quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Viemos passear, apesar do ranho e da tosse!



Estivemos até à última de segunda a pensar se valeria a pena correr o risco de tirar as miúdas de casa. Mas a nossa vontade de passear com elas, longe da roupa por lavar e da louça a empilhar, de estar com elas e só para elas, foi mais forte. O ranho e a tosse continuam, mas quem nos garante que não teriam também em casa? Viemos. Ainda bem. Está a ser maravilhoso! (E por acaso até acho que reduziram, já que dormiram ambas a noite inteira – finalmente, que descanso!)

Já sabem que eu sou das que dava um dedinho para andar sempre a passear, a conhecer sítios novos e a dormir em hotéis: sim, tenho uma pancadinha por hotéis. Quem diz hotéis, diz pousadas, quem diz pousadas diz caravanas, quem diz caravanas NÃO diz tendas. Já dei para esse peditório. (Mentira, hei-de fazê-lo mais algumas vezes, mas só porque acho que as minhas filhas vão adorar). Gosto mesmo é de uma caminha confortável, lençóis branquinhos macios. Das primeiras coisas que faço quando chego a um hotel é ir experimentar a cama. Depois ver a vista. E depois a banheira, para me imaginar logo a tomar um banhinho com espuma. (Sim, é pouco ecológico, mas uma vez não são vezes). 

Viemos até Coimbra e ficámos no Vila Galé,  porque ficámos bem impressionados com o de Évora, porque tem piscina interior e é bem localizado. Gostámos muito de termos ficado numa suite júnior com porta de correr a separar quartos, para podermos ver filmes enquanto as miúdas dormiam. Vimos meio filme em cada noite, um balanço positivo para o normal (zzzzzzz). Experimentámos o restaurante (alambazei-me com um risotto divinal de camarão) e gostei particularmente do facto do menu para criança não ter aquele ar de comida de plástico que se vê por aí (ainda me hão de explicar esse fenómeno)... Tinha verdes e a comida era saborosa! A sopa então devia estar supimpa porque a Isabel (pisca e ligeiramente anti-sopa) comeu até à última gota. Usei a palavra supimpa? Usei. Ah! Joana Gama, isto sim é um adjectivo. (Para perceberem melhor esta boca, leiam o que a engraçadinha andou a escrever aqui a gozar comigo). 

Em Coimbra, o primeiro sítio a que fomos foi à Universidade, ver as vistas e visitar a biblioteca joanina (maravilhosa). O resto, conto-vos amanhã, onde vos darei 3 dicas para quando visitarem esta cidade linda! E mostrar mais fotos aqui das miúdas giras.




















Coisinhas que podem ter achado giras:
O meu casaco - Joana Tomaz

Gorro da Isabel - Baby Bonnet
Sapatos e Botas Isabel - Trutué 
Carrinho Luísa - BébéConfort
:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

O pai é que sabe!

Se me perguntassem que tipo de fotografias andaria a tirar numa segunda à noite, nunca vos diria que seria a uma frigideira com dois olhos de codorniz. Porém, foi dos momentos mais giros do "fim-de-semana natalício". Como a Irene me rouba sempre ovo do pequeno almoço e brinca imenso com um ovo que lhe ofereci, o pai lembrou-se de mandar vir ovos de codorniz (ovos bem pequeninos) nas compras para a Irene se passar com os ovos bebés. E aconteceu. Adorou. 

Ficaram os "ovos do continente" porque a miúda é ratolas e sabia que só para o ano conseguiria dizer "condorniz" (nem eu consigo) e adorou. 

 
Pusemos uns implantes no pinguim e ficou a pinguim mamã. Até porque realmente é mais ou menos assim que a mamã tem as tetas. 


 
Sim, têm azeite demais. O pai é generoso na questão das gorduras, mas eu não ia estragar o momento com esse pormenor :)

:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

Já vomito de tanta betalhada...

Já vos contei como foi o dia 24 aqui. No dia 25 fomos à casa da minha mãe, do João e do tio Pedro. Havia milhares de prendas para a Irene e ela deixou bem claro que as preferidas foram um estojo de maquilhagem (até porque me tinha pedido para a pintar quando saímos de casa) e uma caixa gigante de Lego (era só a caixa vazia - brincadeira). 

Abetalhei-a toda (a minha mãe gosta de coisas pipis) e tínhamos as duas roupas a combinar e lá fomos. Só quando fui gozada por uma leitora no instagram a dizer qualquer coisa como "ai que bem... nunca pensei" é que reparei na betalhada inerente. Até a própria Joana disse que nem a Isabel estava assim. Pronto. Aí quis ter um revólver à mão e rebentar com a mioleira porque até dentro de casa a mulher põe uma touca à bebé (pff, how beta can you go!).  Quando põem toucas às bebés, penso sempre que terão uma doença qualquer contagiosa. Parecem hospedeiras pequeninas. Depois admira-se que a Isabel tenha começado a falar mais tarde que a Irene, não conseguia ouvir nada com tanta touca, tanta mantinha para a cabeça... (vamos ignorar que a Irene ainda hoje precisa de ajuda para subir escadas, Joana, vá!). 

Bom. Se calhar já não posso dizer estas coisas. Abetalhei mais do que a Joana. É certo que ia passar o 25 a Oeiras, mas não precisava de exagerar. Vá lá que a miúda a meio do Natal tirou as carneiras e equilibrou um pouco as coisas. 

Se não fosse o meu ar evidente de quem nasceu na Damaia de Baixo em 1986, vocês poderiam pensar que este era um post da outra Joana. Ai não, esperem, deixem-me só escrever qualquer coisa amorosa e lamechas e com adjectivos caros (gente que vai para escolas finas é assim): 

A minha filha. Tão pequena e tão minha. Gigante no meu coração, pequena no universo. Que grandes aventuras te reservará este planeta, minha princesa flor. Te guardarei sempre junto ao meu peito onde o meu calor te apoiará nesta caminhada que é a vida, que é o sol do amor de flores e terrinas de Vista Alegre. Inexoravelmente (faltava o adjectivo). Tu. E eu. Santarém é vida. 

Joana Gama, resolvi vir aqui só dizer-te que inexoravelmente é um advérbio de modo. Não tens de agradecer. E sim, fizeste-me rir. Muito. Parvalhona. JPB










Coisinhas que podem ter achado giras:
Camisola ou túnica (vi no post da Joana que talvez fosse isso): Laçarote - Sweet Collection

Gancho (Joana, queres ajudar aqui? Se calhar depois de leres isto não queres haha) 

Ajudo, sim, mesmo que não mereças. 
Laço - Mademoiselle's Bow
:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este

Os putos estão a dormir? Ainda não fizeram tudo na sanita? Então leiam mais isto: 

- "O nosso Natal é com pais separados juntos" - o Natal da Joana Paixão Brás



segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

O nosso Natal é com pais separados juntos

Tenho um enorme orgulho nos meus pais. Nos meus tios. Na minha família. O nosso Natal é com pais separados. Os meus pais juntam-se sempre por estas alturas (tios idem), mesmo que separados, por saberem o quão importante isso é para nós. Para os filhos, para os netos. Para todos. Descomplicar. Amar. Simples assim...
{obrigada}



Foi o avô quem lhe cortou a franja e eu tive arritmias ;)



Nenhuma criança ficou magoada no decorrer desta sessão :)













A avó Rosel a dar-lhe arroz doce como se fosse sopa (fechei os olhos para não ter um colapso)

A rir a sério porque a minha mãe estava a fazer-se de emplastro







Coisinhas que podem ter achado giras:
Túnica e fofo miúdas giras - Laçarote - Sweet Collection
Merceditas Victoria -  Pegada Doce

:::::::::::::::
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

Quando é que me esqueci de que ela é pequenina?

Não sei se foi por estar cansada, com o desafio de estar pela primeira vez tantos dias sozinha com as duas, ainda por cima adoentadas e mais carentes (falei sobre isso aqui). Não sei se foi da quadra natalícia, que mexe muito comigo e me deixa um bocadinho triste (falei sobre isso aqui). 

Dei comigo à procura de uma resposta que me fizesse sofrer um bocadinho menos e que me fizesse voltar a olhar para a Isabel com o respeito que lhe tinha quando ela era bebé. Dei comigo a perceber que a ando a tratar com demasiada rigidez e autoridade (não confundir com coerência e disciplina, porque isso acho que é preciso), com brutidade, até, como se ela fosse um adulto a precisar de um abanão e de um puxão de orelhas (e eu acho que nem os adultos devem ser tratados assim...). Dei comigo a ter a certeza de que estou a exigir demasiado dela, a mandá-la calar, a pedir-lhe que pare de fazer birra, vezes sem conta.  

Eu não estou a ser a mãe que quero ser. Nem a mãe que ela precisa que eu seja.  

E, para que possa afastar a culpa de mim, e com ela levar a mágoa e a tristeza de não estar a ser quem quero ser, nem a construir a relação que quero com a minha filha, tive de fazer alguma introspecção e procurei fotografias dela quando ela era bebé. Tentei perceber onde e quando deixei de vê-la como uma bebé e passei a vê-la como alguém que tem perfeita noção do que está a fazer. Quando comecei a vê-la como manipuladora. Quando comecei a gritar com ela, a achá-la chata e até a ter raiva dela (ou de comportamentos dela).

Não tenho ainda respostas para tudo, mas fez-me bem chorar, descomprimir e voltar a apaixonar-me pela minha filha. Andava numa fase de algum desencanto, mesmo que com o coração a transbordar de amor e a ficar surpreendida com a inteligência e sentido de humor dela (o injusto que isto é, quando ela, mesmo com a minha gritaria, me adora a todos os instantes e me desculpa na hora).

Talvez tenha sido quando se começou a expressar melhor, a falar melhor. Talvez tenha sido quando começou a franzir o sobrolho e a dizer frases completas e bem estruturadas, a queixar-se, a zangar-se. Quando começou a fazer birras a sério, a bater e a dizer que não quer, que não gosta. Ela reproduz tudo o que vê, é muito autónoma e está naquela fase em que quer fazer tudo sozinha e diz mil vezes que é crescida e isso fez-me vê-la como alguém realmente muito desenvolvido e crescido. 

Ela nem três anos tem. É a minha bebé, a minha filhota. Está a processar tudo a mil à hora, não tem o cérebro desenvolvido o suficiente para conseguir articular a frustração. Está a conhecer os limites, a testá-los. Ela não nos quer mal, não nos quer chatear. Ela é uma querida. E eu amo aquelas pestanas, aquela gargalhada, aqueles olhinhos de bambi ternurentos. E, no fundo, aquela teimosia ainda lhe vai dar muito jeito no futuro. Espero que saiba valer a sua vontade, debater e argumentar, pela vida fora. Acaba por ser esse o treino agora. 

Via-a tão pequenina naquelas fotografias e no meu colo e vejo-a agora, tão desafiante e tão minha. Quero-a assim, aceito-a assim. E quero ajudar a fazer dela uma miúda e uma mulher segura, carinhosa, feliz.




(Isabel com 6-8meses) <3

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 25 de dezembro de 2016

Está de volta! Está de volta!

Tão bom o Natal voltar a ser entusiasmante. Lembro-me perfeitamente quando o Natal passou a ser uma coisa mais séria e sem magia. Eu já tinha crescido e já nem me ficava bem perguntar quando é que era para abrir as prendas. Continuava a jantar na mesa à parte com a minha prima e irmão (não cabíamos todos na grande - e ainda bem que assim podíamos falar do que nos apetecesse), mas já era diferente. Já era expectável que desse uma ajuda na cozinha e que não estivesse apenas a "fazer tempo" até receber qualquer coisa que tinha andado a pedir durante meses. 

Não é que tenha deixado de ser giro, mas foi quando o meu irmão cresceu que deixou de ter tanta graça. Já não acreditava que eu era o Pai Natal e, por isso, já nem desculpa para me mascarar tinha. Geralmente dizíamos que a "mana ia para a casa do pai" e lá aparecia vestida de pai Natal com uma barba improvisada por mim e cheia de algodão, o gorro puxado o máximo até baixo possível e umas calças de fato de treino vermelhas e uma camisola também. Tentava não ir muito além de um "Oh Oh Oh" porque tinha medo que ele me descobrisse. Achou estranho que o Pai Natal tivesse um swatch parecido com o da irmã, mas acho que nesse dia até passou. 

A abertura das prendas era às 22h, se não estou em erro. Pareceu que todos os Natais foram acontecendo mais rápido e mais rápido (mas nem por isso pelos melhores motivos, não sei). As minhas prendas, em princípio, até já sabia quais eram porque teria sido eu a escolhê-las ou algo do género. Já não havia surpresas. Um pijama para aquele, umas camisolas da Ericeira para o mano, livros de história para o padrasto, coisas de mulher para a mãe e para a prima, serviço de loiça para a tia...

Irene em frente à árvore de Natal
Juro que não pedi para fazer pose de "tenho xixi".


Agora, o Natal voltou. Ainda estamos em modo part-time. Não achei que fizesse sentido fazer jantar e esperar até à meia noite pelas prendas com uma miúda de 3 anos com uma família tão pequena e, então, no dia 24 (ontem, quando estou a escrever este texto) fizemos um lanchinho cá em casa com os sogros. À última da hora indaguei onde estaria o meu pai, madrasta e o irmão Tiago e convidei-os a passarem por cá. Ainda bem. Ficou um 24 muito mais composto e fiquei com o coração muito mais cheio, como antigamente. Falou-se alto, riu-se muito, deram-se prendas, houve surpresas, comida a mais, música de Natal a tocar, foi mágico. Por mim, fechava já a loja, mas sei que hoje, 25, no lanche em casa da minha mãe, a história vai repetir-se e é um privilégio ter dois Natais com tanta magia.

Há "males que vêm por bem" e já nem me lembro do mal que levou a que houvesse tanta família para a Irene conhecer e que me trouxe duas das minhas pessoas preferidas: o João (meu padrasto) e a Bibi (minha madrasta). 

Natal em família
Pai, Bibi, Tiago, Frederico, Celina, Virgílio e Irene. 

Coisinhas que podem ter achado giras: 

Vestido da Irene - Boboli 
Lacinho - Lost Colours
:::::::::::::::

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

O que me deixa triste no Natal.

Eu sou das que sente uma dualidade enorme de sensações nesta quadra.

Adoro a ideia de ter a família à mesa reunida a comer coisinhas boas e a dizer disparates, a discutir e a vociferar, quando os ânimos aquecem (sim, somos tipo família italiana).

Fico triste com o facto de já não estarem cá pessoas de quem eu gostava muito e que tanta falta nos fazem.

Adoro os enfeites, as luzinhas, os cânticos, as canções pirosas e as menos pirosas.

Fico cansada pelos que têm de fazer uma ginástica mental enorme para resolver como se distribuem pelas famílias, pais separados, sogros separados, famílias afastadas e decisões que vão melindrar sempre alguém.

Adoro o espírito de união, de entreajuda, o facto de nos preocuparmos uns com os outros, de pensarmos em formas de surpreender, mesmo que com coisas simples, quem mais gostamos e por aí fora.

Fico chateada com o consumismo desenfreado, com a loucura das compras.

Adoro olhar para o ar surpreendido da Isabel, que já vive esta quadra toda entusiasmada e a cantar a música do pinheirinho vezes sem conta (aqui). Diz todos os dias: "Feliz Natal".

Fico sem chão quando penso em todas as crianças que não têm família, em todas as pessoas que estão numa cama sozinhas, em todos os que passam o Natal no meio de hospitais.

Adoro o presépio e tudo o que ele representa.

Fico nostálgica e cheia de saudades da magia que o Natal tinha para mim em criança, de ir apanhar musgo em Montejunto para o presépio; de acreditar no Pai Natal, apesar de achar estranho o facto de ele conseguir subir até ao 6º andar numa corda; de acordar dia 25 de manhã e ir ver o presente que ele nos tinha deixado; de dançar com o meu tio Jorge, sempre tão animado (que saudades do meu tio (!), que dizia que eu era a sobrinha preferida dele - a única); de ir ao cinema com os meus pais e irmão no dia 25.

Ai Natal, Natal... és tão bonito mas tão difícil de gerir dentro de mim.






Fotografias  I Heart You Photography

Da entrevista (aqui) que dei ao Save the Date


Se ainda tiverem um tempinho, podem ler estes textos:
:::::::::::::::::::::::::::::::::::
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.