segunda-feira, 25 de abril de 2016

Olha m'esta (#02) - Ai tão giro ir à televisão.

"Cá estou de volta, não me consegui conter. Sei que é difícil para algumas de vocês perceberem porque é que dou tanto de mim a este blogue se, por mim, bem que podiam ser atropeladas por um camião da Luís Simões. Porém, estou tão a borrifar-me para o que vocês acham ou deixam de achar como para o facto destas duas pindéricas lançarem um livro. 

Um livro - dizem elas. Dá-me tanta vontade de rir que quase que me sai o rolhão que não tenho. Compilar textos de um blogue em que escreveram às três pancadas, não é escrever um livro. É compilar cocó. Dar-vos-ia mais valor se tivessem pegado nas fraldas das vossas filhas e se as tivessem empilhado em T - ficaria melhor que 70% das instalações que já vi. Ponham-lhe uns tampões em cima e fica uma obra da Vasconcelos. Sendo que as "obras" orgânicas da Vasconcelos deverão ter realmente o tamanho dessa instalação. Não odeio gordas, como anda aí um programa qualquer de televisão a fazer pensar, acho que são boas a rir. Não há gargalhadas como as das gordas. É um misto de alegria contagiante com uma espécie de suspense para ver se se engasgam com um pedacinho de frango que estaria a equilibrar-se num dos pulmões. Quem comprar esse livro está a comprar a internet em folhas. Elas vão continuar com os textinhos do livro publicados no blogue e vocês vão comprar para quê? Matar umas árvores? Para isso ponham-nas a ler este blogue que elas vão para ao pé de um eucalipto para morrerem devagarinho. 

No outro dia foram à televisão. Uma diz que não janta fora há dois anos porque ainda amamenta a criança, que a miúda está habituada a que vá só ela durante a noite mas, de repente, surge um convite para ir à televisão e já tanto dá se a miúda mama ou se vai mais para um ensopado de borrego. A outra, diz que tem uma vida muito complicada agora que mora em Santarém, que não pode vir a Lisboa só porque sim, mas por ir à televisão quase que até se mudou cá para baixo outra vez. 

Vamos falar das escolhas de roupa das meninas, vamos? Eu vou. Vocês falem do que vos apetecer. Uma sabe que não se sabe vestir e, então, foi com a roupa mais simples do mundo: umas calças de ganga e uma camisola larga. Larga porque deve ter sido para ter espaço para roubar tudo o que havia no catering na produção. A miúda é trafulha. Articulada, mas só para disfarçar o ananás que pôs na camisola (esperemos que tenha sido aí que o tenha posto). Não, a verdade é que, apesar da dieta milagrosa e de ter perdido 45 kgs, continua a ter barriga de grávida de 14 meses. A outra Joana decidiu ir de preto porque quis mostrar a toda a gente que costuma trabalhar em televisão e sabe qual é a cor que resulta melhor, não vá fazer "batimento" e parecer que tem uma psicadélica vestida. É parva. Grávidas de preto parece que foram um "atropelamento e fuga" ou, neste caso, "fecundamento e fuga". Eu perceberia. 

Não me vou debruçar sobre a apresentadora porque ela ficaria louca só por me ver um pouco do decote. Vou sim falar sobre a informação mais imbecil, mais ignorante que poderia alguma vez ter saído da boca de uma delas. A propósito do convidado Heitor Lourenço, que gosta muito de viajar, a apresentadora perguntou às Joanas se elas gostavam de viajar (também lhes perguntou se já tinham sido confundidas com terroristas - que, mais uma vez, estou a dar o meu melhor para não me alongar nisso). A mais previsível disse que sim. A outra imbecilóide quis parecer pseudo-intelectual, mas acabou por mostrar a sua verdadeira essência: pita egocêntrica. "Ai, eu não gosto de viajar, porque tenho tanto mundo em mim que quero conhecê-lo primeiro". Isso é o quê? Leste um bocadinho do livro do filosofia do 9º ano e decoraste para ires parecendo interessante ao pé de adultos ou é só uma pequena patologia a brotar para o teu lado mais social? Cuidado. Pior que isso só a queixadinha com que ficas a falar que, caso chova um bocadito, ficas com a boquinha ensopada. 

Também se falou de um pipi. A viúva ribatejana, que é toda sem pudores no blogue, tentou parecer não gostar de sexo - não vá a sogra estar a ver-, e a outra ficou escandalizada quando a apresentadora leu uma coisa que ela decidiu escrever no blogue e incluir no livro. Nem a compilar perderam tempo? Fizeram o livro como uma empregada doméstica trapalhona faz máquinas de lavar? Tudo lá para dentro, não interessa o quê? 

Não gostei de ver. Não gosto delas. E de vocês também não, escusam de escrever comentários para me magoar porque não existo (leiam isto). 

Para me darem razão, o vídeo daquelas coisas está aqui e "começa" aos 13 minutos. 

Voltarei. Cheira-me que muito em breve. 

A melhor fotografia de ambas desse dia foi esta. Perfeita. "



9 comentários:

  1. Ahahaha adoro. Gostara de ler o que vos escrevem realmente! Devem morrer a rir. Sempre ouvi dizer "se nao tiveres nada de bom para dizer, diz mal, o que importa é participar" e eu acho que é o que as haters fazem! Têm vidas mesquinhas e insignificantes, que o facto de perder meia hora do dia a critcar alguem, so porque sim, é realmente excitante! Na rubrica do "a mae da, devriam ofrecer uns brinquedos sexuais as haters, podia ser que encontrassem algo melhor para fazer!!!!!

    ResponderEliminar
  2. Opa o que me ri... já tenho saudades de conviver com pessoas assim! Hoje em dia as mulheres são umas macambuzias e os bem dispostos uns totos. .. continuem assim pá! !!

    ResponderEliminar
  3. Acho q sou só eu q não acho piadinha nenhuma as estes posts. Mas pronto, gosto de vocês e do blog à mesma :)

    ResponderEliminar
  4. Ahahahahahahaha. Adoro "esta".
    E aposto que para vocês é terapia pura :D

    ResponderEliminar
  5. Gostei do pormenor dos tampões da Vasconcelos :D vê-se logo que é a J.Gama que escreveu. Muito bom :)

    ResponderEliminar
  6. post sem qq sentido! Nenhum mesmo. Mas continuo a gostar do blog!

    ResponderEliminar
  7. No primeiro ainda me ri um bocadinho, agora já não achei piada. Não acho que seja uma rubrica que deva ter continuidade...

    ResponderEliminar