá em casa.


*imagem do site We Heart It. 

As Joanas e as "i" - as coincidências.

Vamos a isso, vamos por tudo em pratos limpos (ou então "mais ou menos limpos", como saem os meus quando os tiro da máquina). 

A Joana e eu somos muito parecidas em muitas coisas, mas mais diferentes quase que não poderíamos ser. Lá está, é como o nosso slogan "mais diferente, só se uma de nós fosse um pinguim"

Já nos conhecemos desde que estávamos grávidas (aquela história que já vos contamos de nos termos conhecido num grupo de mães online - sim, nós temos noção do quando crominho isto possa parecer) mas, pessoalmente, só no dia 16 de Abril. Quando a Isabel fez um mês, a Irene foi convidada para a sua festa de mesário ou lá o que é. 

Sim, a Joana é muito romântica, todos os meses celebra os meses da Isabel e até lhe dá um livro. Eu também celebro os meses, mas é para dentro. ;)


Tínhamos sido mães há apenas um mês e, aqui na foto, temos as bebés trocadas. A Irene parece um pedaço de solha, coitadinha. 

Joana,  eu sei que não é justo publicar uma foto em que eu estou tão pintada que pareço uma rameirinha suada e tu estás au naturel, mas não temos mais. 

Mães que ainda vão ser, já viram? Um mês depois e já andávamos as duas na boa, vestíamo-nos e isso? Não tenham medo que "tudo se resolve"

O nosso sonho, desde o início, era que as nossas bebés fossem as melhores amigas (não desfazendo as primas da Isabel, claro). E, se a Isabel não encontrar nenhuma sonsa na creche que substitua a Irene, é assim que vai ser. Nem que eu as obrigue. Vão ter tantas dormidas em casa uma da outra que até deverão partilhar o primeiro beijo na boca por não "conhecerem mais ninguém". 

Vamos às coincidências: 

  • somos as duas Joanas;
  • temos as duas 28 anos;
  • fazemos a digestão da mesma maneira; 
  • temos filhas cujos nomes começam por I (Isabel e Irene);
  • não engravidamos sozinhas; 
  • ambas nasceram em Março deste ano (5 dias de diferença, apenas);
  •  trabalhamos no "meio" (da comunicação social) e
  • temos as duas carta.

Engraçado, não é?

Ah! Lembrei-me agora que afinal foi um amigo em comum que disse para eu adicionar a Joana ao tal grupo de mães online, as coisas não foram assim tão crominhas. 


A Isabel e a Irene num dos seus namoros. 

E, há precisamente um mês e um dia, quando a Irene fez 8 meses :) 



Pronto. Acho que agora já sabem qual é qual e que filha é de quem, senão, eu ajudo (da esquerda para a direita): Joana Paixão Brás e Isabel e Irene e Joana Gama. 

Só para que comecem a perceber as diferenças (será assunto de um próximo post): as fotografias todas catitas e cheias de qualidade são da Joana, esta assim mais rascota e dentro de um restaurante, é minha...



A tua filha está tão magrinha!

Se há coisa que me faz espécie na vasta lista de estereótipos e preconceitos da maternidade, é a importância que se dá ao peso do bebé. Sofri isso na pele e contra mim falo.

A Isabel nasceu com 3,680kg, portanto era uma bebé grande. Até aos 3 meses assim continuou, a leite materno exclusivo, comprida e gorducha, sempre no percentil 75. Aos 3 meses tive de ir trabalhar, a livre demanda acabou (para quem está a entrar neste mundo da maternidade agora mesmo, é dar maminha ao bebé sempre que ele quiser), a Isabel teve um episódio de recusa de mama (por causa do biberon) e, coincidência ou não, começou a não engordar tanto. Já em comprimento, sempre a aumentar bem. É comprida!

E aí começou a saga: "oh! perdeu as bochechas", "a minha com essa idade pesava o dobro", "tão levezinha!", "está magrita, não está?", "ainda dás mama?".
Ora, para uma pessoa que é mãe pela primeira vez, isto é das piores coisinhas que lhe podem dizer. Então mas acham que ela anda a passar fome? Lá vêm vocês com a história do meu leite já não ser suficiente. Mas se ela dorme a noite toda! Se passa o dia feliz e sorridente! Se está a desenvolver-se como o esperado para a idade. Se é curiosa e atenta. Se quase não chora. Acham mesmo que a rapariga está a passar fome?

Até eu chegava a duvidar de que ela estivesse bem, tal é pressão para os bebés serem gordinhos e obedecerem ao padrão dos percentis. Mas a pediatra sempre disse: ela está óptima, não se preocupe, é normal eles oscilarem nas curvas dos percentis. Mesmo assim, na hora da balança eu já estremecia, com medo que me sugerisse começar com as papas para a engorda e dar leite de fórmula. Logo eu, que comecei a tirar leite com máquina desde o segundo mês todo o santo dia para garantir que ela tivesse sempre do meu leitinho, não queria ouvir que a minha filha andava a passar fome!

Não há nada como o passar dos meses para irmos ganhando mais confiança no nosso instinto. Vê-la bem-disposta, sorridente, calma e esperta é agora quanto basta para perceber que ela está bem. Deixei de me preocupar com o peso. Do sexto ao nono mês é um alívio não ter de pesá-la e estar-me a marimbar para isso. 

Já assumi, qual mantra: a minha filha não é um bebé gordo, mas está bem assim.

Magrinha? Pode ser, à luz dos estereótipos do "bebé Nestlé", mas para mim, ela está óptima, linda e recomenda-se.

domingo, 21 de dezembro de 2014

Frio? Somos uns meninos!






Depois de ver as fotografias de Praga, encontrei motivos para ficar preocupada: em 95% das fotos estou a comer. Ou a cheirar um crepe com chocolate. (Ou a armada em parva a dizer adeus ao meu motorista... haha) Ou com uma cara alucinada a ver batatas fritas em espiral. Não seria preocupante se não estivesse aí o Natal à porta. E a passagem de ano. E... mil e uma desculpas para encher o bandulho, não é? Adoro comer. Por mim não fazia mais nada nesta vida. Mas adiante.



Vamos lá ao que interessa: o frio. Aqui em Praga faz frio a sério, já em Portugal somos uns meninos. "Ah! Está frio, os meninos constipam-se." E pumba, centro comercial com eles.

Devíamos aprender com esta gente! Está frio? Pois, está. Vamos torná-los nuns ursos polares e vamos com eles à rua. Bebés de meses, minha gente, passeiam na rua, com temperaturas a rondar os 3 graus. Gorro, luvas, cachecol, botas e fato de neve se for preciso. O que interessa é sair. Brincar, passear, conviver, respirar ar puro, fazer bolas de sabão.
Estão-se bem a marimbar para o casaco e os sapatos da moda, os fofos e os laçarotes. Querem é andar quentinhos. Não podia ser assim também em Portugal?












Bom, avós, FaceTime é...

E não é que agora os avós podem ter o prazer de ver os netinhos todos os dias a qualquer hora do dia?

Ainda por cima, este método tem a vantagem de conseguirmos esconder facilmente aquele canto da casa que não nos dá jeito que a sogra veja. Evitamos que depois diga (baixinho, claro): "ó para isto, nem cuidar da casa... ". 

Agora que os avós herdam os nossos smartphones (foi o caso), podemos usar o FaceTime ou o Skype (isto, claro, depois de alguns bons momentos a explicar a toda a gente o que é cada coisa). 

Desejo muita sorte a quem tenha de explicar o conceito de internet ou de touchscreen, mas vale a pena o sacrifício. Imaginem lá os dias que poupam a ter que percorrer "capelinhas".

Eles ficam todos babados e, os nossos filhos só não ficam todos babados porque, provavelmente, já estão. 

Também usam este método? Já tiveram de explicar o que é?





sábado, 20 de dezembro de 2014

Tive pena da minha filha.

Não sei quanto a vocês, mas a palavra de ordem para as sopas da Irene é: variedade. Isso faz com que compre exemplares de praticamente todos os vegetais que há no coiso-online e, depois, faça tipo totoloto: tudo lá para dentro à molhada. Faço uma orgia de vegetais em que eles não têm vontade própria e, por isso, suam que nem porcos na primeira fase da cozedura e depois roçam-se uns nos outros que nem uma noite de Kizomba, algures.

Não interessa se a cenoura se arma em esquisita, se a alface tem herpes e, por isso, não quer enrolar-se com a courgette. Não interessa se a beterraba é ex-namorada do nabo que agora está a lambuzar-se todo com a batata-doce. Enrolam-se todos uns com os outros que nem uma turma de 12º ano numa viagem de finalistas e, às vezes, o resultado é mau. É péssimo.

Foi o caso de no outro dia quando decidi juntar batata-doce e milho e o caso de hoje em que pus alho francês, batata-doce, feijão verde e BETERRABA.

Além de não me lembrar de alguma vez ter comido BETERRABA na minha vida (até perguntei ao meu marido se não era aquilo que os restaurantes mais portugueses usavam para fazer flores nas saladas mas, afinal, parece que isso é rabanete), também não sabia que ia ficar com as mãos mais rosa que as paredes do quarto do Carlos Costa. 

Quando a sopa ficou pronta, fiquei com pena da Irene. Nem me dei ao trabalho de provar para depois não lhe estar a dar a comida à boca enquanto me bolço toda na minha. O meu marido come tudo o que lhe aparece à frente (só de comida, mantenham-se calmas eheh) e nem esta sopa quis provar. 

Lá ponho aquilo numa taça e dei à gorda. A gorda comeu. A gorda adorou. A gorda chorava entre colheres para lhe voltar a estocar a boca com aquela mistela (ai que quase ia escrevendo o nome de uma marca e hoje não me apetece). 

Também vos acontece darem coisas que não comeriam aos vossos filhos?



"Papa, papa... "

Blergh...


Será que o próximo cocó dela vai sair tipo uma tijela de Skip Baby (por causa da cor)?

Praga ou três dias sem a minha filha

Estou em Praga e completamente apaixonada por esta cidade.
Isto seria perfeito se eu não estivesse já cheia de saudades da minha filha.
Até 2a feira vou estar longe dela.


Chorei várias vezes durante a semana passada. Passaram-me mil coisas pela cabeça. E se o avião cai? E se ela fica órfã? Não deveríamos ir em voos diferentes? E se ela adoece? Se ela chama pela  "mamamama"? E se ela precisar muito de mim? Será que vai ficar zangada?
Quando nos voltarmos a ver, vou ficar tipo lapa agarrada a ela. Não vou desgrudar nem um bocadinho.

Já devem estar a pensar, no meio de tantos receios e angústias, "mas alguém lhe apontou uma arma à cabeça para ir viajar?"
Não, eu é que sou masoquista, pelos vistos. Antes de sair de casa custou-me muito, sentia-me a abandoná-la.

Podia vir dizer aquelas frases feitas para me consolar "antes de sermos mães, somos mulheres" ou "a mãe tem de estar bem". Acredito nisso, mas há coisas que têm de ser muito bem pensadas, não é ir passear sem a filha e logo se vê.
Quantas mães conseguem deixar os filhos com terceiros e não ter dúvidas de que estão a fazer o certo? Não é "adeuzinho que eu agora preciso um tempo". Não são decisões fáceis.

Mas agora que aqui estou e que recebo os relatórios da minha mãe - a segunda melhor mãe do mundo - percebo que posso estar descansada.
Comeu bem, sorridente, calminha, dormiu bem. Ela adora a avó e sente-se segura com ela.

E agora que aqui estou, tenho de aproveitar ao máximo para namorar, passear e deixar-me encantar pelos efeites de Natal da cidade. Sempre com ela no coração.







O que faço com a miúda?

A Irene está quase a fazer 9 meses (passou tão rápido, credo!) e sinto que ela já está muito mais presente, mais "pessoa", mais interactiva! Claro que é normal visto que já ultrapassou umas dezenas de saltos de desenvolvimento (ver aqui). 

O que é que posso fazer com ela? 

Posso fazer um assado? 

Até queria ir ao Jardim Zoológico, mas será que lhe vai fazer alguma diferença ver animais ao vivo ou olhar para os mesmos peluches que vê todos os dias umas duzentas vezes? E se ela adormece no carro? Volto para casa? Será que ao entrarmos no Zoo ela vai achar mais piada às grades das jaulas do que aos bichos que estão por trás? É bem menina para ficar deliciada com as meias de cores em vez de olhar para os Gorilas e para os Ursos. 

Gostava de ir ao Oceanário, mas mesmo que ela goste, será que se lembra disso 10 minutos depois? Não vai a falar sobre isso no carro, super entusiasmada, até chegarmos a casa, de certeza. O maior manifesto de entusiasmo até casa será provavelmente um saralhoto na fralda (o que já dá para fazer uma grande festa, como vocês sabem). 

Até perceber o que posso fazer com o raio da gaiata, vamos andar de baloiço. É barato, sempre dá para a comida descer e para ela dar uns arrotinhos (para não dizer peidinhos, que seria falta de classe e não me posso esquecer que a Joana Paixão Brás assina com dois apelidos, finória ;))



O pai da minha filha está sempre a dizer "para quê? Para quê ir passear com ela se ela nem sabe o que se passa?", mas já sabe, não sabe? Pode não ter lembranças de nada, mas tudo isto contribui para um bem-estar geral dela, não é?

Senão era igual tê-la a repartir um tupperware com uma alheira ou ir passear... e não acredito!

Faz bem, sempre. Nem que seja porque a mãe fica feliz e passa isso à bebé. 

Agora, ajudem-me a convencer o marido a laurear!



a Mãe dá (#02) - Retrotagram

E eis o que a Mãe deu:

Um mini-poster personalizado com as fotografias do vosso instagram (seleccionadas por vocês, descansem que não vai aparecer aquela em que ficaram com um bocadinho de celulite a aparecer, deitadas na praia no Verão de 2013). 



A vencedora deste passatempo foi a Andreia Pereira!

Parabéns, Andreia!

Entraremos em contacto contigo por e-mail assim que possível e tivermos os dados da parte da Retrotagram!


sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Inventam tudo (#01)

Já ouviram certamente uma velhinha a dizer esta frase, mas há quem tenha 28 anos e também a use: eu.
Então não é que alguém se lembrou de inventar uma almofada que abraça o recém-nascido e o deixa aconchegadinho?

Se dormirmos com a almofada durante a gravidez (fiz isso com um peluche da minha filha e o meu marido achava que eu estava a regredir lol), fica com o nosso cheirinho, o que fará com que o bebé se sinta ainda mais seguro. Tem sítio para prender a chucha e um saco de sementes que vai ao microondas, que os mantem quentinhos e pode ajudar nas cólicas.


E quem inventou a To Be Touch? Uma marca portuguesa, a To Be Baby.
"Mas como é que não me lembrei disto?", pensam vocês. Pumbas, já tinham ideia para ir ao SharkTank. Só tenho pena de não ter sabido disto quando estava grávida.

Que outras invenções conhecem?

Top 5 de coisinhas para os nossos coisinhos passarem a ter/fazer

Não era óptimo que os paizinhos das nossas criaturas reunissem um determinado conjunto de características que nós cá sabemos? Era tão bom. Não vou falar de abdominais e isso, até porque nunca soube o que são, sou mais redondinha que uma bola de matraquilhos. 

Ah! E é assim, suas sacanas, se me vêm dizer que os vossos maridos são perfeitos e que não sentem nada disto, leva cada uma com uma belinha e não me refiro à apresentadora da TVI, refiro-me mesmo a um calduço, mas na testa. 

Top 5 de coisinhas que os nossos coisinhos podiam passar a ter/fazer: 

5 - "Ela parece ter cocó, amor" - Pronto. Até aqui eles chegam. São capazes de avisar que o filho tem o rabo com estuque de ex-bolo alimentar enquanto o está a segurar como se fosse um estendal com uma camisa pendurada. Em vez de, depois ficarem a olhar para nós, que tal se tentarem chegar à parte útil da questão? Fica aqui a sugestão: "Ela parece ter cocó, amor. Sabes o que vou fazer? Não, não vou voltar a pousá-la no parque para o cocó ficar tão espapassado que quase que volta para o duodeno. Vou sim, mudar a fralda espontaneamente".

4 - "Olha, acordou!" - A sério? Vocês acham mesmo que ouvem que os miúdos acordam primeiro que nós? Só se estivermos no estado actual do Walt Disney e, mesmo assim, duvido. (In)felizmente ser mãe é ficar com uma ligação tipo apito de cães e cães, só que com os miúdos. Uma pequena sugestão que, lá está, passa pelo mesmo: e que tal levantares esse esfíncter do sofá e seres tu a ir buscar a catraia?

3 - "Acho que ela tem fome!" - Se não for hora de sacar da tetinha para fora (tetinha da mãe, claro, se fosse a do pai, a miúda era capaz de ficar baralhada, apesar de achar que a Irene, com a gana que tem para comer, tanto lhe faria) e se a bebé tem fome... Olha e não é que o frigorífico está à mesma distância dos dois? E não é que o microondas não se arma em esquisito se fores lá tu a por a sopa a aquecer? Experimenta lá, só para ver o que acontece! Ah! Não posso, aqueceu na mesma!

2 - "Não queres sair com as tuas amigas que eu fico a tomar conta dela? Estou cheio de vontade!" Hmmm... Só de escrever isto, senti o mesmo que quando estava a ver o filme "A Vida de Pi". Isto é só impossível de acontecer e só alguém com muito ácido na testa é que imaginaria isto. Era giro que não tivéssemos de ser nós a pedir, não era? A verdade é que, se calhar, também não lhes dizemos isto, não é? Eles partem do princípio que... podem sempre

1 - "Está bem, eu falo sobre isso com a minha mãe, não precisas de ser tu!". As sogras de vez em quando fazem das suas e é delicado para nós falarmos com elas (a minha não, a minha é uma fofa... não vá ela arranjar internet ;)). Se os filhinhos delas ganhassem uns mm de saco escrotal e fossem falar com elas? Sem dizerem que foram a nosso mando, não era giro? "Acho mesmo que devias parar de dar Toblerone à Irene se ela só tem 3 meses, mãe". Será assim tão complicado?

Mais uma vez: se têm maridinhos perfeitos, não apregoem por aqui porque, há cabras em todo o lado! Estou a brincar... 

Estou? 

Estou! 

Quem fala? 

Isabel vai a todas

Sabem aquelas mães que têm fome de mostrar o mundo às filhas? Essa pessoa sou eu.

No primeiro mês dela, não a estimulei muito. Sons suaves, longe das confusões, muito mimo, beijinho e colinho. A partir daí, transformei a minha filha numa daquelas hipies que andam de autocaravana sem destino. Ou num "eterno vagabundo", lá diria o Tony Carreira.
Ainda ela não tinha 2 meses e já andava a conhecer os restaurantes de Lisboa, Évora e Santarém.
Ainda ela não tinha 5 meses e já tinha ido à praia, carregadinha de creme, roupa e chapéu, claro, só de madrugada e ao fim da tarde. 
Ainda ela não tinha 9 meses e foi pela primeira vez ao teatro. Ok, isto foi só parvo, até porque não era um teatro para bebés e ela só aguentou lá 15 minutos.

Qualquer dia, estou a levá-la a ver um filme do David Lynch e contar-lhe, antes de adormecer, a história da Madame Bovary. Presente para este Natal: tubos de ensaio, que não há tempo a perder. 

No domingo fomos a um concerto para bebés. Adorou! Só de olhar para a cara dela, feliz, curiosa e a bater palminhas, soube que estava a fazer a coisa certa.


O concerto foi no Palácio de Monserrate, em Sintra, e só no caminho até lá a Isabel inspirou mais ar puro do que em toda a vida. Estava um lindo dia de sol e soube-me bem estar a fazer um programa com a minha filha.


Depois, a magia das músicas do concerto "Manhã de Natal", com flauta transversal, guitarra e duas vozes com uma harmonia fantástica!
Bolinhas de sabão, objectos com sonoridades diferentes e interação com os bebés da sala fizeram de mim uma mãe realizada. E naquele tempo todo, não se ouviu um único bebé chorar.

Por mim, é continuar a ir a todas. Gosto de estar na ronha com a Isabel, mas vou guardar isso para quando ela estiver doentinha e para os dias gelados e chuvosos de inverno. De resto, agasalhadas, lá vamos nós descobrir o Mundo!


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A Marta é que sabe!

a Mãe é que sabe e, portanto, a Marta é que sabe! :)

Como, em princípio, saberão, este projecto começou por serem três amigas, mães que propunham escrever de forma bem humorada, leve e, acima de tudo, genuína as suas opiniões, dilemas, conselhos, etc. 

A verdade é que visto que temos sido tão bem acarinhadas por todas as mães que nos lêem (ui, quase lesbiano tanto amor feminino) que temos vindo a dedicar cada vez mais e mais do nosso tempo e, também, do nosso coração. Como devem imaginar, os nossos parceirinhos (é chato dizer maridos porque o mariquinhas do David da Joana ainda não se chegou à frente, grrr) agradecem porque têm o comando da televisão para eles durante mais algumas horas e é menos tempo que falamos com eles sobre coisas que não lhes interessam (o que, curiosamente, é o que depois vimos escrever para aqui). 

Já tinham lido sobre a Marta Vale Cardoso? 



Marta Vale Cardoso. Tem o dom do multi-tasking e da omnipotência. Consegue dar banho ao Lucas enquanto faz a sua aula de Zumba. Dá um jeito à casa enquanto está na piscina a nadar com ele. O Lucas, para a Marta, é mais portátil que um iPhone. Daria ainda mais jeito se ainda estivesse na barriga para não dar tanto trabalho a transportar! Apesar de tudo isso, não sabe como conseguiu tirar arquitectura no Técnico sem ter olheiras, e agora parece que levou dois murros na tromba.



Pronto. A verdade é que a Marta, apesar de ser uma super-mulher, só tem duas mãos e duas pernas e uma cabeça (apesar de estar super cheia), pelo que o multi-tasking tem limites. ;)

Queremos agradecer-lhe todas as horas de conversa no whatsapp sobre o blogue, a partilha de tantas ansiedades, receios, decisões, posts, ideias, sugestões, críticas, tudo. 

Obrigada, Marta, por teres feito parte da matriz deste blogue, também tu contribuíste para que as coisas estejam tão bem encaminhadas!

A Marta Vale Cardoso não vai desaparecer (porque não é nem mágica, nem a Maddie), sempre que quiserem falar com ela, ela está aqui, enquanto, lá está, despacha uma máquina de roupa, faz a sopa para o Lucas, fala com a mãe ao telefone e toma banho para ir trabalhar. 


Leiam aqui todos os posts da Marta e logo de rajada, se quiserem! 

<3

E se o Lucas quer ser cá da malta...

...tem de comer esta papa até ao fim, até ao fim!

Felizmente esta é uma lenga lenga que nunca tive de usar com o Lucas. Se ele chora à refeição é porque a colher não está a chegar depressa o suficiente à sua boca. Ou isso ou tem sono, pronto. Mas o rapaz ajeita-se a comer à colher. Adora sopa, adora fruta, adora iogurte, papa, o que for!

Sei a sorte que tenho por não ter de andar a fazer aviõezinhos para o meu filho comer. Mas também sei que às vezes é capaz de ser desesperante para alguns pais a dificuldade que têm em que as suas crias se alimentem. Ele é fazer trinta por uma linha para que eles se distraiam para, sem que se apercebam, tunga!, lhes enfiarem uma colher à boca. Desde as brincadeiras com a colher, ao uso de tablets, smartphones e televisão, passando pelas macacadas mais estapafúrdias e pelas cantigas mais irritantes, vale tudo nesta luta para impedir que o nosso filho fique subnutrido.

Como é que esses pais aguentam? Pois, não sei. Mas admiro-os muito! Força pais e mães das crianças que não querem comer! Um dia elas vão tornar-se adultas e já não têm de se preocupar com isso. Embora não consigam, não é?


Ass: A Mãe que, neste departamento, não sabe

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Vontade de fazer cocó

Eu juro que quando estudava para ser repórter, ia às aulas de Semiótica, empinava Saussure ou Hannah Arendt e via filmes para a cebecinha nos cinemas Medeia, estava longe de imaginar que um dia iria escrever sobre cocó.
Mas isto da maternidade dá-nos a volta, ficamos tontinhas de todo. Tontinhas e sem grande pudor de falar sobre as coisas: passamos a mexer no cocó dos outros, a limpar macaquinhos com as mãos e a aspirar o ranho usando um tubo e puxando com a boca (e às vezes puxamos demais e acho que não é preciso dizer mais nada...). Ficamos preparadas para a guerra!

Se estão a ficar enojados com a conversa, vão espreitar o Blog da Carlota, que é asseadinho e nunca lá irão encontrar nada deste fino recorte.

O que eu quero dizer é o seguinte: uma das nossas grandes dúvidas na altura do trabalho de parto é: "como é que eu sei que está na hora do bebé sair?" ou "quando é que eu sei que tenho de fazer força?" Ora bem, quando tiverem vontade de fazer cocó. A sério, é verdade! Nesse momento, salvo se vos pedirem, não podem fazer força nenhuma: há que tentar controlar esse impulso de fazer força e para isso nada como fazer umas respirações rápidas.

Ironia da vida: depois do parto, se pudessemos não faríamos cocó durante um mês, pelo menos. Acho que não preciso de vos fazer nenhum desenho, pois não?

Ironia da vida número dois: quando eles já não ficam bem sozinhos e querem estar connosco a toda a hora, dávamos um dedinho do pé para poder fazer cocó em paz.

Pronto, já exorcizei o meu lado brejeiro. Tenho de ir, está quase a começar o meu programa preferido na RTP2.

Sexo depois do parto?

Seus pervertidos, se acham que vão encontrar aqui imagens eróticas, vão mas é ao Redtube. 

Revista Maria, afinal quanto tempo devemos esperar para ter relações sexuais depois do parto?
Ao almoço, uma amiga acertou na mouche: "vais poder fazer muito antes de te apetecer". Ahahahah! Tão verdade!

Os médicos falam de voltar ao activo entre quatro a seis semanas depois, tempo que os pontos demoram, regra geral, a cicatrizar, mas depende muito de cada caso. Se o parto tiver sido simples e sem episiotomia, pode ser antes. Mas a questão nem sempre é física. Sejamos realistas: emocionalmente a mulher pode não estar preparada, o parto foi uma coisa recente, houve uma mudança brutal na sua vida e os primeiros tempos são muito cansativos.

Como se tudo isso não bastasse, as mulheres tendem a ficar menos lubrificadas depois do parto, principalmente se amamentarem. Daí ser muitas vezes útil usar um lubrificante à base de água.
Depois, para muitos casais, o facto de terem o bebé a dormir mesmo ali ao lado torna a coisa meia estranha. Nesse caso, há que ser criativo: há outras divisões na casa.

Agora vamos ao que realmente interessa (porque, muitas vezes, tudo o resto são desculpas): a falta de líbido. É normal que não se sinta, nos primeiros tempos, vontadinha nenhuma. Também nesse caso se pode ser criativo: a penetração não é a única forma de prazer sexual e há várias maneiras de se mostrar cumplicidade. Uma boa dose de humor também resulta. Às vezes um elogio, um beijinho e fazer conchinha também não é nada mau. 

Tempos melhores virão, acreditem! Não tarda nada já estão a ter noites loucas e demoradas de sexo, com direito a prolongamento e a penalties. Ou então só têm 5 minutinhos, porque o bebé se lembra de invadir o campo, mesmo no momento de um lance perigoso. Há que estar preparado para um choro na hora H, mas esse enigma até pode apimentar a coisa.

Boa sorte!

Ah! E vocês, suas ninfomaníacas malucas, não vale a pena virem para aqui contar que convosco foi logo na maca a caminho do quarto da maternidade e que foi o melhor sexo da vossa vida. Escrevam antes uma cartinha à autora do 50 Sombras de Grey, que ela já deve andar a precisar de temas novos.

Palmas, palmas para vocês, mães que ficam em casa!


Foi na segunda-feira. A Joana Gama enviou-nos, como é hábito, uma foto com a Irene. Uma ao lado da outra, sorridentes. E os meus olhos encheram-se de lágrimas. Fiquei com inveja. Ou pena, pena de não estar naquele momento com a minha filha. As segundas-feiras sempre me custaram muito desde que comecei a trabalhar, quando a Isabel tinha três meses. É como tirar o chupa-chupa a uma criança: depois de dois dias de namoro intensivo, de muitas gargalhadas e de sorver tudo, beijar-lhe a cara as vezes que me apetecer, vê-la crescer e a acordar das sestas com um sorriso na cara, ter de ficar sem ela custa muito.

Isso e o facto de se estarem a aproximar os três dias que vou estar longe dela, tornam-me uma pessoa de lágrima (ainda mais) fácil. Quando voltar da viagem, vou-me colar a ela como uma lapa e vou bater o record de maior beijo do mundo, sem desgrudar os lábios daquela bochechinha macia.

Mas voltando às segundas-feiras, que é como quem diz, ao trabalho, e respondendo a este post da Joana Gama (que mais uma vez me pôs a chorar). Sei o que é ter de disfarçar crises de saudades da minha filha, sei o que é não dormir durante a noite e ter de me levantar cedo e ter de ser criativa, sei o que é ir buscá-la à creche já tarde e vê-la a chorar muito, exausta. Já me passou pela cabeça largar tudo para ficar com ela em casa. No entanto, quando fui analisar os prós e os contras, percebi que não seria possível.

1)  Não temos condições para isso
2)  Motiva-me trabalhar e continuar a ter a minha independência
3)  Acho que não seria capaz de estar com a Isabel 24/24 horas por dia, por escolha

Chocadas com este ponto 3? Não vou apagá-lo, assumo estas palavrinhas todas.
A minha filha é a coisa mais importante da minha vida, mas tomar conta de uma criança a tempo inteiro é trabalho de guerreira. 

Teria receio de não “estar lá” as 24 horas com prazer. Teria receio de ter de cerrar os dentes para não desatar num pranto quando ela fizesse birra para dormir. Teria receio de a embalar com força demais, com o batimento cardíaco acelerado e as mãos a transpirar e até de ganhar raiva dela. Teria receio de não dar conta de tudo: limpezas, comida, brincar, lavar roupa, dar-lhe atenção. Teria receio de deixar de cuidar de mim e de andar de pijama o dia todo.

Palmas, palmas para vocês, mães que ficam em casa com os filhos e que conseguem manter a sanidade mental. Ou para as que nem sempre conseguem.

Palmas para vocês que estão lá para eles sempre que eles precisam e lhes dedicam a vossa vida.

Palmas para vocês que arrumam, que inventam jogos, que lhes contam histórias, que passeiam com eles e vão às compras com eles, que aturam todas as birras e que respiram fundo enquanto eles dormem a sesta. Respiram fundo a aproveitar o silêncio, mas nem por isso descansam: aproveitam para preparar o jantar ou passar a ferro.

Vocês são especiais. Palmas para vocês.

a Mãe dá (#01) - Vencedores Livros Marcador

Mas isto é assim?

Parece que temos imensos seres do género oposto aqui no estaminé e não nos dizem nada? 

Andamos aqui de pijama, sem nos maquilharmos, às vezes com um banhinho ou dois por tomar e estão cá rapazes?

É bom saber que há homens que sabem que a Mãe é que sabe! :)

Vamos lá aos negócios: 

Neste magnífico "a Mãe dá livros com a Marcador" que envolvia dois livros maravilhosos...


... houve mais de 60 participações

Estamos atónitas (um dia tinha de usar esta palavra em alguma coisa - sem ser em água atónita - e foi hoje)!

Os vencedores foram seleccionados aleatoriamente utilizando o site random.org, não sendo válida mais do que uma participação por e-mail, blá blá, tudo o que já tinhamos disto neste post.

Sim, OS vencedores (WTF?). 

E eles são: 

Manuel António Pereira e André Daniel Silva!

Parabéns (ainda hoje vos enviamos um mail) e, já agora, expliquem-se: o que é que andam aqui a fazer? :)