quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Última semana na creche de sempre

Ui. Como vos explicar o quão pequenino o meu coração está?

Imaginem terem de deixar a vossa filha, tão bebé, com desconhecidos. Imaginem que a vossa filha conheceu estas pessoas com 5 meses e meio (aqui). Imaginem que, no meio de tantas inseguranças (normais de mãe) com leitinho, depois sopas, colo, sestas, amor, atenção, doenças, tudo corre bem. Que a vossa filha se habituou de uma forma fácil ao ambiente e às pessoas (aqui). Que tem uma amiguinha, a Laura, com umas bochechas maravilhosas e um sorriso lindo, que está com ela desde o início.


Nem precisa de legenda. Foi a 1 de setembro de 2014.

Imaginem que aquele bocado de coração que vos foi roubado no início, voltou a crescer e que se apercebem que a vossa filha gosta de lá estar, que é feliz, que foi bem tratada, estimulada, acarinhada. Que lhe deram muito colinho. E regras. E que por lá come sempre sopa (coisa que em casa é quando o rei faz anos...). Que sabe de cor o nome de todas as educadoras e auxiliares (chateia-me chamar-lhes auxiliares, por mim ficam todas educadoras!). Que não gosta muito quando a vamos buscar mais cedo. Que corre para a aula de música às terças feiras (mesmo que vá sempre atrasada, pais desnaturados!) e que em casa pede para lhe pôr as músicas da Vera (professora de música), que já sabe trautear. Que já consegue fazer um resumo do que fez no dia, que me conta se fez cocó ou xixi na sanita, toda orgulhosa.
Imaginem agora que este ano e meio foi bem melhor do que esperaram no início. Que tudo se fez, que a bebé se tornou numa criança traquinas (e que faz moche aos colegas...) mas também carinhosa, que dá beijinhos à Ana e à Guida e que adora a Lola e a Ana e a Fátima e "todaaaas", como ela diz. Sinto-a feliz ali. E vai acabar.

"Obrigada por me terem ajudado a crescer" é a frase que mais se vê por aí escrita nas lembranças que se oferece às educadoras.

Eu agradeço por terem ajudado a Isabel a crescer. Mas também por terem ajudado esta mãe e este pai a sentirem-se um bocadinho menos culpados, quando se atrasam a ir buscá-la, por saberem que ela está bem entregue. Por estarem lá, quando nós não estamos. Por terem sido a segunda casa dela, numa fase tão importante no seu desenvolvimento. Por terem passado mais horas com ela do que nós e por terem dado tanto de vós. Reconheço que o vosso trabalho é muito, mas muito cansativo e de uma enorme paciência e responsabilidade, mas tenho a certeza de que também compensador. Que se lembrem sempre do sorriso da Isabel, das caretas e disparates. Ela não se vai lembrar de vocês daqui a uns anos, mas eu farei questão de lhe contar que foi muito feliz aí.

Obrigada.


11 comentários:

  1. Oh my god!
    Descreveste aqui o que sinto em relação à creche da minha filha.
    Quando penso que é o último ano lectivo, até encolho. Não vamos mudar-nos, mas fazendo os 3 anos deixa a creche e vai para o jardim.
    A Isabel vai ter saudades, vai perguntar por elas, vocês vão ter saudades, vão perguntar por elas, mas a "nova vida" trará muitas coisas boas que vão colmatar essas saudades.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Para o ano vou passar por isso tudo, mas confesso que já me estou a arrepiar toda só de pensar! São como se fosses avós da minha filha, sempre tão cuidadosas e mimocas com ela, e para o ano tem de sair e ir para a pré-primária...e depois? Como vai ser? E se ela não gostar? E se a tratarem mal? E se? E se? Ok...estou um bocadinho ansiosa, confesso, sou mãe galinha, coruja, leoa e todos os outros predicados que se lembrarem, é a minha filhota! Mas vá...vamos respirar fundo :)

    ResponderEliminar
  3. O meu filho foi para a creche com 16 meses e a adaptação foi excelente e pior é as doenças   que foi um caus no inicio. Há dias dei por por mim pensar exactamente o que este texto descreve: e quando for o ultimo dia? Ou quando for para a sala de baixo? Oh God vai ser um drama para mim, provavelmente mais para mim! Eu adoro as auxiliares, adoro as educadoras, as instalações, tudo! O Vicente então nem se fala.. quando o deixo de manhã ele fica tão feliz que quando o meto no chão corre, ri parece um tontinho. Deduzo que seja alegria!! Sempre achei que quanto mais cedo forem para a escola melhor e a minha teoria confirmou-se. :)

    ResponderEliminar
  4. A Laura vai sentir muitas saudades da "Bel", de quem se despede com um beijinho, um sorriso e um abraço (eu vi e derreti-me toda). Quando chega da escola e perguntamos se brincou muito e com quem, a resposta é "Sim. Bel!" Que corra tudo bem. Beijinhos e muitas felicidades para os 4

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elsa, chorei ainda mais. Buaaaaaa. Tenho tantas fotos das duas fofinhas juntas. <3 Um grande beijinho para vocês também.

      Eliminar
  5. Aiiiiiiii!!!! Por aqui já caem lágrimas!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  6. Deve ser muito difícil mas , por outro lado, antes assim. Significa que a Isabel esteve num sítio excelente.
    O colégio da Lara vai até ao 6º ano por isso, se tudo continuar a correr bem, não vou ter esse problema nem tão cedo mas ela já mudou de educadora e fiquei bem triste.
    Acredito que melhor educadora não podia haver e a mudança parece-nos sempre pior, por melhor que a nova educadora seja...
    Bem, o que interessa é que a Isabel tenha sido muito feliz onde esteve e que continue a ser muito feliz numa nova fase. Afinal as mudanças também fazem parte do crescimento.

    ResponderEliminar
  7. Já passei por isso várias vezes e não há forma, dói muito....

    ResponderEliminar
  8. A Ana gosta muito da Isabel. Quando lhe pergunto quem são as amigas dela, com quem ela brincou, a resposta é sempre a mesma: "Isabeu".
    Muitas felicidades. Vai correr tudo bem. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ohhhhhh tão bom! Obrigada pela partilha. A Isabel fala da Ana e da Laura. :) beijinhos

      Eliminar