Mostrar mensagens com a etiqueta cocó. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta cocó. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 25 de abril de 2017

Com 3 meses faz cocó no penico!


Comecei por estranhar, franzi o nariz, disse "que loucura", mas mesmo céptica fui procurar mais: Bebé sem fraldas - Elimination Communication - Passo a Passo.

Eu não fazia ideia que isto existia mas o saber não ocupa lugar. Comecei por dizer para mim mesma que no caso da Luísa não resultaria, que talvez agora, com 10 meses, seja mais previsível - por exemplo, já sei que faz o primeiro cocó do dia depois de lhe mudar a fralda, mas nos primeiros meses ela fazia cocó umas 192737 vezes por dia. 
Depois vi um vídeo em que a mãe que aplicou este método dizia que, com ele, eles reduzem o número de vezes que fazem cocó porque estão numa posição mais favorável e libertam logo de uma vez maior quantidade. A Página do FB Bebés sem Fralda também tem imensa informação disponível para quem se interesse por isto da "Higiene Natural".

E, depois, desafiei-a a responder às minhas perguntinhas:


Por que é que resolveste iniciar o Elimination Communication?

Aos 18 dias de vida do meu segundo filho e após dois episódios de cólicas, decidimos iniciar a prática de Elimination communication. Chegando a uma dada altura da noite ele contorcia-se e chorava num misto de dor e desconforto. Aquele sentimento de impotência perante a situação mexeu muito connosco, ao ponto do meu marido sair de casa no meio da noite para comprar umas gotinhas milagrosas que surtiram um efeito muito temporário. A sensação que tínhamos era que ele queria evacuar mas não conseguia, só mais tarde com a prática da elimination communication (ou higiene natural) conseguimos entender que aquilo era um pedido de ajuda dele. Nenhum bebé quer ou gosta de evacuar sobre si mesmo (ou seja na fralda), mas o que acontece é que eles acabam por ser obrigados a fazê-lo e muitos deles, mais tarde chegam a ganhar um sentimento de pertença tal, que só são capazes de evacuar com a fralda. Na manhã que precedeu uma das nossas noites com cólicas, assim que o bebé acordou apercebi-me de que ele fazia um barulho distinto, mexia as pernas e contorcia o corpo. Foram estes os primeiros sinais. Retirei a fralda, segurei-o nas pernas, dando apoio à coluna e na posição de cócoras e pela primeira vez ele evacuou livremente, sem entrar em contacto com a sua urina e fezes. De seguida mamou e ficou feliz, aliviado e bem-disposto. Simples assim!
Já havia lido alguns artigos, relatos e até já tinha visto vídeos de EC durante a segunda gravidez, no entanto tinha o estigma de que seria difícil de praticar, pensei que não conseguiria identificar os sinais e tive alguns medos, no entanto tanto eu como o pai conseguimos auxiliar o nosso bebé em todo o processo de forma bastante instintiva. Passámos a usar recentemente fraldas de pano e a maioria das fraldas são apenas molhadas.

O que é e como se processa?

A ideia geral na prática de Elimination Communication (ou higiene natural) é que o cuidador tente ajudar o bebé a manter-se limpo e seco, oferecendo-lhe a oportunidade de urinar ou evacuar noutro lugar sem ser na fralda. Quanto mais cedo se iniciar a prática mais instintivo será. Para uma grande proporção da população mundial, usar uma fralda não é tão prático quanto não usar uma fralda, portanto é natural e expectável que os pais auxiliem os seus bebés a manterem-se limpos (assim como fizeram os seus avós e bisavós). Mas isso não significa que a prática de EC exclua de todo o uso de fraldas.

Como lidas com os olhares incrédulos e de que informação te muniste para que não te chamassem louca? 🙂

As reacções gerais das pessoas são muito engraçadas. Para quem se mostra interessado eu até tento explicar o que é e como se processa mas infelizmente a primeira leitura para alguns é de alguma repulsa pois pensam trata-se de um desfralde precoce, daí muitas vezes julgarem sem se permitirem entender o que é. Eu própria não aprovei a ideia quando vi pela primeira vez a imagem de um bebé a usar um penico, tanto que, e aquando do desfralde do meu filho mais velho, comprei o penico que usamos actualmente e na etiqueta indicava que seria aconselhado para o uso de maiores de 4 meses, lembro-me perfeitamente de pensar "quem é a pessoa louca que vai usar o penico com um bebé menor de 4 meses?" Ironia do destino: eu mesma! Apesar de não termos praticado EC com o filho mais velho (por total desconhecimento) o desfralde foi bastante tranquilo. Iniciámos aos 24 meses, após o primeiro pedido dele para usar a sanita, o desfralde diurno durou cerca de três semanas a ficar concluído com alguns acidentes pelo meio. Hoje com 31 meses continuamos a usar a fralda de noite. No entanto, tenho a consciência de que, mesmo respeitoso, foi um desfralde guiado por nós. Para um bebé que inicia a prática de EC o desfralde é sempre guiado pelo bebé, os pais só têm que continuar atentos aos sinais. Curiosamente o desfralde nocturno acontece muita vezes antes do diurno.

Há pessoal médico que "aprove"?

Vivemos na Escócia e a enfermeira que vem a casa periodicamente desconhecia a prática de EC e mostrou-se apenas curiosa, não fez qualquer tipo de julgamento ou recomendação. Ela pôde ver na prática como se processava e ficou de certa forma incrédula. 

Qual o teu estilo de parentalidade, guias-te por quê?

Vivo a maternidade de forma descontraída, sem horários ou pressões externas. Basicamente tenho feito tudo de forma instintiva desde a primeira gravidez. Sou adepta do parto natural e ambos os meus filhos nasceram na água, pratico amamentação em livre demanda e em tandem, faço regularmente babywearing e utilizo a disciplina positiva para ajudar-me nos desafios do dia a dia.
A maternidade ensinou-me que a melhor forma de tomar decisões é ter empatia pelos meus filhos, pelas suas necessidades e pelas suas limitações.
Felizmente tenho o privilégio de estar bastante presente na vida deles, aliás, foi essa uma das principais razões que decidimos emigrar. Temos todos os fins de semana em família e isso enche-me o coração.

Obrigada, Bruna!




Querem deixar aqui perguntas para a Bruna? Força!
JPB

domingo, 18 de dezembro de 2016

Farta deste cocó

Não há coisa que não caiba neste blogue e hoje o tema é uma merda, literalmente. Estão a ver ali a pessoa até com bom aspecto - assim ao longe (não conseguem ver as sobrancelhas e o buço a quererem espreitar as luzes de Natal) - a Luísa é uma bebé amorosa, amorosa, que desde que tenha barrinha cheia e ande de um lado para o outro, em babywearing preferencialmente, lá vai andando na vidinha dela sem grandes queixumes, o cenário é bonito - adoro estas luzes pingadas nas árvores da Avenida da Liberdade - mas a verdade é que, pouco depois desta fotografia, houve roupa suja, cadeirinha do carro suja, troca de roupa no carro, com o pai a fazer um número de contorcionismo digno de circo para a vestir e não nos constiparmos todos e eu dou comigo fartinha deste cocó. Eu que elogiava o cheiro do cocó só de leite (até gostava, confesso, não vale rir!), já me ando a passar com chafurdanços em cocó. É bom sinal, claro, a miúda não é presa, mas eu não consigo acertar com as fraldas/tamanhos/timings de muda e volta e meia ela afoga-se em cocó. Estou fartinha. Quando é que começa a fase do cocó de gente? Quando é que vou deixar de ter de meter roupa de molho? O problema dela acordar encharcada de chichi de manhã já está resolvido: meto a fralda dela e meto uma da irmã por cima, fica toda enchouriçada mas pelo menos não há mudança de roupa, lençóis e o diabo. Agora e durante o dia?... Soluções?

Desculpem lá o tema tããããão natalício... :)


Uma foto publicada por Joana Paixão Brás (@joanapaixaobras) a



Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 25 de setembro de 2016

Levou com chichi em cima...

Isto aconteceu já há duas semanas e ainda hoje me rio. Estávamos numa espécie de brunch com a Raquel e o Renato, amigos de anos e anos, com quem adoramos conversar - estivemos lá seguramente umas 3 horas sem dar por isso: Isabel dormiu no sofá, Luísa no colo e no ovinho e foi bom sentir que, por momentos, consegui conjugar tudo [este texto - Aos amigos sem filhos - foi em parte inspirado neles]. Pôr conversa em dia, cortar na casaca deste e daquele, falar de televisão, de sexo, de casamento, dos trabalhos, de novos projectos, das miúdas, tirar fotografias para mais tarde recordar e... um de nós levou com um chichi da Luísa na roupa (ou cocó, mas eu preferi afirmar confiante que era chichi, mesmo tendo cocó na fralda...), daqueles que extravasam a fralda, que não era mudada há algum tempo. Não vou dizer quem, que isto é gente que tem uma reputação a manter. 


Essa pessoa ficou a saber que:
  • se vai para um sítio com bebés convém levar uma mudazita no carro, não vá o diabo tecê-las, principalmente se vai para um sunset a seguir. 
  • há malas espalmadas (têm um nome específico que agora me escapa, clutch?) que são óptimas para tapar toda a área afectada e nem se nota por aí além
  • mesmo que se desconfie que possa ser dejectos humanos na roupa, não vale muito a pena passar a mão e cheirar para se certificar












A mãe da culpada ficou a saber que:

  • convém ir mudando o tamanho da muda de roupa que temos guardada há dois meses na mala da criança, porque - preparem-se para a revelação estonteante - os bebés crescem e a roupa deixa de servir: é escusado andar a fazer depois estas figuras, sem body:

     

  • convém ir mudando a fralda da criança, mesmo sendo o segundo filho, porque apesar da pele deles aguentar ficar horas e horas em banho maria de chichi, mas não é preciso chegar a cozer.




    Sigam-me no instagram @JoanaPaixaoBras
    e o @aMaeequesabe também ;)