quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Bebé suja, bebé limpa!

Acho que é a melhor maneira de os ensinar a não sujar as coisas que não fazem sentido. É um dos pilares da disciplina positiva (do que percebo, claro): aceitar as consequências naturais dos actos. Suja? Limpa. 


Até porque ela até já andava a dizer que quando se suja, quem limpa é a Paula (nossa empregada) e... não gostamos nada de saber... 


O que acham de os por a limpar? ;)



Um vídeo publicado por Joana Gama (@joanagama) a

Ano novo!!

Li algures e faz sentido: "o ano só é novo se tu mudares também". 

É daquelas frases manhosas que apanhamos no facebook, que não partilhamos por serem bimbalhotas mas que até ficamos a pensar nelas durante uns segundos. 

Felizmente, para mim, este ano já foi um ano de redescoberta, de religação espiritual (não parem de ler só por ter usado a palavra espiritual e "religação" existe que fui ver) e isso não aconteceu porque comecei a colorir flores esquisitas naqueles livros que se vendem no Pingo Doce - acho que estou a muito pouco tempo de cair nisso também, mas tenho medo de adormecer. 

Os filhos são um eyeliner da alma (estou inspirada, não estou?). Parece que, com o nascimento de uma criança, os nossos piores defeitos vêm ao de cima e as nossas melhores qualidades também. Sinto que me tornei mais confiante, mais paciente, mais franca, mais brincalhona, mais bonita, mais empática, solidária, tolerante. Reparei também na espiral de ansiedade em que vivia, na pseudo depressão que me assombrou durante anos, no vazio que havia em mim por preencher, naquilo que negava a mim própria e que tanto precisava, simplesmente por não ter tempo para pensar, sentir, ouvir, ouvir-me. 

Este ano tive tempo para me ouvir. Tive mesmo de me começar a ouvir porque tinha de me organizar a todos os níveis. A Irene merece o melhor de mim, todos merecem o melhor de mim, eu mereço o melhor de mim. 

Comecei a cuidar de mim, de dentro para fora e a minha força foi a Irene. Ela foi a minha âncora, a minha motivação, o meu objectivo e agora sinto-me mais capaz de lhe dar o que ela e eu precisamos. Sinto-me inteira. Não devemos apoiar-nos nos nossos filhos para sentirmos que temos tudo, mas devemos ser tudo pelos nossos filhos. 

O meu marido, depois a Irene foram a minha pedra de toque. Tive necessidade de fazer terapia, optei pela hipnoterapia, naturalmente comecei a cuidar mais de mim e maquilho-me, penteio-me (à séria, não a batotice que fazia antes), vou ao cabeleireiro, tenho vaidade em fazer combinações de roupa, salivo a olhar para sapatos, estou a tratar do meu corpo, a comer mais saudavelmente... Reconheço a existência do próximo na sua plenitude, preocupo-me genuinamente, ambiciono ser inspiradora, motivadora para aqueles que me rodeiam. Não me meto em intrigas, não sofro com coscuvilhice (há menos chatices quando passamos a ser optimistas), não ando ansiosa sem necessidade, respeito os timings da Irene, vejo-a como um ser humano e não como um lembrete no telemóvel... 

Sinto que vivemos numa altura (sim, vem aí uma treta do género mindfullness e "aldeia global" e todos os chavões do género) em que vivemos cheios de pressa para fazermos imensas coisas cuja gratificação é pouca ou nada. Sinto que perdemos pouco tempo a construir e muito tempo a mostrar. Noto isso quando varro o instagram 40 vezes enquanto a Irene está a falar comigo e a pedir-me para fazer qualquer coisa, como se o instagram fosse importante ou não estivesse ali dali a duas horas quando ela estivesse a dormir. E isto acontece, a meu ver, porque andamos adormecidos. Andamos com a corrente. Os dias, com a rotina, parecem-nos todos iguais e acabamos por absorver essa falta de cor. 

Muito, comigo, tem que ver com a merda do telemóvel. Os tempos em que estou agarrada ao telemóvel, são os tempos em que a minha cabeça poderia estar a trabalhar em soluções, oportunidades ou a fazer algo de maior valor. Sinto que tenho de perder essa pressa. A pressa de responder logo. A pressa de saber já. 

Por que é que reagimos como se as coisas do telemóvel não estivessem lá dali a umas horas?

Desculpem por estarem a assistir aos meus pensamentos em directo, o texto não deve estar minimamente organizado para vocês que não vivem na minha cabeça.

Gostava muito que vocês, tal como eu o fiz este ano, tivessem oportunidade (ignorem o facto de já ser dia 1) de se dedicarem a vocês próprias. Abstraindo-se de tudo o que corre muito bem e/ou corre muito mal.  Parem um bocadinho. Oiçam-se. O que querem fazer e nunca fizeram? Querem ser melhores nalguma coisa? O que precisam de fazer para chegar lá? Do que têm saudades? O que querem proporcionar aos vossos filhos? 

Proponho uma vida mais consciente. Por vocês. 

Nunca fui tão feliz como agora. E muito se deve a mim. 

Prometem que este ano (comece ele hoje ou amanhã ou em Fevereiro) vão ouvir-se mais? Fazer mais por vocês e pela vossa família? 

Não se deixem adormecer por esta corrida imaginária para o nada. 



PS - Pareço escritora de bomba de gasolina, eu sei, mas é tudo do coração. Bom ano! 

Isto intriga-me. Alguém me explique isto!

Há uma coisa que me intriga há vários anos (intriga-me e dói-me também, na parte detrás da cabeça).  

Como é que ainda ninguém se lembrou de inventar uma merdinha que se ponha no lavatório do cabeleireiro, quando vamos lavar o cabelo e encostamos a cabeça, e que impeça de ficarmos com dores no pescoço/cabeça durante os três dias seguintes?

Sou só eu?!

Podem inventar costas de cadeiras com "massajador" automático, cadeiras com pés para ficarmos todas esticadinhas e relaxadas, massagens na cabeça deliciosas, MAS DEPOIS O LAVATÓRIO ENTRA PELA NOSSA CABEÇA ADENTRO? Juro que não percebo como é que aquilo ainda é feito de louça e não é forrado com algo impermeável mas fofinho e feito de esponja macia por dentro. Tenho um pedaço de louça a marterizar-me e ninguém faz nada? Não há petições para isto? Não há manifestações em frente à Associação Portuguesa de Barbearias, Cabeleireiros e Institutos de Beleza?

Alguém que pegue nesta ideia e desenvolva o produto, pelo amor de Deus! Registem a patente e vão ao Shark Tank.

De nada.


Correio da Manhã? Nunca mais!!!

Não dava mais. A nossa relação já estava por um fio há muito tempo, mas desde que fui mãe, as coisas esfriaram. A minha formação em jornalismo levava-me a seguir-te no Facebook, para ter acesso a todas as informações. A minha necessidade de notícias cor-de-rosa para o trabalho que realizo também. Mas não deu mais. E neste caso, o problema não sou eu, és TU.

Não há estômago. Não dá. "Bebé violado por enteado." "Mata com 21 facadas não sei onde" "Mãe mata filha de meses no microondas. Orgãos internos cozeram." Chega. Foi o fim da picada. Não consigo. Não vejo filmes de terror e tinha de levar com a mais cruel das verdades? Não quero, não preciso de ti. Não consigo levar contigo, de manhã, à tarde e à noite, a revelares-me, sádico, pormenores que ninguém deveria querer saber. Coisas que não melhoram a vida de ninguém. Muito menos a minha. 

Desde que fui mãe, tudo mudou. Faço uma selecção muito mais apertada do que quero ter na minha vida, do tempo que perco, das coisas que leio e, sobretudo, dos sentimentos que quero acrescentar à já grande tempestade que me assola. Não quero pensamentos negativos. Não preciso de sentir vontade de vomitar. Não quero ver vídeos perturbadores nem ler detalhes que me vão ficar na cabeça e na alma dias afins.

Quero apertar a minha filha, beijá-la, afastar de mim os podres do mundo, sem deixar que o que sinto e o modo como vivo fiquem (mais) contaminados. Energias positivas, pensamentos positivos. E não, não me quero alhear da realidade. Mas quero filtrar o que ela me dá. 

Por isso, Correio da Manhã, apaguei-te do meu feed e não faço questão de ir espreitar ao teu as "notícias" que tanto gostas de dar. Não me fazes falta. Não vale a pena mandares flores, nem chocolates e muito menos ligares, porque não vou atender. Tenho mais que fazer.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Mudei de vida!

Desta vez não falo só da minha barriguinha, que vai fazer de 2016 o melhor dos anos. Nem do meu corte de cabelo (obrigada pelos elogios, já agora, vocês deixam uma pessoa com o ego upa upa!).



Deixei o meu trabalho na SIC, ao fim de 4 anos, como editora de conteúdos dos magazines e repórter. Fui aqui muito feliz, tive oportunidades únicas, conheci e trabalhei com pessoas fantásticas e inesquecíveis, mas senti que tinha de dar este passo agora. Continuarei a ser a voz da SIC Caras (que, já agora, todos vão ter o prazer de ouvir (hehe), já que vai para a MEO em janeiro).

Claro que houve quem ficasse um bocado em pânico nas nossas famílias, mas foi uma decisão ponderada, tomada a dois, e necessária. Tenho projectos profissionais adiados e os projectos pessoais são inadiáveis. Quero estar mais presente para a Isabel, quero deitá-la mais vezes, quero estar e ser mais mãe, para ela. No entanto, não posso não trabalhar (e acho que nem conseguiria), e vou esmerar-me para conseguir, em curto prazo, por de pé tudo o que tenho em mente. Arregaçar as mangas e fazer pela vida. Mas uma vida ao meu ritmo, ao nosso ritmo, principalmente quando o bebé nascer. 

Espero não me arrepender deste passo, que foi dado com tranquilidade e confiança. O futuro o dirá. Fiz o que o meu coração mandou. Não tenho medo. Só força.

Ainda a decidir se estas mudanças também vão passar por uma mudança de casa e até de cidade. Em breve vos direi!

Desejem-me sorte! :)

Já agora, BOM ANO A TODAS! Vou fazer para que o nosso seja o melhor de sempre!

O meu novo look!

Depois do post de ontem, deviam estar à espera de uma coisa mais tchanan. Também eu. Estive mesmo para pedir ao Ivan para cortar mais, ele leu-me o pensamento e disse logo que seco veríamos se cortávamos mais e até tinha razão. Ficou mais comprido à frente e mais curtinho atrás, como lhe pedi, e ligeiramente escadeado atrás.

Se gostei do resultado? 

Sem dúvida. Aquele "sinto-me mais leve" aconteceu. Acho que me tirou uns aninhos de cima. Sabe tão bem passar a mão pelo cabelo e senti-lo a acabar no pescoço, atrás. Acho que vai ser versátil e que me acompanha o rosto. Tanto gosto de ver liso como com jeitos.

A parte boa de não ter sido nada muito radical? 
 
- Ganhar a certeza de que ainda posso cortar mais. 
- Ficar com pica para, daqui a uns meses, fazer franja. 
- Não ter ficado a chorar de arrependimento. 
- Poder apanhar o cabelo. 
- Poder dar uns jeitos /ondulação com o babyliss, que ele ainda tem margem para subir.

A cor foi a de sempre (já tentei escuro, mais para o bordeaux, tentei a minha cor natural (castanho claro), mas nada me fica tão bem - my opinion - como este tipo de louro). 

Ainda vai abrir mais e ficar mais homogéneo e bonitinho (só uma vez que decidi ir a um cabeleireiro que não conhecia num hipermercado é que quando abriu ficou ainda pior, mais amarelo e mais manchado - parecia que me tinha caído um balde de tinta em cima indiscriminadamente e que ainda me tinham caído umas pingas do rolo de pintar paredes, para finalizar, oh well...).












Vocês agora têm três opções:

a) bocejam e continuam a navegar na internet (sim, a cruzinha está no topo superior direito, a não ser que tenham um Mac, bitches!)

b) comentam como anónimos a dizer que nem antes nem depois da mudança se aproveita

c) elogiam a minha beleza estrondosa e dizem que qualquer coisinha me fica bem

Afinal são mais:

d) elogiam o cabelo, mas colocam lá um "mas" (são como eu, que a dar opiniões fazem sempre uma sandwich - Fatia de baixo: "és muita linda", queijo: "mas já tiveste melhores dias"; fatia de cima: "mesmo assim, és maravilhosa). Hehe




E por que é que eles nascem iguais ao pai?

Já repararam, certo? Que eles nascem com a focinheira do nosso homem... e que toda a gente faz questão de nos dizer isso assim que os vêem e de nos enervar com isso...

Porém, existe uma explicação. Eu, pelo menos, já a ouvi e acredito nela:

Como dantes não havia testes de ADN e o pessoal vivia todo um bocadinho naquela onda da maluqueira, a natureza arranjou essa maneira de mostrar ao pai que a criança era dele e não de um pinheiro. 

Claro que há estudos que dizem que os bebés nem nascem parecidos com os pais ou que isto é mentira, mas deixa-me mais quentinha acreditar que sim, que isto pode ser verdade. E, sinceramente, faz-me imenso sentido... 




Sabem também o que acabei de ler? Que toda a gente diz que parece que é o pai, mas quando o pai está presente. Ahah Tudo numa de o deixar descansado, que giro!

Vai ser assim o vosso fim-de-ano?


Feliz ano novo!!! :)

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Estou apaixonada.

Calma, não é um post da outra Joana, apesar do título amoroso. Senão seria uma foto de três ou quatro bodies com golas tão grandes que os bebés ficam a parecer que estão dentro de um cinzeiro vitoriano.

O post aqui da menina é sobre mais um brunch (sou a das comidas, pronto) que me tirou do sério. Fui a convite, claro, que agora sou gente fina (não se preocupem que vou aproveitar toooodas as borlas, todos os convites que nos fizerem ao máximo, porque sei que isto não dura para sempre e porque, caramba, quem não aproveitaria?). 

O convite foi lançado numa de "vais e depois dizes-me o que achas, é um brunch a sério". Lá fui a achar que já conhecia os melhores brunches que existem por aí. Fiquei louca. Apaixonada pelo Brunch do EPIC SANA Lisboa Hotel

Sucintamente?

Prós: 

Têm uma sala com duas meninas muito queridas que tomam conta das crianças. Pinturas faciais, trabalhos manuais, música, consolas, televisão, etc.

Têm comida a sério e comida mais leve. Têm sushi e têm saladas. Têm bolos (ahhh que bons que eram, ups) e têm borrego... Super variado e BONITO.

O serviço é muito rápido e não começamos a empilhar pratos na mesa à maluca e a fazer sons esquisitos para ver se algum empregado repara em nós. 

Existe uma boa onda geral, está toda a gente contente, os empregados sorriem para as crianças e ninguém olhou de lado pelo Frederico ter ido encher o prato 44 vezes, menos talvez um senhor da mesa ao lado, mas acho que estava com um torcicolo. 

Estacionamento gratuito no parque do Hotel.

Contras: 

Fui a convite, não posso dizer ;) Digo sim senhora: 

Acho que o brunch poderia ter um horário mais alargado. Não veria nenhum mal em ir até às 5h da tarde.

A mousse de chocolate estava óptima, dispensava a menta no fundo. Ahah Isto só para ter algo que dizer. 

Por que é que digo que fiquei apaixonada? Eu explico-vos: o Frederico, meu marido, ama comer. É das coisas que lhe dá mais prazer (sim, talvez mais do que isso) e, por isso, quando vamos a sítios com boa comida e comida, então, assim exposta e variada, ele fica com os olhos a brilhar (e os níveis de colestrol, provavelmente, também). A Irene adora experimentar várias coisas e ajavardar o tabuleiro dela todo com comida, fartou-se de comer melão, bolachas integrais, massa, manga, arroz, etc. Eu fico leve de sentir todo este ambiente familiar e pesada por estragar a dieta nestes dias. Não resisti. 

Quanto a preços? Para mim ficou-me barato (muahahahah) ;) Porém, acho que relação qualidade/preço/sítio é aceitável, mas nada me tirou a vontade de levar uns tupperwares de fininho.

Tirei umas fotografias nossas e das comidas e publiquei no meu instagram, só para terem uma ideia: 













Até o Frederico publicou no instagram/facebook aquilo que mais gostou do almoço ou... dos almoços dele:




Isto é um sonho.

Um vídeo publicado por Joana Gama (@joanagama) a

Não tenho outra maneira de vos explicar como me ando a sentir estupidamente realizada enquanto mulher, enquanto mãe. Ter emprego, chegar a casa e ter esta maravilha à minha espera, com tantas brincadeiras por fazer, tudo...

Posso dar esta sugestão? Dancem com eles. Nem sei quem se diverte mais...

Tentem abstrair-se da minha questão mamária aos saltos também.

Se isto não é a coisa mais fofa do mundo!!!!!!!! (sim, merece estas exclamações!!!)

Se são daquelas que vomitam com mil exclamações e emoticons e expressões exageradas e redundantes, com ar de miúda de 12 anos, esqueçam lá este post. Vão ler coisas à séria. 

Aqui vão levar com mil exclamações !!!!!!!!! - isto - e com Awwww e amor por todo o lado. Aconteceu-me das coisas mais enternecedoras de sempre.

A minha mãe falou pela primeira vez com (o)a bebé que tenho na barriga (era um hábito nosso, de quando estava grávida da Isabel) e deu-lhe um beijinho. A Isabel estava a brincar na cozinha dela, achava eu, mas já sabem como eles são - estão a ver e a ouvir tudo, de soslaio. Até arrepia. Passado um bocado, sem pedirmos ou incentivarmos, estava a dar com ela a levantar-me a camisola e a espetar-lhe um beijo! Lindo e inesquecível. Mas o melhor ainda estava para vir.

Nessa noite, levei-a para a minha cama. Dormiu no meio dos dois. De manhã, acordou super contente, gritou "PAI!" e deu-lhe um abraço e um beijo. Virou-se para mim e besuntou-me também a cara. Levantou-me a camisola e deu-me um beijo na barriga e disse "bebé"!!! Chorei naquele instante. É tudo real. Está tudo a acontecer. A magia é cada vez maior... E eu senti-me a pessoa mais abençoada e feliz do mundo. 

Se isto não merece os meus suspiros e as minhas exclamações, não sei o que merece! 

Feliz, eu? Muito, muito!!!!!


Vou mudar de visual. Help!

Ano Novo, vida nova. Nunca este clichê fez tanto sentido na minha vida. Além das grandes mudanças que aí vêm, quis acompanhar tudo isso com um novo look. Não lhe chamo um extreme makeover porque acho que para isso teria de fazer algo mais radical mesmo. Só sei que quero cortar, mesmo que depois me arrependa (Já cortei o cabelo várias vezes e acabo sempre por preferir comprido) e tenho de fazer madeixas, antes de voltar à minha fase Shakira.

Isto sou eu, super agradável à vista. Um pedaço de mau caminho. Uma belezura. Pois.


Já fui assim:




E, infelizmente, também assim:

Não sei o que me passou pela cabeça. Uma tesoura, é certo. Fiquei a parecer uma freak do Bairro Alto. Nada contra as freaks do Bairro Alto. Só não sou eu.
Tive outra muito boa, quando uma vez pintei o cabelo em casa de louro alaranjado, mas nem encontro fotos dessa altura, graças a Deus. Depois da parvoíce, fui sábia em não registar o desastre.

Mas e agora? Quero cortar pelos ombros (ou um bocadinho mais acima), mas estou super indecisa se faça franja ou não. Madeixas acho que vou continuar a fazer louras, como na imagem 1. Mas e corte? Arrisco tudo num 5 para ficar como a Claudinha (tão linda esta miúda, pá)? Ou um 2? 


Dúvidas, dúvidas... :) 


segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Irrita, mas é verdade.

Acho que não vos consigo transmitir o quanto me enerva toda a gente dizer a mesma coisa a toda a gente. O que mais ouvi até agora, além de elogios à miúda (apesar de dizerem na mesma frase que sai ao pai, ahah), foi "aproveita, que eles crescem rápido". 

Eles não crescem rápido, o dia é que tem horas a menos para tanta coisa que temos de fazer e para a pressão que pomos em nós mesmos. Se o dia já é curto, com a nossa pressa, fica ainda mais. Se nessa pressa, metade do tempo estivermos a tratar de outras coisas no telemóvel (ou só a varrer o instagram), sim... vai parecer que eles crescem rápido.

Se, no meio disto tudo, ainda nos pusermos a rever fotografias antigas e nos deliciarmos com as diferenças, com a gordurinha nos bracinhos, a cor branca de bebé que nunca apanhou sol, os lábios rosa, o cabelo descoordenado, os pezinhos de quem ainda não usou All Star... 

Tirem fotografias, muitas. Ainda mais se forem como eu e não conseguirem reter imagens na vossa cabeça durante muito tempo. Não se esqueçam também de olhar muito para fora da lente porque o que está a acontecer é real. Senão o tempo passa ainda mais rápido... 

Esta fotografia foi no Verão e noto tanto dela aqui. Lembro-me tão bem deste dia. Quis só partilhar isto convosco, para que se lembrem mais uma vez que vamos ter saudades um dia deste dia. 















As Marias - Três é a conta que Deus fez

Até há umas semanas, ter duas filhas deixava-me preenchida - mais do que isso, realizada. Dava por mim muitas vezes a olhar para elas enquanto brincavam e a pensar que ver aquelas duas crescer, e envelhecer junto delas, era a maior felicidade que esta vida me poderia dar.  Mas um dia, há bem pouco tempo, um teste de gravidez deu positivo e eu fiquei sem tapete. “Então mas agora vou ter mais um filho?”. “ Como é que isto aconteceu?”, mandava para o ar enquanto o pai ria, sem tirar os olhos de mim – provavelmente com os nervos. “Mas eu tomei tudo direitinho, nunca me esqueci”. Pois foi, tudo direitinho. O problema é que também tomei direitinho um antibiótico que, provavelmente, fez curto-circuito com a pílula… A verdade é que vem aí o terceiro filho. E escusam de fazer esse ar de surpreendidas, porque de certezinha que já leram nas revistas. Aliás, estas descobriram antes da maioria das minhas tias-avós. Até porque no início só contei a três pessoas. Estava a tentar mentalizar-me – e, honestamente, a tentar convencer-me de que era uma boa notícia. O pai repetia-me que sim, mas para mim não foi imediato. Foram semanas atribuladas, com pensamentos e estados de alma contraditórios.

Agora, as minhas 16 semanas de gravidez falam-me em forma de cliché e dizem-me que este é “o melhor presente” que podíamos ter recebido. Que “três é a conta que Deus fez”. Às vezes, encaixar num cliché é bom, é confortável. E a verdade é que o meu coração de mãe de duas sofreu um novo estímulo e dilatou mais um bocadinho. E à medida que a barriga cresce – e se ela cresce! - o meu coração cresce com ela, numa harmonia que me diz que “está tudo bem”, “vai correr tudo bem”.

Continuo a ter pesadelos com o final da gravidez, o parto e o pós-parto. E não sinto saudades dos primeiros meses, das fraldas e das noites mal dormidas. Mas já não é nisto que penso em primeiro lugar quando, a meio do dia, sem razão aparente, me lembro de que estou grávida e sorrio – às vezes só para dentro, outras para fora, feita tonta.

Agora, é rezar para que as minhas amigas me devolvam tudo o que lhes emprestei – e/ou dei – porque já tinha “fechado a loja”. Por enquanto, certo certo é que a criança não vai ter frio nos pés…



Catarina Raminhos, mãe da Maria Rita, da Maria Inês e grávida de 16 semanas

Eu, costureira, me confesso.

E quando estamos grávidas em casa? 

Foi o que me aconteceu. Passei alguns meses em casa antes da Irene nascer. Não aconselho a toda a gente a trabalhar até ao final da gravidez, mas digo apenas que as últimas semanas até a Irene nascer e, estando em casa, foram uma tortura. O tempo passa demasiado devagar. Eu fiz contas a que ela pudesse nascer depois das 35 semanas (é quando é viável), mas lixei-me e fui até às 42 (ainda bem para mim e para ela, que eles devem nascer quando têm que nascer e não antes do médico ir de férias). 

Já não podia com o tédio de ficar em casa. Tinha a companhia do Frederico, ia às aulas de preparação para o parto no SFX, mas nem por isso os outros dias se tornavam fáceis para mim. Lavei e passei a roupa dela, fui preparando o ninho e tal, mas booooriiingg.


Pensei: porque não aproveitar este tempo livre para me dedicar a algo que sempre tive curiosidade? Pumbas. A minha avó era costureira e sempre admirei a capacidade de podermos criar coisas para nós, ao nosso gosto, apenas imaginando-as na nossa cabeça. 

Não é assim tão simples, mas foi muito divertido tentar. 

Comprei uma máquina de costura no Ikea, alguns tecidos e diverti-me a fazer sacos, estojos para canetas, um porta maquilhagem, capas para as toalhitas, tentei fazer uma tshirt (ahah, não)... E assim foram passando os dias... Diverti-me imenso, sinto que desenvolvi algumas capacidades motoras e cerebrais que estavam apodrecidas e o tempo foi passando. 

Sonhava com a Irene estar a fazer a sesta e eu fazer roupinhas para ela, mas a Joana Paixão Brás e eu fomos a um workshop quando elas tinham uns 4 meses (acho eu) e... foram umas 5 horas para fazer dois fofos ou lá como é que aquilo se chama. 

Não. 

É uma das ocupações que vos sugiro, grávidas que fiquem em casa por risco ou outro motivo qualquer. Eu adorei! 

Até onde foi o vosso desespero? Chegaram à costura? 

Devia ser Natal durante uma semana inteirinha!

Sim, já estou com a neura de ter de voltar ao trabalho, adivinharam. Uma invejazita de quem põe férias nesta altura, admito. Mas eu sou uma pessoa pouco rezingona e isto já me passa.

Fotografias deste Natal? Poucas ou quase nenhumas. Não faz mal. Está tudo na minha cabecita. No dia 24, a Isabel a abrir os presentes, que espaçámos (odeio aquela sofreguidão em que eles nem vêem bem o que está dentro das caixas e já estão a abrir o próximo), a felicidade dela em ter tanta gente a adorá-la e a brincar com ela, aguentou-se bem até às 23h e tal, o bacalhau com magusto da avó Rosel (o que eu adoro aquilo), a boa disposição e alegria da família,  tudo inesquecível. Já não me lembrava de como o Natal pode ser mesmo, mesmo memorável. Dia 25 também foi bom, bem preenchido e, apesar de termos andado nas capelinhas todas, foi pacífico e adorei ver a Isabel feliz da vida (têm só de lhe dar 30/40 minutinhos para se ambientar às pessoas e a partir do momento em que tem sono, esqueçam). O Natal acabou hoje, depois de visitar os meus primos mais novos (adorei vê-los brincar com a Isabel, adorei, adorei!) e de estar com as amigas de sempre (parabéns, Deduxa!). Disse vinte vezes "adorei"?. Disse, foi mesmo uma maravilha. Adorei estes dias. 

Cá estão as fotos possíveis (a meia luz + Isabel que não para quieta + pouca vontade para estar atrás da lente, quis estar a conviver a aproveitar todos os instantes).






A minha foto preferida, no Instagram:

Resistente! A beber chá com a bisavó ❤️ Natal!



Brincadeiras da manhã:


Por aqui há chá, bolos, torradas e a mãe coelha dorme com o bebé (hoje a mãe dormiu mesmo com a filha ❤️)

domingo, 27 de dezembro de 2015

Coisas que os bebés costumam odiar!

Completem a lista!

E, sim, já sabemos que há excepções: o Manel que adora que lhe lavem o cabelo e a Maria que desenvolveu um gosto esquisito pelos supositórios... ;)



  • Supositórios
Não era giro? Alguém chegar à farmácia e dizer: "tem aí supositórios? De qualquer coisa, tanto dá, é que a miúda fica tão contente...".
  • Medir a febre no braço ou no rabo
Tudo aquilo que implique eles ficarem imóveis (sem perceberem porquê) é chato. E creio que no rabo não será lá muito agradável. Não sei e não pretendo saber em breve que tenho uma vida algo ocupada. 
  • Mudar a fralda
Há fases. Há fazes em que nem reparam no que está a acontecer e há outras em que temos de de montar todo um circo Cardinali para lhes limpar o cocó da peidola. É o caso da Irene, agora e a história da comida antiga
  • Lavar o cabelo
Eu percebo. Bebé que é bebé tem medo de morrer. Eu também tenho um bocado. E a água escorre-lhes pela cara e não há nada que possam fazer, nem reconhecem aquela sensação. Além de que apesar de alguns champôs dizerem "sem  lágrimas", a miúda chora na mesma. E como ainda não são vaidosos, depois não vão olhar para o espelho e pensar "custou, mas valeu a pena, olhem só para este volume". 
  • Pôr soro no nariz
Outra. Alguém gosta? Há gente esquisita. Já ouvi dizer que houve quem dissesse a uma auxiliar "nasci para fazer clisteres", mas pôr soro no nariz... ainda para mais deitado... é o mesmo que gostar que lhe façam amonas na piscina. Se ainda conseguissem ser eles próprios a fazer, mas não: 0 tempo de mentalização. Tungas. 
  • Aspirar o ranho
Horrível. Aquilo no nosso nariz não faz grande mossa, mas posso dizer que já fui operada ao nariz e a sensação de nos tirarem algo do nariz assim é como se nos estivessem a chupar o cérebro para fora. É normal que não gostem, digo eu. De resto, isto de andarmos a aspirar macacos do nariz com a boca... hmm... 
  • Cortar as unhas
É preciso fazer imensos teatrinhos e passamos pela fase em que a lima parece mais prática, mas não. Depois é a tesoura e depois é o corta-unhas. O ideal era mesmo arranjar-lhes um arranhador como há para os gatos e que eles se entretivessem sem nos chatearem a cabeça. 
  • Lavar os dentes
Ui! Comer a pasta é bom, mas e lavar os dentes? Querem ser eles a fazer (quando querem) e fica tudo só num lado e sem escovar, sequer. No meu caso tenho de contar histórias como se fosse um animador de campos de férias para adolescentes com problemas de entendimento, tenho de dar tudo. Lá vou conseguindo.
  • Vacinas
Não é agradável. Nem sei para quem é pior: se para nós ou para eles. Custa-me muito crer que em pleno século XXI, ainda não haja uma solução mais fácil que esta estupidez. Um pensinho no braço para ser absorvido? Sei lá. 
  • Tomar banho
Interrompe o que eles estão a fazer, claro. Há maneiras de minimizar tudo isto com algumas ideias sugeridas pela Disciplina/Parentalidade Positiva. Como, por exemplo: avisar que daqui a pouco vai tomar banho, haver rotina, etc. Porém, a mim, às vezes, também não me apetece tomar banho. A diferença é que só vou quando me apetece ou, então, sei quais são as consequências de não ir. 
  • Calçarem pantufas ou sapatos
O ideal seria não usarem nada disso durante os primeiros tempos, mas não moramos numa loja de tapetes. Não querem porque gostam de sentir os pézinhos no chão e, acima de tudo, porque nós queremos. É o "tem de ser, senão fica com ranho". 
  • Secar o cabelo com o secador
Mete medo ao susto o barulho? Mete. Eles, quando são mesmo bebés, adoram ruídos brancos para adormecer porque o som fica bastante semelhante ao que eles ouviam quando estavam na nossa barriga. Quando crescem... é preciso uns meses... (ainda não consegui) a convecê-los de que sai um quentinho bom e que é divertido...Grr. Não me apetece nada andar a secar-lhe o cabelo com ela histérica..

E mais coisas? 

Há bebés que não gostam de comer, certo? Não gostam de ir dormir, não gostam de ir para a escolha, não gostam de fazer os trabalhos de casa (aí já não tão bebés, presumo, senão seriam sobredotados...).

Que complicações há por aí? 

O meu momento preferido. Todos os dias.

Desde que voltei a trabalhar, os momentos com a Irene passaram a ter outro brilho. Estou mais disponível para ela num intervalo menor de tempo e passo praticamente o tempo inteiro (em que não estou a dar um jeitinho à casa, sabem como é) a tirar-lhe fotografia com os olhos ou a decorar os dentinhos dela quando sorri... compará-la com o pai, pronto. Tudo. 

Se já antes adorava o banho, agora ainda mais. Vê-la despidinha, ver a barriga ainda de  bebé, os pezinhos cheios de espuma, a maneira como ela se esquece de que a estou a observar... 

É como aquele momento em que nos apaixonamos. Só que todos os dias e pela mesma pessoa 





Agora outra coisa: a miúda odeia que lhe lave o cabelo. Como solução só aquelas coisinhas que já vi em forma de flor para por na cabeça dos miúdos? Já fiz tanta palhaçada e nada... Grrr.

sábado, 26 de dezembro de 2015

Custa-me tantooooo!

A miúda anda ainda a antibiótico e, como sabem, tem mesmo de ser dado a horas e sem falhas para eles não criarem resistência e depois, numa outra altura, precisarem muito do antibiótico e ele não funcionar. 

Isso significa que tenho de acordar a Irene pelo menos uma vez por dia para dar o antibiótico e... custa tanto. 

Ela está a dormir tão quentinha, tão calminha (ontem nem sequer ainda se tinha mexido desde que a tinha deitado) e lá tive eu de a acordar, para lhe dar uma seringada de Clavamox à boca... 

Por acaso ela gosta do sabor. Por acaso adormece rápido porque leva com uma teta a seguir, mas custa tanto. 

Imagino os pais que possam ter que os acordar de manhã para irem para a escola, com o frio que tem estado... brrrrr.


Para mim, acordar uma criança é uma atrocidade! E isto porquê? Odeio ser acordada, odeio. Odeio. Odeio.


sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Não desistam!!

Sabem aqueles brinquedos que ficaram todas entusiasmadas ao terem visto em casa de alguém ou até quando passaram por aquela secção do Ikea? Compraram-nas a pensar que ia ser uma festa sem fim lá em casa e que os vossos filhos se iam passar e depois nada? Ficariam mais contentes se lhes tivéssemos dado metade de um tremoço? Foi isso que aconteceu. A duração desta sessão fotográfica foi o tempo que a Irene dedicou à porcaria do túnel que eu achava que iria ser uma revelação. 



Claro que ainda esperei mais alguns dias com este monstro na sala, mas era-lhe igual. Gostava tanto disto como eu gosto que me digam que tenho pouco cabelo.


Mas não desistam! Agora, uns 5 meses depois, a Irene voltou a descobrir o túnel (fui buscá-lo ao armário numa última tentativa de fazer render os 15 euros ou lá o que foi) e adorou! Sim, é capaz de ter uma mãe um pouco precipitada a comprar brinquedos que não são para a idade dela, mas a Isabel da Joana Paixão Brás já gostava na altura (sacana). 

Por isso, se eles não gostarem de um brinquedo, não desistam! Espetem-nos outra vez dali a uns meses que até andam de lado (no caso da Irene, ela andou de lado ainda uns bons tempos, mas literalmente). 





quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

As nossas decorações de NATAL!











Um muito obrigada à Momentos com Design, que se prontificou a ajudar-me nas decorações. Simples e suaves, como eu gosto. Agora só falta o mais importante. A comida família! :) 

Por aqui está já a ser tudo o que sonhei: filha, filha(o) na barriga, maridão, mãe, pai (que, apesar de separados, são muito amigos), mano, cunhada, avó, primos, tios. Felicidade é isto!

FELIZ NATAL a todos! Sejam felizes nesta consoada e durante o dia de amanhã. E todos os outros!