Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Diogo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Diogo. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Vais ficar viciado no colo.



Vais ficar viciado no colo. Na mama. Nas minhas mãos que te confortam até adormeceres. Nos meus beijinhos pelo corpo todo logo pela manhã. No facto de assim que choras eu pegar em ti e mostrar-te que estás em segurança. Em adormeceres na nossa cama de madrugada quando tens noites mais agitadas. É isto que me dizem de ti, filho. Que tens um mês de vida mas já tens manha, que sabes manipular-nos a fazermos o que queres. Que vais ser uma criança dependente. 

És o meu primeiro filho, não sei se estou a fazer tudo bem ou tudo mal. Estou a fazer o melhor que sei. A seguir o meu instinto. Aquilo a que já quase ninguém dá importância. Preferem regular-se por horários, biberons, regras estipuladas e choros constantes. Eu prefiro seguir o amor. Porque dar-te colo quando choras, alimentar-te quando queres e mostrar-te que estás em segurança quando acordas no meio da escuridão e do silêncio, é fazer-te crescer com amor. E o amor é a base de tudo. Pelo menos de tudo o que está certo. É a base de uma infância feliz, das hormonas que te dão leite, de uma família equilibrada e de adultos conscientes e humanos. É o amor que vence sempre. Qualquer luta ou batalha, qualquer medo que se atravesse à nossa frente. 

Fala-se tanto de traumas de infância, de adolescentes rebeldes, de psicoterapeutas para resolver problemas psicossomáticos, de dizer sim ou dizer não. Mas continuamos a cruzar-nos com pessoas que assim que olham para nós decidem aconselhar “não o habitue ao colo”, “deixe-o acalmar-se sozinho”, “não lhe dê mama sempre que quiser, senão não quer outra coisa”, e tantas outras barbaridades. Pais que se queixam de não compreender os filhos, mas que os deixam horas a chorar no berço ignorando completamente os pedidos dos mesmos. Que fazem cursos pré-parto, pesquisam todos os sites possíveis, lêem todos os livros sobre bebés, mas ignoram tudo porque a vizinha lhes disse que as teorias estão todas erradas.

Não sei se tens manha, se me manipulas, se já vens ensinado, se nunca mais vais adormecer sozinho ou aos dez anos ainda vais queres passar a madrugada na minha cama. Mas sei do que precisas agora. Do que me pedes. Do medo que tens do escuro e do silêncio. Do colo que te faz já sorrir para mim. Do amor que tenho para te dar e da segurança que me exiges. É por isso que vamos ignorar o mundo à nossa volta e crescer os dois no que é certo para nós, no que nos faz felizes, com ou sem manha, mas com muito colo pelo meio.





Joana Diogo
A Joana escreve no O que vem à rede é peixe
Sigam-na no Facebook e no Instagram



Podem ler também:

da mesma autora

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 


terça-feira, 16 de maio de 2017

A um mês de ti

Daqui a um mês já te tenho nos braços. Não sei se fico feliz ou aterrorizada. Sei que não estou preparada para te receber. Acho que não estamos nunca, verdadeiramente. Tenho o teu quarto pronto, as roupas lavadas à mão e organizadas por tamanhos, tenho as tuas primeiras roupas guardadas com o máximo carinho na mala da maternidade. O teu pai diz imensas vezes que te quer conhecer e eu fico a rebentar de orgulho só de ouvir essas palavras. Toda a gente diz que és pequenino, inclusive a primeira pessoa que te vai tocar e que quer trazer-te mais cedo. Eu quero que venhas no momento em que estiveres pronto. Sem horários e datas definidos, sem injeções e comprimidos que te façam apressar. Estamos numa luta os dois contra o mundo aqui fora. Toda a gente tem demasiada pressa e paciência a menos. Mas eu já aprendi que és pequenino mas tens imensa energia. Deixas-me dormir à noite e durante o dia estás acordado comigo, detestas que pouse o que quer que seja em cima de ti, refilas e dás pontapés. Quero ser perfeita para ti, como sempre quis ser para todos, contra o que luto há vários anos, mas tu vieste aguçar essa necessidade. Espero que saibas que, se tentar demais, é porque quero que tenhas o melhor de mim. Que vou tentar lembrar-me de dar um passo atrás e respirar fundo sempre que esteja assoberbada de ideologias, que te vou proteger ao máximo de pessoas tóxicas e palavras sem sentido. Que não te vou proteger do mundo. Muito pelo contrário. Assim que chegares tens dois animais para te imunizarem e para te fazerem feliz desde o primeiro dia. Com risos, correrias, brincadeiras na terra do parque e no chão da sala. Vou levar-te comigo para todo o lado, vamos querer que conheças a ásia e todos os outros continentes. Vamos querer que sejas do mundo. Mas acima de tudo que sejas o que quiseres ser. Que sonhes, que libertes o que tens de melhor, com melhores ou piores notas, com mais ou menos atenção na escola. Queremos que sejas a melhor pessoa que puderes ser, sem diplomas ou categorias profissionais. Queremos que sejas simplesmente feliz. 


Joana Diogo


A Joana escreve no O que vem à rede é peixe
Sigam-na no Facebook e no Instagram <3

sábado, 29 de abril de 2017

Posso dar mais uma? ;)

Como a Joana vos deu umas dicas para lidar com a fase dos "dentinhos", lembrei-me do nosso segredo: o fio do robot em silicone. É óptimo para eles deixarem o nosso cabelo em paz, se focarem em algo enquanto estão naquelas fases da amamentação em que se distraem com tudo e mesmo até para ser um mordedor. Além de ser muito giro, gosto mesmo!

Também há pulseiras do género aqui e olhem que dá mesmo jeito :)




Mordedor/colar - Rebento 

...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Quero criar um filho feminista.

Não sou feminista. Nem de extremos. Muito menos radical. Cada vez mais me apercebo dos tons de cinzento que existem na vida, para além do preto e do branco. Mas vou ser radical, extremista e feminista a educar o meu filho. Quero e devo criar um homem feminista. Porque o carácter, as opiniões, as atitudes e o bom senso das pessoas adultas começam na educação. Porque não basta serem as mulheres a lutar pelos seus direitos, têm de ser primeiro os homens a perceber o que está errado e a quererem fazer alguma coisa por isso. 

Vou ensinar o meu filho a fazer a cama, a lavar a loiça, a cozinhar, a querer ser proactivo nas tarefas de casa, a perceber que estas têm de ser feitas por todos, não apenas quando lho pedem. Já o eram antes de chegar, continuarão com mais um elemento. Vou exigir-lhe o mesmo grau de perfeição que exigiria se fosse mulher, porque começa em nós essa distinção, essa diferenciação de géneros. As meninas têm de fazer tudo bem feito, os rapazes são trapalhões e, por isso, dá-se o desconto. Não. Nascemos todos com a mesma capacidade de organização, de aptidão, com todos os campos em aberto à espera de serem cultivados. Caso contrário os homens não seriam cirurgiões, arquitectos, escritores, designers. A sensibilidade, noção de espaço e coordenação motora têm todo o seu potencial em criança. Vou sensibilizá-lo para as relações entre homens e mulheres, para a bondade, para a educação para com os outros. Porque abrir a porta a uma mulher não é um acto feminista, nem discriminatório, é uma questão de tradição e educação. É uma questão, acima de tudo, de amor. E tal como o amor deve ser dado e recebido de igual forma em qualquer relação familiar, amorosa, de amizade, deve ser de igual modo partilhado por homens e mulheres. Tal como a nossa casa é habitada por homens e mulheres, deve ser tratada e conservada de igual modo pelos dois. Tal como os filhos são originalmente criados por pais e mães, devem ser cuidados pelos dois, em igual responsabilidade.

É nossa responsabilidade, de mães e pais, mudar o mundo para melhor. E temos esse poder nas nossas mãos. Não precisamos da pressão de inventar a cura para o cancro ou da resolução dos problemas ambientais, podemos, sim, mudá-lo para muito melhor com tão pouco. E o tão pouco é ensinarmos aos nossos filhos que nascem iguais, têm oportunidades iguais e responsabilidades iguais. Porque eles serão os próximos directores empresariais, os chefes de serviço, os políticos, alguns deles os primeiros ministros e os presidentes da república. Outros percorrerão o mundo em causas humanitárias, ou serão apenas pais de outras crianças com toda a responsabilidade que isso implica. 

Vou ensinar ao meu filho a importância do amor e do respeito pelos outros. Mas acima de tudo vou ensinar-lhe que um homem não é nem mais nem menos. E que deve ser tão ou mais feminista que uma mulher.




 


Joana Diogo


A Joana escreve no O que vem à rede é peixe
Sigam-na no Facebook e no Instagram <3

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Guarda o meu amor por ti

Quero que nunca te esqueças que foste a minha única escolha. A pessoa que escolhi para passar o resto da vida ao meu lado. Aconteça o que acontecer, venha quem vier, tu serás sempre a minha escolha. Quem se vai juntar a nós pode ser qualquer pessoa. Vamos ajudá-la a atingir o seu máximo potencial, vamos amá-la incondicionalmente, mas o meu amor maior serás sempre tu. Tenho medo do amor que estou prestes a conhecer. Esse amor que dizem ser mais que a vida, um amor animal, que vem das entranhas. Espero, sinceramente, que ele não me cegue em relação a ti. Tu que me deste a mão quando mais precisei, que me ouviste quando só conseguia soluçar, que me viste acabada de acordar sem qualquer beleza artificial, tu que já me viste do avesso. O meu coração nunca se vai esquecer de ti, mesmo que outra pessoa comece a ocupar o mesmo espaço que ocupas dentro dele. És, no meu mundo inteiro, a única pessoa que me vê realmente como sou, que acredita no que poderia ter sido e nunca tive coragem de ser, que vê sempre o melhor de mim em tudo, que me encoraja a ser o que conseguiria ser. Desculpa não acreditar tanto como tu. Desculpa fazer de conta que não te ouço porque tenho medo de perder o que já tenho. Mas ouço, meu amor. Ouço-te sempre e o meu coração concorda sempre contigo. Quando, um dia, me esquecer de dizer que gosto de ti, que te amo acima de tudo, que és o meu amor maior, por favor guarda estas palavras dentro de ti. Protege-as do mundo lá fora.


Fotografia Ties

Joana Diogo
A Joana escreve no O que vem à rede é peixe
Sigam-na no Facebook e no Instagram <3