sábado, 22 de agosto de 2015

Que foi esquisito, foi...

Agora que já passou algum tempo do chamado "pós-parto" é que me começo a lembrar de algumas coisas e a conseguir processá-las. Aconteceu tudo tão rápido e tão devagar que, apesar de estranho, na altura não dei muita importância. Afinal de contas, a sobrevivência dum bebé dependia de mim . 

Não sei se isto vos aconteceu. 

Nas primeiras noites, sonhava muito. Talvez por ter perdido o que se chama de sono profundo e de ter a cabeça a mil. Sonhava muito, mas de uma maneira tão leve que confundia as duas coisas. Achava que a Irene tinha adormecido na cama comigo e que estava a mamar. Sempre. Sentia exactamente como se os meus mamilos estivessem a ser usados por ela. Chegava a levantar-me e a acender a luz do despertador para ver se ela estava ali ou não.

Na altura em que ela andava a recusar a mama, "lembro-me" que o Frederico entrou no quarto e eu, a dormir, falei com ele e disse: "estou tão triste, a bebé não mama e agora?". 

Os gatos, que dormem sempre connosco, faziam de "Irene", o peso dela pela cama era esse. Eu achava sempre que tinha adormecido e que ela andava por ali a rebolar, que ia morrer (muito dramáticos os baby blues). Isto voltou a acontecer esta semana, por acaso.

Aconteceu-vos algo do género?  



Recomendo! Recomendo!

Mais um passeio em família. Pedi-vos dicas e foram óptimas! Graças a vocês a experiência da Irene foi completamente diferente: levámos cenouras cortadinhas para dar aos animais e ela adorou! Obrigada pela dica. Também foi importante terem dito que ela podia ir de sandálias porque com os outros sapatos fica com os pés muito suados e assim não tive dúvidas! E, assim, também fui eu de chinelos.

Óptimo ter-vos desse lado! Obrigada!

O passeio foi maravilhoso, impecável, calminho, bom.




Chegámos tranquilamente à quinta (com GPS e porque o pai ia a conduzir que eu tenho o sentido de orientação de um vasilhame). Lugar à porta? Check. Chegámos, tudo de graça, como sabem e um óptimo aspecto. Apesar de ser público, estava tudo muito bem tratado como se estivéssemos a entrar na quinta de alguém. Gostei. 

Vimos a árvore das chupetas, uma árvore que os pais usam e abusam dela como pretexto para as crianças lá deixarem as chuchas e ela parece gostar porque fica gira!


O meu marido publicou isto no instagram e disse "a árvore expositora de prémios do Bibi". E eu pus isto aqui em legendas, pequenino, para não chocar ninguém.


Havia imensos animais, todos os que a Irene mais gosta (se falarmos dos de quinta). Vimos os memés (ela dizia ovelha, mas o pai depois disse-lhe que era um memé e ela optou pelo caminho mais fácil, grrr), as cabras, a vaca, o cavalo, os burros, as galinhas e os galos, piriquitos, o porco, uma porca com os seus leitões bebés, os patos, o cão... 





A quinta tem a dimensão perfeita para se levar o seu tempo a ver cada coisa. Não é pequena, mas também não é grande. Dá tempo para sairem assim que acordarem da sesta e fazê-la com calma, sem birras. Connosco correu tudo bem. Mais do que bem. Ainda dei de mamar dentro duma casa reservada a funcionários com a avó a fazer ventinho, abanando o chapéu da Irene para cima de nós. Estava calor. 

O pai e o avó ficavam sempre um bocadinho mais para trás a conversar e a linha da frente era das meninas. Algo que me diz que é um pouco assim por todas as famílias. Adorei. Além de ser a família da Irene, também é minha família e estou a adorar sentir tudo isto. Todos juntos.

Aqui entre nós, também adorei ver de perto os animais. Acho que nunca tinha visto uma vaca tão de perto, toda ranhosa e porquinhos tão pequeninos.

Além de tudo isto ainda havia um café-quiosque muito agradável e "bem apetrechado" (como disse o meu sogro) logo no início da quinta onde aproveitamos para, no fim, repor as energias.




Só agora reparei que ainda não disse onde fomos! Que post mais parvo! Fomos à Quinta Pedagógica dos Olivais.  Muitas de vocês já devem conhecer, claro. Adorei! Só tenho pena que seja do outro lado da cidade.

Que outros sítios recomendam que vá com a Irene (que fez ontem 17 meses)? Já fomos ao Oceanário (cedo demais), à Quinta Pedagógica e ao Alegro de Alfragide.


Fofo (acho que é um fofo, não sei bem essas terminologias) - Castelos nas Nuvens

Tortilha - El Corte Inglês (Old El Paso)

Lacinho - Claire's 

Chapéu - Zara (mas já está todo sujo porque é o que anda perdido no carro)

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

A minha miúda não fala puto!!!

A Isabel tem 17 meses. A Isabel diz, agora, praticamente as mesmas palavras que dizia com 12.

  • mamã
  • papá
  • olá
  • já tá
  • bebé
  • ão, ão
  • nã, nã



  • Depois diz, mais recentemente:
  • tatá (avó)

Já disse outras palavras como "hello" (esta disse mesmo bem dito), "adeus", "tchau" e "vó", entre outras, mas foram atos isolados, não contam. Tudo o resto expressa por variações de "a", "ah", "ã", "ãã" e fala lá a língua dela.

Dificuldade de se comunicar comigo, um em dez. Faz gestos específicos e sei que quer ouvir o Panda e os Caricas, faz as galinhas, quer as "doidas", quer ir para a rua, bate na porta, quer comer (raro lol) faz o som, aponta, desenrasca-se, barafusta, diz não.

Dificuldade em perceber o que lhe digo, zero. Identifica todas as partes do corpo (engana-se najorelhas às vezes e nojoelhos, compreensivelmente), vai buscar tudo o que lhe peço, adora resolver problemas, gostar de ajudar, tem saídas maravilhosas. Esta semana disse-lhe "a mamã gosta muito, muito da Isabel. A Isabel gosta da mamã?" Sabem o que me respondeu? Nada. Deu-me um beijo nos lábios. Quão amoroso é isto?... Depois aprende palavras novas todos os dias, reage a coisas que aprendeu na véspera (tipo "espuma", bastou dizer-lhe ontem, que foi a correr para a casa de banho em modo histérica, percebendo que íamos tomar banho com espuma).

Fotografia CV Love

Tenho a certeza (quase absoluta) que aquele cérebro está em Banho Maria e que mais mês menos mês vai despejar o primeiro Canto dos Lusíadas. 

A minha questão é: quando? E não. Não estou (ainda) preocupada com o desenvolvimento dela. Está a demorar o tempo que é preciso. Mas... mas... eu tenho tantaaaaaaa curiosidade em ouvi-la! :)

Quando é que os vossos se começaram a desenvencilhar melhor? Se me dizem que eles já sabiam dizer 100 palavras com esta idade, mais vale não porem cá mais esses pézinhos (que, pelos vistos, cresceram com a gravidez ainda por cima, suas patudas)!
E não, Joana Gama, nem penses em comentar isto, que eu bem sei que a Irene é a maior gralha e está no extremo oposto da Isabel. :) Até "que chatice" já diz! OMG! Hahaha

Próxima paragem: Quinta Pedagógica dos Olivais

Hoje vamos com os avós à Quinta Pedagógica dos Olivais. Queria pedir-vos dicas de coisas que tenho mesmo de fazer com a Irene ou de lhe mostrar hoje ou truques para que a tarde corra ainda melhor. Depois, claro, fica prometido o meu relatório! 

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Mais uma...

Tenho partilhado convosco as minhas estupidezes. Esta acho que também é ... engraçadinha. Sai à dona. Aqui a menina, armada em hipster anda a tirar fotografias com uma máquina fotográfica analógica. Comprei a máquina numa viagem de família a Budapeste numa loja local por uns 6 euros, nunca lhe liguei muito. Agora que a minha máquina digital está a arranjar, não tenho outra hipótese. 





Primeira parvoíce: 

- A minha máquina digital é muito velha e aceitei um arranjo cujo valor é equivalente a actualmente comprar uma máquina duas vezes melhor na internet. 

Segunda parvoíce? 

- Raramente estou com a família do meu pai, estão todos espalhados por aí tipo doença venérea. Uns estão em França, outros em Pinhel, na Guarda, outros no Montijo (tudo muito longe). Eles vieram cá, estivemos todos juntos. Tirei imensas fotografias. 

- Fartei-me de tirar fotografias à Irene no Oceanário com a Avó e o Avô e o Pai que devem estar fabulosas. Maravilhosas. 

- Fui hoje ao parque e foi lá ter uma amiga minha com o marido e filho e também gostei muito de tirar tantas fotografias. Brutais, de certeza.

Se calhar não.

Quando cheguei a casa, olhei para a máquina e... o rolo tinha acabado. Pensei: "wow, que giro, mesmo quando cheguei a casa". Depois fiz a experiência de ver se dava para parecer que tirava fotografias mesmo já com o rolo acabado e... dá.

Há quantos dias ando eu feita parva a achar que estou a tirar fotografias?

QUE NERVOS!



PS - QUE COISA MAIS BIZARRA! Estava num site à procura de uma imagem de uma máquina fotográfica para publicar aqui, escrevi "analogic camera" e a primeira que me apareceu foi a "minha", a tal que comprei numa loja local de Budapeste!! Quais são as probabilidades?

A duas





 









As fotos são CV Love.


Também têm este superpoder?

Ando a dar o meu melhor para não andar sempre tão em cima da Irene quando vamos ao parque infantil. Ela tem direito à liberdade e se não souber o que é cair, também não sabe bem como estar em segurança. Claro que não a deixo fazer coisas muito "estúpidas", mas avalio o risco e o quanto ela está feliz por fazer algo sozinha, por eu confiar. 

Ora, isto tem resultado nuns bons tralhos! O mais estranho é que têm sido menos dolorosos do que quando eu andava em cima dela. Desta vez já caiu no chão de cimento (mas o rabo de cavalo amparou a batida da cabeça para trás), ja caiu de costas de um passarinho daqueles que têm uma mola no chão de pedrinhas, etc, etc. Calma Celininha (sogra), ela está bem. Tenho que a deixar aventurar-se! ;)

Está tão aventureira. Vamos sempre quase ao mesmo jardim desde que ela nasceu e é giro ver como mudam os interesses e a aptidões. Já tenta subir o escorrega pelo lado contrário e já quer descer sozinha! Algo que a Isabel já faz desde a segunda semana de vida, mas a Irene a nível deste tipo de coisas é mais prudente, vá! Ou tem uma mãe mais maricas!

Bom, o que tenho reparado e é nisto que quero falar-vos: vocês também têm o superpoder de os ver a cair em câmera lenta? Vejo tudo a acontecer tão devagar. Nunca na minha vida tive esta capacidade de ver as coisas a acontecer em câmera lenta. Que giro (e aflitivo, porque apesar de ser mais lento, não dá para fazer grande coisa a nãos er que estejamos em cima deles ou sempre a chateá-los com "cuidado, Zé Miguel!"). 

Acho mesmo que terá que ver com uma coisa animal (claro, visto que é o que somos ) e de caça. Quando estamos mesmo focados numa coisa, conseguimos percepcioná-la mais rápido e, portanto, mexe-se devagar. 

Temos todas isto, não temos? Ou vou tentar ganhar dinheiro com isto? ;)

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Toda a Verdade: o pé cresce na gravidez?

Era o que me diziam. Fui pesquisar, na altura, e há mesmo um estudo, publicado numa revista científica americana prestigiada, que o comprova. O pé pode aumentar em comprimento entre dois a 10 milímetros. Neguei-o com todas as minhas forças, não quis acreditar. "Como assim, o meu pé nr. 41, forma larga, ainda vai aumentar?!" "Mas aumenta e depois vai ao sítio, passados uns meses, como a barriga, não é?!" "Não?!" "E será que aumenta por cada gravidez?" 

Isto acontece porque o arco do pé (não sei se há por aí médicas podologistas com uma nomenclatura mais profissional) pode achatar.

Felizmente, pertenço às sortudas (30%) a quem o pé não cresceu. E, além disso, também nunca tive as pernas ou os pés inchados. Pronto, lá foi reposta alguma justiça. Já me bastou ter tido alcunhas e gozarem comigo na escola por causa do tamanho dos meus pés.


Vocês: aumentaram do vosso 36 para o 37 ou quê?



A Irene disse uma asneira!!

Claro que não "calhou". Não acordou a dizer aquele nome para a parte de cima do mastro do barco, mas numa utilização brejeira. Não acordou e disse "Olá, ca*****!". Confesso que, mesmo assim, seria engraçado durante uns 2 minutos. 

Isto nunca tinha acontecido, mas tinha de ser com aquela palavra! Estava na cozinha, já não me lembro do que estava a fazer, mas sei que disse "Pronto, 'tá bem, sendo assim... caguei!". 

E oiço a mini pessoa a dizer: "CA-GUEI!".

A minha reacção foi: "AHHHHHHHHHHHH!!!".

Ela: "AHHHHHHHH! CA-GUEI, CA-GUEI!".

Não dei valor depois, disse mais umas quantas vezes e já se esqueceu. Excepto quando contei esta história à avó e ela a seguir riu-se e voltou a imitar. 

Pronto. Acabou-se a linguagem livre cá em casa. Já andávamos a ter cuidado, claro, mas agora ainda pior!


Afinal arranjei coragem!

Tinha dito que não o conseguiria fazer tão cedo. Andei uns 15 meses à espera que ela ficasse com cabelo comprido para lhe fazer totós e rabos de cavalo. Adoro vê-la com o cabelo apanhado. Mas... vou ganhar coragem para lhe cortar o cabelo pelos ombros. Está com um tamanho muito estranho. Muito comprido atrás e curto à frente, parece este senhor. Vou tentar com que fique mais homogéneo. E além disso, pode ser que fique mais forte.

Agora, faço-lhe franja?

Confesso que não queria nada. Mas a verdade é que eu usei franja muitos anos e adoro ver as imagens, acho que ficava bem gira. E deve ser mais confortável, não sei. Ou será que transpira mais na testa? A minha mãe diz para fazer. A sogra também.

Ai... que nerbos! :)

Sim, eu sei. É cabelo, volta a crescer. Mas... mas...

E sítios em Lisboa que recomendem para lhe cortar o cabelo ou qualquer cabeleireiro corta? Alguns métodos infalíveis para eles não terem medo/ para se distraírem? Agradecida.


Oceanário: dicas.

Aproveitei-me de vocês. Pedi-vos dicas (aqui) para a nossa visita ao Oceanário e obrigada por toda a vossa ajuda. Temos uma avó cheia de vontade de passear com a neta e quase que não há nada que me deixe mais feliz que ter alguém a juntar a família toda e fazermos planos diferentes. Foi tudo muito rápido. Falou-se disso de manhã e à tarde lá decidimos ir. 

Acho que nunca tinhamos feito uma viagem tão longa de carro com a Irene (de Benfica ao Parque das Nações). Eu sei, é estranho. Chegamos lá, estacionámos no parque do Oceanário (que, segundo a senhora ao telefone, não tem nada que ver com o Oceanário, a não ser no nome), e fomos para lá. O avô e o pai puseram-se na fila enquanto a avó, a neta e eu andámos a passear. Mais tarde, claro, tarde demais, viemos a saber que havia uma fila prioritária. Ao menos, pensei eu, informei-me dos descontos ao telefone (mais uma actividade com preços... ahm.. surpreendentes).

Depois da fila, lá fomos para a exposição.  Estava muita gente. Muitos estrangeiros (Agosto, "dah"), muito barulho... Nem eu nem o pai da Irene gostamos muito de confusão. Isto, para não falar, de algumas zonas com MUITO calor. Era impossível deixar a Irene andar sozinha por ali, por causa das zonas escuras e porque, muito possivelmente, ninguém a iria ver. Não havia espaços livres no chão. O carrinho também não é uma hipótese que ela não gosta muito de andar presa. O pai tomou as rédeas da situação (e ainda bem por causa das minhas costas), o que me deixa sempre muito derretida porque adoro vê-los a interagir. Adoro. Não cresci com o meu pai muito presente (pais divorciados) e vê-los aos dois juntos derrete-me toda também por causa disso. 

A Irene adorou os pinguins (os kekés), até trouxe um deles para casa no fim (miminho dos avós), adorou a foca (que era uma lontra, mas decidimos não complicar), os peixes (esteve o Oceanário todo a mostrar como faz o peixe, quase que ficou com dois bíceps na boca de tanto a exercitar).

Antes de entrarmos ficamos a saber que a visita tinha umas duas horas. Duas horas mais a quase uma hora que estivemos lá fora à espera de entrar, fizemos as contas e dava birra. Vimos tudo muito rápido. Borrifamo-nos um bocadinho grande para os aquários mais pequenos e creio que ficamos quase mais tempo depois no café do que lá dentro. Acho que tivemos azar. Muita gente. Demasiada gente.

Se serviu para o que era? Claro. A Irene viu os kekés e as focas e estivemos todos juntos. 

Claro que, mais uma vez, à semelhança do Jardim Zoológico, o melhor de tudo, para a Irene, foi a água. 

Fotografias tirada pelo papá. 


Agora é a minha vez de partilhar coisas que aprendi com esta visita para facilitar as vossas: 

  • Comprem os bilhetes online, que assim não lidam com as filas e têm 10% de desconto;
  • Utilizem cartões de desconto como FNAC, ACP, Lisboa Viva, etc, que vale a pena;
  • Há uma fila prioritária do lado direito como quem vai da fonte;
  • Tentem adivinhar quando vai menos gente para estarem mais descansados;
  • Se o vosso filhote não for de carrinho, talvez considerar um sling para não ficarem com as costas num 8;
  • Não ir de saltos (estes sapatos, por acaso, não doem minimamente, daí ter ido com eles);
  • Não levar o bebé de saltos também;
  • As casas de banho que visitei eram uma tristeza, se forem cocós com isso, é melhor fazerem xixis em casa ou, então, tentarem por uma fralda a vocês também. 



Recomendo a visita com as dicas ali acima tidas em conta e tudo depende do dinheiro que tenham para este tipo de coisas. Acho que nos teríamos divertido muito muito na mesma se fossemos só "passear ali". 

Tirei mais fotografias mas foi com a analógica, depois mostro mais e melhor, digo eu. 
Aqui está o Keké fofinho de presente dos avós.


Próxima paragem (e estou muuuito entusiasmada): Quinta Pedagógica dos Olivais. Ideia da avó. :)

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Preciso da vossa experiência!

Meninas (e outros cuscos por aí), estamos a considerar ir logo à tarde ao Oceanário com a Irene (ela tem 16 meses), que dicas têm para nos dar? Vamos em família com um par de avós! 

Truques e dicas? Será que é cedo? Há filas? Bilhetes mais baratos algures? Coisas que não podemos deixar de ver? Vou traumatizá-la e nunca mais vai comer peixe?



domingo, 16 de agosto de 2015

Às mães com ciúmes do pai dos filhos

Recebemos este email de uma leitora:



"Olá Joanas!
 
Sou vossa seguidora assídua e gosto muito de vos ler, consigo reconhecer-me em muitos dos vossos posts. Também sou mãe de uma menina, a Maria Inês com 22 meses. Emigramos para Angola e deixei de trabalhar para tomar conta dela, era muito pequena e não havia berçários e sinceramente não confiava em ninguém para deixar a minha menina tão pequenina, coração de mãe sofre com estas coisas :) O tempo passou e agora já entrou para a creche e felizmente está tudo a correr bem.
Bom, estou a escrever-vos porque queria saber se vocês sentem o mesmo em relação à ligação de Pai e Filha. Passo a explicar. Todos já ouvimos dizer que "as meninas são mais ligadas aos pais", que "as meninas são sempre do papá" etc e sinceramente eu adoro que a minha filha tenha uma ligação forte com o pai, adoro vê-los brincar, adoro ver os olhos dela a brilhar quando o pai chega e a forma como se aninha nele para dormir. Mas às vezes custa-me que quando estamos os 3 eu seja "quase" esquecida porque a Maria Inês só tem olhos para o pai... não quer que eu a deite, é pai para tudo... e o meu coração tem dias que fica tão pequenino. Eu não queria fazer tudo sozinha, nem queria que tivesse só olhos para mim, apenas queria que quando estamos os 3 fosse mais equilibrado, porque quando estamos as duas sozinhas é meiga, brinca, conversa e quando o pai chega o mundo para. 
Será uma fase? Vocês também passam por isto? 
 
Beijinhos"

Nota introdutória: Tenho sempre um bocado receio de responder a estes emails que entram no domínio da Psicologia porque não tenho formação nessa área, mas vou responder-lhe com a minha opinião e com a minha experiência.


É normal sentir o coração pequenino, afinal de contas, passa o dia a cuidar da sua filha, a dar-lhe tudo, ela é a coisa mais importante da sua vida e gostaria que, de certa forma, ela tivesse olhos para si, quando estão os três juntos. Perfeitamente normal esse sentimento. Também já o tive uma vez, apesar de estar em condições totalmente diferente das suas, estando a Isabel na creche e passando o tempo de forma bastante equilibrada com o pai e com a mãe. Houve uma fase em que ela estava muito "papá", "papá", "papá" e eu, apesar de saber que ela me adorava, tive de engolir um bocadinho a seco quando ela queria saltar do meu colo para o dele.

Mas depois fiquei a pensar na sorte que tenho em ter uma filha que acalma também no colo do pai, durante a noite, que chama pelo pai, que quer brincar com o pai... que confia nele cegamente, tal como confia em mim. Somos uma equipa. Uma família. Eu sempre me lembro de ver no meu pai um ídolo, um amigo, um companheiro para a vida. É isso que eu quero também para a minha filha. 

Fiquei a pensar também na minha sorte, em que posso partilhar as tarefas com o pai e descansar mais um bocadinho (há crianças que só querem a mãe durante a noite, por exemplo, e aqui qualquer um dos dois é bem-vindo no quarto dela). Adoro que ela tenha esse laço, esse vínculo, essa cumplicidade tão fortes com o pai.

Mas acho que ter um bocadinho de ciúme é normal. Quem nunca ficou triste por não ter presenciado "a primeira vez" de algo no filho ou um momento especial? Ui! Quando a Isabel não quis vir ao meu colo na creche e quis ficar no colo da educadora! Fiquei piursa, naquele momento. Chorei no carro. Depois passou, porque vi que o que estava ali a acontecer era o melhor para ela. Que bom estar a criar esse vínculo forte com a educadora!

Se esse ciúme for exacerbado, já não. Não vamos ser substituídas, eles não vão deixar de nos amar. Se acharmos que esse ciúme, seja do pai, da avó, da educadora, já está a passar das marcas (uma coisa é amor, outra coisa é demasiada insegurança e posse), está na hora de desabafar com alguém ou pedir ajuda. Raiva e possessão desmesurada não é (só) amor. Acho eu.

Não fique triste. A sua filha ama-a e sabe bem que a mãe também a ama. Sabe que estará lá sempre que precisar de si. Sabe-o tão bem que nem sente necessidade de estar sempre a chamar por si. E sente a falta do pai quando ele não está que depois quer recuperar o tempo perdido. Desfrutem desse amor.

E, acredite, não está sozinha. Quer ver nos comentários a este post? :)





PS. Todos os dias recebemos emails. Não conseguimos responder a todos. Esperamos que compreendam. Já temos o blogue, já temos o Facebook, nem sempre dá para "apagar todos os fogos". Mas lemos tudo e agradecemo-vos o vosso apoio, a confiança em nós, as propostas, as sugestões. Obrigada!

E agora há férias das férias?!

É tudo muito bonito. Que é. Intenso. Apaixonante. Estar de férias com os nossos filhos, fugir à rotina, beijá-los muito, dar-lhes colo, fazê-los rir, vê-los crescer, vê-los vibrar com a água, vê-los mergulhar, sem medos, vê-los a delirar com a areia, fazerem amigos. Ir passear, correr com eles, correr atrás deles, vê-los explorar tudo, conhecer sítios novos, vê-los meterem-se com as pessoas, vê-los apaixonados por nós. Quererem-nos. Sempre. Para sempre.

Mas... é impressão minha ou ficamos muito cansados? Não marchavam bem umas férias das férias?

Fica a questão, de barriga cheia, claro! :)



Ela que nem se atreva!

Claro que temos imenso tempo para nos prepararmos para responder à pergunta "de onde vêm os bebés" (eu já decidi que vou dizer que vêm do Carrefour de Telheiras, acho que é mais fácil para todos), mas há outras perguntas que, quando ela as fizer (se é que as vai fazer), vou ficar de todas as cores, mais ou menos.

Ela que se atreva a fazer estas perguntas quando souber falar decentemente (e não à Jorge Jesus, como agora).



O pipi do pai é esquisito, não é?

- É filha, é um bocadinho esquisito. Os pipis das senhoras têm vergonha e estão escondidos. Os dos meninos têm a mania que são bons e ficam de fora. 

- Os pipis dos meninos estão a tentar imitar aqueles arranjos foleiros de guardanapos de tecido que parecem cisnes. Vá, agora vai lá lavar as janelas da sala.



Por que é que as mães das minhas amigas têm as mamas mais acima que as tuas?

- Porque elas são mais altas. Vá, agora vai lá brincar com as facas de cozinha.



Também quero as pernas cheias de pêlo como as tuas e as do pai, para parecer um animal, pode ser?

- Pode. 



Se temos de andar vestidos para não ver os pipis e pilinhas uns dos outros, por que é que o pai, no outro dia, à noite, estava a ver pilinhas e pipis na televisão?

- O pai não sabe onde deixou a pilinha dele e então estava a ver se alguém na televisão tinha encontrado por aí. Olha, queres dar uma surpresa ao pai? Vai buscar aquilo ali que diz lixívia, mete com cuidado num copo e diz para ele beber de penalty.



Se o cocó é comida e há gente a morrer à fome, por que é que não comem o cocó deles?

- Olha, estão-me a chamar! Tenho de ir!

- Mas só estamos cá as duas, mãe.

- Então vou buscar alguém que temos pouca gente para fazer uma festa. Queres uma festa? Uma com mais sucesso que o "Sol da Caparica"? A não ser o dia de Xutos e de Agir que esgotou? Vá.



Por que é que a mãe tem bigode?

- Para, quando está sol, não apanhar um escaldão no lábio de cima. Funciona como toldo.



Quem é aquela amiga do pai que foi com ele buscar-me à escola?

- ?????????????? Olha, vai ali buscar o telemóvel do teu pai só para a mãe ver uma coisa. É um jogo.



Tens a barriga grande, vou ter um irmão?

- É provável, pergunta à amiga do teu pai.



Sabem o que é ser mulher, não sabem? Acabei de inventar esta situação da "amiga" na minha cabeça e estou toda irritada sozinha e sem motivo hahahahah. 


As fotos mais giras das nossas férias

Com a avó. A minha foto preferida destas férias.





















Nas suas patetices.
(Os babete lindo é da Baby Bá.)

A provar a bela da bolacha americana.


Neste dia houve praia até ao pôr do sol. Maravilhoso!
Não podia faltar o que mais fizemos: comer, comer, comer.

Para quem não espreitou ainda, há aqui mais. E aqui. Ah! E no meu instagram, aqui.

Duas semanas que passaram a correr. Puff.

sábado, 15 de agosto de 2015

Isto aconteceu mesmo! Wtf...

Na altura nem me caiu bem a ficha porque estava cheia de sono, mas quanto mais penso nisso mais... incrédula fico!

A Irene tem feito só a sesta da tarde agora (que crescida), costuma dormir perto de três horas depois do meio-dia e eu aproveito para dormir um bocadinho também. Ontem, meia hora depois de me deitar, uma hora depois dela adormecer, ela acordou e não consegui voltar a adormecê-la. Eu estava podre. Não conseguia estar acordada. Com daquelas dores de cabeça de quem foi acordado a meio do sono pesado. Horrível. Pensei: "nunca fui dormir com ela acordada, é hoje, borrifei-me para tudo isto!". Claro que não usei a palavra borrifei na minha cabeça. Estou só a ser mais bem educada que vim a saber que o meu padrasto lê o meu blog (what?). Olá João! 

Bom, ela começava a chorar imenso sempre que eu saia da sala, mesmo explicando que a mãe ia fazer ó-ó. Pedi ao Frederico para vir connosco para o quarto em que me fingi de morta (como se já tivesse adormecido), até ela apanhar uma seca tão grande ao ponto de querer ela ir para a sala. 

"Mamãaaaa, Mamãaaaa"

"A Mamãaa está a dormir, filha"

"Mamãaaaa, Mamãaaaa"

E o que acontece?

A minha filhota, com o seu mini tronquinho nu, encostou as maminhas ao meu ombro e cabeça. A mãe está a dormir e, portanto, faltava-lhe a maminha para dormir melhor.  A minha filha quis dar-me de mamar. Duas vezes!

Pronto. Já estou a ficar toda comovida. 

Ela preocupou-se comigo e achou que podia ajudar. Que amor. 

Não é a minha mama, a minha já não está NADA assim ;)



Gasta-me as moedas todas!

Foi a loucura. Já tinha andado num carrossel lindo em Cascais, daqueles mesmo clássicos, de cavalinhos. Mas eu ia ao lado e não tinha, a acompanhar, as músicas dos Caricas, que ela venera. Este era daqueles todos chibantes (expressão que a minha mãe usa e que deve ser de Moçambique), cheio de luzes e música bem alta e deixámo-la ir sozinha.
Adorou! Até os olhos brilhavam. A mão acenava entusiasticamente e ouvimos-lhe uns gritinhos eufóricos.

No segundo dia que por ali pássamos, ia eu sozinha com ela, e não consegui evitar. Assim que viu o carrossel começou a esbracejar, possuída e feliz, a dançar com os seus movimentos de breakdance que põem toda a gente à volta a rir. Tenho de conseguir filmar!!! Lá foi dar uma voltinha. À conta da voltinha demorou muito mais do que o habitual a adormecer, que aquilo é super estimulante.

No terceiro dia, consegui negar e já estava à espera de uma birra, mas não. Pacífico.

No quarto dia, para a despedida, já levava a máquina preparada para captar aquele sorriso lindo e aqueles olhões bem abertos. Ao som do "Panda Style" lá ia ela a carregar no botão e a manejar o volante.

E pronto, numa semana. Três vezes. Gastou-me as moedas todas.








O que fizemos num dia de vento

Ficar em casa estava fora de questão. A Isabel não gosta de estar fechada. Está sempre a caminho da porta da rua e a calçar-se e a meter a mala dos brinquedos da praia nas costas. A tentar, pelo menos.

Resolvemos ir conhecer o centro histórico de Tavira, entrámos numas lojinhas e almoçámos por lá. No meio da ponte a Isabel começou a dançar ao seu estilo. Acho que na sequência de fotos conseguem perceber!











A dançar!











A dançar no meio da rua. Tão bom!

Numa mercearia maravilhosa, onde comprámos flor de sal.