quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Vocês, mães, são mesmo espectaculares!

Ontem desabafei sobre o caos do meu dia, do nosso dia, aqui. Choveram comentários, aqui e no Facebook, que me alentaram. Não tinha grandes dúvidas de que se há qualquer coisa que nos une, a par de metermos criancinhas no mundo, é uma generosidade que nos faz abraçar, mesmo que virtualmente, outras mães. Pelas partilhas do texto, percebi que fiz também isso. E vocês retribuiram. Sou-vos tão grata! Foi esta sensação de não nos sentirmos tão sozinhas nesta missão de criar os nossos filhos, de não sentirmos que somos umas falhadas, que acontece a todas, que nos limpa as lágrimas, nos dá um abanão e nos põe a andar para a frente. É o que nos faz varrer da cabeça ideias erradas a nosso respeito, permite-nos ganhar novo fôlego e acreditar. Em nós e nos nossos filhos. Eles não estão estragados, faz parte, nós não estamos estragadas, estamos apenas cansadas, faz parte.

Obrigada, a todas, pela empatia.


A photo posted by Joana Paixão Brás (@joanapaixaobras) on



Não se admirem se não houver posts meus nos próximos dias. Tal como no nosso trabalho, quando eles estão doentes, faltamos. Eles primeiro.

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

8 comentários:

  1. Escrevi um post, mas não sei se entrou que no meu computador isto deu um erro... Reescrevo mais ou menos o que tinha escrito antes.

    As melhores para as filhotas! E claro que entendemos se ficar sem escrever um ou dois post!!! Mais que isso já está a abusar... eheheheheheheheh Os nossos filhos SEMPRE em primeiro lugar.
    Ainda há-de chegar o dia em que para quem trabalha por conta de outrém verá a sua entidade patronal entender e ser solidário com essa questão. Eu considero-me uma priveligiada, mas sei quem nem com todos isso acontece.

    Beijinho para as três e obrigada mais uma vez pelo post de ontem que me tocou particularmente e ao que parece a muitas outras mães.

    :)

    ResponderEliminar
  2. Joana estou grávida do meu segundo filho. Vai ficar com diferença de três anos do irmão. Será que podias um dia falar sobre as principais dificuldades que sentiste quando chegaste a casa com a Luísa? No que respeita a lidar com a Isabel. Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou uma mae assim, com dois filhos com difernca de 3 anos... a mais pequenina tem 8 meses... e muito complicado, sobretudo naquela altura em que e preciso fazef entender, por exemplo, que nao se pode fazer barulho pq vou adormecer a mana, do genero, " oh maeeeeeeee" " eh pah ta calado que a mae ta a tentar adormecer a mana" de nao consegue nao fazer barulho, quando se vai deitar a noite e a mana ta dormir, no quarto dela, e ele faz barulho e ela acorda e depois estao os dois acordados, so com a mae pq o pai trabalha por turnos e a mae por sinal... vai trabalhar as oito da manha.... socorrooooo!
      Adorei o post da joana pq me acontece isso milhentas vezes, mas no minuto a seguir estou lhes a pedir desculpa silenciosamente e cheia de remorsos porque no fundo eles nao tem culpa, nos, super mulheres que somos, temos involuntariamente o poder de ubicuidade e enfim, o nosso cerebro bloqueia pq ninguem e de ferro nem perfeita!
      Um beijinho Joana e muita forca Marta :)

      Eliminar
  3. Só penso antes de haver internet as mães deviam achar só o meu é assim e sentirem-se mal.

    ResponderEliminar
  4. A "culpa" de tudo isto é de vivermos fechados em famílias nucleares, com poucas maos a ajudar, e sem crescermos a ver o caos que uma criança traz. Além de andarmos exaustas a tentar ser e fazer TUDO, achamos sempre que os nossos filhos são umas pestes, não compreendemos que é normal que tenhamos que os convencer a cada passo: tirar os sapatos (olha que pantufas tão giras que tens!), tirar a roupa para ir para o banho (olha que suja que está, vamos tirar e por aqui na máquina?), tirar o shampoo (olha que giro, enche o bacio de água e manda pela cabeça, como fazias na praia com o baldinho, lembras-te??).... perdemos a paciência porque demoram mais do que dois minutos a escolher o brinquedo que querem levar, ou a vestir o casaco.. sei lá! Como é que todas passamos pelo mesmo, todas sabemos e sentimos como é duro, e mesmo assim isso não é visto como normal?? Como é que em cima do cansaço extremo ainda bem a culpa, o sentimento de sermos piores mães que as outras???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque as "outras" só contam maravilhas ;)

      Eliminar
    2. E é, mas o engraçado é que pessoalmente são capazes de ser maravilha e na internet não... Eu gabo-me porque o meu filho me dá boas noites, no máximo acorda de duas em duas horas e eu não acho isso mau... mas por outro lado os dias são mutio difíceis. Eu não consigo ficar mais que um dia inteiro sozinha com o meu filho em casa. Às vezes arrelio-me porque chora e eu já nem penso no que poderá ele ter. Depois arrependo-me e penso que o cansaço nos faz deixar de pensar coerentemente...

      Eliminar