Mostrar mensagens com a etiqueta amamentação. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta amamentação. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Pela primeira vez em 3 anos, fui sair à noite com uma amiga.

Tento ao máximo abstrair-me de julgamentos alheios porque pecadora me confesso e, portanto, sei que as opiniões dos outros e respectivos julgamentos têm mais que ver com as suas próprias experiências de vida do que com a situação em concreto. Estas foram as minhas escolhas e tive os meus motivos para elas. Todas são válidas, desde que conscientes e bem-informadas (vá, aquele "todas" tem algumas aspas, sei lá!). E quando são conscientes e bem-informadas, geralmente são menos permeáveis a comentários de terceiros ou, pelo menos, discutidas de forma mais saudável. 

Desde que a Irene nasceu que tudo o resto deixou de ser tão relevante. Primeiro porque me senti num modo de sobrevivência ao mesmo tempo que tinha de garantir a sobrevivência - não é só isso que queria, queria a perfeição do desenvolvimento físico e psíquico - da minha filha. Tenho noção de toda a pressão que isto implica, senti-a e sinto-a na pele. Diariamente. Estou a aprender a lidar com a minha ansiedade ou a resolvê-la. 

A recomendação da pediatra de não sair durante os primeiros três meses foi levada demasiado a sério e o objectivo de ser bem sucedida na amamentação custou muita sanidade mental (aos três). A par disto, houve uma licença de maternidade de 5 meses, um mês de férias para fazer os 6, um mês a trabalhar (e de me ter apercebido que ninguém estava à espera que eu voltasse, não sei porquê e fiquei a "encher chouriços", sem grande coisa para fazer) e depois um ano de licença sem vencimento. Em casa. 

Em casa e a querer cumprir com tudo o que eu considerava ideal para a minha filha (menos para mim, mas eu não pedi para ela me ter como mãe, foi o contrário). Sendo perfeitamente britânica com horários de sono e outros critérios que, com o tempo, se foram atenuando e deixando de ser tão fundamentalistas. Tudo isto perfeitamente privada de sono por ter escolhido não a ter no nosso quarto no 2º dia de vida (já não me revejo nada nesse post que escrevi, nada!) e de ter feito piscinas umas 8 vezes por noite, às vezes 12, para não acordar o Frederico e para... para quê? ... Tinha, também, que passear com ela. Ela tem que sentir o ventinho na cara, sentir relva nas mãos, esfolar os joelhos, andar de baloiço, estar com outras crianças. Muitas obrigações (auto-impostas) para um dia apenas e para uma mãe cansada, mas com uma enorme vontade de passar todo o amor que tinha no seu coração com sono, cansado, com medo, inseguro. 

No ano seguinte, voltei a trabalhar. Um alívio. Uma maravilha. Ela ficou em casa com o pai. Muitas das minhas responsabilidades foram passadas para o pai. As maminhas puderam respirar durante o dia, mas continuava a sentir uma grande responsabilidade em ir passeá-la, dado que o pai era mais caseiro. Depois de uma noite inteira a amamentar, a fazer as tais piscinas (para quê?), ainda ia para casa pressionada (por mim) a passeá-la a fazê-la brincar na natureza, ver outras crianças e também "pressionada" sempre pelas horas para conseguir dar banho, jantar, amamentar e dormir. 

A Irene entrou para a escola o ano passado. Não gostei da escola e a Irene também não. Mudámos de escola. Agora, sim. Está numa escola em que brinca lá fora. Em que há amor em tudo, em todo o processo desde que ela entra na sala até que ela me vê à tarde. A parte de brincar "lá fora", como os miúdos têm necessidade, está cumprida na escola. Falta só a parte de brincar com a mãe que uns dias poderá ser lá fora e outros nem por isso. 

Já estou a trabalhar há dois anos, a amamentação, neste momento, está perfeitamente adequada às vontades de ambas (mama quando acorda e quando adormece) e, agora, já estamos todos prontos para eu começar a "voar". 

Foi o pai quem a adormeceu na sexta-feira passada (nunca a tinha adormecido à noite, fui sempre eu). Disse à Irene "o pai janta com amigos, a mãe janta com amigos, o pai volta, a mãe volta, sempre". Saí e tranquilamente tudo aconteceu. Jantou com o pai, ele adormeceu-a e eu fui jantar com a Susana. 

Jantámos, bebemos sangria (não sou de beber álcool mas achei que o momento o pedia), rimos, decidimos continuar a noite e fomos ao bowling (um dos meus sítios preferidos, depois conto). Jogamos, rimos, gritamos, dançámos e fui para casa. 

A Irene acordou e o dia recomeçou como se tivesse sido qualquer outro para ela. Menos para a mãe que estava um pouco mais completa e com um coração melhor para amar mais a filha. 

Este sábado há mais, bitches. :)


Fotografia: Love Project
Laço: Lemon Hair Lovers

Outras leituras que podem ser "giras" ou "os links para os quais se borrifaram há bocado, mas que são espetados aqui de novo". 

...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

terça-feira, 4 de abril de 2017

A qualquer hora, em qualquer lugar.

Sempre dei mama em qualquer lado. Quase. No local de trabalho, se íamos visitar o pai, não me sentiria bem a sacar da mama e a dar ali à frente do chefe, nem via grande necessidade ou urgência nisso. Mas quando digo "em qualquer lado" é basicamente não sentir que tenho de ir para o carro ou para uma casa de banho. Vou se quiser, não tenho de. Custou-me, numa ida a um hospital privado, que me tenham sugerido por duas vezes ir para um cantinho da amamentação, quando eu disse que preferia ficar ali na sala de espera normal, simplesmente porque tinha a minha filha mais velha ali e não a queria abandonar nem privá-la de estar a brincar com os bonecos. Da segunda vez que a mesma pessoa me veio sugerir ir para o cantinho da amamentação, senti que já não era para que eu me sentisse mais confortável, era porque ele não estava confortável OU não queria que os outros utentes ficassem desconfortáveis. Poderia ter ido se estivesse só com a bebé. Não tinha de. E é isso que eu defendo: a escolha. 

Já dei mama no carro porque naquele momento era o mais confortável para as duas (e assim não se distraía tanto), já dei mama com um paninho a cobrir parte da mama, tentei dar à Isabel com um avental e não corria bem porque a miúda suava em bica (nesta nem experimento), já fui de propósito para espaços e cantinhos de amamentação. Agora também vos digo: há cantinhos de amamentação/fraldários que não lembram ao diabo. Ou cheiram a cocó (e eu levo na boa com o cheiro a cocó das minhas filhas, mas dos outros dispenso), ou estão ao lado de uma zona de fumadores e aquilo está empestado, enfim... 

Depende do momento, mas regra geral, se a miúda tem fome ou sede o que seja, saco da mama, com discrição (como penso que qualquer mãe, pelo menos nunca vi nenhuma a puxar para cima o vestido para amamentar ou a andar a passear por aí sem camisa), sem pudores e sem grandes alarmismos. Quando sentirem que estão a fazer algo de errado ou a incomodar alguém - que estupidez sentir-se isto - pensem que até o Papa já falou pelo menos duas vezes sobre este assunto: amamentem "sem medo e com naturalidade, tal como a Virgem", referindo-se às mães dos bebés que estavam a ser baptizados.

Eu sou das que acha bonito ver um bebé a ser amamentado. Não têm de achar, claro. Mas todos temos de respeitar. Tenho fotografias a amamentar em museus, em parques, em restaurantes, em casa. Desta vez foi na festa da Isabel e da Irene. É onde calha, a qualquer hora, em qualquer lugar. Tão natural como a sua sede. 

Susana Cabaço Fotografia


............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Calem-se!!!

(uau um post que não é sobre a festa de aniversário) 

Adoro sentir que aprendi qualquer coisa e que, ao mesmo tempo, pratiquei o bem. Não sou daquelas pessoas que me sinta gratificada a doar coisas a instituições, apesar de já ter feito voluntariado numa casa de acolhimento de emergência (só para que não fiquem a pensar que sou um monstro - foram só dois dias, mas a fingir que foi durante anos). Sinto-me muito mais compelida a ajudar pessoas que tenham passado ou passem por situações pelas quais já tenha passado. É o clássico do "sentir-me mais identificada". 

Tenho sentido muita vontade de ajudar mães a todos os níveis (menos financeiro que isso, filhas, vá, não há capacidade para estes lados) e, ao mesmo tempo, tenho sentido que é benéfico se me acalmar um pouco. Facilmente as coisas que eu digo podem ser vistas como intrusivas ou podem ser a minha perspectiva das coisas e quando não se conhece a história de alguém por completo, as boas intenções podem surtir um mau efeito e isso está longe da minha vontade. 

O lovelab agora é The Love Project

Aprendi muito com a amamentação e essa foi uma das coisas. Comecei por julgar e muito as mães que não amamentaram porque não quiseram, as que que não conseguiram, porque supostamente "se eu consegui toda a gente consegue", as que não se informam, as que... "De repente", apercebi-me de que todas nós temos histórias que nos compõem e que isto da maternidade vai buscar tudo o que há de mais intenso em nós: amor, abandono, desespero, vontade, sonho, esperança, incapacidade, segurança... É impossível sermos perfeitas nesta natureza tão falível e cuja aprendizagem se faz esfolando-nos também. 

Aquela mulher não é a mulher que não amamenta. Aquela mulher tem um nome e tem história e o não amamentar foi o resultado de uma existência que não conheço e que não me compete julgar (apesar dos meus julgamentos também serem consequência de uma existência que vocês não conhecem). 

Não acredito que a palavra seja compreensão, mas talvez respeito. Respeito pela existência dos outros, pelos seus condicionalismos e pelas suas formas de verem o mundo. Tenho vindo a aprender. É um processo (que nunca terá fim, desconfio). 

Um casal amigo contou-me que estava a dar leite artificial. Sugeri uma conselheira de amamentação. Agora é com eles, não tenho nada que ver com isso. 

Uma rapariga no ginásio, grávida, disse-me "é amanhã". Dei o meu melhor para não dizer tudo o que senti e pensava, sugeri que falasse com o médico para perguntar se podia ficar mais tempo "no forno" se era essa a vontade da mãe (e, vim a saber que falou e vai ficar mais uma semaninha - gosto de pensar que tive algo que ver com isso). 

Muitas mães explicam de forma não correcta os problemas de amamentação que fizeram com que a experiência acabasse. Digo onde podem ir buscar mais informação num segundo filho e que podem falar comigo sempre que precisarem e saio de cena. 

Ok. Isto não é ficar calada, mas também não acho que devamos fingir que não vemos algo onde possamos fazer a diferença. Comparativamente com tudo o que me apraz dizer nessas alturas, eu sinto que é quase um silêncio absoluto o que me sai. 

É pensar que quando falo não é por mim, mas que é pelo outro. É "ajudar" e não interferir. Estou a aprender. 

Faço novamente aqui um pedido de desculpas a todas as mães (até amigas) que julguei alto e bom som, outras em silêncio e que fui demasiado intrusiva e desrespeitadora. Não havia más intenções, havia um descontrolo e falta de reconhecimento do outro. 


...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Amamentação: ultrapassei, com a 2a filha, o tempo da 1a!


Era um dos meus objectivos, assim que engravidei da segunda filha: ultrapassar o tempo em que amamentei a primeira: 9 meses. A Isabel fez um falso desmame que eu não consegui reverter, mesmo depois de muita ajuda (de que já falei em vários posts, procurem aqui).

Dou maminha muitas vezes durante o dia - não sei quantas, que não conto (e também durante a noite, coisa a que fui praticamente poupada nos 6 primeiros meses), mas até agora, não tem sido penoso, muito pelo contrário. A única coisa de que me vou queixando neste momento é de fazer piscinas, à noite, entre filhas - a Isabel só quer a mãe no quarto dela à noite e a Luísa nem sempre acalma só com o colo do pai -, mas como ando numa fase boa e optimista, nem isso me tem tirado o sono (ah ah ah). Hoje estávamos sem o pai e dormimos as três na mesma cama e foi maravilhoso [a Isabel aceitou o meu convite e veio dormir no meu quarto].

Fiz muita coisa diferente agora nesta segunda volta, aproveito tudo muito melhor, e estou a adorar amamentar. Tinha muitas saudades. Não sei quanto tempo teremos pela frente, não estabeleço grandes metas, mas gostava que fosse tudo muito natural e sem grandes stresses. Espero que cheguemos longe, mas sinceramente não queria chegar ao ponto de estar muito cansada e de não me apetecer mais. Era óptimo se estivéssemos sempre em sintonia e que este namoro acabasse quando ambas quiséssemos. Veremos. 


adoro a fotografia, mas o papel ali a descolar faz-me tremelicar de um olho ;)

depois disto, claro que me puxou o nariz, o lábio superior e fez-me 2 mil arranhões na cara. mas as festinhas no peito compensam.
............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

E se não mamares de noite, Necas?

Ui. A viagem da Necas e minha por isto da amamentação dá pano para mangas. Já perdi conta aos inúmeros posts informativos e desabafativos sobre o tema. Podem ver uns quantos se carregarem aqui

Depois de muita tormenta, de uma suspeita de APLV e tudo, a amamentação finalmente tornou-se pacífica. Aos poucos, mesmo contra tudo aquilo que eu sentia nas fases em que ela precisava mais de mama, tem vindo a largar mamadas. 

Agora, a um mês de fazer 3 anos, durante a semana, mama de manhã quando acorda, à noite antes de adormecer e durante a noite, quando acorda. 

Não odeio dar de mamar, antes pelo contrário. Além do prazer que muitas mães que amamentam apontam (e das óbvias hormonas envolvidas que nos fazem sentir felizes), é também símbolo de uma batalha que a Irene eu travamos juntas e que vencemos. É sinal de que fomos capazes e que fizemos bem em continuar porque está tudo bem e tudo correu bem. 

Porém, confesso que as mamadas nocturnas me estão a deixar louca. Acorda e chama por mim. Eu, cansada, não me apetece que ela fique a mamar a eternidade que fica. Nunca consigo chegar a adormecer porque acabamos mesmo por ter alguém a mamar em nós. E irrita-me não ter controlo sobre isso nem opção. Se lhe nego a mama é um berreiro danado às 5h da manhã e ficamos as duas enervadas por algo que, lets be honest, tem muuuito mais de bom do que mau. 

Quando a Irene era mais nova, aconselharam-me o desmame nocturno para ela dormir melhor. Não é causa-efeito. Por favor, não vão nisto. Não desmamei e não me arrependo. Pensei sempre: se um dia quiser desmamar, que fosse através do diálogo e que ambas estivéssemos prontas para isso. Não teria sido justo introduzir-lhe este método (embora natural) de alimentação e de regulação e depois tirar à bruta só porque alguém me disse ou porque estava demasiado cansada. Eu não conseguiria lidar com a culpa. Ou, mesmo que conseguisse, não quero. 

Cá estamos aos três anos. Depois de uma noite em que dei por mim a ser má para a Irene a meio da noite por ela não aceitar não mamar para readormecer ("Ó IRENE, NÃO PERCEBES QUE EU ESTOU CANSADA, PÁ!"), no dia seguinte percebi que é tudo um processo, que devia tentar explicar o que se passa e negociar ou tentar perceber o que se passa aqui.

Ontem, quando estávamos a tomar banho juntas, surgiu-me o tema (em vez de lhe propor isso quando ela estivesse mais cansada e menos flexível): "Necas, filha, adoro dar-te maminha de manhã, sabias? É como se estivéssemos a matar saudades. À noite, antes de ires dormir, também gosto muito. É como se fosse um abraço com muita força. Durante a noite já não gosto, sabes porquê? Porque estou muito cansada, as minhas mamas já estão um bocadinho velhinhas e a mãe fica sem paciência. O que achas de, em vez de te dar maminha, nessas alturas, me abraçar a ti com muita força e dar muitos beijinhos até adormeceres ou de te abanar o rabo, pode ser?". 

Ela disse que sim. Não estava à espera que resultasse na primeira noite. Resultou a 75%. Aceitou em dois acordares outra alternativa. Às 5 da manhã estava irredutível e claro que cedi. Tenho de compreender. 

Vamos continuando nesta viagem, que não tenho pressa que acabe. Simplesmente, tal como a Constança Cordeiro Ferreira escreveu no livro, há  uma mamada que me incomoda (ou várias, as nocturnas) e é isso que quero "resolver", mas tendo sempre em conta o que a minha filha precisa (e eu também). 


Nota final: 

Atenção a isto dos desmames nocturnos. A Irene tem 3 anos e a amamentação já está estabelecida, além de que posso dialogar com ela e não será um momento traumático, digo eu, este afastamento, nem o irei fazer de forma bruta. É a à noite que há maior produção de prolactina, a hormona responsável pela produção do leite e, por isso, é quando o nosso corpo recebe mais a indicação da quantidade de leite que o nosso bebé precisa. Amamentar durante a noite é crucial para uma boa experiência de amamentação. Por favor falem com pessoas entendidas no assunto aqui ou aqui ou aqui, por exemplo. 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Estamos a dar no BLW - sabem o que é?

Já tinha umas luzes do BLW - Baby-led Weaning - na altura da Isabel. Não tinha era grande tempo e disponibilidade, além de estar cheia de ideias feitas difíceis de derrubar. Aquela concepção de que um bebé a comer uma pratada de sopa e de papinha é que é bonito de se ver. Dava-lhe alguns alimentos cozidos inteiros, como bróculos, por exemplo, mas não me apetecia limpar o chão todo nem acreditava que a minha filha fosse comer o que precisava, com o porte nutricional necessário, sozinha. E muito menos estariam no colégio preparados para lhe dar o almoço assim. Posto isto, ficou para um segundo filho.

Mesmo com a Luísa, achava que iria fazer um misto, mais numa de não me chatear muito, confesso. "Come uma sopinha e depois pontualmente dou-lhe os alimentos para a mão, para conhecer as texturas e os sabores individualmente e para mastigar à séria." Alertaram-me entretanto as mais puristas de que isso não é BLW: é sopa + finger food. Entretanto, e como a Luísa é uma bebé que não é amiga de sopa nem de fruta em papa (não gosta do ritual com a colher, da textura, etc, etc e eu não insisto), procurei saber mais e vi um vídeo do pediatra Carlos Gonzalez que me fez rir e pensar nisto da alimentação com mais pormenor. Ainda bem, ainda bem! Agora seguimos um método que respeita mais, na minha opinião, o ritmo dos bebés e que os prepara ainda melhor para gostarem de comer e para que tenham uma relação mais saudável com a comida. 

É incrível, em tão pouco tempo, a melhoria com que come e como manipula os alimentos. Além de ser divertido vê-la a explorar os alimentos, a prová-los uma, duas vezes. Já sabe o que é batata doce e o que é cenoura (os preferidos), já provou batata normal mas não adorou, há dias em que come bem brócolos, outros em que não lhe apetece (como a nós, adultos). Comecei agora a dar peixe e também curgete (no vídeo está a prová-los pela primeira vez). Costumava fazer cozidos, mas agora comecei a fazer a vapor e na água ponho alho, coentros e tomilho e rego com um bocadinho de azeite. No livro Comer Bem, crescer Saudável dão alguns exemplos no forno e vai ser a próxima experiência, com alecrim e tomilho.

Agora é assim que a Luísa se alimenta. Muita mama, claro, o principal, e depois ofereço alimentos à hora das refeições, comigo/connosco, para ela ir provando, manipulando, pondo de lado, explorando. E já vai comendo qualquer coisa que eu bem vejo na fralda (eheh pormenor dispensável).

Então mas e as listas de alimentos, introduzidos por ordem, e os 25g de carne e não sei quê? "Estou nem aí" para isso. Estou a seguir este método e a adorar cada minuto (menos aspirar o chão ahah). Não quer dizer que não lhe dê uma papa caseira, um iogurte, daqui a uns tempos. Não quer dizer que não lhe volte a oferecer sopa. Mas uma coisa é certa: não comprarei guerras com comida, não farei avioezinhos, nem farei um pino para que ela coma. Confiarei nela. Para já, o BLW basta-nos {e ando a ver receitinhas fixes de bolachinhas caseiras, scones e queques para lhe oferecer a par dos alimentos assim, o mais natural possível}.


Se tiverem paciência para ver um bebé comer :)


Coisinhas que podem ter achado giras: 
Cadeira - Bébéconfort
Prato - Ezpz
Babete/camisola - Ikea


---------------------
---------------------
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Tenho as minhas mamas de volta!

Nunca gostei muito das minhas mamas. Aliás, nunca gostei muito de nada no meu corpo. Consigo reparar (grande moral) que tenho uns olhos bonitos, uma boca gira e um sorriso encantador, mas a nível físico, o corpo e eu só agora é que estamos a fazer uma espécie de pazes com a questão de eu começar a fazer as coisas que devo fazer para ter os resultados que quero: melhor alimentação e exercício físico - acho que ouvimos tantas vezes esta cantilena que não nos apercebemos mesmo do quanto é importante, ficamos anestesiadas. 

Por isso, quando decidi amamentar e fiz tudo o que consegui por isso (um testamento que escrevi aqui), o estado em que iriam ficar as minhas mamas não era nada que me preocupasse. 

Aliás, até ganhei algo muito giro com isso: mamilos. Dantes tinha os mamilos perfeitamente lisos (até acharia que poderia dificultar a amamentação mas que, afinal, não constituiu obstáculo) e agora pareço aquelas boazonas que "ai #freethenipple e não sei quê, estou aqui de fato de banho, mas não reparei que tenho isto tudo evidente".

Sabem o que acho? Que as tenho de volta! Agora, depois de dois anos e meio a amamentar e procurando que aconteça um desmame natural (ela vá perdendo o interesse), olho para as minhas mamas e estão a parecer-me melhores. 

Fotografia por Yellow Savages
O que me dizem é que, com o desmame natural, as mamas recuperam devagar a elasticidade, os tecidos e afins e é isso que tenho verificado. Ainda tenho os mamilos todos tesudos (gostaram?), tenho as mamas mais pequeninas e, por isso, menos descaídas. Acho que outra coisa que tem ajudado é o voltar ao ginásio e perder gordura com #omelhorptdomundo . Gostava de vos mostrar, mas não consigo. 

Isto só para dizer que, se por acaso, um dos factores para não "quererem" tanto amamentar for o estado das mamas, é possível que muitas das mães que tenham ficado com as mamas num pior estado, talvez não tenham tido a hipótese ou vontade de fazer um desmame natural. 

Não digo que ficaram exactamente iguais, mas vivo até melhor com estas do que com as anteriores. 

E já não faço dupla-mama nos meus soutiens pré-gravidez! Importantíssimo. 



Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui.. 
O nosso canal de youtube é este

sábado, 5 de novembro de 2016

Amamentar é isto...

Ainda antes de estar grávida da Isabel sabia que havia de amamentar. Estava longe de ser mãe mas já sabia, no meu íntimo, que havia de querer construir essa ligação com o meu bebé. Mal sabia eu que, nos primeiros tempos, não me seria natural e que me custaria tanto. Desistir passou-me pela cabeça mil vezes no primeiro mês. Mas logo a seguir lembrava-me da imagem da minha mãe a amamentar-me na praia ao pôr do sol, com um ano e tal, memória que não tenho mas que as fotografias ajudaram a recriar. Eu adoraria consegui-lo, não só pelas vantagens já conhecidas, mas porque sempre achei aquilo bonito, especial. 


Durante um mês sofri bastante, tinha dores e pouca ajuda. Valeu-me o apoio moral do David e da minha mãe, que me prometeu que as dores passariam (também me disse que a escolha seria sempre minha). Ela tinha razão. Passaram e então vi e senti o quão especial era aquilo. A Isabel desmamou quando teve pneumonia com 9 meses e meio, rezei para que fosse um falso desmame e ainda tentei reverter mas já não consegui. Acabou uma bonita história, sem culpas.  Escrevi sobre isso aqui. Mas prometi a mim mesma que correria melhor num segundo filho. Correu. Está a correr muito, muito melhor. Apesar de ter sido um bocadinho doloroso no início novamente, principalmente com a subida do leite, nunca me coloquei pressões de aumentos de peso, não dei aso a confusões de tetinas, dei mama mais e mais vezes e pedi ajuda à CAM Patrícia Paiva, o meu porto de abrigo, sempre que tinha dúvidas (ela está agora no projecto Amamenta Setúbal, para quem precisar, aconselho!).

Amamentar para mim é muito, muito importante, faz-me bem, faz-me feliz. Seria igualmente boa mãe se não amamentasse, disso não tenho dúvidas, mas gosto muito desse nosso momento de namoro indizível. Até quando? Desta vez espero que até (bem) mais tarde, até ambas querermos e até que isto nos faça bem às duas. Adoraria conseguir fazer um desmame natural. Mas logo se vê. Acho que se não pusermos pressão nem fizermos grandes previsões, tudo correrá melhor. É deixar fluir. É irmos sendo felizes. 

Sigam-me no instagram@JoanaPaixaoBras
E o @aMaeequesabe também ;)


sábado, 29 de outubro de 2016

Esta conversa aconteceu!

Às vezes tenho algumas reservas em relação às recomendações dos pediatras no que diz respeito à amamentação. Tive a sorte da Isabel ter uma pediatra que, apesar de a partir dos três meses ter começado a descer ligeiramente nos percentis, sempre ter desvalorizado e continuado a apoiar a maminha, mas há por aí às vezes aconselhamentos precoces - a meu ver (e dos organismos de saúde) - da introdução da alimentação complementar. 

Ontem, nas urgências, calhou-me uma pediatra que, ao saber que a Luísa era exclusivamente amamentada me deu os parabéns e me perguntou, delicadamente (e deve ser para não ferir outras decisões contrárias, o que acho muito bem), se tinha intenções de continuar até aos seis meses. Quando lhe disse que sim, sorriu e disse: "é isso mesmo, não há melhor". Fiquei feliz. Não por ter tido uma palmadinha nas costas -  estou tão bem com a minha escolha que não preciso de grande reforço positivo - mas por saber que há pediatras que não aconselham, assim do nada, a introdução das papas ou das sopas e que sabem a importância da amamentação. 

 Estamos no bom caminho. :)


P.S. Claro que em caso de a mãe ir trabalhar muito cedo e não conseguir extrair leite, esta questão muda de figura e tem de ser repensada, mas fiquei contente por, não tendo conhecimento desses factos, não ter partido logo para essas sugestões.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Qual a relação entre sucção, linguagem e fala?

A Diana Lopes, terapeuta da fala (e uma querida), está de volta para nos ajudar a perceber como é que está tudo interligado ;)

"Vamos dar uma grande volta para chegar ao veredicto da questão minhas queridas mamãs, lá terá que ser!
São diversas as conversas por aqui sobre amamentação/alimentação e o certo é que para realmente perceberem que não estão sós, a alimentação é um dos aspetos que assombra qualquer mãe, em qualquer cultura.

Ao longo de um dia de consultas (6h -20h) são várias as crianças com quem brinco no meu pequeno espaço em Luanda (ou Lisboa). Desde angolanos (óbvio - porque passo a grande maioria do meu tempo como expatriada em Angola), portugueses, ucranianos, ingleses, chineses e vietnamitas. E não é que todas as mamãs, em alguma fase do acompanhamento em terapia da fala, queixam-se que os filhos não querem comer?

Tenho desde os que começam por comer funge com calulu ao pequeno almoço (matabicho, como apelidam aqui) aos que se deitam só com um pedacinho de pão no bucho.

A verdade é que todas as crianças (tal como nós, adultos) são inconstantes na hora da refeição.  Uns dias acordamos cheios de fome, capazes de comer um boi sozinhos, outros passamos bem com meia torrada e um chá.



O mesmo acontece com os bebés, uns dias acordam cheios de fome, estando despertos para mamar, outros desinteressam-se e adormecem. E agora vocês, meus bebés, digam de vossa justiça se não é uma maravilha adormecer na mama da mamã? Por gostarem tanto é que nem sempre é fácil garantir que comem de três em três horas e que mamam a quantidade suficiente. Quando acontece o bebé adormecer, as mães falam com o bebé, despem-no, mudam-lhe a fralda, apertam-lhe a mão ou o pé, as bochechas, … fazem tudo para que ele desperte. Depois aparecem as negras questões, será que ficou satisfeito com aquilo que mamou? Será melhor dar-lhe também o biberão? Tudo faz parte de uma aprendizagem a dois. Tanto a mãe como o bebé têm de ter tempo para se conhecerem cá fora.

No caso da amamentação esta é feita de avanços e recuos, todos os bebés mamam uns dias melhores e outros dias pior. Como os adultos, uns dias comemos melhor outros dias comemos pior, só difere a idade. Temos vontades e dias e dias! Também os bebés nem sempre estão interessados, não demoram o mesmo tempo, nem mamam a mesma quantidade de leite. Não há uma regra específica!

Cada bebé é único, tem gostos e vontades próprias. Desde cedo que o bebé reage, dando-nos respostas próprias, mostrando que tem um tempo próprio e começa a definir a sua personalidade. Não há um bebé igual e por isso cada um mama da sua forma e à sua maneira. É difícil definir a hora a que aquele bebé tem fome, se mama muito ou pouco, se demora mais ou menos tempo naquela mamada.

Para perceber como mama cada bebé, é preciso conhecê-lo. Para isso é preciso dar tempo, ser corajoso e ter muita paciência, criando várias oportunidades para o bebé se alimentar.

Mas, um aspecto é regra, todos os bebés nascem com características próprias que os ajudam a sugar. A sua face é pequena, as bochechas são “almofadas” (sucking pads, termo pomposo), o nariz é arrebitado com as narinas mais largas e o queixo é para trás. Desde o primeiro minuto de vida, quando a mãe põe o bebé encostado ao peito, ele imediatamente procurará a mama sendo capaz de abocanhá-la e começar a sugar.

Todos os bebés nos dão pistas ou sinais para percebermos quando estão ou não preparados para começar a sugar, quando querem continuar ou parar. Só precisamos de estar atentos e saber identificar bem esses sinais, respeitando o ritmo do bebé. Seguir os sinais do bebé, ir atrás dele, é quase sucesso garantido!

Por vezes, algumas mães têm a difícil tarefa de tomar a decisão de amamentar ou dar biberão. É sabido que a amamentação traz muitos benefícios (já aqui referidos em alguns artigos pelas Joanas) para a mãe e para o bebé.

Então, como sabemos se o bebé suga o suficiente na mama? Cada vez que mama, se eliminar fezes e se a relação entre o comprimento e o peso estiver adequada, sabemos que está a crescer bem. Quando o bebé está a ser amamentado pela mama da mãe não é aconselhável dar o suplemento pelo biberão, pois ele pode fazer confusão entre o mamilo e a tetina, e recusar a mama porque é mais fácil sugar no biberão do que na mama. O leite pinga instantaneamente, sai mais quantidades cada vez que o bebé suga e ele faz menos esforço para obter o alimento. No entanto, há mais perigo de o bebé se engasgar, pois não controla o leite que vai para a boca, tendo de ser adaptar. Na amamentação o bebé faz mais esforço, há um trabalho muscular mais intenso e só obtém alimento quando suga com eficácia. Também controla melhor a quantidade de leite que sai, tendo menos possibilidade de se engasgar. Há uma melhor coordenação do sugar, do engolir e do respirar (coordenação sucção/deglutição/respiração, mais termos pomposos). Após experimentar o biberão, é natural que o bebé prefira o biberão e haja perda de interesse pela mama, pois é mais fácil obter mais alimento pelo biberão do que pela mama, dá menos trabalho.

A sucção é uma das primeiras funções da boca e a mais exigente de todas. Sugar é a forma que o bebé tem de se alimentar porque é mais fácil sugar do que beber pelo copo, comer à colher ou mastigar. A dificuldade está em ter de coordenar as várias funções ao mesmo tempo, o sugar, o engolir e o respirar (sucção/deglutição/respiração). E isso acontece tanto na mama como no biberão. A sucção permite o crescimento da face, do maxilar inferior, adequa o movimento, o tónus e a força da língua, dos lábios, das bochechas e do palato (céu da boca). Também prepara os músculos da face para quando chegar à altura do bebé começar a comer as primeiras papas e sopas com a colher, beber líquidos pelo copo e mastigar alimentos mais duros.

Sabemos que na amamentação o esforço de sucção do bebé é maior, tendo de ter mais força muscular, usando mais músculos para extrair o alimento. É uma sucção mais completa quando comparada com a sucção no biberão. A amamentação permite ainda ao bebé respirar bem pelo nariz e futuramente há uma probabilidade menor de a criança usar a chucha, pôr o dedo na boca e roer as unhas. É como se mamar na mama já satisfizesse essas necessidades.

Nas crianças que sugam no biberão é fundamental que o furo da tetina seja pequeno, tentando que o bebé puxe e exerça mais força nos músculos, como quando faz na amamentação.

Os músculos orais que o bebé usa quando suga, serão os mesmos que irá usar para falar. A sucção tem também a função de preparar os músculos do bebé para falar. Um bebé que mama bem, tem mais possibilidades de respirar melhor, de desenvolver a sua fala e linguagem de forma mais harmoniosa, bem como de aprender a ler e a escrever com maior facilidade.


Nunca se esqueçam que cada bebé é um bebé. Quando se tem de recorrer ao biberão é importante que a tetina tenha um corte pequeno para o bebé exercer a mesma força muscular no biberão que exerce na mama. Já me estou a repetir, eu sei :)"

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Amamento há dois anos e meio.

Nunca pensei vir a dizer isto não só porque até efectivamente ter decidido engravidar, tal questão nunca me tinha passado pela cabeça. Infelizmente, talvez, porque não se vê muitas mulheres a amamentar em público e, por isso, ver bebés a ser alimentados de forma natural é raro. A verdade é que também, antes de ser mãe, não frequentava sítios para "crianças", daí também não costumar ver bebés e crianças. 

A amamentação só se tornou num assunto para mim quando comecei a ler sobre o parto. Li que era imperativo por o bebé a mamar na primeira hora depois do parto, senão o corpo não reconheceria (ou seria mais difícil) a ligação e tornaria tudo mais complicado. 



Vi que estava ali, naquele livro, um direito meu e da minha filha e que, pelos vistos, não seria respeitado em todos os hospitais ou circunstâncias. Comecei a interessar-me pelo assunto. Era importante. Ainda mais importante para mim que tinha decidido deixar de fumar assim que engravidei e que tinha tentado começar a fazer exercício e, portanto, a amamentação era só a continuação da minha preocupação em fazer tudo o mais saudável possível dentro daquilo que conseguisse controlar - claro que me fartava de falhar e houve muitos Lipton Ice Teas de Pêssego, Sumóis (ahah) de Ananás e gomas como lanche. 

Comecei a querer amamentar. Sabia que para que me sentisse bem no início desta aventura da maternidade, eu teria que amamentar, senti que era a minha parte. A verdade é que os primeiros meses foram um horror (como podem ler aqui). Não há maneira de suavizar a questão, foram um horror. Principalmente por causa da pressão que impus a mim mesma. E, depois, porque quanto mais informada estava, mais longínquas estavam as soluções que tanta gente fala da boca para fora sem saberem o quão enganadas estão, por muito bem intencionadas que sejam (muitas são, obrigada) - muita atenção a estas pessoas, apesar de que, se nos informarmos convenientemente, estamos a proteger-nos melhor dos danos que nos possam causar. Há imensos sítios onde nos podemos informar, nomeadamente aqui

Foi uma viagem muito turbulenta (mas que não precisa de ser, conheço uma boa dezena de mães que amamentar foi algo pacífico) mas que ainda não terminou. Terminou, sim, a parte de ser turbulenta. Agora é só bom. 

Ao longo de dois anos e meio de amamentação muitas foram as fases pelas quais tivemos de passar (a Irene, eu e o meu marido). Principalmente ficando um ano e meio em casa - algo que me ajudou IMENSO a que continuasse com a amamentação depois dos altamente recomendados 6 meses em exclusivo - estava 24 horas por dia disponível para a amamentar. Pelo menos fisicamente. De cabeça? Nem sempre me apetecia. Houve vezes em que me senti contrariada e zangada e demasiado cansada para conseguir ser minimamente racional. Houve dias em que a Irene me pedia para mamar mais do que 30 vezes numa hora. Nesses dias tinha sede, falta de miminho, o que fosse. Pedia porque queria. E, na minha cabeça, lá teria as suas razões. Aos poucos ia-lhe dizendo para esperar. Lá por volta do primeiro aniversário (já falando ela bem e tendo alguma capacidade de compreensão, portanto), ia-lhe mostrando que a mãe também faz as coisas dela e que a maminha iria surgir, depois de acabar de fazer o que eu estava a fazer. Aos poucos foi aprendendo a esperar. Havia alturas em que tinha de esperar, outras que não. 

Pelo meio, sugeriram-me milhares de vezes para que fizesse o desmame nocturno. Dormíamos muito muito mal. A Irene acordava de meia em meia hora ou, em dias bons, de hora e meia em hora e meia. Houve um dia que dei ouvidos e que, quando ela acordou, não lhe dei mama para ela readormeceu. Chorou muito ofendida. A minha tentativa durou 1 minuto (infernal). O cansaço leva-nos ao extremo. Houve muitos dias em que sonhei com um desmame. Em que dava ouvidos às pessoas mal informadas e que magicava maneiras de não ter as mamas mais disponíveis para ela. 

No Verão ficávamos (e ficamos) as duas transpiradissimas por estarmos tão juntas. Era ainda mais desagradável tentar adormecê-la, sendo que ambas ficavamos rabujentas por causa do calor... 

Só que. 

Só que depois, havia todos os outros momentos. Havia e há. Os outros momentos em que, quando chego a casa, sou recebida por uma miúda de fralda, com um coelhinho na mão e que grita ao mesmo tempo que ri: "quero maminha mãe, quero maminha!!!". 

E a maminha dela é enfiar-se no meu colo, com as pernas em cima dos meus braços, a fazer festas a ela própria com o coelho no nariz e em mim, na minha mama. É a barriga dela, de bebé, ele umbigo que, em tempos, tanto nos uniu, estar junto ao meu. É sincronizarmos as respirações de maneira a que quando ela insipire, eu esteja a expirar e façamos uma dança de barrigas. Isto enquanto ela bebe o leitinho da mamã que "sabe a mel" e que, depois de não querer mamar mais de uma maminha, depois pede "outra maminha, se faz favor, mãe". 

Gosto de a ter no meu colo sossegada. Gosto de lhe sentir os pezinhos nos meus braços e de os poder cheirar e por na minha boca, para os beijar. Gosto de a agarrar pela fralda e de lhe poder fazer cafuné enquanto "ela bebe o leitinho da maminha da mãe". A brincar, já lhe ofereci a maminha do pai "mas tem pêlo", a da Bubbles - nossa gata - "mas tem pêlo" e, por isso, lá vai havendo a maminha da mãe. 

A maminha da mãe que, depois de dois anos e meio de pois, significa miminho, colo e imensas defesas. Continua a desempenhar um papel muito importante na saúde dela, além de que também desempenha na minha. Sabiam que, enquanto damos de mamar, é produzida a hormona da felicidade? 

A Irene continua a mamar - não houve desmame algum - durante a noite. Já não acorda milhares de vezes. Acorda uma, quando muito e não houve qualquer desmame nocturno. Há imensas maneiras de conseguirmos descansar um pouco melhor durante a noite se tivermos um bebé amamentado. Falem, por favor, com especialista que tenham formação em amamentação. Uma dica que aconselho é ou dormirmos com eles ou termos uma cama grande para eles no chão para podermos adormecer com eles se estivermos cansadas, sim, mesmo que fiquemos com uma mama de fora. 

Os primeiros seis meses foram difíceis, os seguintes foram menos e agora não custa nada. Antes pelo contrário. Mama umas quatro vezes por dia, mamadas muito curtas (pelo menos para mim que não me importaria que ela ficasse mais tempo) e, aos poucos, está a voar. Ao ritmo dela. A um ritmo que também me permite a mim fazer o meu desmame. 

Já confessei e volto a confessar que toda a minha determinação (e loucura  - e não estou a brincar) em amamentar apesar de todos os obstáculos pelos quais tivemos que passar teve mais que ver comigo do que com a Irene. Não queria sentir que falhei porque, para mim, isto era importante. 

Não temos todas de dar a mesma importância às coisas. Temos sim de tomar decisões conscientes para que depois não fiquemos para sempre com um buraco no coração. É tentarmos o que conseguirmos, enquanto conseguirmos, munidas de boa informação. Se, depois, não der? Não deu. Há outras missões a ter em conta. Ser mãe não é só dar maminha. 

Eu gosto muito de amamentar. Amamento há dois anos e meio. Não sou melhor nem pior que ninguém, mas estou muito feliz por ter conseguido e por conseguir. 

Força a todas!

E, por favor, lembrem-se: metade do caminho para se levar a amamentação avante é estarmos bem informadas. Temos muito sobre amamentação neste blog, podem ler os posts todos aqui, andando para baixo. 

domingo, 21 de agosto de 2016

Dorme a noite toda!

A Luísa dorme a noite toda, praticamente desde que veio para casa. Sim, é bom. Sim, é meio caminho andado para eu não ficar completamente xexé da cabeça. Da Isabel nunca foi assim, apesar de ter chegado a fazer 7 horas num dia (muito) bom. Só ao fim de um ano e tal é que soubemos o que era isso de dormir uma noite seguida, mas ainda assim nunca aconteceu muitas vezes.

A Luísa dorme e a Isabel acorda. Uma, duas, três vezes. Mais. Com o calor, com pesadelos, com tosse, porque sim, porque precisa de mim. Às vezes custa, outras vezes não custa. A Luísa compensa. Quando (ou "se") deixar de compensar, lá terei de me adaptar a essa realidade e andar cá e lá, a fazer piscinas. Se acontecer penso numa solução, não vale a pena sofrer por antecipação. A Isabel não quer vir dormir connosco, na nossa cama, gosta de ter o seu espaço. Eu vou lá. Às vezes aceita que seja o pai. Às vezes pede leitinho. Às vezes adormece antes de eu lá chegar com o dito. Às vezes fico a dormir com ela. Às vezes dorme a noite toda e eu rejuvenesço mil anos.

A Luísa... a Luísa mama muito durante o dia, mas durante a noite dorme. Adormece às 22h-22h30 para o sono grande, às vezes volto a dar-lhe mama por volta das 7h, se a acho mais irrequieta, e depois volta a dormir mais duas ou três horas. Já chega a fazer 12 horas. Já me disseram: "mas isso é porque o teu leite é bom". Sim, o meu leite é bom. É uma verdade. Mas o leite das outras mães também é. Todos os leites são bons (são raras as excepções). Ou todos (quase todos) podem ser bons, se fizerem uma coisa chamada livre demanda, sem horários e sem restrições. Se a pega estiver bem feita, se procurarem apoio de pessoas especializadas, se confiarem em vocês. Quanto mais o bebé mamar, mais leite é produzido. Agora... se é (só) por isso que a Luísa dorme? Não é. É dela. Quantos bebés são amamentados em livre-demanda e não dormem a noite toda? Quantos bebés bebem leite de fórmula e não dormem a noite toda? Não tenho explicação para ela dormir bem, fico toda contente, mas sei que a qualquer momento pode deixar de dormir assim (lembro-me sempre do caso da Irene, da Joana Gama).

A minha questão é: como faço para ela dormir também bem as sestas? Eheh Estou a brincar! :) Ela dorme bem, tem é de ser ao colo ou em andamento. Ou de mama na boca. Se a deito, acorda. Juro que não me estou a queixar, tenho noção da sorte que me saiu na rifa! 



Sigam-me no instagram@JoanaPaixaoBras
e o @aMaeequesabe também ;)

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Como sobrevivi ao primeiro mês de amamentação

Se estão grávidas e querem amamentar os vossos filhos, informem-se muito antes. Acho que se tivesse lido esta frase quando estava grávida da Isabel ou se alguém me tivesse dito o quão difícil pode ser amamentar, eu teria procurado toda a informação ao meu dispor, antes de começarmos a nossa bonita mas difícil história. Saberia o que é ou não normal. Teria à minha disposição contactos de especialistas. Teria tido mais confiança em mim e no poder maravilhoso do meu leitinho. Contei-vos a nossa história, para mim ainda hoje bastante comovente, no post: "Acabou-se a mama".


Quando engravidei da Luísa, já ia muito mais confiante para esta missão. Sim, parece um exagero a expressão, mas é assim que a sinto, sendo que muitas vezes são as coisas que exigem mais esforço e dedicação que acabam por dar mais prazer. Escrevi este texto: Amamentação: o que vou fazer de diferente da 2a vez.

No meu íntimo achei que, da 2a vez, fosse ter metade das dúvidas e metade do sofrimento. Voltei a sofrer bastante, voltei a chorar, voltei a gretar os mamilos e a fazer sangue, mas desta vez sabia também que iria passar e que iria compensar. A boquinha da Luísa era pequenina e agarrava mamilo e pouca auréola. Tirava-a com o dedo mindinho da mama e voltava a meter de novo, tentando corrigir a pega, mas em vão. Tive dores na mama esquerda (a "mama má", também da Isabel). Tive uma subida do leite novamente dolorosa, à qual a bebé não dava vazão e, como não conseguia extrair leite manualmente para aliviar, tive mesmo de meter um bocadinho a máquina (não se deve, mas era a minha única maneira de "sobreviver" a tanto caroço, mesmo depois de boas massagens no banho). Recorri a uma CAM, a Patrícia Paiva, que me foi encorajando e me deu a conhecer, entre muitas outras coisas, dois vídeos fantásticos:

Este vídeo devia ser obrigatório para perceberem melhor como funciona a pega, as várias posições, a melhor postura do corpinho deles: é óptimo, mesmo, mesmo!

Este vídeo ajuda-nos a perceber como se extrai leite manualmente (só consegui começar a extrair assim um mês depois).


Outras coisas que descobri on my own:
CREME: Com a Isabel, usei o Purelan, da Medela, mas não fiquei grande fã, por isso desta vez quis experimentar outros e dei-me muito bem com dois cremes que encontrei na Origami Kids - este bálsamo para mamilos e este, um pouco mais espesso.

ALMOFADA DE AMAMENTAÇÃO:  Não tinha almofada, mas para maior conforto, acabei por encomendar a almofada de amamentação Mada in Lisbon, que é anti-ácaros, anti-bacteriana e hipoalérgica.

MÁQUINA: Na altura da Isabel emprestaram-me a máquina da Medela, dei-me lindamente, mas desta vez fiquei fã da Bébéconfort, que é silenciosa (não é totalmente, mas não tem nada a ver com as outra) e "mãos livres" - pode colocar-se a concha no soutien.




A minha avó dizia que ela, aqui com 21 dias, estava a medrar, com as peles a escamar. :)



Quando tiverem dúvidas ou dificuldades neste processo, contactem a SOS Amamentação ou contactem a clínica Amamentos.

Ah! Coisas de que me esqueci: andei muito de mamas ao léu (o nosso leite no mamilo também ajuda a cicatrizar), fiz bastante pele com pele, dormi perto da bebé para que ela mamasse sempre que quisesse e, claro, faço livre demanda, ou seja, a bebé mama sempre que quer, o que além de a fazer ganhar muito peso e refeguinhos, facilitou mais a subida do leite (em nada comparada com a da Isabel, que por ter regras rígidas e relógios parvos, foi horrível).

domingo, 17 de julho de 2016

Fomos fotografados por um paparazzo...



Agora em zoom

Ontem consegui tirar meia hora do meu dia para ir à piscina dos sogros desfrutar da Isabel. Ando numa fase de Luísa alapada a mim 24/24 horas, a mamar como se fosse um camelo e tivesse de fazer reservas para meio ano (está num pico de crescimento - leiam sobre isso quando acharem que estão com pouco leite, que não os satisfaz ou que o vosso leite está fraco, porque é MITO - e pede maminha mais frequentemente). 

Soube-me bem ouvir as gargalhadas da Isabel a fugir do tubarão (o David) e fiquei contente que o sogro tivesse tirado estas fotos, mesmo que à distância. A Isabel está feliz (e não fez uma única birrinha hoje) e eu muito feliz por, apesar de todo o cansaço, ter feito esta "pausa". Se há coisa que aprendi é que às vezes precisamos de pedir um break time para ganhar fôlego para o resto do dia. 

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Vamos ser Pais!

É este o nome de mais uma iniciativa da nossa parceira Barrigas de Amor


Desta vez o foco é algo que levo a peito (ahah): gravidez e amamentação. Vai ter lugar na clínica Amamentos onde fui muito bem recebida pelas Dras. Elsa e Graça que têm feito um óptimo trabalho em ajudar cententas de mães a amamentar. 


É daqui a precisamente uma semana, por isso têm tempo de adaptar as vossas agendas. Valerá bem a pena. Prometo.

Estamos juntas pela Natalidade ;)



Para mais informações "ajuntem-se" aqui ;)

Para mais informações sobre amamentação no blog, carreguem aqui.

Para ajuda, não hesitem e liguem já para aqui.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Mudem a vida das próximas grávidas e bebés.

Nem é preciso por-me aqui com argumentos. A verdade é que acho que até os 6 meses não são suficientes e que deveriam ser, pelo menos, um ano (para quem quisesse, sem cortes abusivos). Estou a falar da licença de maternidade, sim. 




Porém, vamos lá assinar esta petição para que sejam revistos os nossos "direitos" e se aproximem mais do que seria razoável: 

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=Licencaparaamamentar

(eventualmente iriamos falar sobre isso, mas queria agradecer à nossa leitora Inês pelo "pressing" por e-mail- OBRIGADA!)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Quando caí em mim de que era mãe.

Claro que vamos tendo muitos destes momentos ao longo de todos os dias da nossa vida enquanto mães. Acho que nunca nos apercebemos totalmente do nosso papel ao mesmo tempo que estamos completamente mergulhadas nele, tanto quanto é possível estarmos. Há coisas que são muito marcantes para todas nós: o primeiro sorriso, o primeiro dente, os sons que fazem a dormir, a mamar, as gargalhadas, as trapalhadas... 

... mas este momento, até agora, suplantou qualquer outro. Lembrei-me dele ontem, quando estava a dar-lhe mama na poltrona do quarto dela. Olhei para ela e vi-a tão crescida, já tão adulta, mas ainda agarrada ao seu coelhinho. Já tão capaz de se expressar, de dizer o que quer, o que não gosta e que nos deitemos na cama com ela para brincar: "páqui papá, páqui mamã". 

Esta foi a mesma rapariga que me fez chorar, que me fez chorar todas as minhas entranhas e o meu coração - quase como se de um "regresso ao mundo dos vivos se tratasse, com essa mesma sofreguidão - quando há uns largos meses, também naquela poltrona e também a dar mama reparei que se estava a meter comigo. 

Um ano e pouco nesta fotografia.


Brinquei com ela e pisquei-lhe duas vezes os dois olhos. E ela? Ela piscou duas vezes de volta. 

Foi aqui que a minha vida mudou para sempre (outra vez), quando senti pela primeira vez a alma bricalhona, apalhaçada e traquina da Irene. A nossa primeira comunicação mais efectiva. Eu pisquei duas vezes os olhos e ela, que nem contar sabia, fez o mesmo, sedenta por mais, mais brincadeiras, mais piscadelas de olho. 

Tenho a minha filha ao meu colo desde que nasceu, mas senti que naquele momento é que foi o meu parto, enquanto mãe. 

Ela vive, ela brinca, ela imita, ela reage, ela quis fazer-me sorrir. 

Foi a primeira vez que falámos. Claro que já há muito tempo que dançávamos as duas pelos nossos dias, comunicando de uma maneira ou de outra, mas ali vi-a. Vi, pela primeira vez, a Irene. Não sou só mãe. Sou mãe da Irene. 


*este texto é lamechinhas mas não foi escrito pela Joana Paixão Brás.